Apoiar dois candidatos é impossível

Pedro do Coutto

Em matéria publicada na Revista Veja que está nas bancas, o jornalista Otávio Cabral analisa o que considera um plano estratégico do presidente Lula para a sucessão de 2010e conclui que, além da ministra Dilma Roussef, ele tem hoje como segunda opção o deputado Ciro Gomes. Pode ser. Mas o próprio Otávio Cabral define, com razão, que arquiteturas políticas assim só funcionam no papel. Está certo. É impossível alguém, muito menos o presidente da república apoiar dois candidatos à sua própria sucessão. Termina não apoiando nenhuma, sobretudo em função das contradições que, em decorrência, vão se evidenciar nos quadros partidários da base aliada.

O empenho de Lula é pela manutenção da aliança de chapa. Um aceno no sentido de Ciro, é claro, rompe o equilibro e abala a aliança. Principalmente porque o presidente não poderia consultar o partido de Michel Temer sobre tal dualidade. Além do mais desnecessária, já que se as eleições são em dois turnos.E ninguém poderá vencê-las já no primeiro. Maioria absoluta nem por sonho. Lula não a conseguiu nem em 2002, nem em 2006. Aproximou-se, mas não a alcançou. A investida de Ciro Gomes na hipótese de suplantar a chefe da Casa Civil e travar o duelo final com José Serra é outro assunto.

Se tal hipótese viesse a acontecer, seria extremamente improvável que pó ex governador do Ceará pudesse unir o PT em torno de seu nome, e muito menos o PMDB, sobretudo  porque uma ala da legenda, a de Orestes Quércia,defende aliança com o governador de São Paulo.Assim, plano B pode ser algo pessoal de Ciro,não de Lula. Inclusive Lula joga para o futuro, como é natural, sua visão projeta-se para 2014.

Ciro foi candidato em 98 quando teve 10% de votação. Repetiu a presença em 2002 e registrou 12%.Havia decolado bem,mas cometeu erros ao longo da campanha,na primeira vitória de Lula, que o colocaram em terceiro lugar.No primeiro turno, Lula atingiu 47 pontos,contra 23 de Serra, 18 de garotinho.No segundo turno, curioso, os 30% de Garotinho e Ciro dividiram-se em partes iguais: Lula subiu de 47 para 62 e Serra de 23 para 38. A impressão que ficou de Ciro nas duas campanhas é que ele começa bem, mas sua candidatura perde força no decorrer dos acontecimentos. Mas esta é outra questão.

No caso de seu nome passar a ser uma alternativa para o Planalto, a impressão que dá é que Lula fez um aceno mais para forçar a mobilização do PT em torno de Dilma Roussef do que para conduzir a um divisionismo, uma duplicidade. Ele deve estar tentando produzir um impacto, principalmente junto aos setores que não confiam na perenidade de uma articulação com Ciro. Este o panorama sob o ângulo de Luis Inácio e do PT. Sob o ângulo de Ciro Gomes é outra a questão. As pesquisas do Datafolha, Sensus e agora Ibope, descortinaram uma nova leitura do cenário. Mas também é preciso considerar que é um pouco cedo para interpretações mais precisas.

Política tem tempos certos que somente a sensibilidade do momento identifica. Porém uma coisa é certa: dualidade de candidaturas não é possível. Apoios políticos, para funcionar, têm que ser incondicionais, sem restrições, vacilações. Sem atitudes pendulares. Pois o movimento pendular desfoca o sentido e reduz o impulso a favor. Não funciona. E, sobretudo, reflete-se na decisão do segundo turno. Não existe exemplo de apoio duplo na política brasileira que tenha dado certo. Pelo contrário.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *