Ausência de Ciro no palco central distorce pesquisa

Pedro do Coutto

A pesquisa que o Instituto Sensus realizou para a Confederação Nacional dos Transportes, publicada nos jornais de ontem, a melhor edição foi a de O Estado de São Paulo, matéria de Daniel Bramatti, apresenta uma lacuna que certamente contribuiu para distorcer as intenções de voto para presidente da República em 2010.

Trata-se da ausência de Ciro Gomes do palco central e mais provável da disputa. Seu nome foi colocado num cenário alternativo no qual a ministra Dilma Roussef está ausente. Prejudica a visão dos números. Pois a eleição, como se sabem é em dois turnos e vão para o desfecho final os dois mais votados no primeiro.Neste, claro, ninguém vai conquistar a maioria absoluta.

Todas as pesquisas até agora revelam esta impossibilidade. Há cerca de um mês o Datafolha fez u8m levantamento destacando José Serra, Dilma Roussef, Ciro Gomes, Heloisa Helena e Marina Silva, cujo nome surgia pela primeira vez logo após sua saída do PT e o ingresso no PV. Serra na frente com 36%, agora com 39 para o Sensus.

Mas a diferença de Dilma em relação a Ciro era de apenas um ponto: 16 a 15. Heloisa Helena registrava 12%. Tem lógica substituir Heloisa por Marina. Mas não a chefe da Casa Civil pelo ex governador do Ceará. Isso porque, hoje a questão que se coloca é uma só: quem irá ao segundo turno contra Serra?

O panorama, ao longo dos meses, apresenta-se sem maiores oscilações. Quando nas cogitações o governador Aécio Neves entra no lugar do chefe do executivo paulista, o favoritismo do PSDB cai à metade. Porém esta mudança é válida para comparar a força de Serra com a de Aécio Neves. A de reverzar-se os nomes de Dilma e Ciro é que não tem sentido. Obscurece o quadro de análise.

Em matéria de interpretação de pesquisa, como digo sempre, é preciso ter cuidado com os números, as tendências, as alternativas. Podem iludir e ofuscar a percepção do tema. É natural que para o presidente Lula seja importante afastar Ciro Gomes, tanto assim que o convidou para ser candidato a governador de São Paulo pelo PT, mas para efeito de aferir os impulsos da opinião pública a recíproca não é verdadeira.

Estamos falando de política. E em matéria de política, não podemos nos afastar da realidade sempre balizada pela opinião pública. O povo pode não ter o poder de veto em relação a uma série de questões que acontecem por aí. Mas tem o poder do voto que, no fundo da questão, decide tudo.

Voltando ao projeto do presidente da República, ele tenta, é claro, transformar a sucessão do ano que vem numa opção entre ele e as correntes anti Lula. Um plebiscito. Pode vencer assim. Até porque o índice hoje alcançado por José Serra é quase o mesmo daquele que registrou no segundo turno de 2002: teve 38 pontos, enquanto Lula atingiu 62%. Quatro anos depois, Geraldo Alckmim perdeu para o mesmo Lula por 61 a 39. Como se observa, a escala que vai de 38 talvez a 40 parece ser uma constância básica das oposições lideradas pelos tucanos.

Entretanto, as forças eleitorais não são imutáveis. Se assim fosse, o poder não perdia eleições no mundo. E isso não acontece. Por isso, quando se analisam tendências, tem que se levar em conta a parcela que depende da capacidade de atração dos candidatos. É mais importante do que as legendas partidárias. Mas esta é outra questão. No caso, relativamente ao Sensus, a não colocação de Ciro no palco central distorceu as intenções atuais de voto. Uma pena. Que fazer? Nada.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *