Alguém precisa dizer aos políticos: “É a economia, estúpidos!”

Carlos Newton

A situação do país está cada vez pior, mas os políticos e as autoridades dos três Poderes se comportam como se estivessem na Ilha da Fantasia ou na Terra do Nunca Jamais. Não há empenho em buscar alternativas para vencer a crise, é como se tudo fosse se resolver naturalmente, talvez por osmose, como se dizia antigamente. A omissão e a inércia são impressionantes, como se houvesse possibilidade de retomar o desenvolvimento do país mediante a teoria do laisser-faire, a versão mais pura e simplificada do capitalismo, em que o mercado deve funcionar livremente, sem interferência, apenas com regulamentos suficientes para proteger os direitos de propriedade. Bem, sonhar ainda não é proibido.

Mas é justamente isso que está acontecendo. A única e exclusiva preocupação do governo atual é se manter no poder, a qualquer preço. Não tem nenhum programa administrativo, não planeja minimamente a gestão, nada, nada. Dedica-se apenas a tramar incessantemente para evitar o impeachment ou a cassação pela Justiça Federal. Para tanto, vale qualquer acordo, não há a menor preocupação com a ética.

O presidente do Senado segue na mesma levada. Conseguiu eleger o filho para governar Alagoas, transformou o estado num feudo, agora somente se empenha em atender ao governo federal, na esperança de que o inquérito sobre seu envolvimento do esquema da Petrobras caminhe devagar, devagarinho, no ritmo do genial Martinho da Vila.

Na Câmara, seu presidente tentou agir com independência e enfrentar o governo, mas se deu mal. A resposta foi um inquérito que caminha em velocidade supersônica, coisa jamais vista na política. Nas contas dele, pela 15ª sexta-feira seguida a Procuradoria-Geral da República municia a imprensa com denúncias contra ele, a mulher e a filha

. Sua imagem está destruída, mesmo assim ele sonha em manter não somente o mandato, mas também o cargo de presidente da Câmara.

E no Supremo, está tudo dominado, como se diz atualmente. O presidente do tribunal é da inteira confiança dos governantes, já demonstrou ser especialista em reativar recursos infringentes extintos e em aceitar a existência de quadrilhas que funcionam sem chefes, a boa vontade é total.

A ECONOMIA DERRETE…

Enquanto os políticos e as autoridades criam este mundo à parte, uma espécie de “Meu Brasil Brasileiro” particular, a economia nacional mergulha numa fase crítica. Todos os Estados entraram em recessão, exceto o Pará, que este ano conseguirá uma façanha – a estagnação. Os indicadores são sinistros, os empresários meteram o pé no freio, até as multinacionais decidiram reduzir seus quadros, agravando o desemprego. A arrecadação despenca, consequentemente não há recursos para investimentos, o governo não admite nem discutir cortes nas despesas de custeio, a dívida pública aumenta incessantemente, caminha-se para um impasse e para a bancarrota.

Em 1992, na campanha presidencial dos EUA, o consultor James Carville, então assessor da campanha de Bill Clinton, criou a frase “É a economia, estúpido!”. O candidato favorito era o presidente republicano Gorge Bus pai, que acabara de triunfar na Guerra do Golfo. Mas o consultor Carville percebeu que os eleitores estavam mais preocupados com a crise econômica do que com a investida contra o Iraque de Saddam Russein. E Clinton venceu.

UMA SUGESTÃO

Não estamos em ano eleitoral, mas alguém precisa imediatamente ocupar a Praça dos Três Poderes, em Brasília, e instalar placas gigantescas que possam ser vista de todos os lados, com a frase “É a economia, estúpidos!”.

Talvez assim os políticos e as autoridades despertassem desse sonho imbecil e resolvessem agir para solucionar a crise nacional. Mas isso parece irreal, porque eles não querem acordar para encarar a realidade.

13 thoughts on “Alguém precisa dizer aos políticos: “É a economia, estúpidos!”

  1. Bom artigo CN, mas o problema aqui em nosso Torrão Pátrio é que o povaréu já se acostumou com dificuldade de Economia, está feliz com as migalhas do Bolsa Família e acredita que ela vai ser eterna, logo, não vão prestar atenção na frase do assessor de Clinton.

  2. Muito bom artigo de nosso Editor/Moderador Sr. CARLOS NEWTON e Comentário do Prof. Sr. ANTONIO ROCHA. A meu ver, porém, os nossos Políticos sabem muito bem que “( É a Economia estúpidos ).
    A Oposição que hoje é majoritária sabe, e por isso mesmo quer deixar a Presidenta DILMA ser fritada em pouca banha até 31 Dez 2018, para arrasar com o PT. A pior coisa que aconteceu com o PT foi a vitória da Presidenta DILMA na re-Eleição dela. Tivesse ganhado a Oposição representada pelo Gov. AÉCIO NEVES ( PSDB-Base Aliada ), teria que arcar com o altíssimo Custo Político do ” Ajuste Fiscal “, porque Ajuste Fiscal TEM QUE SER FEITO. O PT faria uma agitação danada por todo País, pois “Falar é Fácil”, e voltaria imbatível em 2018. Agora Não.
    Podemos esperar então que a Oposição, via Congresso Nacional, apenas aprove o mínimo de “Ajuste Fiscal”, apenas para evitar o naufrágio Econômico do País, para máximo desgaste do PT até 2018.
    Nas Eleições Municipais de 2016 já teremos uma “medição de redução do PT” com essa Estratégia.
    O ” Povão ” nessa Conjuntura, fica sempre em palpos de Aranha, ” ou mais simplesmente, em PAPOS de Aranha mesmo”. Abrs.

  3. Tudo o que escreves é rigorosamente verdadeiro porque é uma visão panorâmica dos acontecimentos. O mérito é outra coisa. Acho que é uma quimera querer que tudo se resolva em um “passE de mágica”. Culpar, culpar, culpar a presidente soa inconformismo, insegurança, perturbação, ódio, fanatismo. Vamos por partes. No primeiro momento é darmos força à justiça para apurar todos os desvios e crimes, recolher o dinheiro desviado e punir rigorosamente os culpados. Fazer entretanto com presteza e celeridade. O segundo momento é esperar que os processos que incidem diretamente sobre a presidente sigam o rito natural da democracia sem sofreguidão e preparar-se para sair às ruas fetejando, gritando a plenos pulmões com os olhos escorrendo lágimas de alegria: Ela caiu, caiiiu, caiiiiu. Ou rolar no chão de revolta: A filha de uma puta continua, contiuuua, continuuuua. Os filhos da puta foram subornados. Tem gente maluca convidando para um suicídio coletivo. O pior é que tem gente aderido pelas redes sociais. Para mim o barco está em mar revolto. Mas não vai afundar. Chegaremos a 2018 e quem tiver garrafas para vender que as venda e ganhe a eleição. Não apostem no Temer. Temer como poderoso presidente do PMDB não sabe da roubalheira de seu partido? Para mim ele é um pilantra que vem desde a ditadura enganando com a pose de vestal. “Não esqueçam das Docas de Santos e a serenata em que Temer era o cantor.” Com esse bando de bandidos SENDO FESTEJADOS E ADORADOS COMO HEROIS, TENHO QUE FICAR NA DÚVIDA SEM SABER SE OS BRASILEIROS MAIS CULTOS TÊM NOÇÃO DO QUE É JUSTIÇA.

    • Esse falso discurso do ódio foi elaborado pelo marqueteiro João Santanna. Começou com aquele ridículo vídeo que dizia que os petistas estão sendo perseguidos como os Judeus foram no nazismo. Ao que eu saiba, os judeus não saquearam o Estado e sim foram por ele saqueados. Também ser judeu, não é uma opção, opção é fazer parte de um partido que enche os presídios. Por falar nisso, onde estão as ‘rigorosas’ apurações que o Ministro Cardozo mandou a PF fazer sobre os ‘atentados’ a sede do PT e ao Instituto Lula ? Sumiram como as do famoso boato do Bolsa Família ???

  4. Mais um artigo bem escrito pelo Mediador, que aborda com muita clareza o comportamento do governo e parlamentares com relação à crise econômica.
    Apesar do comentário acima, que discorda de se culpar a presidente Dilma pelos graves problemas nacionais, a verdade é que não se tem a quem acusar que não seja ela, a responsável pelos desmandos e descalabros que sofremos desde que assumiu o poder, e que se agravou quando foi reeleita por incultos e incautos (também não quero dizer que votar no Aécio teria sido inteligente).
    Dilma é teimosa, já escrevi sobre suas características pessoais, que impedem qualquer tentativa de se buscar soluções para os impasses mais urgentes, em face de que acredita ser capaz de solucioná-los, quando sabemos que se trata de uma incompetente, sem qualquer condições de gerir uma pequena loja, quanto mais uma nação e do porte da brasileira!
    Então não nos resta outra alternativa que não seja culpá-la e, insistentemente, em face de não ser humilde e admitir que errou, que o Brasil é superior à sua capacidade administrativa, e que renuncia porque ama esta terra e não quer vê-la sendo mais ainda prejudicada pelos caos político e econômico surgidos em seu governo.
    Se Dilma agisse com esta nobreza, certamente ela seria eleita para qualquer função parlamentar que quisesse nas próximas eleições, pois havia pensado primeiro no País e povo, deixando de lado a sua vaidade e orgulho, obsessão e incapacidade, para considerar o bem comum como imprescindível à vida brasileira.
    Mas, Dilma não tem este discernimento, tampouco grandeza de caráter, ao contrário, Dilma é pequena, e se reconhece a sua falta de moral e ética diante da forma como “negocia” com políticos na mesma situação que a sua, de permanentemente acusados de corrupção e desonestidade, razão pela qual não temos como sair desse atoleiro que nos encontramos, além de não haver um trator com força suficiente para nos desatolar!
    Enquanto estivermos sob o mandato de Dilma, não nos resta opção que não seja acusá-la e, ao mesmo tempo, lamentar a sua reeleição, ato que nos arrependeremos por muito tempo, quem sabe jamais esqueçamos a estupidez cometida!

    • Bendl, o presidente americano Harry Truman tinha uma plaquinha em sua mesa de trabalho onde estava escrito “the buck stops there”, o que, livremente traduzido, quer dizer mais ou menos ” A responsabilidade chega aqui e para”. Quando lhe perguntavam o significado da frase, ele dizia que, num regime presidencialista, a decisão final é do presidente, que não pode passa-la adiante para ninguém. O presidente é o responsável último por tudo o que se faz no seu governo.
      Seria bom que se pusesse uma placa assim no Palácio do Planalto…

  5. Ontem um Brahma estava nervosinho na Bahia, seria por isso ???
    ” Roberto Jefferson e Eduardo Cunha tiveram uma conversa franca por telefone na semana passada. O delator do mensalão tentou convencer o presidente da Câmara a dissuadir os deputados do PMDB de homenageá-lo, como forma de desagravo. Cunha pareceu convencer-se, mas voltou atrás.

    A conversa evoluiu para a possibilidade de renúncia do peemedebista. Jefferson, condenado no mensalão, insistiu que a situação de Cunha é grave e opinou que ele estaria esticando demais a corda e deveria renunciar.

    “Eu já estive preso, sei como é aquele inferno. Você olha no olho do carcereiro e ele te dá um pescotapa.” Depois de uma breve pausa, Jefferson disse: “Quero ver como você vai ficar se sua mulher e sua filha tiverem de passar por isso”.

  6. Depois que nomearam como relator do impeachment, o Senador Acir Gurgacz – PDT/RO – que responde por crimes no STF, que podem levá-los a cumprir até 17 anos de prisão, acredito em tudo, ou seja, em nada,,,

  7. O fanatismo chega ao cúlulo de compararem Eduardo Cunha com Carlos Lacerda. Eu que o conheci, e ouvi a virulência de seus pronunciamentos e li seus incendiários artigos cheios de ódio e falsidades, suas investidas nas Forças Armadas convencendo militares para os seus desígnos e ainda se aliando aos americanos. Teria mil razões para concordar com a comparação. De Lacerda nunca gostei é verdade. Mas também nunca odiei. E não gosto de falar de quem está morto. Por essa razão digo a bem da verdade histórica: Lacerda como outros políticos de sua época devem ser julgados pela história. Compará-lo a Cunha é uma brutal injustiça pois nunca se soube que Lacerda tenha se envolvido em corrupção. Algumas coisas dissonantes de seu governo vinham de alguns auxiliáres. Cunha nasceu bandido e vai morrer bandido. Dilma apanha como se estivesse no pelourinho. Mas se ela não cair devemos ficar atentos para o que foi dito por ela em resposta ao Aécio sobre a Lava Jato: Não vai ficar pedra sobre pedra, doa a quem doer. Eu vejo nesse desespero e sofreguidão em querer derrubar Dilma, principalmente MEDO, PAURA. Se agora até os tucanos estão dizendo que ela é honesta e diretamente não é culpada do que aconteceu. Como podemos interpretar? Estão se preparando pelo porvir? Eu que não sou petista e nunca votei no PT e nem nunca votarei. Continuo achando que Dilma não será impichada. Se ela se revigorara ao ponto de fustigar seus adversários é outra coisa. Mas se acontecer. Ela vai bater de chicote. (Não estou dizendo que ela seja santinha. Mas a “bala de prata para matar a vampira” ainda não foi encontrada).

    • Pelo discurso parece que o Cunha e os seus 9 milhões foi o idealizador do petrolão, que segundo a equipe da Lava Jato, deu prejhízos superiores a R$ 29 bilhões. O próprio Dr. Moro indicou o José Dirceu como metor do esquema, a quem chamou de ‘ criminoso profissional’ ! Qualquer diretor da Petrobras, tem de ter o aval da presidência e do CONSELHO ADMINISTRATIVO da empresa. Em dezembro de 2008 o TCU lançou o primeiro relatório sobre Abreu e Lima, onde apontaram um superfaturamento nos quantitativos das drenagens superior a 1.200%. Mas a presidenta do Conselho, mais uma vez nada viu…

  8. Lúcida e realista análise do CN. A economia está como um barco à deriva em mar revolto.
    Faltou apenas o epílogo que está por vir: a revolta social, com saques, depredações, greves e fechamento de estradas e ruas. A violência sem ideologia nem objetivo, apenas panela de pressão explodindo.
    Ninguém aguenta dívidas, carestia, falta de perspectiva, empregos miseráveis, insegurança urbana, transporte medíocre, notícias constantes de corrupção, passivamente e eternamente.
    É a economia…

  9. Não há investimento (público ou privado), não há demanda. A única variável positiva da economia é a balança comercial, e assim mesmo, única e exclusivamente pela desvalorização cambial.

  10. Paul Krugman, Nobel de Economia: “Brasil não está no desespero” (entrevistado pela Folha)

    “O Brasil não está nem perto do que era antes”

    Folha – O Brasil enfrenta uma crise econômica, aliada a um cenário de incerteza política que prejudica o ajuste fiscal. É uma das piores crises da história recente do país?

    Apesar de o Brasil estar obviamente uma bagunça, do ponto de vista político, e mesmo que a economia tenha sofrido um retrocesso perto de todo aquele otimismo de alguns anos atrás, os fundamentos econômicos do país não chegam nem perto de estar tão ruins quanto em episódios anteriores.
    A situação fiscal não é desesperadora e o país está longe de um momento em que precisaria imprimir dinheiro para pagar suas contas. A taxa de câmbio está alta, mas nada perto dos níveis que associamos a crises graves.
    Houve, sim, impacto da queda nos preços das commodities, e isso é significativo. Mas o Brasil de 2015 não é a Indonésia em 1998, nem a Argentina em 2001. É um problema, é desagradável e um pouco humilhante se ver nesta situação de novo. Mas as pessoas estão exagerando.

    Folha- O país perdeu o grau de investimento concedido pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s em setembro, e um novo rebaixamento pode ocorrer até o próximo ano. Qual poderia ser o efeito disso para o Brasil?

    Nos países avançados, as classificações de risco não têm efeito nenhum. Para o Brasil e outras economias emergentes, isso ainda pode importar um pouco, mas bem menos que antes. É importante dizer que não há informação nenhuma na nota, as agências não têm nenhuma informação que as pessoas que acompanhem os dados e os jornais não saibam.
    Isso pode ter algum efeito porque há alguns investidores institucionais que são obrigados a considerar o rating para montar seus portfólios. Mas eu suspeito que isso não seja grande coisa na situação atual. Isso gera manchetes, mas o que importa mesmo é a percepção.

    Já sei, é mais um petralha, não entende nada de economia, ganhou o NOBEL de ECONOMIA roubado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *