Após vídeo polêmico, Bolsonaro diz que situação ficou “insustentável” e demite secretário de Cultura

Alvim citou trechos de um discurso de ideólogo nazista

Tânia Monteiro
Estadão

O presidente Jair Bolsonaro decidiu demitir o secretário de Cultura, Roberto Alvim, após a polêmica referências ao nazismo em vídeo divulgado nas redes sociais. Segundo o Estado apurou com auxiliares próximos de Bolsonaro, a situação de Alvim ficou “insustentável”. O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, já foi comunicado da decisão.

Em vídeo em que anuncia o Prêmio Nacional das Artes, Alvim cita textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbels. “A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”, diz Alvim no vídeo.

O ORIGINAL –  “A arte alemã da próxima década será heróica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”, disse Goebbels em pronunciamento para diretores de teatro, de acordo com o livro Goebbels: a Biography, de Peter Longerich.

A frase causou polêmica entre artistas e até mesmo entre apoiadores do governo de Bolsonaro, que cobraramm a demissão do secretário. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também foi às redes sociais dizer que é preciso afastar Alvim “urgentemente” do cargo.


“COINCIDÊNCIA” – Mais cedo, em entrevista ao Estado, o secretário disse ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro e o “convencido” de que a citação de uma frase similar a do propagandista do nazismo foi uma “coincidência retórica”. Segundo ele afirmou à reportagem, o presidente disse a Alvim que o secretário permaneceria no cargo.  

Na entrevista exclusiva ao Estado, Alvim admitiu que trecho de seu discurso foi inspirado declaração do ideólogo nazista Joseph Goebbels. Ele afirmou que repudia o nazismo, mas que “as ideias contidas na frase são absolutamente perfeitas”. O secretário disse que “assina embaixo” da frase.

“A filiação de Joseph Goebbels com a arte clássica e com o nacionalismo em arte é semelhante a minha e não se pode depreender daí uma concordância minha com toda a parte espúria do ideal nazista”, disse o secretário.

OFENSAS – O dramaturgo Roberto Alvim foi nomeado em novembro ao cargo de secretário de Cultura, semanas após ofender a atriz Fernanda Montenegro nas redes sociais. Ele já estava no governo desde junho, quando foi nomeado diretor da Funarte.

Alvim surpreendeu a classe artística ao declarar voto em Bolsonaro em 2018, após o atentado a facada sofrido pelo então candidato a presidente. O dramaturgo dirigiu por três décadas peças de sucesso de crítica, mas afirma ter mudado radicalmente de perfil político após se curar de uma grave doença.

33 thoughts on “Após vídeo polêmico, Bolsonaro diz que situação ficou “insustentável” e demite secretário de Cultura

  1. Decisão correta e rápida.

    Ou assim ou mais um dia e haveria clamores de intervenção dos aliados da Segunda Guerra sobre o Brasil!

    Alvim demonstrou como NÃO se deve ser um secretário de cultura, ao utilizar parte de um texto de autoria de Goebbels, nazista ministro da propaganda de Hitler.

    Aliás, acho que Bolsonaro deve ter recebido telefonemas dos Estados Unidos e de Israel.
    Motivo:
    Por acaso não éramos amigos fortes e íntimos de americanos e judeus, devem ter perguntado?
    Como que o presidente iria admitir um discurso com conteúdo nazista e, ainda por cima, plagiado??!!

    Alvim foi a gafe antecipada deste século!!!!
    Ou, caso preferirem, a estupidez, idiotice e imbecilidade, para o que resta do século XXI.

  2. Pode-se (e deve-se) combater as idéias esquerdistas, caso se divirja delas.

    Pode-se (e deve-se) defender a bandeira do conservadorismo, se a pessoa for conservadora.

    Mas isso deve ser feito com inteligência e elegância, não com boçalidade, ignorância e xucrice.

    Roberto Alvim é mais um medíocre obscuro que caiu nas graças do bolsonarismo ao xingar uma atriz identificada com a esquerda. Fez isso, e depois macaqueou meia dúzia de slogans prontos. Foi o bastante para conquistar a manada de xucros que adula o atual presidente da Republica. Corre por aí uma versão de que o trecho do seu discurso que plagia o de Goebbels lhe foi passado por assessores. O tal discurso, segundo ele, compôs-se de trechos que lhe foram passados por seu staff. Se for verdade, isso só prova sua incompetência, indica que ele é tão inapto que não é capaz de redigir seus próprios discursos…..Com o tal plágio, Alvim conseguiu unir a Embaixada da Alemanha e a comunidade judaica contra ele e, de quebra conseguiu ser imbecil até para os padrões baixíssimos da governo que pratica masturbação ideológica pra agradar sua manada.

    “Imprecionante”!

    Combater idéias deve ser feito com elegância e inteligência. Era assim que faria um Paulo Francis, um José Guilherme Merquior, um Roberto Campos, conservadores autênticos e inteligentes….Mas Roberto Alvim é apenas Roberto Alvim….

    • EM TEMPO:

      Hilário é ouvir as desculpas dos quadrúpedes bolsonarisas: não conseguem sair daquela espiralzinha monocórdia e burra do “Ainnn, mas a esquerda também faz!!!!!!!!!!!”

      Prova, mais uma vez, de que o esporte brasileiro da atualidade é a masturbaçãozinha ideológica ‘Direita vs esquerda”, que se alimentam uma a outra….

      “Êh-oh-oh
      Vida de gado
      Povo marcado, eh
      Povo feliz”

      • Bolsonarismo virou proxeneta da esquerda, comunismo, petismo e afins…. Reparem como muitos simulam nojinho destas porcarias mas, no fundo de suas almas, dependem delas como meio de vida e as usam como papel higiênico pra passar pano pra seus políticos de estimação……..

        “Ainnnn, mas e o Lula??????”

        • EM TEMPO:

          Será que algum quadrúpede vai levantar a hipótese de Roberto Alvim ter caído devido a alguma trama diabólica do Foro de São Paulo???

          “Ainnn, eu preciso falar da esquerda!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

  3. UMA AULA DE POLÍTICA-ARQUITETURA DO AUTORITARISMO

    Adolf Hitler era culto, gostava de Artes e tentou entrar na Academia de Pintura de Viena, capital da Austria. Quando assumiu o Partido nacional socialista embrião do nazismo, nomeou como chefe da propaganda, o famoso Goebles, para comandar a Arte e a Cultura do nazismo. Inclusive, o símbolo do nazismo, a suástica, foi desenhada por Hitler, como também as alegorias e uniformes utilizados pelos militares nos desfiles para as massas e para a juventude hitlerista.

    Para demonstrar a arquitetura do fascismo, vamos supor um diálogo fictício entre Sócrates e Platão:

    Platão: Mestre Sócrates, como iludir uma nação com promessas populistas , baseada na alegoria da raça pura, na pauta conservadora dos costumes, no fim da inflação e da corrupção e na censura das Artes( Cinema e Teatro).
    Sócrates: Primeiramente, precisamos planejar a tomada do Poder. Será preciso arregimentar corações e mentes, através de pesquisas de opinião, sobre os anseios da sociedade, naquilo que mais lhe afeta no momento. Por exemplo, se há inflação será preciso então, prometer acabar com o monstro, que corrói salários. Se os índices de desemprego estiverem altos, o combate ao dragão torna-se prioridade, através das promessas de investimento nas fábricas, nas privatizações de estatais, na redução do Estado para torná-lo mínimo, na esperança de sobrar recursos para investimento nas empresas privadas. Se a sociedade está com medo da violência praticada por meliantes e milícias de traficantes, promete-se o abate de meliantes a qualquer custo.
    Platão: Professor, quais as ferramentas serão utilizadas para atingir esses objetivos:
    Sócrates: Não há movimento de mudanças e tomada de poder, sem uma teoria ou um teórico que pense filosoficamente os passos dos seus seguidores. Foi assim no mundo Grego-Latino, na Idade Média, no Renascimento, no Iluminismo e recentemente no Nacional Socialismo de Hitler.
    Os que desejam empalmar o Poder e nele permanecer, enunciam os seus propósitos, que serão depois colocados em prática. Assim como o pensamento na frente da ação, que se transformará em realidade, sob a ótica do monarca.
    Platão: O que fazer, no que concerne a Religiões e as Artes.
    Sócrates: Boa pergunta meu amado discípulo. O Estado deixa de ser laico para seguir uma seita religiosa, que aceite nossos lemas conservadores. Elimina-se a razão nos atos do Estado e passa a reinar os fundamentos da Fé. As Artes passam pelo filtro da Censura. Os autores teatrais e das Artes em geral perdem a liberdade de criar e são negados financiamentos públicos, nos roteiros cinematográficos, com temática social, de apelo sexual e progressistas.

    Bem, terminado o diálogo ficcional, passemos a análise:

    O paradoxo é acreditar ao mesmo tempo na razão e na loucura. Isso vemos nas redes digitais, com militantes virtuais a serviço de uma causa conservadora, difundindo mentiras, atacando quem não pensa igual a eles, uma deseducação, uma falta de cultura e de conhecimentos mínimos da história do país e do mundo.
    O copia e cola do Secretário de Cultura, a um discurso de Goelbes, em 1930, pregando uma Arte do Poder do Estado ou nada, foi um tiro no pé, uma demonstração do desmonte da Cultura e das Artes. As práticas do chefe de propaganda de Hitler, estão ainda bem vivas na memória dos parentes das vítimas do nazismo e isso é inaceitável para todos àqueles povos que sofreram a barbárie nazista.
    Tanto na Grécia de Sócrates, como na Alemanha de Hitler, as elites se incomodavam com a Filosofia, o Conhecimento, a pluralidade e a diversidade. Ensinar Democracia, Arte, Pintura, etc… se tornaram uma ameça ao monarca. Os aristocratas não permitem que os jovens pensem pelos seus próprios cérebros.
    Por essa razão, todos os governos combatem a Imprensa, censuram às Artes e a Liberdade. promovem uma fuga da realidade, mentem reiteradamente e compulsivamente, usam fakenews, repetem mentiras a exaustão para que se tornem realidade. Trata-se de uma loucura ou uma tática deliberada para confundir o outro ou a si mesmo.

  4. A gritaria em uníssono da militância petralha nas redes sociais e grande mídia sobre cada ato de integrante do atual governo que, notadamente, vai contra o status quo em qualquer área, meio ambiente, educação, cultura, indica exatamente a estratégia de goebells de repetir a mentira para que seja tida como verdade. “Acuse-os do que vc é. ”
    Sempre fizeram isso. O Alvin não é nazista e toda a classe artística (que o conhece muito bem) sabe disso, mas tal como sempre acusaram da mesma forma Bolsonaro, por seu discurso também com viés nacionalista, desta vez a histeria dos mortadela com caviar deu certo. O ex secretario nacional de Cultura foi atacado tanto quanto vem sendo Weintraub, Damares e Salles, exatamente pq estes estão tendo que lidar com a mais ferrenha e irresponsável militância que infesta os órgãos públicos. O Roberto Alvim não caiu de para quedas vindo do nada… o cara é renomado na sua área. Virou inimigo quando ousou não comemorar, como seus colegas o fizeram à época, a facada em Bolsonaro. Não dá pra fazer coro com nada dependendo de quem venha, ainda mais dessa militância lula livre. Isso é somar com inimigo… Se não está de acordo com certo ato de alguém deste governo o ideal é mesmo se manifestar, mas não se pode, INGENUAMENTE, somente repetir os mesmos ditames já impostos pelos impostores de sempre.

  5. Caro Rodrigo Carvalho,

    Independente do “furor uterino” da mídia contra Bolsonaro, coadjuvada pelo PT, Alvim se excedeu.

    Pô, logo ter copiado parte de um discurso nazista??

    Por acaso o secretário queria derrubar o governo ou trazer-lhe mais incomodação?!
    Que o taura não é nazista não discuto mas, a bem da verdade, trata-se de um mentecapto, um néscio, que sabe tanto de cultura quanto a Rita Lee de motor de helicóptero!

    Logo um discurso nazista, com trilhões de outros à disposição para ser plagiado, e o bucéfalo escolhe o de Goebbels!

    Não me leves a mal, mas o erro foi imperdoável, e a sua demissão mais do que natural, necessária!

    • Amigo, Bendl:

      O fundo musical do vídeo do Roberto Alvim era a ópera “Lohengrin”, uma das favoritas de Hitler…. Coincidência, claro….

      Isso faz dele um nazista? Claro que não, mas fica cada vez mais difícil acreditar em “plágio involuntário”….

      • Marques,

        Em nenhum momento eu o acusei de nazista.
        Agora, o cara usa uma citação de Goebbels, e como pano de fundo uma ópera de Wagner, alemão, vamos e venhamos … pensar o quê?

        Muito idiota o cara, néscio, bucéfalo, para dizer o mínimo.

        Tinha que ser demitido, como foi rapidamente.

    • Compreendo plenamente as razões do presidente. Alvim errou no tom, pode ser. Mas fosse a madre Teresa de Calcutá, sendo nomeada pelo atual governo, a gritaria seria a mesma. Tudo fazem para minar o governo. JB foi prudente em cessar de pronto essa sangria. O regozijo petralha é emblemático e denota que Alvim estava fazendo um ótimo trabalho. Saudações, caro Bendl.

  6. Agora; até o GM vai virar paladino das liberdades; rápido vamos esquecer o que eles fizeram para enterrar o combate a corrupção que gera um holocausto anual nas estradas, hospitais, infraestrutura como saneamento básico entre outros.
    Todos o defensores dos corruptos vão virar heróis.
    Mais uma vez cairemos no engodo.
    Realmente o Mal é muito poderoso.
    A sorte é que a realidade rude do dia a dia, nos “acorda”.

  7. Marques,

    O suprassumo da ironia:
    Enquanto Bolsonaro se aproxima dos Estados Unidos e de Israel, o secretário de Cultura resgata o … nazismo!

    Ou o cara tava “mamado” ou a intenção era mesmo desestabilizar o governo, que já se encontra no “balança, mas não cai”.

    • Concordo, amigo Bendl.

      A respeito deste episódio, faço minhas as palavras dO Antagonista, de quem eu nem sou tão fã assim…:

      “Direita de verdade é racional e esclarecida. Chega de esquizofrenia.”

  8. Idiotas você encintra em qualquer grupo de indvíduos. Este é mais um que deu seu ar da graça. Porém, outro é o toffoli, assusti no noticuário da tv criticando este ministro. Porém, quando o molusco chamou o kadafi de irmão, ele ficou calado. Comparando o hitler e o kadafi ambos tem sangue de inocentes em suas mãos. Ele deveria também ter criticado o molusco.

  9. Numa entrevista para a revista Pkayboy em 1979, o molusco disse que admirava o hitler, mao e guevara. Isto nos mostra que tanto na esquerda e na direita temos gente que não conhece nossa hustória.

  10. Como a mentira (visão pela lente esquerdista) já foi propagada ao mundo inteiro; o governo avaliou que não tem como desmentir. É melhor usar a técnica esquerdista de usar o defunto (demissão) para se vitimar.

  11. Na melhor escola do Brasil, eu aprendi que Dom Pedro estava cagando enquanto declarava a independência. Diziam que Hitler era burro, desqualificado e sem talentos.
    O demônio (Hitler) era inteligente; entre os fatos: Vendeu mais quadros do que muitos grandes pintores igualmente em inicio de carreira.

      • Isso eu não sou “autorizado” a opinar; segundo um liberal isentinho, só alguns dotados das castas tem a capacidade de identificar arte e talento.
        O que é fato, é que Hitler viveu da venda de suas gravuras quando jovem; enquanto muitas pinturas classificadas como obras de arte pelos iluminados, só foram valorizadas e vendidas após a morte dos pintores. PS: Teve um dos “maiores”, que vendia o quadro para um irmão, pelo preço da tinta para o próximo quadro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *