Além do tríplex, Lula tem outros apartamentos, que estão em nome de “laranjas”

Reprodução da revista IstoÉ

Pedro Marcondes de Moura
Isto É

Na sexta-feira 26, a Polícia Federal indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ex-primeira-dama Marisa Letícia pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica no caso do tríplex. Eles estão mais próximos de se tornarem réus na Justiça. E, em breve, devem enfrentar outro problema. Ao aprofundarem as investigações contra o casal, a força-tarefa da Operação Lava Jato e o Ministério Público de São Paulo se depararam com novas suspeitas. Arquivos apreendidos em um disco rígido na sede da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), obtidos por IstoÉ, trazem à tona novos segredos do clã Lula. Ao contrário do que se imaginava, eles possuem dois e não apenas um imóvel construído pela entidade.

Até agora, promotores e procuradores sabiam apenas que a ex-primeira-dama Marisa Letícia era dona do apartamento no Guarujá. Surpreenderam-se com o relatório de clientes da Bancoop, de 13 de janeiro de 2015, que mostra a existência do outro imóvel. Desta vez, em nome do ex-presidente Lula. Ou seja, na prática o casal tem dois imóveis da Bancoop.

Na relação, o petista aparece ligado ao número de matricula 7.334 e o endereço residencial indicado no cadastro é diferente do informado pela ex-primeira-dama. Trata-se da rua Pouso Alegre, na capital paulista. É lá que fica o instituto que leva o nome do ex-presidente.

SOB SIGILO – As investigações sobre o imóvel do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são tratadas reservadamente por procuradores da força-tarefa da Lava Jato e por promotores paulistas. Pela ordem da numeração da matrícula “7.334”, eles desconfiam que o ex-presidente tenha se associado no primeiro semestre de 1998, anos antes da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Agora, com base no relatório da busca e apreensão na sede da entidade, os investigadores pretendem ir atrás de novas provas sobre o misterioso apartamento.

Querem saber a qual dos empreendimentos da cooperativa, ligada ao PT, a matrícula em nome do ex-presidente está atrelada. Esclarecer se Lula declarou a propriedade e se teria ou não pago as parcelas.

Procurado, o Instituto Lula não comentou os questionamentos sobre a matrícula em nome do ex-presidente.

MUITOS LESADOS – Autoridades desconfiam que o petista pode ter sido privilegiado pela Bancoop. Depoimentos e documentos em poder do Ministério Público atestam que Lula e aliados receberam um tratamento vip da cooperativa e da OAS. Em 2009, a Bancoop lesou sete mil famílias e transferiu empreendimentos para a empreiteira envolvida no Petrolão. Entre eles, o prédio do tríplex reformado pela OAS para atender às exigências da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

As suspeitas sobre o novo imóvel do ex-presidente integram a operação Alcatéia do Ministério Público de São Paulo. A investigação é um desdobramento do caso em que Lula chegou a ter a prisão pedida pela ocultação do tríplex. O nome foi escolhido pelos promotores pela semelhança entre a cadeia hierárquica existente entre os investigados e a adotada pelos lobos. Nos dois casos, existe um líder central que indica o papel e garante a sobrevivência do resto do bando. Para o MP, o comandante é o ex-presidente Lula.

ROSEMARY, TAMBÉM – Pessoas ligadas a ele, segundo as apurações, teriam recebido apartamentos da Bancoop sem desembolsar um centavo. Uma delas seria Rosemary Noronha, amiga e ex-secretária de Lula. Procurada pelo MP, ela não conseguiu comprovar o pagamento de um duplex de 150 metros quadrados com piscina exclusiva, na capital paulista.

O imóvel, avaliado em R$ 1,5 milhão, foi transferido para a filha Mirelle, que também não apresentou comprovantes de pagamento. À IstoÉ, Rosemary Noronha disse que não recebeu “nenhum apartamento” e que forneceu “documentação que comprova a quitação.” Segundo as autoridades, ela realmente apresentou. Mas de outro apartamento que adquiriu junto à cooperativa dos bancários.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, é outro suspeito. Ele também não conseguiu demonstrar aos promotores ter pago à Bancoop por um apartamento registrado em seu nome no condomínio Altos do Butantã.

NENHUM BOLETO – Deu apenas uma explicação estranha de que comprou a unidade na capital paulista com a da soma de valores de cotas de outros dois apartamentos. Vagner, no entanto, não apresentou sequer um boleto ou comprovante bancário. Uma situação parecida com a da entidade dirigida por ele. A CUT foi incapaz de demonstrar ao Ministério Público como adquiriu quatro unidades. Duas delas têm três quartos e estão avaliadas em aproximadamente R$ 400 mil cada.

No caso do tríplex, após decisão da Justiça paulista, ficaram concentradas com a força-tarefa da Operação Lava Jato as investigações sobre a ocultação do imóvel no Guarujá pela família do ex-presidente Lula. Uma leva de documentos reforça que os familiares do ex-presidente eram, sim, os verdadeiros donos do imóvel.

EXIGÊNCIAS DE MARISA -Em um depoimento, obtido com exclusividade em março por IstoÉ, o corretor Temoteo Mariano narrou como o Mar Cantábrico – renomeado Solaris – foi alterado pela Bancoop para se ajustar às exigências de Lula e da ex-primeira-dama.

Responsável pela compra do terreno onde foram erguidas as duas torres do empreendimento, Temoteo contou ter sido “o primeiro a comprar um imóvel naquele empreendimento”. Adquiriu um apartamento de frente para o mar no 10º andar da torre hoje chamada Salinas. Mas desfez o negócio após a Bancoop modificar a localização dos quatro apartamentos de cada pavimento para beneficiar o líder petista.

“Desde o início do empreendimento Mar Cantábrico já havia a prévia solicitação do ex-presidente por uma cobertura. Ocorre que as unidades defronte para a praia estavam vendidas.”, diz.

PROJETO ALTERADO – Com a ajuda de Ricardo Berzoini, foi modificada “a numeração dos apartamentos constantes do projeto original, ou seja, quem comprou as unidades finais 1 e 2 passou a ter a vista traseira e quem comprou as unidades finais 3 e 4, passou a ter a vista frontal para a praia.” O tríplex que pertenceria a Lula é o 164A.

Outro documento apreendido pela PF vincula ainda mais a família Lula ao tríplex. Trata-se de uma proposta de adesão firmada pela ex-primeira-dama Marisa Letícia com a cooperativa dos bancários, em abril de 2005, para aquisição de uma unidade no empreendimento no Guarujá. O documento está visivelmente rasurado. Em primeiro plano, lê-se 141 como o apartamento em que a família Lula investiu. Só que é possível ver que a inserção do número ocorreu em cima de outro: o 174. Era esta a identificação da cobertura que a família Lula nega ser dona. O apartamento foi renumerado depois para 164 por mudanças na planta. Há ainda outro rabisco no papel que tenta esconder a palavra tríplex. E tão misterioso quanto o apartamento do Guarujá é o novo imóvel de Lula.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGNão há tanto mistério assim. O segundo apartamento ficou reservado a Lula para abrigar os seguranças no prédio do tríplex. E ex-presidente tem mais dois imóveis ocultos, em São Bernardo do Campo, no edifício onde mora. Um deles é a cobertura ao lado, que oficialmente pertenceria ao um primo de Bumlai, que vai acabar indiciado como laranja. A parede foi até derrubada para unir as duas coberturas, conforme a Polícia Federal já constatou. E no mesmo prédio, há o terceiro apartamento, onde ficam os motoristas e seguranças que servem a Lula, pagos pela Presidência da República. (C.N.)

12 thoughts on “Além do tríplex, Lula tem outros apartamentos, que estão em nome de “laranjas”

  1. Se pensam que o Brasil vai conseguir ultrapassar esta crise de apodrecimento político-social que nos assola, esqueçam.
    Pelas mãos destes políticos que nos últimos 13 anos formaram a base do lula e por consequência também participaram da farra petistas, não haverá qualquer desejo de acabar com a vagabundagem.
    A nossa tal “democracia”, jogou o pais nesta cloaca imunda, onde agora fazem malabarismos
    para não morrerem afogados nos excrementos.
    O roubo do dinheiro público, deveria ser considerado o crime mais hediondo do código penal, comparável a crimes de traição a pátria em tempos de guerra.
    Mas isto é apenas um devaneio, nunca sera classificado nem como grave, sabem porque?
    Porque só tem chance de meter a mão no erário,
    quem for do meio político e como são eles que fazem as leis, vai tudo continuar como esta.
    Na Roma antiga, na época da república, em situações como a atual brasileira, costumavam
    nomear um “ditador”, com poderes totais e tempo determinado, para debelar a crise.
    Já que copiamos tudo de todos, imagino que para sairmos dessa situação atual, o remédio terá que ser bem mais forte que a substituição da presidente pelo vice.
    A vaca esta caminhando rapidamente para o brejo, seria bom que o Lewandowski usasse o poder de polícia que diz ter e desse voz de prisão aos senadores do PT, que tentam avacalhar com a seção do senado.

        • Sr. Paulo, todos são bandidos, inclusive aquele que usa ternos bem cortados igual ao Senhor.
          A propósito, por falar em bandidos, vai ser uma festa para as Lojas em Milão.
          E economia da região será bem aquecida com a venda de bolsas, malas, malinhas e maletas,
          Louis Vuitton que o diga,
          Agora que o Passaporte da Moça dos Olhos Esbulhados pelo Bótox está Liberado…….

          eh1eh!eh
          Sorry.!!!!
          Sr. Paulo , Já lhe avisei zilhões de vezes……..

  2. Obrigada, Newton.
    Li um outro sinônimo em comentário bem lá atrás que achei muito engraçado. Eram duas palavras. Mas já não me lembro.

    Amanhã será um senhor dia. Todos em frente à TV.

    É segunda, não é?

    O único jornal que traz o dia da semana é o JB online. Todos os jornais deveriam trazer.

    Quando quero tirar a dúvida, vou até o JB.

    Abraço, Newton, obrigada. Que Deus esteja conosco. Dr. Béja fala que se deveria chamar a Força Nacional. Tomara não seja preciso. Tenho muito medo disso.

    Abç
    Ofelia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *