Ameaça de agressão feita por Bolsonaro a jornalista repercurte na imprensa internacional

Sem noção, Bolsonaro envergonha a todos dentro e fora do Brasil

Deu no G1

Jornais e sites jornalísticos de países como Reino Unido, Estados Unidos, Argentina e Índia publicaram textos sobre a ameaça do presidente Jair Bolsonaro a um repórter do jornal “O Globo”. No domingo, dia 23, enquanto se aproximava da Catedral de Brasília, o jornalista perguntou sobre cheques no valor total de R$ 89 mil que teriam sido depositados entre 2011 e 2016 pelo ex-assessor Fabrício Queiroz e pela esposa dele, Márcia Aguiar, na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Inicialmente, Bolsonaro disse que não iria responder. Depois, o presidente disse aos jornalistas: “Eu vou encher a boca desse cara na porrada”. Na sequência, o presidente emendou: “Minha vontade é encher tua boca na porrada”. Políticos da oposição e pessoas da mídia brasileira condenaram a fala de Bolsonaro imediatamente, publicou o “The Guardian”, um grande jornal do Reino Unido. O “Independent” e a versão online do “Daily Mail” também registraram a ameaça.

Reprodução do site do jornal “The Guardian”, que noticiou ameaça de Bolsonaro a um repórter — Foto: Reprodução

PROMESSA ESQUECIDA – As agências de notícias AFP e Reuters resgataram as questões sobre Queiroz, que continuam a assombrar a família Bolsonaro, e cuja a investigação sobre o ex-assessor incomodam o presidente e sua promessa de não tolerar corrupção. O texto da Reuters foi reproduzido no site do “The New York Times”, dos Estados Unidos.A Sky News, também do Reino Unido, explica que Queiroz era um assessor de Flávio Bolsonaro, o filho mais velho do presidente.

Reprodução de notícia da Sky TV sobre a ameaça de Bolsonaro a um repórter — Foto: Reprodução/Sky TV

“Clarín” e “La Nación”, os dois principais jornais da Argentina, também noticiaram o incidente. Os leitores argentinos leram que Queiroz e Flávio são investigados por desviar o salário de funcionários do atual senador quando ele era deputado estadual, e que a primeira-dama não se pronunciou sobre o caso. Os jornais argentinos também informaram que houve repúdio da sociedade civil.

Texto do jornal argentino “Clarín” sobre a ameaça de violência feita por Bolsonaro — Foto: Reprodução/Clarín

AMEAÇA – Jornais da Índia, como o “India Today” e o “The Hindu”, publicaram reportagens sobre a ameaça.O “ABC”, da Espanha, publicou em sua página a história da ameaça e lembrou que não é a primeira vez que Bolsonaro responde de forma agressiva perguntas sobre Queiroz. Em dezembro de 2019, um homem perguntou ao presidente se tinha comprovantes dos empréstimos que tinha feito a Queiroz. Os espanhóis leram que na ocasião o presidente do Brasil respondeu: “Pergunta para a sua mãe o comprovante que ela deu para o teu pai”.

27 thoughts on “Ameaça de agressão feita por Bolsonaro a jornalista repercurte na imprensa internacional

  1. Alô, Imbrochável!

    Que negócio é esse de bancar o machão com gente mais fraca, rapaz?

    Cercado de meia dúzia de seguranças parrudos é mole, né?

    Se queria encher a boca do cara de porrada, por que não o chamou prum tete a tete?

    Quem só sabe ser corajoso com gente fraca não é valente, mas covarde!

    Na única vez em sua vida em que Vossa Excelência, ARMADO, teve a oportunidade de dar uma lição em quem merecia, foi no Rio de Janeiro, em 1995, lembra?

    O que aconteceu? Vossa Excelência poderia ter enchido a boca do vagabundo de porrada de bala, mas entregou tudo que ele queria, lembra?…..

    E no dia seguinte choramingou:
    “Mesmo armado me senti indefeso”

    Logo Vossa Excelência, que um dia disse que “minha espacialidade é matar”…..kkkkkkkkkkkkkk xD

  2. Acusada de remeter mais de US$ 80 milhões anuais e clandestinamente, da Angola para o Brasil, pastores angolanos se revelam contra a igreja universal. Só não sendo expulsa dali, porque Bolsonaro interveio pessoalmente junto ao governo angolano, em prol de Edir Macedo, a fim de que o bispo continue miserabilizando a já empobrecida Angola.

    https://www.google.com/search?q=bolsonaro+intervem+angola+iurd+YouTube&oq=bolsonaro+intervem+angola+iurd+YouTube&aqs=chrome..69i57.29132j1j9&client=ms-android-samsung-gj-rev1&sourceid=chrome-mobile&ie=UTF-8#

    • Sr. Paulo
      E aqui é a mesma coisa, enquanto o Pedir Maiscedo como caviar bebendo champgne e vinho francês, a manada fiel nao tem um pão com ovo para matar o fome….

  3. Os jornalistas vivem a colocar rótulos em Bolsonaro , dizendo ser ele genocida , cruel , sem afeição natural , ditador …
    Uma deputada o chamou de estuprador …

    Quando ele no máximo faz uma grosseria , já mudam para tentativa de homicídio ?

    Vão pentear macaco, como dizia minha saudosa mãe !!

  4. Não entendo por que os generais que auxiliam o presidente não se envergonham de serem servis a uma pessoa como ele. Será que vale a pena manchar uma história de vida em troca de uma migalha extra ao final da vida?

    • Bolsonaro parece cada vez mais com Luiz Inácio.
      Os dois são campeões de falar besteiras e se merecem. A machos.
      Enquanto um dia que vai dar.porrada, o outro, com a maior cara de pau, finge estar arrependido de dar guarida ao bandido Batisti.
      Parecem coisas distintas, mas não é, vejam porque.
      Bolsonaro só seu uma de macho porque estava cercado de seguranças, e certamente se o repórter reagisse, aí sim, ia entrar no cadete.
      Já o Luiz Inácio gostava das mesmas seguranças para proteger comparsas ideológicos que comprovadamente pela justiça italiana era assassino, e agora o Luiz Inácio vem com toda a sua cara de pau pedir desculpas às vítimas. É dose para se vomitar.
      O que ambos deveriam fazer é confessar o que já fizeram.de errado contra o povo brasileiro.
      Luiz Inácio muito mais que Bolsonaro.
      Se Luiz Inácio confessar um milésimo de seus crimes, nunca mais sai da cadeia.

  5. Em um ambiente de normalidade, pessoas normais mantêm um certa polidez no falar, evitando o escândalo desnecessário e moderando suas palavras. Porém, quando ocorre uma inversão tal na cultura, que o que deveria ser mera urbanidade torna-se uma ditadura, que impõe o que deve e o que não deve ser dito e, pior, protege as piores indecências enquanto condena meras verdades, a afabilidade acaba servindo apenas para fortalecer essa tirania.
    Em tempos quando o politicamente correto impõe-se ferozmente, praguejando contra toda e qualquer manifestação que não coadune com seus estreitos limites falso-moralistas, é o momento de abrir mão da civilidade e dizer as coisas da maneira mais crua possível.
    Fazer isso não é apenas uma forma de tentar expressar as coisas como são, mas tem o objetivo de enfrentar a falsidade contrária com uma força condizente.
    A raiz do mal se combate com o bem, mas quando o mal já está manifestado, só o uso de uma força equivalente pode derrotá-lo. Bolsonaro já sabe disso há muito bem.
    Agora, os esquerdistas estão histéricos devido a repercussão na imprensa internacional. A mim não engana, todas esquerdistas. Puro devaneio.

  6. “Tenho vontade de entrar naquele bar e acabar com o estoque de Heineken”.

    Pela lógica reinante, estou “ameaçando” acabar com o estoque de Heineken. Faz sentido ? Aliás, para agradar ao JN, “ter vontade” significa “ameaçar”.

  7. Há muitas pessoas que ficam aqui e acolá defendendo a [i]legitimidade de todo o blablablá malicioso que ecoa através dos meandros da grande mídia. Sim, é um direito que lhes assiste, mas não deixa de ser um porre. E tem outra: é lamentável. Isso mesmo! É lamentável o estado pútrido a que chegaram nossos jornais, bem como a malignidade, a vulgaridade e a hipocrisia daqueles que para eles escrevem. Ponto. Detalhe: essa observação não é minha não. Ela foi feita por Thomas Jefferson em 1787, porém, ao que me parece, ela continua atualíssima.

  8. Oea, ONU, federação dos planetas unidos, conselho Jedi, são os órgãos adequados para resolução da, usando a novilíngua, o politicamente correto, agressão verbal, um disparate, exigimos paridade de armas! Diversão garantida, ou seu dinheiro de volta, hilário o mimimi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *