Ao imitar a motociata de Mussolini, Bolsonaro age como anticristo, que prega, mente e mata

Mussolini parece ser o grande inspirador de Bolsonaro

José Nêumanne
Estadão

O lema da motociata de sábado 12, expediente cênico inventado por Benito Mussolini nos anos 1930 para atestar vigor do Partido Nacional Fascista italiano e já encenado antes no ato político que lançou o general da ativa Eduardo Pazuello na política, foi “Acelera para Cristo”.

Ninguém precisa ter frequentado uma aula de teologia para defini-lo como uma blasfêmia. Afinal, os louvores não eram para Jesus, mas para Jair Messias, numa grosseira falsificação tratada como ato de fé. Bulsolini é o anticristo.

EU SOU O CAMINHO – O versículo 6 do capítulo 14 do texto canônico do evangelista João, homenageado pelos bisavós deste articulista no nome do pai de seu pai, atesta sem direito a dúvidas: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”. O trajeto entre São Paulo e Jundiaí (seguido por cerca de 12 mil motoqueiros) não tinha como justificativa nenhuma confirmação da fé cristã, muito menos a afirmação de cumprimento desses três pilares básicos da cristandade.

Explícito ofício eleitoral ilícito, não punido pelo leniente Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (alô, alô, ministro Barroso), de afirmação pública da crendice negacionista do bolsonarismo, a procissão sobre duas rodas foi a forma mais radical da desumanidade de comemorar previamente o massacre de meio milhão de brasileiros pela covid-19.

A estrada não levava a Aparecida, Lourdes, Fátima, ou ao Muro das Lamentações, nem a Meca, mas ao recorde obtido com desonra absoluta pelo capitão terrorista que, sem dar um tiro, levou centenas de milhares de uma só vez à cova.

SEPULCRO CAIADO – A verdade foi ofendida em todas as estações do sepulcro caiado do qual ressurge a candidatura em desmanche do titular do desgoverno que ora nos desgraça, aflige e amaldiçoa.

As estações iniciais da marcha da negação ocorreram em depoimentos dos bolsonaristas Eduardo Pazuello, Ernesto Araújo, Fábio Wajngarten, Elcio Franco, Mayra Pinheiro, Nise Yamaguchi e Marcelo Queiroga na comissão parlamentar de inquérito (CPI) da covid-19 no Senado.

Confrontados com as próprias declarações dadas ao longo de 14 meses, esses obscurantistas as negaram, como se a mentira anulasse os fatos e as próprias palavras.

DOCUMENTOS OFICIAIS – Assim que tentativas de evitar a quebra de sigilo decretada pela CPI começaram a cair no Supremo Tribunal Federal (STF), documentos das embaixadas brasileiras em Washington e Pequim desmancharam os castelos de areia de suas versões absurdas com a constatação singela de que a imunização foi atrasada deliberadamente para anabolizar o total de óbitos na pandemia, de tal dimensão que se torna impossível contar o feito em marcas na coronha do fuzil do artilheiro despojado de farda, armas e coturno por indisciplina crônica e terrorismo.

O mentiroso-mor já havia protagonizado cena de que só não se envergonha quem nunca teve pudor algum. A um punhado de adoradores que chama inadequadamente de “povo” Messias Bolsolini atribuiu a um órgão de controle do Poder Legislativo, o Tribunal de Contas da União (TCU), a afirmação de que haveria supernotificação de mortes por covid, o que pressupunha uma conspiração sigilosa inviável de todos os profissionais da saúde envolvidos no combate do acreditado Sistema Único de Saúde (SUS) nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do País.

MENTIRAS SEM FIM – O TCU desmentiu e o reincidente voltou à claque para dizer que tinha “errado”, porque não houvera “relatório” e, sim, “acórdão”.

Nada disso, esclareceram a presidente Ana Arraes e o corregedor Bruno Dantas, que decidiram pelo afastamento do responsável pela patranha, o auditor bolsonarista e filho de militar bolsonarista Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, cujos sobrenomes reúnem dragonas e faixas presidenciais da recente ditadura.

O bloco dos sujos com capacete e sem máscara foi encerrado com um discurso em que o anticristo insistiu na sua originalidade ao combater ao novo coronavírus aderindo à tese, mais infame do que o próprio agente da pandemia, de que para salvar alguns urge matar milhões.

IMUNIDADE DO REBANHO – Expressões impróprias como “tratamento precoce” ou nobres como “liberdade de ir e vir” foram mais uma vez misturadas de maneira farisaica para enganar não tolos, mas espertinhos de espartilho que se beneficiam do saque ao erário.

Este inclui o custo informado do falso cristianismo do culto à “imunidade de rebanho”, de R$1,2 milhão, da motociata de corpo presente.

A direita estúpida perdeu as eleições nos Estados Unidos e no Peru e acaba de sucumbir a uma esdrúxula aliança em que a extrema direita se uniu à esquerda e ao centro para derrubar do poder o aliado do capetão sem noção em Israel. Bibi Netanyahu, cuja ausência isola ainda mais o preferido dos corruptos do Centrão, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e da Conmebol, que, ainda assim, se aferra à pílula do câncer, à cloroquina e ao agora batizado de “atendimento precoce”, apelando para o eufemismo.

GRANDE DIFERENÇA – A distância semântica entre “tratamento” e “atendimento” pode ser quiçá medida em milímetros. Não é o caso da diferença entre 1,3 milhão de motos da motociata da morte e as prováveis 12 mil.

Não há ainda uma unidade capaz de medir o cinismo de Allan dos Santos, que, do exterior, disparou a mentira de que a síncope sofrida pelo craque dinamarquês Eriksen em campo na Eurocopa tenha resultado de vacina anticovid. A Internazionale de Milão já denunciou o delírio bolsonarista.

Mas não basta para deter o tsunami de terraplanismo, obscurantismo, desumanidade e, sobretudo, absoluto cinismo do pastor que nem sequer se traveste de ovelha para pregar o massacre dos inocentes. E, assim, garantir o patrimônio imobiliário de uma família que só negocia com dinheiro vivo. E é garantido no poder, entre outros segmentos sociais, pelo ser abstrato mercado de capitais, que não precisa recorrer a moedas impressas para enriquecer.

20 thoughts on “Ao imitar a motociata de Mussolini, Bolsonaro age como anticristo, que prega, mente e mata

  1. Justo vi nesta última semana comparativo que Bolsonaro tem o mesmo seguido os mesmos passos de Mussolini.
    Então, sim. Coisa de facista. Quem segue junto está, logo, facista é.

  2. “E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.” Frase essa tão mal usada como também deturpada. O próprio Cristo nos esclareceu o sentido dela quando afirmou: EU SOU A VERDADE, O CAMINHO E A VIDA… Quem conhece a VERDADE (CRISTO), não a usa para fins políticos, de poder e ambição e, principalmente, a mentira. A mentira é o inimigo. Quem faz uso da mentira é treva e prisioneiro do mal, e não LUZ que liberta. No dia em que se ajoelhou para a mentira, e por ela foi ungido, perdeu-se no caminho.

  3. Qualquer um que tenha visitado a Itália, sabe que aa motocicletas e vespas são o principal meio de transporte da população. Associar isso a prática de Mussolini é sinal de desespero. Bolsonaro desmoraliza os institutos de pesquisa diariamente. Sua popularidade é orgânica.

  4. Quem sabe , sabe…
    Não adianta ficar tentando escrever e enchendo o saco de quem ainda tem paciência de ler tantas baboseiras mal escritas e ridiculamente infundadas…
    Parabéns, grande “Zé Nêumanne ” !
    Um escritor de verdade !
    É sempre um prazer ler o que você escreve…

  5. Não há como Bolsonaro ser fascista.

    Fascismo é uma ideologia esquerdista, criada por um socialista, que adotou as idéias de uso de violência revolucionária apregoadas pelo sindicalista francês Sorel, também socialista. O princípio fundamental do fascismo é “tudo no Estado”, exatamente o que deseja toda a esquerda brasileira (até o consumo de sal num restaurante é regulado pelos barnabés do estado). Bolsonaro está lutando como um leão para liquidar com o inchaço do Estado tucano-petista, investindo na iniciativa privada, na família como célula social e nas liberdades individuais (religiosa, de expresão, de imprensa, de trabalho). O resto é choro de esquerdopata.

    Na verdade, Mussolini = FHC + Lula, com a diferença de que o italiano não roubava os cofres públicos italianos, enquanto o PT e o PSDB saqueou a nação brasileira.

  6. Há sinais evidentes de Turíbio ser um robô bolsonarista ou, no mínimo, um sectário.

    Pelos seus evidentes desconhecimentos históricos, ele tem insistido em jogar pedras na História, na vã tentativa de adulterar a verdade e os fatos ocorridos.
    Deste vez, o comentarista veio com uma nova “definição” de fascismo.

    Dizer que o fascismo é de esquerda, seria o mesmo que eu afirmar que Bolsonaro no seu íntimo é comunista!

    Turíbio, o fascismo defende ser necessária a mobilização da sociedade sob um estado totalitário, de partido único, de modo a preparar a nação para o conflito armado, e responder de forma eficaz às dificuldades económicas, daí o seu surgimento na Itália e Alemanha após a Primeira Guerra Mundial.

    As principais ideias fascistas, prá teu governo:
    Anticomunismo (comunistas e fascistas se odeiam);
    Antiliberalismo e Antidemocracia. …
    Totalitarismo. …
    Militarismo e culto a violência. …
    Nacionalismo xenófobo. …
    Racismo. …
    Culto ao chefe supremo da nação. …
    Irracionalismo e uso da propaganda política.

    De forma geral, o fascismo é um regime autoritário com concentração total do poder nas mãos do líder do governo.
    Esse líder deve ser cultuado e poderá tomar qualquer decisão sem consultar previamente os representantes da sociedade.
    Além disso, o fascismo defende uma exaltação da coletividade nacional em detrimento das culturas de outros países.

    Além de totalitários, os governos fascistas objetivavam expandir seu território por meio de conflitos internacionais. Para isso, realizavam altos investimentos na produção de armas e equipamentos de guerra.
    Para garantir a manutenção de seu governo, os líderes fascistas controlavam os meios de comunicação de massa, por onde divulgavam sua ideologia e controlavam todas as informações disseminadas.

    Qualquer crítica ao governo era aniquilada mediante uso da violência e do terror. Aqueles considerados inimigos de um governo fascista eram punidos com prisão ou morte.

    Comumente, o fascismo é tido como parte da extrema-direita, principalmente pela sua notável oposição ao socialismo. As experiências fascistas contaram com amplo apoio dos banqueiros e industriais, tanto na Itália quanto na Alemanha.

    Se observares, Bolsonaro faz o mesmo que Hitler e Mussolini fizeram com seus Países:
    A mídia não presta;
    Concentração total de poder nas mãos do atual presidente;
    Regime autoritário;
    Culto a Bolsonaro – mito, mito, mito, de um ridículo atroz;
    Racismo;
    Militarismo e culto à violência, onde ficou caracterizada a sua imagem imitando com as mãos um fuzil;
    Anticomunista;
    Antidemocrático.

    Mais uma vez, a tua postagem querendo culpar a esquerda deu com os burros n’água.
    Faz assim:
    Promove Bolsonaro, mas deixa de lado a História, pois ela irá te desmentir sempre.

    • “As principais ideias fascistas, prá teu governo:
      Anticomunismo (comunistas e fascistas se odeiam);
      Antiliberalismo e Antidemocracia. …
      Totalitarismo. …
      Militarismo e culto a violência. …
      Nacionalismo xenófobo. …
      Racismo. …
      Culto ao chefe supremo da nação. …
      Irracionalismo e uso da propaganda política.”

      Com exceção do anticomunismo, não há como enquadrar, de modo honesto, as ações do Presidente Bolsonaro nessas características.

      Agora, compadre, compare isso aí com o regime cubano, stalinista, chinês e norte-coreano. O que me dizes? Fidel, Stalin, Mao eram direitistas?

      PS1: É verdade, o fascismo era socialista, mas contra o comunismo marxista-leninista. Xiitas e sunitas também são inimigos, mas todos são islamitas. Comunistas assassinaram anarquistas na guerra espanhola, ambos eram esquerdistas.

      PS2: Mussolini nunca foi racista; Hitler e Marx, sim.

      PS3: impressionante que, apesar desse conhecimento enciclopédico, você não veja o óbvio.

      • Os esquerdistas são maioria na wikipedia; e lá, é a quantidade que define o que é verdade, e/ou o que deve “ficar” publicado. Eles chegaram ao cumulo de apagar as descrições das obras construídas pelo Maluf; Ou seja, na wikipedia do Maluf, não tem mais as obras, só informações desabonadoras.

        Mas você resumiu bem: Se você quer diminuir o estado, você é de direita. Se você quer mais estado, mais teta publica, você é de esquerda. O resto é enchimento de linguiça.

        • Che, Turíbio,

          Tu poderias abrir um restaurante que servisse somente saladas, pois constato ser esta a tua especialidade!

          Comunistas, xiitas, sunitas, anarquistas, esquerdistas … nesta salada mista coloca alface, pimentão, ovos cozidos, palmitos, põe azeite de oliva em abundância, e eis a salada Turíbio!

      • Turíbio, para de misturar fatos históricos!

        A Guerra Civil Espanhola ocorreu entre 1936 a 1939, e foi um conflito entre republicanos e nacionalistas pelo governo da Espanha.

        No campo de batalha, os republicanos se reuniram em torno da Frente Popular que juntava os setores democráticos e de esquerda, como ANARQUISTAS e COMUNISTAS!

        A guerra foi travada entre os republicanos, leais à Segunda República Espanhola, urbana e progressista, numa aliança de conveniência com os ANARQUISTAS e os COMUNISTAS.
        Os nacionalistas formaram uma aliança de falangistas, monarquistas, carlistas e católicos liderada pelo General Francisco Franco.

        Devido ao clima político internacional na época, a guerra teve muitas facetas, e diferentes pontos de vista a viram como uma luta de classes, uma guerra religiosa, uma luta entre ditadura e democracia republicana, entre revolução e contrarrevolução, entre fascismo e comunismo.

        Os nacionalistas venceram a guerra no início de 1939 e governaram a Espanha até à morte de Franco em novembro de 1975.

        Só falta tu me dizeres, agora, que a ditadura de Franco, que durou de 39 até 75, 36 anos, foi de esquerda!!

  7. Antes que eu esqueça:

    Alguns dos dados que mencionei acima, colhi informações no livro A Batalha pela Espanha, de autoria de Antony Beevor, Ed. Record 2012.

    Um exemplar que leio e releio seguidamente, pois a revolução espanhola foi uma espécie de antessala da Segunda Guerra Mundial.

    A participação nazista ao lado de Franco, serviu como teste de seus bombardeiros Stukas, JU 87, que faziam parte da Legião Condor.

    Guernica, depois pintada por Pablo Picasso, foi a cidade destruída pelos aviões nazistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *