As 20 causas do aumento da violncia e da morte, por homicdio, de mais de 1 milho de pessoas nos ltimos 30 anos no pas

Milton Corra da Costa

Os impressionantes dados mostrados pelo Mapa da Violncia precisam ser objeto de reflexo e anlise. No Brasil, nos ltimos 30 anos, matou-se mais do que em muitos conflitos armados duradouros. Enquanto a disputa religiosa entre Israel e Palestina, entre 1947 e 2000, foi marcado pela morte de 125 mil pessoas e a guerra civil da Guatemala, durante 24 anos, deixou um rastro de 400 mil mortes, no Brasil, nos ltimos 30 anos, 1.091.125 pessoas foram vtimas de homicdio, numa mdia de 4 brasileiros assassinados por hora, sem contar os milhares de desaparecidos sem que se saiba, referentemente aos que morreram, qual a causa-mortis.

A meu ver, numa anlise estrutural e conjuntural do quadro da violncia no Brasil so as seguintes as principais causas determinantes de tamanha tragdia:

1 – Os resqucios histricos, provenientes principalmente das regies Norte e Nordeste, da antiga premissa da lei do mais forte, cultivada pelos chamados Coronis do Serto e seus capangas, onde a presena da autoridade policial, do poder judicirio e do poder pblico em geral ainda so incipientes at hoje em muitas localidades longnquas;

2 – os resqucios de um perodo de exceo no pas (ps /1964), gerando a violncia de Estado para combater a luta armada, perpetrada por militantes de esquerda, que alicerados na cultura marxista-leninista, tinham como finalidade implantar o regime comunista no pas pela tomada ilegal do poder;

3 – nfase maior, nas dcadas de 60, 70 e 80, no combate das foras de segurana ao crime poltico, mormente em aes contra-guerrilha;

4 -crescimento, sem que os rgos de informaes da poca, tivessem observado, da violncia do crime comum, com o surgimento da doutrina do narcoterrorismo, com a criao da primeira faco criminosa do gnero, instalada em morros e favelas do Rio, proveniente do encontro, no Presdio da Ilha Grande, de criminosos polticos e criminosos comuns, com a difuso dos assaltos a banco como forma de captao de recursos para montagem da estrutura dos arsenais do trfico;

5- incio, na dcada de 80, do crescimento do contrabando de armas e do trfico de drogas, atravs de nossas vulnerveis fronteiras, mormente provenientes do Paraguai e da Colmbia;

6 – a excluso social empurrando jovens para a marginalidade, mormente nas dcadas de 80 e 90;

7- a arregimentao de menores (inimputveis), em morros e favelas do Rio, na hierarquia do trfico;

8 – a obsolescncia da idade inicial de responsabilizao penal pelo critrio biolgico (idade de 18 anos), ultrapassado no mundo onde pases mais evoludos no tema adotam hoje o critrio psicossocial, face o avano tecnolgico e de informaes no mundo atual disposio dos jovens;

9 – a obsolescncia do Cdigo Penal Brasileiro ante a evoluo das prticas criminosas, mormente nos crimes contra a vida com o emprego de armas de guerra, onde as penas so consideradas brandas face a brutalidade dos crimes;

10 – as brechas da legislao penal brasileira com a implantao das progresses de regime carcerrio e reduo de penas, sem o devido exame criminolgico de grau de ressocializao do apenado;

11- a carncia de casas de custdia, presdios e penitencirias no pas, criando os abarrotados depsitos subhumanos de presos, onde a ressocializao em grau mnimo (numa mdia de 90 dias, 85% dos apenados, postos em liberdade, retornam ao crcere pela prtica de novo crime);

12- no cumprimento de milhares de mandados de priso por falta absoluta de estrutura, no sistema penitencirio brasileiro, para alocar mais e mais presos;

13 – morosidade nas decises do Poder Judicirio pela falta de estrutura de pessoal para acelerar procedimentos jurdicos o que acaba gerando um sentimento de certa impunidade inclusive com prescrio de prazos processuais;

14 – o grau acentuado da letalidade nas intervenes policiais que ainda privilegia o uso da fora excessiva em detrimento da seletividade da ao (h que se entender que quanto maior a seletividade da interveno policial menor o emprego da fora);

15- a difuso e aumento do consumo de drogas pelos jovens, inclusive no uso excessivo do lcool, droga considerada lcita, cuja massificao da propaganda miditica o apresenta como algo prazeroso;

16 – aumento assustador do consumo do crack, a chamada droga da morte, com a difuso das cracolndias em boa parte das cidades brasileiras;

17 – influncia do cinema nos mais jovens na abordagem de temas envolvendo violncia tipo as sries Duro de Matar e Jogos Mortais;

18 – influncia nos mais jovens pela difuso de jogos eletrnicos voltados para guerras e destruio humana, onde a cultura da violncia, na tecnologia, tambm retrata a violncia real do cotidiano;

19 – a falsa crena de que arma um necessrio instrumento de defesa pessoal em qualquer situao ( cultura armamentista); e finalmente,

20 – o envolvimento e contaminao do aparelho policial com o crime, com a corrupo, com atrocidades e abuso de poder.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

6 thoughts on “As 20 causas do aumento da violncia e da morte, por homicdio, de mais de 1 milho de pessoas nos ltimos 30 anos no pas

  1. Uma das causas mais provveis seno a principal da violncia hoje no mundo, principalmente no brasil.:

    Falta de cumprimento do papel das igrejas, na transmisso da mensagem do cristo, sobre o amor ao proximo.

    as religies se arvoraram em demasia no poder e no ouro,
    no tiveram legitimidade moral para induzir os jovens ao cristianismo puro, ora, se no creem em nada racional aps a morte, o que mais importa se dar bem, de qualquer jeito, as custas de qualquer meio, salve -se quem puder….

  2. A VIOLNCIA JA COMEA NA BBLIA, MILHES DE MORTOS EM NOME DE DEUS,( O DILUVIO, AS PRAGAS, SODOMA E GOMORRA ENTRE OUTROS). O PRPRIO DEUS MANDOU O SEU FILHO JESUS PARA MORRER BRUTALMENTE EM SACRIFCIO (MODALIDADE DE VIOLNCIA CONHECIDA NO SATANISMO, SACRIFCIO DE UM CORPO DE SANGUE POR ALGUMA CAUSA) E NA PRPRIA SUPOSTA VINDA DE JESUS PARA O SEU REINADO, PREGAM OS RELIGIOSOS QUE CREEM EM UMA APOCALIPSE SEM PRECEDENTES ONDE BILHES SERO MORTOS EM UM CATACLISMO GLOBAL. QUER PREGAO DE VIOLNCIA MAIOR QUE ISSO?

  3. os grandes culpados somos nos mesmos pois somos nos que votamos nas pessoas que fazem as leis em nosso pais precisamos mudar nosso sistema pulitico nao podemos deixar que deputados e senadores decidam o que fazer com as leis em nosso pais assim como nos escolhemos nossos governantes tambem nos podemos decidir sobre as mudanas de nossas leis estamos sofrendo com alto indice de violencia entre os jovens e os nossos senadores foram contra a maioridade penal mais rigor nas leis

  4. A principal causa do aumento a falta da justia. E isso no vai mudar facilmente porque, os que podem fazer leis punitivas contra essa situao, no possuem credenciais para tal, visto que so mais corruptos do que o chefe do inferno.

    • Quanto a violncia contra mulher, pura covardia. Por que o vagabundo, antes de agredir a mulher no oferece mesma igual oportunidade de defesa? Se est armado, oferece uma arma e ensina a atirar.

      • Alm disso, quem agride uma mulher ou uma criana, seres delicados, frgeis e indefesos merece passar o resto da vida em uma penitenciria na mais profunda misria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.