As relações de Lula com as empreiteiras

Bernardo Mello Franco
Folha

Um mês depois de deixar o governo, Lula embarcou em um avião da Gol para Brasília. Apertou-se na poltrona, posou para fotos com passageiros e disse que os políticos deveriam “ir para a rua”. Era só truque de marketing, porque o ex-presidente não foi mais visto em voos comerciais. Passou a se deslocar em jatos fretados por empresas que o contratam. A lista inclui ao menos três empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato.

Papéis apreendidos pela Polícia Federal revelaram que a Camargo Corrêa deu R$ 4,5 milhões ao Instituto Lula e à empresa de “palestras, eventos e publicações” do petista. Em abril, o Ministério Público já havia aberto procedimento sobre as suas viagens a serviço da Odebrecht. Segundo a Procuradoria, o instituto pediu mais prazo para se explicar.

Quando as duas notícias vieram à tona, a assessoria de Lula reagiu com irritação. Há um mês, criticou a revista “Época” e afirmou que ele “faz palestras e não lobby ou consultoria”. Nesta quarta, acusou a imprensa em geral de semear “factóides, má-fé e preconceito” para atingi-lo.

Em vez de atacar jornalistas, Lula deveria divulgar com transparência o que fez, para onde viajou e quanto recebeu das empresas citadas no petrolão.

NA VIDA PÚBLICA

Ele está sem mandato, mas continua na vida pública. Comanda o PT, reúne-se regularmente com a presidente Dilma e já começou a campanha para voltar em 2018.

A CPI da Petrobras acaba de convocar o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, para prestar depoimento. Seria interessante que seu chefe também aceitasse falar abertamente sobre a Lava Jato. Foi no governo dele que a maior estatal brasileira registrou a maior parte das perdas de R$ 6,2 bilhões com corrupção.

Em 2009, Lula reclamou da publicação de suspeitas contra José Sarney e disse que o aliado não deveria ser tratado “como se fosse uma pessoa comum”. Agora que também é ex-presidente, parece estender a opinião a si próprio. Está errado.

(artigo enviado por Celso Serra)

2 thoughts on “As relações de Lula com as empreiteiras

  1. Eu já desconfiava há muito tempo que esse tal instituto “lullalau” chefiado por um verdadeiro Fernandinho Beira Mar chamado Paulo Okamotto, que é um verdadeiro delinquente, recebia dinheiro de propina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *