Ao liberar o PT na eleição, Lula encerra um ciclo na política brasileira

Resultado de imagem para lula e o pt charges

Charge do Angeli (Folha)

Pedro do Coutto

Reportagens de Sérgio Roxo, O Globo, e de Julia Lindner e Ricardo Galhardo, O Estado de São Paulo,  edições de ontem, destacam a carta que o ex-presidente Lula da Silva dirigiu ao diretório nacional do PT, liberando o partido no processo de escolha do candidato à sucessão presidencial de outubro. A iniciativa causa surpresa, mas não creio que o ex-presidente tenha lançado a iniciativa como uma manobra pura e simples, em busca da unidade partidária. Não sou daqueles que, em política, acham sempre que alguma manobra por trás da aparência. Creio que, até certo ponto, Lula foi sincero consigo mesmo. Com a carta ele encerra um ciclo na política brasileira.

Um ciclo que começou em 89 e culminou com o impeachment de Dilma Rousseff em 2016. Agora, de acordo com a perspectiva jogada no pano verde das eleições, Luis Inácio da Silva, ao que tudo indica, constrói as bases do lulismo sem ele próprio.

MUITOS VOTOS – Isso não quer dizer que o PT tenha dado adeus ao seu contingente de votos, na escala de 30% como o mais recente levantamento do Datafolha revelou. E isso não significa que o PT tenha perdido totalmente o poder de negociação, mas significa que Lula finalmente convenceu-se a si mesmo que se tornou inelegível. O espaço vazio no qual repousa a política partidária brasileira torna-se, assim, ainda maior do que já era. Os militantes petistas devem estar dando adeus às armas, o que não representa totalmente um adeus às urnas de outubro.

Armas e urnas são os únicos caminhos possíveis para alcançar-se o poder em qualquer país do mundo. O Brasil, graças a Deus, situa-se no caminho das urnas, contrapondo-se essencialmente à ideia das armas levantada por Jair Bolsonaro. Não que ele repudie as urnas pela conquista na qual se empenha. Mas sim pela linguagem extremista que motiva uma fração do eleitorado, mas assusta mais ou menos 80% dos brasileiros e brasileiras. Tanto assim que vem assinalando uma constante de 17 pontos a seu favor, muito pouco para decidir uma eleição nacional.  

Projetando-se a realidade de hoje num horizonte do amanhã, Bolsonaro salta do primeiro para o segundo turno. Mas não é só esta a questão.

LULA E O PT – A questão é que, liberando o PT, Lula acena com a possibilidade de uma ponte com alguns dos candidatos – menos, é claro, Jair Bolsonaro, que é o antiLula da campanha que vai se desencadear no país, e os concorrentes da direita.

 Na carta à direção nacional do PT, Lula acentua que sua renúncia abre campo para uma união dos partidos de esquerda, com tal afirmação eliminando também qualquer ponte com o PSDB e com o MDB de Michel Temer.

Na visão de Lula sua proposta deve reunir as esquerdas. Mas quais são elas? Na campanha, o posicionamento é uma coisa. Vitorioso o candidato, não se tem a mesma certeza. As pessoas mudam de posição. As esquerdas não se excluem deste fenômeno quando chegam ao poder. E desenvolvem uma ideia plena de contradição e de sarcasmo: passam a querer o conservadorismo capitalista para si e o esquerdismo reformista para os outros. Liberado por Lula, qual será o rumo do PT?

4 thoughts on “Ao liberar o PT na eleição, Lula encerra um ciclo na política brasileira

  1. Carta de Lula? Pra cambada do PT? Como pode? Muito estranho…
    Um não sabe escrever; os outros não sabem ler… e o que é pior: Os correios não entregam!

  2. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO nos chama atenção para a maior decisão Política do Ano 2018, a Carta do Presidente LULA (72) PT, para o Partido PT, renunciando a sua Candidatura a Presidência da República e liberando o PT para lançar Candidato á Presidência ou coligar-se já no Primeiro Turno. Na mesma Carta, o Presidente LULA recomenda que as Esquerdas ( que na Economia defendem o DESENVOLVIMENTISMO de fundo ESTATAL), se UNAM.

    Aparentemente o Presidente LULA compreendeu que está Vetado mesmo pelo “Sistema” e com esse gesto tem grande chance de cumprir a Pena em Casa ou até mesmo ser Indultado.

    O Candidato do “Sistema, também chamado Mercado”, ainda não está ungido, e talvez ainda não esteja em campo.
    Vamos aguardar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *