Aps encontro “simblico” com Trump, Eduardo Bolsonaro deixa Casa Branca sem novidades

Eduardo delegou ao chanceler a misso de falar ingls com os jornalistas

Beatriz Bulla
Estado

O bate e volta a Washington organizado pelo chanceler Ernesto Arajo e pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para reunio com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, serviu para enviar um sinal ao mundo inteiro da relao diferenciada entre os dois pases. Essa foi a definio do ministro aps deixar a Casa Branca sem fazer anncios concretos e dizer que no houve pedido especfico feito pelo Brasil aos EUA. Segundo ele, a novidade foi a reunio em si com Trump e o novo patamar que a relao entre os dois pases atingiu.

Na manh desta sexta-feira, dia 30, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que Ernesto e Eduardo deveriam trazer novidades ao Brasil e que havia pedido ajuda para Trump para combater as queimadas na Amaznia. O ministro e o deputado foram questionados sobre o tema e no fizeram anncio de ajuda especfica negociada com os americanos. Trump j havia oferecido apoio h cerca de uma semana, quando telefonou para Bolsonaro. Ao final de duas rodadas de conversas com jornalistas, o deputado deixou em aberto a possibilidade de que o pai anuncie, em Braslia, algo sobre o encontro com Trump, sem dar detalhes. Qualquer tipo de anncio ou fato mais detalhado certamente o presidente falar, inclusive uma deferncia antes de falar com Bolsonaro estarmos falando com vocs, afirmou.

CREDENCIAIS - O encontro aconteceu em meio ao questionamento internacional sobre a poltica ambiental de Bolsonaro. Trump, que j retirou os EUA do acordo climtico de Paris e questiona evidncias cientficas como o aquecimento global, tem sido um aliado do governo brasileiro no cenrio externo. A viagem tambm se d como parte do esforo de Eduardo Bolsonaro de mostrar as credenciais para assumir a embaixada do Brasil nos EUA. Segundo o filho do presidente, os pases que tentarem subjugar a soberania do Brasil encontraro problemas com os EUA. As relaes nunca estiveram to boas. Brasil e EUA esto alinhados e em que pese alguns lderes tentarem fazer algum tipo de negociao com a Amaznia sem a presena do Brasil vo encontrar muito problema para faz-la, porque os EUA vo se opor a isso. Todos os lderes que tentarem subjugar a soberania nacional encontraro problemas no s com Brasil mas tambm com os Estados Unidos, disse Eduardo.

O alinhamento com os EUA na questo ambiental d fora tentativa do Planalto de isolar o presidente francs, Emmanuel Macron, em meio repercusso internacional negativa diante do aumento nas queimadas e desmatamento na regio amaznica. Diplomatas consideram o questionamento poltica brasileira, que ocupou a primeira pgina de jornais estrangeiros no ltimo final de semana, como a maior crise diplomtica recente do Pas. Macron tem sido uma das vozes mais crticas poltica ambiental de Bolsonaro desde o G-20, em julho, e levou o tema das queimadas na Amaznia ao G-7, no ltimo final de semana. No incio da semana, Bolsonaro rejeitou a proposta de doao de US$ 20 milhes do G-7, anunciado por Macron. Depois teve idas e vindas sobre a verba, dizendo que poderia aceitar o dinheiro se o francs pedisse desculpas pelas falas sobre o Brasil.

“RELAO DIFERENCIADA” – Segundo o chanceler, no houve nenhum pedido especfico por parte do Brasil no encontro com Trump. No tnhamos expectativa de sair daqui com um acordo, afirmou. Ao sinalizar isso (aproximao entre os pases) acho que o mundo inteiro est vendo que Brasil e EUA tm uma relao diferenciada e isso muito importante nesse momento onde pelo menos um pas est com ideias esquisitas sobre a nossa soberania na Amaznia. No um pas, um determinado lder. Era um momento importante de virmos assinalar isso, disse Ernesto. O chanceler j havia encontro programado com a alta cpula do governo Trump para o dia 13 de setembro, quando ele e o secretrio de Estado, Mike Pompeo, devem repassar os acertos da reunio bilateral que aconteceu em maro entre os dois presidentes. Questionado sobre a urgncia em fazer a reunio agora, em uma viagem organiza s pressas pelo governo brasileiro, sem que haja anncio concreto, Arajo reiterou o potencial simblico do encontro.

Estamos provando (que as relaes entre os pases esto fortes) em um momento muito importante onde algumas correntes do mundo esto de alguma maneira se mobilizando para usar como pretexto o incndio na Amaznia para relativizar nossa soberania, relativizar a soberania de repente de outros pases. Isso no uma coisa banal, isso no uma coisa que acontece todo dia, e a reao coordenada, extraordinria, que teve do presidente Trump em relao a isso tambm no uma coisa que acontece todo dia, disse o chanceler, que classificou o encontro como o momento mais simblico da relao entre os dois pases, desde a visita de Bolsonaro a Trump, em maro. Arajo afirmou que Trump tem um compromisso muito claro de que o Brasil um pas soberano e que cerca de 30% da conversa foi sobre Amaznia. Segundo ele, os dois tambm falaram sobre a perspectiva de um acordo de livre comrcio entre os pases. Nos bastidores, diplomatas tratam isso como um acordo de liberalizao – que teria como intuito inicial facilitar comrcio sem debater tarifas. O chanceler afirmou a jornalistas estrangeiros que a maioria dos brasileiros ficou ofendida com a forma como Macron tratou a soberania nacional. Ainda segundo ele, Trump manifestou interesse de ir ao Brasil.

EMBAIXADOR - A presena de Eduardo na comitiva despertou o interesse dos jornalistas estrangeiros. o filho embaixador?, alguns perguntaram a brasileiros presentes. Na sala de imprensa, profissionais se perguntavam o motivo de o filho do presidente do Brasil estar reunido com Trump se ele ainda no embaixador. O questionamento foi oficializado na entrevista dada por Ernesto Arajo aos estrangeiros e o chanceler respondeu que o deputado presidente da Comisso de Relaes Exteriores da Cmara. Um dos jornalistas estrangeiros perguntou a Eduardo sobre o comentrio feito pelo seu pai sobre a esposa de Emmanuel Macron e o deputado, depois de perguntar a um auxiliar o que tinha sido questionado, pediu a Arajo para responder. Ele no quis responder a nenhuma das perguntas da imprensa internacional. J fora da Casa Branca, aos jornalistas brasileiros, Eduardo disse ter preferido a imprensa nacional porque vocs so muito mais bonitos.

O governo rechaa que a presena de Eduardo Bolsonaro na comitiva seja uma promoo da campanha do filho 03 do presidente, que tenta obter no Senado votos suficientes para ser nomeado embaixador nos EUA. Cada ato de aproximao de Eduardo com Trump tem sido usado por Bolsonaro para reiterar a escolha do filho para representar o pas nos EUA. Eduardo disse que Trump reforou inteno de maneira educada de apoiar minha candidatura, mas no aprofundamos. A indicao do deputado ainda no foi oficializada pois o governo acredita no ter, at o momento, os votos necessrios no Senado para aprovar a nomeao de Eduardo como embaixador nos EUA.

Eduardo e Ernesto chegaram na Casa Branca s 13h35, no horrio de Braslia, e ficaram reunidos com as autoridades do Conselho de Segurana Nacional antes da chegada de Trump no local. A reunio com o presidente americano s aconteceu por volta das 15h e durou cerca de trinta minutos. Estavam presentes pelo lado americano o secretrio de Estado, Mike Pompeo, e Jared Kushner, assessor e genro de Trump. Arajo e Eduardo estavam acompanhados pelo assessor para assuntos internacionais do Planalto, Filipe Martins, e pelo embaixador Nestor Forster, encarregado de negcios da embaixada do Brasil em Washington. Forster o atual chefe da embaixada brasileira. Amigo pessoal de longa data do escritor Olavo de Carvalho, ele um diplomata considerado alinhado com a chamada ala ideolgica do governo Bolsonaro. Depois da Casa Branca, Eduardo se encontrou na embaixada com Olavo de Carvalho. Ontem, o escritor recebeu homenagem na embaixada brasileira, em cerimnia conduzida por Forster.

28 thoughts on “Aps encontro “simblico” com Trump, Eduardo Bolsonaro deixa Casa Branca sem novidades

  1. Alquimistas palacianos insistem na abissal tolice: pensam( pa, foi mal) que conquistaro votos de senadores para o fritador de hamburguer, Eduardo Bolsonaro, pelo simples fato do deputado ter ido de pingente do ministro Ernesto Arajo ao encontro com Trump.

    • O furaco Dorian, categoria 4, se aproxima da costa americana. O presidente Trump adiou, por isso, visita a Polnia. Ao mesmo tempo os democratas esto iniciando praticamente o Impeachmente Inquiry Process – para ferrar de vez o presidente.
      A, tolo e vaidoso como o pai, o garoto do Bolsonaro se fez acompanhar do companheiro que ele indicou para o Ministrio das Relaes Exteriores para se encontrar com o Trump!
      preciso que ele seja cego para no enxergar a sua insignificncia. Resultado: deu com a cara na porta.
      Bolsonaro precisa aprender que o presidente Trump no tem amigos, ele tem interesses, ele exige lealdade canina de todos os seus auxiliares, ele ofendeu a primeira ministra da Inglaterra, o presidente da Frana, o Canada. Porra, nunca pensei que pudssemos ter uma Dilma novamente na presidncia. Alis, pior que ela, pois nunca ouvi da Dilma a palavra coc.

  2. uma atitude to simplria, infantil mesmo, acreditar que os senadores ficaro impressionados com esta encenao que envolve o zero, um? dois? trs?

    Presidncia familiar restrita…

  3. Na situao que nos encontramos. de torcer para o mar pegar fogo e comer peixe frito, pergunto as razes pelas quais os dois patetas foram aos EUA para gastar o nosso dinheiro?!

    Quanto custou essa viagem incua?
    A ttulo de qu?
    “Simblica”?
    P, que Bolsonaro enviasse um watts para Trump.

    O problema a falta absoluta e gritante de assessores competentes no staff de Bolsonaro.
    A menos que ele no permita ser ou contestado ou aconselhado, ento seus erros estratgicos imperdoveis.

  4. Engraado, a jornalista do Estado no sabe o que foi tratado na reunio e fica dando palpite como se estivesse dentro da casa branca ou fosse confidente de Ernesto ou Bolsonaro 02. Vamos esperar alguns dias e a realmente saberemos o que foi tratado nesse encontro.

    • Talvez tenha sido tratado o retorno da Rssia ao G7, a anexao da Crimeia ao territrio Russo, as taxas a serem impostas China, o processo de impeachment a que o Trump estar sujeito no retorno do recesso do Congresso americano. Coisas importantes, s coisas importantes. Sabe cum, nis samos o tal! Tem que sentar, porque cum nis ningum pode!
      Stupid questions dumb answers!

  5. Entre pases no h amizades, mas interesses.
    O Agro negcio no deve estar gostando dessa bajulao do governo brasileiro aos EUA. e a Israel. Quem, muito se abaixa o c… aparece.
    Os EUA vai comprar o que a China compra do Brasil?
    Israel vai comprar do Brasil o que os pases rabes compram? e ainda criou animosidade com a Argentina, nosso quarto melhor parceiro comercial ao se imiscuir na poltica interna do pas vizinho.
    bom ficar atento, os EUA no pregam pregos sem escopos

    • O povo americano generoso, cordial e respeita muito os outros povos. O problema so as empresas e a necessidade de o poltico se curvar a interesses escusos para sobreviver. Isso existe por l.
      Ainda me lembro do negcio escandaloso que o Fernando Henrique fez com a Rayteon (cerca de 1,4 bi de dolares na poca,1995) para comprar avies com equipamentos de vigilncia e vrios radares para vigiar o espao areo da regio amazonica. Uma amaznia cheia de vegetao alta, o que grande impecilho para a propagao das ondas de radar. Foi o chamado Escndalo do SIVAM.
      Um detalhe: Fernando Henrique extremamente vaidoso e queria solidificar a sua amizade com o presidente Bill Clinton. O SIVAM prestou para alguma coisa alm de propiciar vos panormicos para nossos heris pilotos?
      Traga o prejuzo causado pela vaidade do Fernando Henrique para os dias de hoje, multiplique-a por mil e teremos o que pode acontecer com essa submisso canina do Bolsonaro ao Trump e a sua rdicula insistncia em querer fazer a qualquer custo o seu filhinho embaixador. Isso, se formos bem claros no Portugus, uma forma de entreguismo. E depois vem falar de ameaa do Macron…

  6. Carlos Marchi (via Facebook)

    Dudu foi l entregar o ouro.

    A Europa no tem direito de opinar sobre o futuro da Amaznia.

    Trump tem. Dudu ofereceu-lhe o cargo de novo imperador amaznico.

    Ele dir o que pode e o que no pode ser feito com a floresta.

    A Europa opinar “internacionalizar” a Amaznia.

    Trump determinhar o futuro da regio a soluo aceitvel para o governo Bolso.

    Ora, v enganar a vovozinha, seu Dudu entreguista barato!

  7. Bons tempos aqueles, qdo meninos fomos. amos ao circo, nos divertiamos vendo os palhaos.
    Qdo pensvamos que esses tempos j faziam parte do passado, se deparamos hoje com o grande circo chamado Brasil.
    S que os palhaos de hoje, no passam de um bando de idiotas, desprovidos de patriotismo e civilidade!

Deixe um comentário para ricardo miguel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.