Armínio Fraga diz que já está menos pessimista em relação ao Brasil

Armínio Fraga participou do Roda Viva

Fraga adverte que o ajuste fiscal está demorando demais

André Ítalo Rocha
Estadão

Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, o ex-presidente do Banco Central (BC) Armínio Fraga afirmou que a possível chegada do vice-presidente Michel Temer ao comando do governo representa uma “mudança positiva” para o Brasil. “Tanto pela possibilidade de corrigir problemas, como pela saída de um governo que se mostrou complicado e incompetente”, disse Fraga, que chegou a ser cotado como o ministro da Fazenda em um eventual governo Temer.

Ligado ao PSDB, o ex-presidente do BC disse que não acredita na sobrevivência de Dilma Rousseff no governo, mas ressalva que não faria parte de um governo Temer. “É um momento que requer outro perfil, e eu não sou político”, justificou.

Apesar disso, elogiou o vice-presidente. “Ele teve coragem de apresentar posições, quando começou a desembarcar desse projeto. O programa ‘Uma ponte para o futuro’ é um bom roteiro, precisa agora ser executado”, afirmou.

DESAFIO É GRANDE

“Estou menos negativo (quanto ao futuro do Brasil), mas o desafio ainda é grande”, declarou Fraga, em sua terceira participação no programa da TV Cultura.

O economista disse ainda que este é o momento ideal para dar início a uma mudança no modelo de desenvolvimento econômico do Brasil. “O modelo populista deu errado, quebrou. A hora de fazer mudanças é agora. O governo tem obrigação de tentar e passar a bola”, afirmou. “Esse governo é um governo de transição longa, de dois ano e meio, tem de tentar e tentar explicar”, acrescentou.

Fraga sugeriu, no entanto, que a equipe econômica de um eventual governo Michel Temer terá de ser cautelosa na implementação de reformas fiscais, em razão do ambiente político conturbado que se espera até as próximas eleições presidenciais, em 2018.

JOGAR NO ATAQUE

“Num mundo isolado das questões políticas, das outras crises que vivemos, seria essencial jogar no ataque e tentar corrigir os problemas. Mas nesse ambiente complicado, com o País com mais de 30 partidos, vivendo essa tão importante Operação Lava Jato, é preciso jogar no ataque no sentido de definir objetivos para a política pública e partir para a execução. Empurrar com a barriga seria bom, dado o colapso (que se desenha) até 2018, mas não fazer nada não é empurrar com a barriga. Para chegar lá (em 2018) o Brasil terá de melhorar bastante”, disse.

Para o economista, a prioridade de Temer deveria ser a implementação da reforma da Previdência. “Eu acredito que o País esteja maduro para fazer a reforma da Previdência. As declarações do governo (sobre a Previdência) têm sido tímidas, e eu entendo, mas vale a pena tentar, seria um passo importante”, disse Fraga.

Como exemplo de medidas que poderiam ser adotadas para este tema, ele citou o fim da vinculação da aposentadoria ao salário mínimo e um ajuste nas pensões, “que são extravagantes”.

AJUSTE FISCAL

O economista lamentou também que o ajuste fiscal ainda não seja encarado por todas os setores da sociedade como algo urgente. “Não sei como existe gente por aí que diz que as opções são fazer o ajuste ou ser feliz, isso não existe, ou ajusta ou entra num buraco ainda mais profundo, o estrago já foi feito, a melhor coisa é consertar isso tudo que já foi feito”, disse.

15 thoughts on “Armínio Fraga diz que já está menos pessimista em relação ao Brasil

  1. Tudo que vai acontecer no Brasil nos próximos anos resume-se numa única coisa: regressão social, com a consequente proletarização da classe média, seja nova ou velha e dos mais pobres. É simples entender: não serão os ricos que pagarão os juros e rombos na casa dos trilhões que assolam as contas públicas deste país e que já estão e estarão sendo cobrados de todos nós.

  2. Newton, pouquissímas pessoas sabem disso: O neologismo populismo, não existia no linguajar político até 1951. Quem usou esse neologismo pela primeira vez foram, segundo Darcy Ribeiro, intelectuais paulistas quando Getúlio assumiu o governo em 1951. Logo a seguir aqui no Rio de Janeiro usaram “populismo” para substituir a palavra demagogo. Sá e Benevides define o “populismo”: Populismo é um neologismo genérico, que por insuficiência política a elite camufla seus preconceitos e discriminações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *