As luzes noturnas de Moacyr Félix

 O editor, escritor e poeta carioca Moacyr Félix de Oliveira (1926-2005) mostra no “Poema Quase Explicação” como as luzes noturnas desenham o mundo que habitamos. 

                                                                                                                            

POEMA QUASE EXPLICAÇÃO                

Moacyr Félix

Luzes cortaram mais uma vez a noite básica
e desenharam o mundo em que vivemos.

E as estrelas derramaram pedra e cal
e construiram em cada olhar muralhas
onde fonte magra pinga sol e lua
– e o relógio é um deus cantando as horas
horas de pedra e cal, prontas para o nada.

Simplificado como uma lágrima
cruzaste a tua ponte de meninos mortos:
não mais o refletido caminhar
de teus passos na noite iluminada,
mas o descer com os olhos a ladeira
e deixá-los no cárcere sem portas
onde os ratos e os anjos se devoram.

Impassível como um tronco de árvore, onde
os homens gravam a canivete o que calaram.

(Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “As luzes noturnas de Moacyr Félix

  1. Parabéns pela escolha de hoje. Moacyr Felix, grande poeta, grande pessoa humana, éramos camaradas no antigo PCB – Partido Comunista Brasileiro, no então jornal Voz da Unidade, certa feita, ele publicou uma versão em português da “Internacional”. Atualmente, a meu ver, mora no Céu e milita no PCA – Partido Comunista do Astral. Com todo respeito aos que discordam. Em meu blog já falei sobre o PCA.

  2. Antes que reclamem, “grande pessoa humana” não é pleonasmo. De acordo com o Budismo, filosofia que sigo hoje existem pessoas nos diversos reinos: pessoas no reino hominal, pessoas no reino animal, pessoas no reino mineral, pessoas nos reinos invisíveis. Assim temos pessoas árvores, pessoas pedras, pessoas espíritos e… pessoas gentes… etc. Não procurem só a Lógica Ocidental…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *