As DOAÇÕES criminosas de bancos estatais, os empréstimos altamente ONEROSOS do BB e BNDES

Banco Central, bancos particulares

Sem o menor sigilo, fontes do BC explicam: “A taxa Selic ficará em 8,75% até o fim de 2009”. Bancos privados, que eram quase todos nacionais e foram globalizados, já cobram isso AO MÊS.

Fala o Ministro Mantega

“Se o Brasil tivesse mais bancos públicos, o crescimento seria muito melhor e o desenvolvimento mais fácil e favorecendo a coletividade”.

Nenhuma dúvida, mas em relação a este repórter, Mantega está “inventando a pólvora”, quando ela está quase ultrapassada.

DOARAM os bancos dos estados, crime de lesa-pátria

Os bancos estaduais representavam fator ponderável e poderoso do desenvolvimento dos estados e, por consequência, dos municípios. De nacionais passaram a multinacionais, e logo depois foram chamados de globalizantes, como são até hoje.

Banco: fator irrevogável (?) de crescimento,
no Brasil,inteiramente desperdiçados

Alguns dos maiores bancos eram estaduais e estatais. A DOAÇÃO de alguns, verdadeiros e espantosos escândalos, como o importante Banespa, de São Paulo.

Sem qualquer pagamento e sem investimento se transformou numa invencível trincheira de lucros e desenvolvimento, mas não para o Brasil e os brasileiros.

Banerj:escândalo triplo

Não existe um estado onde a transferência desses bancos estaduais-estatais não tenha sido precedida e seguida de ROUBALHEIRA, a palavra é essa. No Rio, que perdeu o seu poderoso fator de desenvolvimento, o escândalo era tão grande que teve que ser dividido e subdividido.

Bozzano, Itaú, Banerj: associação para
a transferência ousada e audaciosa

Quando o Rio se transformou em Estado da Guanabara, surgiu um banco importante: o BEG (Banco do Estado da Guanabara), auxiliado pelo BD-Rio, do município. A partir de 1975, quando o general Geisel praticou a criminosa fusão Estado do Rio-Guanabara, desapareceram esses bancos, ficou apenas um, chamado de Banerj.

Ao Itaú vencedor, mais um banco

A “administração” cometeu o escândalo audacioso de “entregar” o Banerj ao Itaú, mas era necessária uma “engenharia” complicada. Vender simplesmente o banco estadual para o banco nacional era uma indignidade, podiam até justificar, mas como aproveitar?

Nenhuma Comissão para estudar a fusão,
precisavam apenas garantir a comissão

Lógico, existem “engenheiros” que resolvem os problemas. Veio a salvação: “entregavam” o Banerj ao especialista Julio Bozzano, depois de todos os arranjos, era transferido para o Itaú, o que foi realizado. E mais: até hoje, o  cidadão do Estado do Rio é OBRIGADO a pagar suas contas nesse BANERJ “paulistizado”.

Escândalos e lucros eternos

Posso passar dias contando histórias macabras, mas felicíssimas desses bancos estatais DOADOS a bancos privados, sem nenhum benefício para a coletividade.

Combati todas (e as outras) doações. O Ministro Mantega (que sabe pouca coisa de pouca coisa), exaltou o Banco do Brasil e o BNDES. Sem dúvida merecem elogios. Mas com muitas restrições.

***

PS- Por que o BB “comprou” o banquinho do senhor Ermírio de Moraes, dando a ele, DE UMA VEZ, 7 BILHÕES E 500 MILHÕES DE REAIS? O dono da Votorantim ficou com 51 por cento, mas é o BB que vai administrá-lo e produzir lucros para esse empresário que passou anos criticando os bancos. Que República.

PS2- E os empréstimos do BNDES? Carlos Lessa, que passou pouco tempo lá, estarrecido com os escândalos, contou tudo ao presidente Lula. Foi afastado. Um dos maiores escândalos, DOS GRANDES: emprestou ao Bradesco CENTENAS DE MILHÕES para que pudesse entrar em associação para “comprar” empresas estatais DOADAS. Por que não usou seu dinheiro, PENOSAMENTE GANHO? Que República.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *