Até agora, nenhum país conseguiu implantar o marxismo

Paulo Solon

Sempre vi Marx como um valoroso ensaísta criativo, não como um cientista. Você chega facilmente a esta mesma conclusão, ao ler sua obra “A Sagrada Família”, sofisticado ensaio sobre o tema, desenvolvido juntamente com Engels.

Ensaísta, mas não totalmente distanciado das motivações políticas. Tanto que o grupo Brigadas Vermelhas sequestrou e matou o primeiro-ministro Aldo Moro, da corrente cristã italiana, praticamente tendo “A Sagrada Família” como vade-mécum.

Tanto Marx, como David Ricardo, e também Adam Smith, nenhum estudioso do assunto, aliás, ignorou que a cupidez e a avareza são os motores do desenvolvimento econômico. Nem mesmo Cristo, o chamado Príncipe da Paz, ignorou a cupidez e a avareza, já que aconselhou aos mamíferos que o seguiam a “acumular riqueza no Céu, onde as traças não a podem corroer, nem os ladrões podem roubá-la”.

Claro, o Nazareno não poderia dizer para acumularem riqueza numa nave espacial, ou em outro corpo celeste onde não existissem traças, nem ladrões, já que a malta daquela época não iria entender.

MARXISMO

Embora eu tenha mencionado que a Rússia e a China abandonaram o marxismo, agradeço a oportunidade de fazer uma retificação. Ninguém abandonou o marxismo, a não ser na aparência. Tenho até a impressão de que nenhum país conseguiu ainda implantar o marxismo. Mais algumas gerações, e vão perceber que Marx, Freud e Einstein é que continuam contribuindo com o direito, a medicina, a ciência e as artes.

Já acontece um florescimento de talento baseado nesses três luminares, basta ver a contribuição de Arthur Koestler, Saul Bellow, Isaak Babel, Philip Roth e Lenny Bruce, entre outros.

Alguns desses até desenvolvem certa cotação entre Cristianismo e Bolchevismo (ah, o fabuloso cineasta Sergei Eisenstein!), fazendo comparações entre Karl Marx e São Paulo, sempre lembrando que ambos eram judeus.

Quanto ao que Helio Fernandes declarou sobre o fabuloso Mao Tse-tung, ele já disse tudo. E como na China, a liderança única pertence ao Partido Comunista, fundado por Mao, salta aos olhos, e rebenta os ouvidos, que o marxismo enaltecido por Mao está apenas adormecido.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

15 thoughts on “Até agora, nenhum país conseguiu implantar o marxismo

  1. Mikhail Aleksandrovitch Bakunin 1814 —1876), também aportuguesado de Bakunine ou Bakúnine, foi um teórico político russo, um dos principais expoentes do anarquismo em meados do século XIX e é lembrado como uma das maiores figuras da história oponente do Marxismo em seu caráter autoritário, especialmente das ideias de Marx de Ditadura do Proletariado.

    Ele segue sendo uma referência presente entre os anarquistas da contemporaneidade, entre estes, nomes como Noam Chomsky.

    As palavras de Bakunin, em 1872, evidenciando a falha da estratégia marxista soam um tanto proféticas com relação aos acontecimentos do século XX e o que esta sucedendo aqui no Brasil com o PT e seus aliados:

    “Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana.”

    Na realidade Bakunin, no séulo XIX, já tinha a visão que o socialismo não funcionaria devido a natureza humana e que a ganancia dos senhores no poder.

  2. Caríssimo Solon, concordo plenamente! Recentemente lendo um místico budista japonês, ele disse que Marx teve como base, entre outras, os Evangelhos de Jesus. Gramsci informa, a única revolução que até agora vem dando certo é o Cristianismo (mas não esse Cristianismo Capitalista, que vemos hoje nas esquinas)Abração.

  3. Quando o cérebro processa o palpável, o visível, seu portador está intimamente ligado com a realidade.
    Assim o Homem inventou a roda. Hoje o computador.
    Essas coisas trazem benefícios.
    Porém, quando toda a realidade é desprezada, a área do cérebro responsável pelo processamento das interações dos sentidos com a mesma, é capturada pela mente, um apêndice do cérebro exclusivo dos humanos.
    A mente fantasia, delira, mente.

    “O ceticismo derrama demasiado tarde suas bênçãos sobre nós,sobre nossos rostos deteriorados pelas convicções. sobre nossos rostos deteriorados com um ideal” (Cioran)

  4. IMPLANTAÇÃO DO MARXISMO, SOLON?

    Marxismo é um sistema de ideias, não um sistema político ou econômico, estes nunca configurados somente com um sistema de ideias.

    O Socialismo ganhou impulso ‘por dentro’ do Capitalismo, a partir do Manifesto, do O Capital e da Rerum Novarum.

    Quando ocorre uma ruptura institucional, instala-se um ‘ditadura provisória’ (Governo Provisório de 1930 a 1930) aceita pelo Direito Internacional, dando tempo a que os novos detentores do Governo se consolidem e proponham novo arranjo normativo, constitucional.

    Ditadura do Proletariado é o nome desse ‘interregno’ após uma revolução socialista armada, que derrota o Poder dos capitalistas, assumindo o proletariado.

    Cumprindo o Socialismo sua tarefa, chegar-se-á (ou chegar-se-ia) ao Comunismo, que não é um sistema econômico, nem político, mas uma UTOPIA, que, como tal…

    Quanto ao ‘Reino do Céu’ é tertúlia pra dormitar bovinos.

    Teu enunciado mais confunde que explicita, infelizmente.

  5. “O que acabo de descobrir será desenvolvido por outros, mais tarde. Estou apenas construindo as bases de um edifício …” Assim expressou-se no século XVII René Descartes (O Pai da Filosofia Moderna), referindo-se ao seu “Discurso Sobre O Método”.
    “Estou dizendo que toda a filosofia passada carece de fundamento até que tenhamos examinado suas premissas, e demonstrado um método de avançar a partir delas”, disse Descartes.
    É assim que vejo Karl Marx, um homem que escreveu sobre mais de vinte Ciências e Disciplinas. Marx nunca foi político nem revelou aptidões para a política, nunca exerceu cargos públicos ou indicou pessoas. “Limitou-se” a escrever e escrever sobre um mundo onde haveria educação e terras para todos, onde não haveria bancos particulares, onde as crianças não poderiam trabalhar, onde “gigantescos exércitos iriam para os campos, plantar, e garantir a alimentação para todos (Manifesto Comunista, com Engels). A obra de Karl Marx é a mais grandiosa, e de maior alcance social que este mundo já teve ao seu dispor. Marx lutou (escrevendo) contra o Feudalismo. Reis distribuíam terras para os amigos de sempre. Os amigos roubavam os reis, que de tudo sabiam, mas …. fingiam ignorar tudo, já que a parte maior era a deles. Não havia carga diária de trabalho, e quando combinaram isto, ficou tudo acertado em 16 horas. Quem, antes de Marx, falou em “Direitos Trabalhistas”? Quem falou, antes de Marx, em “Origem do Capital”? Quem falou, antes de Marx, “O trabalhador produz, mas quem fica com a produção é seu algoz” …
    Claro que Marx foi expulso dos países onde tentava morar, foi sempre rejeitado (claro).
    Solon, parabéns e obrigado!!! Marx, como Descartes, fez a parte dele: levantou a bola para alguém cortar, depois. O que se seguiu … é muito triste, a começar por Lênin. Quando Marx morreu, Lênin tinha 13 anos de idade. Assumindo o governo, criou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas – URSS. E logo mandou sua polícia secreta “Tcheca” sair matando e matando (mais de 200 mil). Lênin, sim!, tinha imensa vocação para a política, homem inteligentíssimo, mas (creio que) suas complicações familiares, gravíssimas, arrasaram com seu nível de compreensão sobre a vida. E … praticou violências, tornou-se assassino.
    A mãe de Karl Marx, vendo-o acamado, morrendo, disse: “Meu filho, você passou a vida inteira falando de capital, e agora não temos sequer como comprar seus remédios” (que eram comprados por Engels)
    Hoje … o livro O CAPITAL (obra máxima de Karl Marx) está sendo relançado em 68 países …
    A revista The Economist afirma na capa, com o rosto de Lênin: “As ideias deste homem podem salvar o mundo”.
    Paulo Solon, o mundo de Karl Marx não está ao nosso alcance. Nunca será implementado, na sua essência. E … como o fundamentalismo é latente, em todo o mundo, somos obrigados a ler as maiores sandices sobre o “Filósofo De Todos Os Tempos”, como o definem países como Inglaterra, Alemanha e hoje, até mesmo, universidades norte-americanas.
    “Até agora, nenhum país aplicou o marxismo” … você diz. Eu eu digo, permita-me: “e jamais país algum aplicará” E … se Marx dissesse hoje o que dizia em sua época? Seria assassinado rapidamente … pelos mesmos de sempre.

  6. “O dinheiro só pode comprar capacidade de trabalho na medida em que essa última seja posta à venda como mercadoria, seja vendida por seu proprietário, o possuidor vivo da capacidade de trabalho”
    Karl Marx, em “Para A Crítica Da Economia Política”. Manuscrito de 1861-1863, cadernos de 1 a 4. Terceiro Capítulo – “O Capital em geral”.
    Estes cadernos foram a primeira tentativa de abordagem sistemática do processo de produção de capital, ou seja, a transformação do dinheiro em capital. Deste “Manuscrito”, veio a construção e publicação de O CAPITAL, em 1867.

  7. Algumas áreas onde encontramos trabalhos de Karl Marx:
    Filosofia
    Geografia
    História
    Direito
    Sociologia
    Literatura
    Pedagogia
    Ciências Políticas
    Antropologia
    Economia
    Teologia
    Biologia
    Psicologia
    Comunicação
    Administração
    Turismo
    Design
    Arquitetura
    Curiosamente, não encontro nada sobre Marx em “Atomismo”, que estudo bastante. Afinal, ele fez sua monografia fundamentado em Demócrito (500 a.C, aproximadamente) o primeiro homem a estudar os átomos.

  8. Concordo plenamente com o comentarista Almério Nunes. O que está vigendo no mundo é o sistema capitalista. O sistema comunista não será jamais implantado porque o homem em si tem o viés individualista. Poucos desejam distribuir o resultado do seu trabalho, dos seus bens com seus semelhantes que não têm nada.
    O importante, creio seja a busca desenfreada por mais justiça social sempre. No caminho as conquistas virão inapelavelmente.
    No sistema capitalista, que não é a última palavra em termos econômicos, a acumulação de capital e de riquezas na mão de poucos, é claro, provoca as distorções que vemos em todos os países do mundo.
    O dilema fatal do sistema comunista que tentaram na URSS, na China e em Cuba é a supressão da LIBERDADE. Se houver a liberdade, então não é comunismo e sim capitalismo. E quem consegue viver em uma camisa de força igualitária. Muito poucos cidadãos desse planeta.

  9. A expressão: “O verdadeiro marxismo jamais foi implantado ”, é o manjadíssimo argumento daqueles que querem justificar o fracasso econômico e moral do marxismo-leninismo, e de outras formas de socialismos.
    Claro, quando se afirma que uma “experiência social”, uma “engenharia social”, não gerou os resultados desejáveis, mas, pelo contrário, se transformou na fonte da maior desgraça da humanidade da história recente, a mais simples desculpa que se pode encontrar é argumentar que a experiência não foi coerente com as “nobres ideais” preconizados por seu ideólogos, e que um “novo e melhor socialismo” nos aguarda no porvir.
    Ocorre com o marxismo, o oposto daquilo que encontramos com outros saberes: quanto mais estudamos esta ideologia, mas a desprezamos, por suas inconsistências, debilidades.
    O primeiro erro do socialismo é negar o direito a propriedade, já que sem o direito a propriedade nenhuma outra liberdade é possível. O homem vive no “reino da liberdade”, como afirmou Aristóteles, sem ela, perde o seu status natural, e se transforma em escravo.
    O segundo grande erro do socialismo é a pretensão de centralizar em mãos de falsos sábios, o controle da economia, e o gerenciamento de todos os outros setores da sociedade. Só através do mercado, os agentes econômicos recebem informações que lhes permite agir de forma coerente.
    Não é possível o pleno desenvolvimento humano em clima de coerção, característica fundamental dos sistemas socialistas, sendo que os sistemas democráticos propiciam maior a criatividade, surgimento de novas ideias, e aprimoramento do espírito humano. O desenvolvimento dos países capitalistas, comprovadamente sobrepujou ao dos países socialistas.
    Aproveito para inserir o texto do prof. Olavo de Carvalho,talvez o mais erudito pensador brasileiro de agora, onde ele expõe, de foma clara, as características fundamentais do socialismo, e que dão apoio aos meus argumentos.
    Que é ser socialista?
    Olavo de Carvalho
    Jornal da Tarde, 28 de outubro de 1999

    O socialismo matou mais de 100 milhões de dissidentes e espalhou o terror, a miséria e a fome por um quarto da superfície da Terra. Todos os terremotos, furacões, epidemias, tiranias e guerras dos últimos quatro séculos, somados, não produziram resultados tão devastadores. Isto é um fato puro e simples, ao alcance de qualquer pessoa capaz de consultar O Livro Negro do Comunismo e fazer um cálculo elementar.
    Como, porém, o que determina as nossas crenças não são os fatos e sim as interpretações, resta sempre ao socialista devoto o subterfúgio de explicar essa formidável sucessão de calamidades como o efeito de acasos fortuitos sem relação com a essência da doutrina socialista, a qual assim conservaria, imune a toda a miséria das suas realizações, a beleza e a dignidade de um ideal superior.
    Até que ponto essa alegação é intelectualmente respeitável e moralmente admissível?
    O ideal socialista é, em essência, a atenuação ou eliminação das diferenças de poder econômico por meio do poder político. Mas ninguém pode arbitrar eficazmente diferenças entre o mais poderoso e o menos poderoso sem ser mais poderoso que ambos: o socialismo tem de concentrar um poder capaz não apenas de se impor aos pobres, mas de enfrentar vitoriosamente o conjunto dos ricos. Não lhe é possível, portanto, nivelar as diferenças de poder econômico sem criar desníveis ainda maiores de poder político. E como a estrutura de poder político não se sustenta no ar mas custa dinheiro, não se vê como o poder político poderia subjugar o poder econômico sem absorvê-lo em si, tomando as riquezas dos ricos e administrando-as diretamente. Daí que no socialismo, exatamente ao contrário do que se passa no capitalismo, não haja diferença entre o poder político e o domínio sobre as riquezas: quanto mais alta a posição de um indivíduo e de um grupo na hierarquia política, mais riqueza estará à sua inteira e direta mercê: não haverá classe mais rica do que os governantes. Logo, os desníveis econômicos não apenas terão aumentado necessariamente, mas, consolidados pela unidade de poder político e econômico, terão se tornado impossíveis de eliminar exceto pela destruição completa do sistema socialista. E mesmo esta destruição já não resolverá o problema, porque, não havendo classe rica fora da nomenklatura , esta última conservará o poder econômico em suas mãos, simplesmente trocando de legitimação jurídica e autodenominando-se, agora, classe burguesa. A experiência socialista, quando não se congela na oligarquia burocrática, dissolve-se em capitalismo selvagem.Tertium non datur . O socialismo consiste na promessa de obter um resultado pelos meios que produzem necessariamente o resultado inverso.
    Basta compreender isso para perceber, de imediato, que o aparecimento de uma elite burocrática dotada de poder político tirânico e riqueza nababesca não é um acidente de percurso, mas a conseqüência lógica e inevitável do princípio mesmo da idéia socialista.
    Este raciocínio está ao alcance de qualquer pessoa medianamente dotada, mas, dada uma certa propensão das mentes mais fracas para acreditar antes nos desejos do que na razão, ainda se poderia perdoar a essas criaturas que cedessem à tentação de “fazer uma fezinha” na loteria da realidade, apostando no acaso contra a necessidade lógica.
    Ainda que imensamente cretino, isso é humano. É humanamente burro insistir em aprender com a experiência própria, quando fomos dotados de raciocínio lógico justamente para poder reduzir a quantidade de experiência necessária ao aprendizado.
    O que não é humano de maneira alguma é rejeitar a um tempo a lição da lógica que nos mostra a autocontradição de um projeto e a lição de uma experiência que, para redescobrir o que a lógica já lhe havia ensinado, causou a morte de 100 milhões de pessoas.
    Nenhum ser humano intelectualmente são tem o direito de apegar-se tão obstinadamente a uma idéia ao ponto de exigir que a humanidade sacrifique, no altar das suas promessas, não apenas a inteligência racional, mas o próprio instinto de sobrevivência.
    Tamanha incapacidade ou recusa de aprender denuncia, na mente do socialista, o rebaixamento voluntário e perverso da inteligência a um nível infra-humano, a renúncia consciente àquela capacidade de discernimento básico que é a condição mesma da hominidade do homem. Ser socialista é recusar-se, por orgulho, a assumir as responsabilidades de uma consciência humana.

  10. Karl Marx entendia tudo de família. Tanto isto é verdade, dos seis filhos legítimos que teve, três morreram crianças e outros três suicidaram-se na idade adulta, antes de Karl Marx morrer. E todos os netos legítimos de Karl Marx morreram crianças, antes dele morrer.

  11. Interessantes os demais comentários que li ao chegar à casa.
    Ateísmo de modo algum é convicção, mas falta de. Falta de crença em Deus. Tanto minha família nominalmente cristã, quanto o colégio beneditino onde fui educado, falharam em me convencer de que Deus existe.
    Não é só o marxismo que jamais foi implantado em qualquer país. Também o cristianismo teve o mesmo destino. Pelo menos, até agora.

  12. Vou então fazer uma oração, Darcy:
    “Senhor, eu nem sequer acredito que você exista. Mas se de fato existe mesmo, dá saúde, riqueza e amor a todos nós aqui neste blog.”
    É o que desejo sinceramente a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *