Ao criticar a democracia, Carlos Bolsonaro disse apenas o que o pai pensa

Jair Bolsonaro e o filho Carlos no desfile de 7 de setembro

Para os Bolsonaro, o ideal é uma grande ditadura

Bernardo Mello Franco
O Globo

O novo surto de Carlos Bolsonaro espelha as ideias autoritárias do pai. Jair foi eleito nas urnas, mas nunca escondeu o desprezo pela democracia. Em oito mandatos na Câmara, notabilizou-se por exaltar a ditadura, enaltecer torturadores e desdenhar a participação popular na política.

“Através do voto, você não vai mudar nada neste país. Nada, absolutamente nada”, declarou, em 1999. Na mesma entrevista, ele defendeu o fuzilamento do presidente Fernando Henrique Cardoso, pregou o fechamento do Congresso e explicou o que faria se chegasse ao poder: “Daria golpe no mesmo dia. Não funciona”.

CONVICÇÕES – Na campanha presidencial, Bolsonaro deixou claro que suas convicções não mudaram. Ele ensaiou contestar a apuração dos votos em caso de derrota, insuflou seguidores contra a imprensa e afirmou que os rivais teriam que escolher entre a cadeia e o exílio. Em outro momento, ameaçou submeter o Supremo Tribunal Federal com a nomeação de dez ministros biônicos. O filho Eduardo foi mais direto: disse que só precisaria de “um soldado e um cabo” para fechar a Corte.

Ao vestir a faixa, Bolsonaro prometeu cumprir a Constituição, mas continuou a fazer a apologia do autoritarismo. Na semana passada, ele aproveitou uma solenidade para dizer que a ditadura foi “nota dez”. Um dia depois, expôs o país a novo vexame com elogios ao general Augusto Pinochet.

DUPLA UTILIDADE – O exercício do poder ensinou ao capitão que a pregação golpista tem outra utilidade. Além de mobilizar eleitores radicais, ela serve para mascarar fracassos administrativos. Quando não consegue aprovar projetos, Bolsonaro ataca o Congresso e culpa a “velha política”. Quando vê sua popularidade cair, ofende os críticos e inventa inimigos externos.

O vereador Carlos recorreu à mesma fórmula em seu tuíte contra as “vias democráticas”. Ao escrever que “a transformação que o Brasil quer” não acontecerá pelo caminho institucional, o Zero Dois justificou a paralisia do governo e municiou os extremistas que o apoiam cegamente.

Carluxo tem a quem puxar.

20 thoughts on “Ao criticar a democracia, Carlos Bolsonaro disse apenas o que o pai pensa

    • Mais de que pena é a autoria?

      Se lembra do Roda viva que virou rosca morta sob a batuta da ilustre pena canhota, foi o vexame jornalistico do ano, esse abestado do bmf é um dos grandes culpados pela vitoria do Bolsonaro, deveria ser condecorado pelo presidente.

  1. Agora temos aqui com toda clareza que o governo de Jair Bolsonaro deseja comandar o Brasil por via anti-democrática, o que quer dizer, por uma Ditadura. Isto não foi dito por um membro da oposição, mas pelo próprio filho, porta-voz oficioso do Presidente da República. Disse o filho de Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro que:

    “Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos… e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!

    — Carlos Bolsonaro (@CarlosBolsonaro) September 9, 2019”

    Sobre Carlos ser o porta-voz oficioso do pai, Jair Bolsonaro, vamos ler o que disse o próprio Jair Bolsonaro, fala que é reproduzida no artigo “CRÍTICA DE CARLOS BOLSONARO SURPREENDE OS POLÍTICOS”

    “Jair Bolsonaro chegou a defender seu filho em março, afirmando que há pessoas que querem afastá-los, mas “não conseguirão”. Junto com a mensagem, na ocasião, publicou uma foto em que é amparado por Carlos no corredor de hospital. “Algumas pessoas foram muito importantes em minha campanha. Porém, uma se destacou à frente das mídias sociais, com sugestões e conteúdos: Carlos Bolsonaro, meu filho.”

    Atentar contra a Democracia e a Constituição são crimes gravíssimos, e para crimes gravíssimos do Presidente da República, há que se peticionar ao Senado Federal o impeachment deste anti-democrático Presidente da República que afirma que se deve desrespeitar ao Constituição e o Estado Democrático de Direito.

    • Não vejo no comentário do filho do Bolsonaro essa tal ameaça á democracia. Eu tenho a mesma impressão: não alcançaremos melhora no país com a classe política mambembe que temos e um STF que se associa ao poder e despreza o seu papel na sociedade.
      O senhor acha que vamos mudar? Veja: após 3 corruptos incompetentes na presidência, elegemos uma família de selvagens (pai e filhos) para nos dirigir. Vou exagerar um pouco a imaginação: Dada a associação do presidente com o bispo Macedo, é possível até vislumbrar uma mistura de ambição e loucura que leve o Jair ou um dos seus benditos filhos a vestir camisola branca e pregar que o céu é dos humildes; não duvido que até sequem figueiras, expulsem demônios de almas penadas, e curem cegos.
      Esse tipo de loucura coletiva já aconteceu nos States em Waco-Texas, com David Koresh e em Jonestown-Guiana com Jim Jones, quando morreram envenenadas 918 pessoas sendo 314 crianças).
      Apenas uma opinião á altura da loucura de um presidente doidivanas.

      • Sr. Jaburu,

        O senhor fez uma pergunta, que não sei se foi dirigida a mim ou ao autor do artigo, Bernardo Mello Franco, mas como Bernardo Mello Franco não irá responder na TI , eu mesmo ensaiarei uma resposta. O que o senhor pergunta é:

        “O senhor acha que vamos mudar? ”

        Poderá mudar se os eleitores brasileiros tiverem melhor conhecimento dos fatos, não se deixarem mais uma vez se enganar com as propagandas políticas mentirosas destes bandidos que o povo elegeu, inclusive para a Presidência da República, para o Legislativo. Um bom Presidente da República escolherá para apreciação do Senado a indicação de bons nomes para o STF e procurará ter probos ministros, indicação para a PGR baseada na lista tríplice votada pelos membros do MPF, como tem sido até agora, e Bolsonaro mais uma vez rompeu com a tradição cívica.

        Claro, indicação para o STF leva tempo, porque os ministros do STF têm garantia de ficar no cargo até os 75 anos de idade, mas isso passa,

        E isto só muda na democracia, respeitando a Constituição e o Pleno Estado de Direito.

        O Contrário disso, que não daria certo, e a experiência com a ditadura de 1964 confirma, é termos um Ditador, que suprime os direitos da cidadania, “prende e arrebenta” ,como dizia o ex-ditador João Figueiredo, cassa políticos a seu bel-prazer, obriga opositores ou à prisão ou ao exílio.

        E no caso particularíssimo de agora, a solução proposta pelo clã Bolsonaro é termos uma ditadura tendo como ditador o desastroso e desastrado Jair Messias Bolsonaro que até hoje não apresentou programa de governo, só faz agredir ex-amigos, autoridades estrangeiras e falar palavrões, e já declarou várias vezes que se acha “O Rei” do Brasil.

        Se os eleitores brasileiros não aprenderem a votar, e com melhor juízo crítico, realmente, concordo que isto não vai mudar. Continuaremos elegendo gente como Collor, Sarney, Lula, Dilma, entre outros presidentes que arrasaram o Brasil, com a única exceção do Presidente Itamar Franco, mas este foi eleito vice-presidente, era membro do Partido CIDADANIA, mas só se tornou presidente após o impeachment de Collor.

        Se Itamar tivesse sido candidato a Presidente, naquela época, em vez de Collor, não teria sido eleito. Por falar em propaganda enganosa paga por empresários corruptos, o senhor se lembra da milionária e bem feita propaganda de mídia que elegeu Collor, quando predominava como meio de comunicação a televisão ?

        Aquela propaganda, inclusive, plagiou, com mudança de cores (aproveitando-se do nome Collor) , o filme tcheco “Um dia, um gato” , filme belo, quando um gato mágico, quando seu dono tirava a venda dos olhos felinos, via o que era preto e branco colorido, e lia a alma e o caráter das pessoas, que apareciam com a cor de suas personalidades e caráter : os que apareciam em vermelhos eram os românticos e apaixonados, os que apareciam em roxo eram os impuros e traidores, entre outras cores e significados.

        Aliás, recomendo que o senhor e os demais leitores procurem nas locadoras este filme, porque é um filme belo.

  2. Off topic:
    Quando a Lava Bola começar, vai faltar prisão.

    Corinthians é cobrado pela União em mais de R$ 566 milhões
    As taxas são referentes a ações tributárias, de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins
    Site Metropoles

    Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) cobrou do Corinthians nesta terça-feira (10/09/2019) mais de R$ 566 milhões referentes a ações tributárias, de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), PIS e Cofins.

    De acordo com a Folha de S. Paulo, os valores cobrados do time paulista estão separados em oito categorias junto à União e não incluem pagamentos acordados em programas de refinanciamento de dívidas, como o Profut (Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), de 2015.

    O Corinthians reconhece a notificação, mas se diz isento das cobranças da União. Em nota enviada à Folha de S. Paulo, o clube cita casos de outros times brasileiros para se defender da cobrança. “Entendimento similar ao do clube extinguiu cobrança movida pela União contra o Club Athletico Paranaense, depois de decisão da Câmara Superior de Recursos Fiscais do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) em 2018″, diz o comunicado.

  3. É muito natural em um brasileiro (toda regra tem exceção) encontrar dificuldade em disfarçar o transtorno mental causado pela derrota nestas eleiçõesde seu candidato, daí , como no artigo em pauta, o “jornalista” lançar mão de qualquer coisa para desqualificar o presidente.
    E “jornalista” é aquele é aquele que usa como fonte de informação o wikipedia.
    É ou não é um brasileiro e pior, “jornalista”.

  4. O general Geisel avisou: Bolsonaro não é uma pessoa normal.
    Jarbas Passarinho avisou. Bolsonaro é da extrema direita e que não suportava extremistas da esquerda e da direita.
    O problema do Brasil é que parte do povo tem tendência a fanatismo religioso e politico. Estão aí Lula e Bolsonaro, que tem apoio incondicional de parte dos eleitores.

  5. Me considero alheio a qualquer tipo de ideologia enlatada e vendida barato no país. Minha ideologia é o sucesso do meu país. Acertou é aplauso e se errou, a merecida crítica. Em todos lugares do planeta ou fora dele, onde isso foi a regra, este lugar progrediu. Não é o nosso caso. Aqui os amigos ou os bandidos de estimação nunca erram. Isso é a fórmula do fracasso. Acaba-se o espírito de integração, com a formação de “panelas” ou facções, trabalhando para si e contra outras concorrentes. Unindo-se apenas para se defenderem da punição ou abarcarem um ganho maior.

  6. Senhor Peçanha, concordo.
    De há muito também digo isso, mas infelizmente não é assim que a sociedade se comporta.

    Acima, o comentarista senhor Edney, faz uma referência a Itamar Franco, que mostra a realidade brasileira.
    Ele saiu com mais de 80% de popularidade, mas certamente não seria eleito…..

  7. Bom dia , leitores (as):

    Senhores Bernardo Mello Franco ( O Globo ) e Carlos Newton , o que , o hoje Presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro fez ou andou fazendo em prol do Brasil e povo , ao longo de seus 28 anos como Deputado Federal ?
    Portanto não tem autoridade moral alguma , pois o comportamento e atitude de seus próprios filhos , já diz tudo .

    • Este Bernardo Mello Franco, é um idiota que não honra o sobrenome.
      Já disse isto a ele em e-mail pessoal.
      Não deve ter lido.
      É um sabujo dos patrões da globo lixo.

  8. Com estes deputados, senadores e a pocilga stf, é muito difícil governar este país.
    Quanto ao conceito do General Geisel e do Passarinho, não foi bem este.
    Conheço muito bem, desde as origens do fato, o que realmente aconteceu.
    O General Acrisio, meu amigo e colega de turma na ESG, apresentou as razões e deu as respostas adequadas nos inquéritos militares.

  9. ISTO É INCRÍVEL
    VEJAMOS A VERDADE SOBRE O FATO:

    Primeiro: Carlos Bolsonaro é MAIOR e responde pelos seus atos;

    Segundo: mídia tradicional e este Blog Tribuna da Internet, que admiro, estão buscando inflamar o ambiente político indo além do que o verdadeiro fato trouxe à lume. Agora, a TI, legendar na foto: “Para Bolsonaro, o ideal é uma grande ditadura” é de uma IRRESPONSABILIDADE ENORME;

    Terceiro: tentaram provocar o general Mourão para colocá-lo em confronto com Carlos Bolsonaro. NÃO DEU.
    Aliás, ninguém – espontaneamente – reagiu, todos foram provocados pela mídia porca, digo tradicional;

    Quarto: Eduardo Bolsonaro falou bem: se fosse Winston Churchill e sua célebre frase os amestrados ficariam apenas com a primeira parte (a democracia é o pior dos regimes políticos, …), sem citar a conclusão (mas não há nenhum sistema melhor que ela).
    Quinto: quanto aos presidente do Senado e Câmara, provocados, repito, provocados, responderam para suas plateias.

    Sexto: é preciso mais HONESTIDADE e TRANSPARÊNCIA, pois nem mesmo Carlos falando pelo Twitter nesta terça-feira, 10, para explicar sua declaração, feita na véspera — de que não é possível se conseguir por vias democráticas a transformação que o Brasil quer na velocidade desejada — e garantiu que sua fala foi apenas uma “justificativa aos que cobram mudanças urgentes”, a mídia porca não desistiu de sua reiterada propagação de apenas uma parte da fala do parlamentar;

    Sétimo: “O que falei: por vias democráticas as coisas não mudam rapidamente. É um fato. Uma justificativa aos que cobram mudanças urgentes. O que jornalistas espalham: Carlos Bolsonaro defende ditadura. CANALHAS!”, escreveu nesta terça.

  10. Dá vontade de perguntar para a mídia comprada se vivemos uma democracia no país. Há décadas o país vive a ditadura do colarinho branco que todos os dias rouba do povo brasileiro. Mas, estes psicopatas acha que isto é democracia. Artistas, mídia, políticos, juízes acham normal receber dinheiro público. Grande democracia do país tupiniquim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *