Até que enfim! MP do Rio pede a paralisação das obras de demolição do Elevado da Perimetral

Vladimir Platonow (Agência Brasil)

O Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP) ajuizou ação civil pública pedindo a interrupção das obras de demolição do Elevado da Perimetral. Além de dúvidas sobre o impacto viário da medida, também é questionada a falta de um Estudo de Impacto Ambiental e um Relatório de Impacto Ambiental para as intervenções urbanísticas na zona portuária, dentro do projeto Porto Maravilha.

A ação, ajuizada quinta-feira, é assinada pelos promotores de Justiça Bruno de Sá Barcelos Cavaco, Sandro Fernandes Machado, Vinícius Lameira Bernardo e José Alexandre Maximino Mota, que detalham os motivos que levaram o MP a requerer a interrupção da derrubada do elevado, importante via de acesso entre o centro do Rio e as zonas norte e oeste e as cidades de Niterói e São Gonçalo. Para substituir o elevado sobre a Avenida Rodrigues Alves, serão construídos um túnel com quase 4 quilômetros de extensão e uma avenida interna.

“Nós queremos um cenário com previsão correta e medidas mitigadoras adequadas para que não se tenha incremento no trânsito – em uma inviabilidade da mobilidade urbana e viária – que possa prejudicar os usuários, com a probabilidade de saturamento das vias. Exigimos que se demonstre que a Perimetral não será necessária e que existem medidas capazes de adequar o trânsito. Enquanto isso não for demonstrado, pelo princípio da precaução, ela deverá ser mantida”, explicou o promotor Maximino Mota.

ENGARRAFAMENTO

Segundo cálculos feitos pelo MP, o tráfego na região passará dos atuais 9.506 veículos por hora, que hoje são escoados pelo Elevado da Perimetral e pela Avenida Rodrigues Alves, para 13.210 veículos por hora, que terão de ser absorvidos pelo novo túnel e pela nova avenida interna. Segundo os promotores, isso vai contribuir para aumentar os congestionamentos nas principais vias de acesso à área central da cidade, como a Ponte Rio-Niterói, Avenida Brasil e Linha Vermelha.

O promotor também cobrou da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), responsável pela execução do projeto Porto Maravilha, a elaboração em até 90 dias de um EIA-Rima para toda a área, que tem cerca de 500 hectares.

Procurada para comentar a iniciativa do MP, a prefeitura do Rio informou, por meio de nota, “que não foi notificada de qualquer ação do Ministério Público que exija a paralisação das obras de demolição do Elevado da Perimetral”. E acrescenta que “irá esclarecer todos os questionamentos do Ministério Público em momento oportuno.”

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG O prefeito Eduardo Paes não conhece direito a cidade. Desde pequeno, mora na Barra da Tijuca, sua Ilha da Fantasia. Insano, mas sem se submeter a tratamento médico, está derrubando (ao custo de vários bilhões) a mais importante obra viária do Rio, e vai causar o maior engarrafamento do mundo. Devia investir esse dinheiro na recuperação do Elevado do Joá, outra obra importantíssima, que está ameaçando desabar. É pena que o prefeito se recuse a se submeter a tratamento psiquiátrico… (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *