Advogados eleitorais de Lula também se desentendem e preocupam o PT

Resultado de imagem para eugenio aragao

Eugênio Aragão abre guerra contra o consultor do PT

Daniela Lima
Folha/Painel

Não bastasse a peleja pública travada pelos advogados na esfera criminal, Lula terá que manejar nova disputa, agora entre defensores que atuam na causa eleitoral. Eugênio Aragão, ex-ministro da Justiça escalado para representar o petista no TSE, tem batido de frente com Luiz Fernando Pereira, o consultor do PT que sustenta que, mesmo condenado em segunda instância, o ex-presidente poderia disputar a eleição. A sigla teme que, preso, Lula vá para a batalha jurídica com o time em pé de guerra.

Lula já é alvo de uma ação no Tribunal Superior Eleitoral impetrada na semana passada pelo MBL. Quando Aragão, advogado constituído na corte, foi entregar a defesa, descobriu que Pereira já havia encaminhado uma peça ao tribunal.

ATROPELADO – O ex-ministro da Justiça se sentiu atropelado. A confusão chegou à cúpula do partido. Pereira foi levado ao PT por Gleisi Hoffmann, presidente da legenda, que agora está fora do país.

O partido está em agonia com as desavenças entre os advogados, já célebres pela troca de farpas entre Sepúlveda Pertence e Cristiano Zanin. O PT começa a achar que a briga de egos dos defensores deixará Lula como a maior vítima.

Gleisi diz que tem pregado a potenciais aliados a tese de que se Lula for impedido de chegar às urnas, a eleição pode ser deslegitimada. Mas nega os relatos de que teria pregado boicote à disputa caso ele não seja candidato.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O consultor do PT é jovem e voluntarioso. Sua tese de que Lula pode ser candidato sub judice está furada, porque se baseia em situações anteriores à Lei da Ficha Limpa. O ex-ministro Aragão sabe que a defes tem de buscar outro caminho, mas agora é tarde, a contestação já foi feita pelo consultor. (C.N.)

Centrão ainda tem resistências para fechar apoio à candidatura de Ciro Gomes

Resultado de imagem para rodrigo maia

Rodrigo Maia está no Chile e só volta quinta-feira

Cristiane Jungblut e Bruno Góes
O Globo

Formado há dois meses para discutir uma aliança conjunta nas eleições de outubro, o bloco de partidos capitaneado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dá sinais de que pode estar perto do fim. O período de convenções se inicia na próxima sexta-feira, e o grupo — formado por DEM, PP, PRB e Solidariedade — está dividido. Enquanto o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), e o presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), defendem o anúncio de uma posição conjunta ainda nesta semana, os caciques do DEM e do PRB desejam adiar a decisão por mais uma semana. A divergência entre os líderes está diretamente ligada às preferências políticas de cada partido.

Enquanto PP e Solidariedade flertam abertamente com o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, o PRB está mais próximo de Geraldo Alckmin (PSDB). O DEM, por sua vez, está dividido entre seguir Rodrigo Maia, que tem se aproximado de Ciro, ou aderir à vontade de grande parte dos dirigentes, que pregam uma parceria com Alckmin.

DEFINIÇÃO – Tentando empurrar o bloco para o colo do pedetista, os caciques de PP e Solidariedade desejam definir o futuro de suas siglas antes da convenção de Ciro, marcada para sexta-feira, em Brasília. Já o DEM e o PRB, angustiados com o desempenho ruim de Alckmin nas pesquisas, querem ganhar tempo para avaliar melhor os cenários e colocar ainda mais pressão nas negociações com o tucano.

O bloco terá um encontro amanhã e outro na quinta-feira pela manhã, quando Maia retornar de viagem ao exterior. O grupo ainda aguarda uma resposta do ex-deputado Valdemar da Costa Neto sobre os rumos do PR. Embora desfiliado do partido, é Valdemar quem controla a legenda. Segundo dirigentes do “blocão”, Valdemar deve participar de um jantar com os quatro partidos na quarta-feira.

— O nosso bloco tem que se decidir essa semana, porque começam as convenções partidárias — afirmou Paulinho.

DIVISÕES – O Solidariedade acredita que Ciro Gomes tem mais chance de decolar nas pesquisas de intenção de voto do que Alckmin. Esse também é o pensamento de Nogueira, embora, no PP, a posição de seu presidente não seja unânime. O próprio Alckmin identificou a preferência do PP por Ciro Gomes e, na semana passada, fez um cerco a dirigentes do partido. Na ocasião, o tucano conversou com o presidente da legenda e com o deputado Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro da Saúde.

— Esperamos definir nesta semana — disse Ciro Nogueira.

Segundo aliados, o senador rejeitou especulações sobre o PP indicar a senadora Ana Amélia (PP-RS) para vice de Alckmin. Os tucanos acenaram com a possibilidade, mas a senadora gaúcha não é do grupo do presidente da legenda. Apesar de bombardear Alckmin, o cacique do PP não quer perder a parceria com o DEM.

ACM NETO OTIMISTA – No DEM, o tom cauteloso é assumido pelo presidente ACM Neto. Há resistência a um apoio a Ciro Gomes, que não tem identidade com a legenda, que é aliada histórica do PSDB e sempre esteve na oposição ao PT e ao PDT. Deputados importantes no quadro partidário, como Mendonça Filho (PE) e Rodrigo Garcia (SP), fazem campanha por uma aliança com Alckmin.

No último sábado, porém, em encontro com a presença do pré-candidato pedetista, Ciro teria revertido algumas resistências. ACM Neto disse que o prazo-limite para o grupo definir se fica unido ou não sobre quem apoiar é o dia 27.

— Aposto hoje que os partidos de centro irão juntos — avaliou ACM Neto.

No encontro realizado em São Paulo, Ciro Gomes se comprometeu a elaborar um amplo documento com propostas. Até mesmo o presidente do PRB, Marcos Pereira, que apoia Alckmin nos bastidores, gostou da conversa. Ao Globo, Marcos Pereira disse apenas que o PRB está analisando ainda quem vai apoiar.

PR E BOLSONARO – Dirigentes do “blocão” disseram que Valdemar deu novos sinais nesta segunda-feira de que está com dificuldades de fechar uma aliança com o pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Segundo as conversas, Valdemar contou que tem problemas em alguns estados com Bolsonaro, como os palanques de Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia.

— Demos um prazo até amanhã (quarta) ou quinta, e ele (Valdemar) nos disse que as diferenças entre eles e o Bolsonaro não tinham sido “superadas” — afirmou um dos caciques do blocão.

Um dos maiores entusiastas da composição de PR e PSL, o deputado Capitão Augusto (PR-SP) também reconhece que há dificuldades de conciliar os interesses.

CHAPA EM SP – Presidente estadual do PSL em São Paulo, o pré-candidato ao Senado Major Olímpio explica que já há uma chapa fechada com 105 nomes do partido para concorrer à Câmara dos Deputados. Se houvesse uma coligação proporcional no estado, a legenda seria prejudicada com a eleição também de candidatos do PR.

Da mesma forma, no Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro também resiste a aceitar uma composição na eleição proporcional. Como o grande interesse de Valdemar nestas eleições é formar uma bancada relevante no Congresso, essas resistências podem acabar por enterrar qualquer entendimento entre os partidos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em tradução simultânea, a confusão é geral, mas a reportagem indica que Ciro Gomes tem mais chances de fechar com o Centrão, decisão que será um golpe fatal na campanha de Alckmin.  A decisão será tomada depois da volta de Rodrigo Maia, que está no Chile. (C.N.)

Agencias reguladoras são uma vergonha nacional, com destaque para a ANS

Resultado de imagem para plano de saude charges

Charge do Cícero (Arquivo Google)

Deu em O Tempo
(FolhaPress)

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, suspendeu, em decisão de sábado (14) publicada nesta segunda (16), uma resolução da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) que permitia que operadoras de planos de saúde cobrassem dos usuários até 40% do valor dos atendimentos. Cármen Lúcia, que está de plantão no STF durante o recesso forense, atendeu liminarmente (provisoriamente) a um pedido da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), até que o assunto seja analisado pelo ministro relator do processo, Celso de Mello, ou pelo plenário da corte.

A ANS publicou as novas normas, agora suspensas, em 28 de junho. Na chamada coparticipação, o paciente paga uma parte de consultas e exames. Segundo a Resolução Normativa nº 433, os usuários poderiam ter de arcar com até 40% do valor dos atendimentos, regra que entraria em vigor no final de setembro e valeria somente para novos contratos.

LIMITES – A ANS também havia estipulado limites (mensal e anual) para o pagamento de coparticipação e franquia: o valor máximo a ser pago não poderia ultrapassar o valor correspondente à mensalidade do consumidor (limite mensal) e/ou a 12 mensalidades no ano (limite anual).

Por exemplo, se o consumidor pagasse R$ 100 de mensalidade, o limite mensal da coparticipação não poderia ultrapassar R$ 100.  Com isso, no mês em que houvesse coparticipação, ele iria pagar, no máximo, R$ 200.​

Na ação ajuizada no Supremo, a OAB sustentou que a ANS usurpou competência do Legislativo ao editar a resolução, criando “severa restrição a um direito constitucionalmente assegurado (direito à saúde) por ato reservado à lei em sentido estrito”.

INQUIETUDE – Cármen Lúcia entendeu que os argumentos da OAB eram plausíveis e destacou “a inquietude dos milhões de usuários de planos de saúde, muitos deles em estado de vulnerabilidade e inegável hipossuficiência, que [foram] surpreendidos ou, melhor, sobressaltados com as novas regras, não discutidas em processo legislativo público e participativo”.

“Causa estranheza que matéria relativa ao direito à saúde, de tamanha relevância social, e que a Constituição afirma que, no ponto relativo a planos específicos, somente poderá ser regulamentada nos termos da lei […], deixe de ser cuidada no espaço próprio de apreciação, discussão e deliberação pelos representantes do povo legitimamente eleitos para o Congresso Nacional, e seja cuidado em espaço administrativo restrito [a ANS], com parca discussão e clareza, atingindo a sociedade e instabilizando relações e aumentando o desassossego dos cidadãos”, escreveu a ministra. O Supremo ainda julgará o mérito da ação ajuizada pela OAB.

CONTRAPARTIDA – Os planos de saúde pretendem que gastos com atendimentos sejam divididos com o usuário; objetivo é diminuir custos e evitar o uso sem necessidade. Além da mensalidade, o usuário pagaria à operadora uma parte do custo de cada consulta, exame ou procedimento realizado. A cobrança pode ser por valor fixado ou por percentual

Há também a franquia, tipo seguro de automóvel. Em adição à mensalidade, o usuário pagaria por atendimentos e serviços até atingir determinado valor; a partir daí, outras despesas seriam custeadas pela operadora.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
As agências reguladoras são uma vergonha nacional. Cabides de empregos dos políticos, existem para defender as empresas do setor e não os usuários. Foram criada por FHC, aquele político que, antes de assumir a Presidência, anunciou: “Esqueçam tudo que eu escrevi”. Não é preciso dizer mais nada. (C.N.)

Governo admite rever instrução que tirou transparência dos órgãos públicos

Resultado de imagem para transparencia charges

Charge do Ivan Cabral (ivancabral.com)

Vicente Nunes
Correio Braziliense

Diante da gritaria na Esplanada dos Ministérios, por causa da Instrução Normativa 01, que dá cobertura para os órgãos públicos sonegarem informações à população, a Secretaria de Comunicação do Governo Federal admitiu, na última sexta-feira (dia 13), reeditar o documento. A Instrução Normativa usa a Lei Eleitoral como fachada para a falta de transparência, como mostrou o Blog e o Correio Braziliense.

A Instrução Normativa entrou em vigor em 7 de julho último. Desde então, ministérios, autarquias e mesmo instituições de pesquisas, com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deixaram de publicar notícias em seus portais e redes sociais, alegando que poderiam ser punidos pela legislação eleitoral.

JUSTIFICATIVA – O argumento: os agentes públicos não podem correr o risco de praticar condutas passíveis de afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos à eleição, conforme prevê a Lei nº 9.504/1997.

O problema foi que a instrução deu asas aos que gostam de viver nas sombras, sem prestar contas à sociedade. Alegando que poderiam infringir a legislação, deixaram de fornecer dados corriqueiros. Em nenhuma outra eleição se viu uma postura tão conservadora, semelhante a uma lei da mordaça.

O estopim para a falta de transparência está no Artigo 30 da Instrução Normativa, que explicita: “No período eleitoral, fica vedada a veiculação ou exibição de conteúdos noticiosos dos órgãos e entidades integrantes do SICOM, em suas propriedades digitais.”

AO PÉ DA LETRA – O entendimento sobre a proibição, levada ao pé da letra nas assessorias de comunicação e consultorias jurídicas de ministérios e outros órgãos, “não era esperado”, segundo representantes da Secom. Em reunião realizada com assessores de áreas de comunicação, na tarde desta sexta, foi explicado que a revisão da IN deverá ocorrer, pois a ideia do que foi publicado na IN era apenas orientar sobre a forma do conteúdo, mas não deixar de dar transparência aos atos de governo.

Enfim, parece que o bom senso está voltando. O governo não pode compactuar com aqueles que desdenham da obrigação de fornecer todas as informações demandadas pela sociedade.

O exercício da ironia como opção filosófica do poeta Raul de Leoni

Resultado de imagem para raul de leoni

Leoni é um poeta de grandeza solitária

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O advogado e poeta Raul de Leôni (1895-1926), nascido em Petrópolis (RJ), faz poeticamente da ironia a sua filosofia.

IRONIA
Raul de Leôni

Ironia! Ironia!
Minha consolação! Minha filosofia!
Imponderável máscara discreta
Dessa infinita dúvida secreta,
Que é a tragédia recôndita do ser!
Muita gente não te há de compreender
E dirá que és renúncia e covardia!
Ironia! Ironia!
És a minha atitude comovida:
O amor-próprio do Espírito, sorrindo!
O pudor da Razão diante da Vida!

Constituição e Lei Eleitoral impedem que haja candidaturas avulsas nas eleições

Resultado de imagem para candidatos avulsos charges

Charge do Angeli (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Os repórteres Amanda Pupo e Rafael Moura, edição de ontem de O Estado de São Paulo, revelaram que o ministro Luis Roberto Barroso adiou para depois de outubro a resposta a pedidos de algumas pessoas que desejam concorrer às eleições como candidatos avulsos. Barroso, na minha opinião, adiou a resposta negativa, isso porque candidaturas avulsas colidem com a Constituição Federal e também com a Lei Eleitoral, que condicionam diretamente qualquer candidatura ao registro de filiação partidária anterior a seis meses do pleito.

De outro lado, a Lei Eleitoral estabelece normas para que os partidos tenham existência legal e assim possam inscrever seus candidatos e candidatas.

FILIAÇÃO – Portanto, ninguém pode se candidatar se não estiver filiado a alguma legenda. Isso de um lado. De outro, o critério de acesso ao horário eleitoral gratuito está condicionado percentualmente às respectivas bancadas na Câmara Federal. E em terceiro lugar existe a mesma condicionante para percepção de recursos financeiros do Fundo Eleitoral.

Podemos acrescentar que, se pudesse haver candidatos avulsos, eles poderiam chegar, digamos, em torno de mil candidaturas.  Seria um absurdo completo e o Tribunal Superior Eleitoral, evidentemente, não poderia, através dos TRES de cada estado, fornecer registro a esse imenso número. Não haveria como incluir os avulsos na computação dos votos.  Constituição e lei eleitoral impedem candidatos avulsos nas eleições

BOM SENSO – Em matéria de eleição, qualquer análise deve ser precedida e baseada no bom senso e na possibilidade de qualquer eleitor ou eleitora analisar a legislação e, como se isso não bastasse, conseguir perceber a realidade dos fatos. Acontece isso com frequência. Às vezes, as dúvidas substituem pontos concretos de apreciação do universo do voto.

Por exemplo: na tarde de ontem, no Studio I, GloboNews, foi comentado o tema abstenção. Na verdade, analisando-se bem o fato, verifica-se o seguinte: toda vez que um recadastramento eleitoral se distancia mais da próxima eleição, faz parecer que a abstenção avançou amplamente. Engano. Pode-se medir o desinteresse em torno de candidaturas projetando-se os percentuais de votos nulos e brancos. Mas não com base na abstenção, porque é preciso levar em conta a taxa de ortalidade no Brasil que é de 0,7% a/a.

DESINTERESSE – Dificilmente as famílias procuram a Justiça Eleitoral para comunicar a morte de parentes. Tem também que se considerar que a cada 12 meses pessoas completam 70 anos de idade. Há pessoas também doentes com dificuldade de locomoção. Além disso, o voto não é obrigatório para os eleitores e eleitoras entre 16 e 18 anos. Sem dúvida, está havendo desinteresse pelo desfecho da sucessão presidencial e também das eleições para governadores. O quadro, hoje, está marcado pela falta de estímulo que causa forte desinteresse pelo voto nas urnas.

A sucessão presidencial é o maior exemplo. Basta ler as mais recentes pesquisas do Datafolha e do Ibope. Disso resulta a tese de que fossem domingo a definir em quem votariam. O quadro das preferências continua gelificado. Bolsonaro, Marina e Alckmin, este último muito abaixo do que ele poderia esperar.

Falei em esperar, é o que o eleitorado brasileiro mais faz no passar dos anos, assistindo um processo que só funciona para garantir o mandato dos eleitos.

Reforma da Constituição cubana é mais uma jogada de marketing ditatorial

Charge do Toni D’Agostini (Arquivo Google)

Carlos Newton

Muita gente costuma fazer críticas ao marxismo, sem na verdade conhecer a obra de Karl Marx e Friedrich Engels, até porque não se trata de um trabalho individual, mas de um esforço conjunto, a quatro mãos. Pessoalmente, tenho admiração maior a Engels do que a Marx, que era um jornalista classe média baixa, enquanto seu parceiro era o herdeiro de uma das primeiras multinacionais da História, com fábricas na Alemanha e na Inglaterra. Ou seja, ao defender os trbalhadores, Engels  lutava contra seus próprios interesses pessoais. E o mundo gira, o tempo voa, porém Marx e Engels continuam influentes, conforme ficou recentemente comprovado na obra do economista francês Thomas Piketty, “O Capital no Século XXI”.

Não existem pensadores tão difamados, caluniados e depreciados como Marx e Engels. Atribuem a eles as maiores barbaridades cometidas por regimes que se diziam marxistas, mas procediam exatamente ao contrário.

INTELIGÊNCIA E SABER – Marx e Engels eram dois jornalistas que apostavam na predominância da inteligência e do saber. A defesa da ditadura do proletariado foi “pinçada” na obra deles para justificar outros tipos de ditaduras. Eles jamais defenderam censura à imprensa e execuções sumárias, não existe “paredón” na obra deles.

Agora, noticia-se que o governo de Cuba, que estranhamente se diz marxista, está promovendo uma reforma constitucional a ser aprovada pela Assembleia Nacional ainda em julho. A farsa é tão flagrante que será criada a função de primeiro-ministro, ao lado do cargo de presidente, como se a família Castro estivesse deixando o poder.

É tudo conversa fiada, porque fica mantido o Partido Comunista como única força política no país, e o Estado comunista como força econômica dominante. E Raúl Castro é quem comanda o Partido.

MANIPULAÇÃO – Outro golpe de marketing é que passam a ser reconhecidos o mercado livre e a propriedade privada na sociedade cubana, e será criada uma nova presunção de inocência no sistema judiciário. De novidade, apenas a presunção de inocência, porque a propriedade privada sempre foi reconhecida na Constituição cubana, ao lado da propriedade estatal, cooperativa, agrícola e de sociedade conjunta. Na antiga União Soviética, também sempre houve propriedade privada.

O jornal Granma, do Partido Comunista, anunciou no sábado, dia 14, que “as experiências adquiridas nestes anos de Revolução” e “os novos caminhos traçados” são algumas das razões para a reforma da Constituição. O anteprojeto, elaborado por uma comissão encabeçada por Raúl Castro, ex-presidente e primeiro-secretário do Partido Comunista, contém 224 artigos.

###
P.S
Os grandes êxitos do regime cubano são o fim do analfabetismo, o combate à fome, a baixa mortalidade infantil e o alongamento da expectativa de vida (média de 79 anos). Mas isto só ocorreu devido à ajuda soviética (que já acabou), à venezuelana, que está por acabar, e à brasileira, que ainda se mantém com o programa Mais Médicos. O regime cubano não é autossustentável.  

P.S 2 Também na Constituição de Cuba a pequena propriedade privada já era reconhecida e existia na prática, embora a teoria não o fizesse. Agora eles querem dar um guinada capitalista, no que diz respeito a empresas. No mais, considerar o regime cubano como marxista é uma Piada do Ano. Não existe marxismo sem liberdade individual e liberdade de imprensa, aprendam isso.

P.S 2A reforma constitucional cubana é do tipo me engana que eu gosto. Sou marxista, mas não sou idiota. (C.N.)

Franklin Martins será o novo assessor de imprensa do Supremo na era Toffoli

Resultado de imagem para franklin martins charges

Franklin Martins vai “trabalhar” a imagem de  Toffoli

José Carlos Werneck

O próximo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Antonio Dias Toffoli, já escolheu o futuro Assessor de Imprensa do tribunal. Trata-se do veterano jornalista político Franklin Martins, que foi o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social durante o governo do ex-presidente Lula.

Franklin foi comentarista político em vários órgãos de comunicação e depois trabalhou na Rede Globo a partir de 1996. Participou do Jornal Nacional e no Jornal da Globo até maio de 2006. Quando Caio Túlio Costa assumiu a presidência do iG, Franklin Martins foi contratado como comentarista do portal, junto com Mino Carta, Paulo Henrique Amorim e José Dirceu. Trabalhou, também, na Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão.

EX-MINISTRO – Em 2007, foi nomeado ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social do ex-presidente Lula, quando teve a função de coordenar as relações do governo com a imprensa, a publicidade oficial e também de implementar o projeto de uma rede nacional pública de TV.

Foi considerado pela Revista Época um dos cem brasileiros mais influentes do ano de 2009.

PF abre mais um inquérito contra José Dirceu, desta vez pelo caso Engevix

Depois de operar as pálpebras, Dirceu entrou no Botox

Cleide Carvalho
O Globo

A Polícia Federal informou ao juiz Sergio Moro que abriu um terceiro inquérito para investigar pagamentos indevidos feitos pela construtora Engevix ao ex-ministro José Dirceu. A investigação deve apurar novos pagamentos feitos pela empreiteira, uma das participantes do cartel da Petrobras, em benefício de Dirceu, e a existência de uma conta corrente entre o ex-ministro e o lobista Milton Pascowitch.

A investigação foi pedida em dezembro passado. O empresário Gerson Almada, da Engevix, disse ter feito pagamentos de R$ 900 mil à Entrelinha Comunicação, que prestava serviços à JD Consultoria, entre 15 de abril de 2011 a 16 de julho de 2012.

PROPINA PURA – Uma segunda parte da denúncia, já aceita pelo juiz Sergio Moro, incluiu pagamentos de R$ 1,5 milhão feitos pela UTC Engenharia à JD Consultoria, a empresa de José Dirceu, entre 2013 e 2014, sem que houvesse efetiva prestação de serviços.

A denúncia foi aceita por Moro, e o andamento do processo foi suspenso por um ano, contado desde fevereiro passado. Embora tenha recebido a denúncia contra Dirceu, o juiz afirmou que não via interesse de abrir novas ações penais contra pessoas já condenadas.

“Não vislumbro com facilidade interesse do MPF no prosseguimento de mais uma ação penal contra as mesmas pessoas, a fim de obter mais uma condenação. O que é necessário é a efetivação das condenações já exaradas e não novas condenações. Por outro lado, a propositura de ações penais contra multicondenados dificulta a focalização dos trabalhos judiciais nas ações penais ainda em trâmite relativamente a pessoas ainda não julgadas. Assim, apesar do recebimento da denúncia, suspendo sucessivamente o processo por um ano, após o que analisarei o prosseguimento”, decidiu o juiz.

DURAS PENAS – José Dirceu já foi condenado por duas vezes na Lava-Jato. Numa das ações, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a pena estabelecida pelo juiz Sergio Moro de 20 anos e 10 meses para 30 anos e nove meses de prisão. Na segunda condenação, ainda não revista pelo TRF-4, a pena foi de 11 anos e oito meses de prisão.

Dirceu havia começado a cumprir a pena em maio passado, na penitenciária da Papuda. O tempo da pena, aumentado pelo TRF-4, porém, é alvo de recurso da defesa. Em junho passado, por três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu soltar Dirceu depois que os ministros entenderam que a pena pode ser reduzida nas instâncias superiores – o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o próprio STF.

— É mais do mesmo, não vejo sentido nessa altura estar abrindo inquérito para apurar fatos já investigados — afirmou o advogado Roberto Podval, lembrando que Dirceu já foi condenado por valores pagos pela Engevix.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGDirceu não está nem aí. Depois de operar as pálpebras, colocou silicone nas bochechas, retirou a pelanca do pescoço e entrou no Botox. Livre, leve e solto, está parecendo um brotinho, como se dizia antigamente. (C.N.)

A cada três dias, um professor é ameaçado dentro de escolas no Rio de Janeiro

Professora mudou de escola e se adaptou à situação

Rafael Soares
O Globo

A professora de inglês havia acabado de passar no concurso para dar aulas na rede municipal do Rio. Com 25 anos, ela foi trabalhar numa escola dentro de uma favela na Zona Norte do Rio, sem imaginar que iria conviver com um cotidiano hostil. Mas não demorou muito a descobrir. No dia em que repreendeu uma aluna, que demonstrava um comportamento agitado dentro de sala de aula, a menina, de apenas 10 anos, a ameaçou com uma tesoura. Além das intimidações e agressões verbais, que se revelariam corriqueiras, a jovem ainda sentiria na pele a violência ao ter a mão prensada na porta de um armário por outro aluno, o que a levou a ser socorrida em um hospital. Dois anos depois de dar início à carreira cheia de sonhos, a jovem professora viu seu otimismo vencido por uma licença psiquiátrica.

— Não tinha experiência em sala de aula, muito menos em escola pública. Logo no início, precisei lidar com crianças que não aceitavam ser repreendidas. Diziam que iam pedir aos traficantes que me matassem — conta a professora, hoje com 33 anos, que, com medo, pede para não ser identificada.

UMA ROTINA – Os episódios relatados pela professora não são exceção. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), obtidos pelo Globo via Lei de Acesso à Informação, a cada três dias, um professor é ameaçado dentro de escolas no Estado do Rio. Ao todo, em 624 ocasiões, de 2014 a 2017, professores denunciaram à Polícia Civil ameaças dentro de estabelecimentos de ensino no estado. O levantamento não informa se as escolas são da rede pública ou particular.

A licença da professora de inglês durou três meses. Após se recuperar, ela foi realocada pela Secretaria municipal de Educação em outra escola, no Complexo da Maré, onde, segundo ela, não teve mais problemas.

— Com o tempo, percebi que o ambiente violento nas escolas tem a ver com a ausência da família da criança no ambiente escolar. Antes, isso não acontecia. Nessa nova escola, vejo os pais mais inseridos na vida escolar dos filhos, e o diálogo com o professor é melhor — afirma.

Empresa do coronel Lima intermediava propinas de Temer desde os anos 90

Resultado de imagem para Temer acusado charges

Charge do Elvis (Humor Político)

Por O Globo com G1

Um novo documento reforça a suspeita da Polícia Federal de que a Argeplan, empresa do coronel João Batista de Lima Filho, intermediava pagamentos ilícitos ao presidente Michel Temer, na década de 90. O documento foi anexado no inquérito dos portos, que investiga se Temer favoreceu empresas do setor portuário na edição de uma Medida Provisória, em troca de propina. A informação é do site G1.

Segundo a Polícia Federal, o documento incluído agora é um complemento de outra planilha, sobre irregularidades no porto de Santos, que foi arquivado em 2011 pelo ministro Marco Aurélio Mello, do STF. O documento traz uma tabela com parcerias realizadas e a realizar, que indica pagamentos a MT, MA e Lima.

PLANILHAS – “Esse complemento de informações também estende a compreensão das informações da primeira planilha aqui apresentada (inquérito 3105), pois indica que os pagamentos apresentados nas planilhas para MT, MA e Lima teriam como destino inicial a empresa Argeplan”, dizem os investigadores.

Suspeita-se que MT seja Michel Temer, MA, Marcelo Azevedo, ex-presidente da Codesp que administra o Porto de Santos, e Lima, o coronel Lima, amigo de Temer.

O documento traz ainda a inscrição: ‘Todas as participações foram concedidas sem nenhum tipo de investimento por parte da Argeplan, além do cumprimento total das exigências políticas’, o que, segundo a PF, reforça o entendimento que a Argeplan funcionaria como intermediária dos pagamentos.

INVESTIGAÇÃO – No início do mês, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a Polícia Federal a continuar investigando o presidente. No despacho, o ministro afirma que há um “volume expressivo de providências já tomadas e um conjunto relevante de informações obtidas” até agora pela Polícia Federal no âmbito da investigação.

Na Operação Skala, o delegado Cleyber Malta Lopes destacou que a planilha com as iniciais apontavam indícios de pagamento de R$ 340 mil mensais ao presidente Michel Temer, no fim da década de 90. De acordo com o delagado, a planilha indica que “MT” recebia 50% dos valores referentes aos contratos e que “MA” e “L” tinham 25% cada. A tabela foi entregue à Justiça pela ex-mulher de Azeredo, que estava em processo de divisão de bens e queria comprovar que o marido tinha outras rendas.

DELAÇÕES – A investigação foi iniciada a partir das delações de ex-executivos do Grupo J&F, controlador da JBS. Nas interceptações telefônicas da Operação Patmos, a Polícia Federal flagrou uma articulação entre o ex-assessor presidencial Rodrigo da Rocha Loures e um executivo da empresa Rodrimar, Ricardo Mesquita, para publicação de um decreto presidencial que poderia favorecer a empresa, concessionária de áreas no Porto de Santos.

Além de ter captado conversas frequentes entre Mesquita e Rocha Loures, a PF também flagrou um diálogo entre Loures e Temer no dia 4 de maio do ano passado, no qual eles falam sobre o Decreto dos Portos, que ampliou o período para as empresas explorarem áreas portuárias de 25 para 35 anos, podendo ser prorrogados até 70 anos.

Outro personagem desse caso é o coronel da reserva da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, amigo de Temer. Em sua delação, o ex-executivo da J&F Ricardo Saud disse que pagou R$ 1 milhão ao coronel, supostamente a pedido de Temer.

Justiça determina bloqueio de bens de Marcelo Crivella e de oito investigados

Resultado de imagem para crivella acusado

Marcelo Crivella está cercado pelos sete lados

Rosanne D’Agostino
G1, Brasília

O juiz Renato Borelli, da 20ª Vara Federal do Distrito Federal, decretou nesta segunda-feira (16) o bloqueio de bens do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), e de outros oitos investigados. O bloqueio foi determinado no âmbito de uma ação por improbidade administrativa relacionada a um contrato fechado pelo Ministério da Pesca com uma empresa quando Crivella era o ministro – leia detalhes mais abaixo.

O G1 buscava contato com a assessoria de Marcelo Crivella até a última atualização desta reportagem. Na decisão, a Justiça do Distrito Federal determina o bloqueio de até R$ 3.156.277,60 dos investigados.

RESSARCIMENTO – Ao pedir o bloqueio, o Ministério Público Federal (MPF) argumentou que a medida visa “garantir o pleno ressarcimento do erário” em caso de condenação.

A ação investiga a suspeita de sobrepreço na contratação da empresa Rota Nacional Comércio e Manutenção de Equipamentos Eletrônicos para o fornecimento e instalação de vidros e acessórios no prédio onde funcionava o Ministério da Pesca e Aquicultura.

Segundo o MPF, a Controladoria-Geral da União (CGU) constatou a contratação de serviços “sem necessidade demonstrada” e com “superestimativa de quantidades”.

ALTO ESCALÃO – O sobrepreço, de acordo com a acusação, seria de R$ 411.595,00. “Todo o alto escalão tinha contato direto com o então ministro”, diz o Ministério Público.

Ao analisar o caso, o juiz de Brasília afirmou: “Percebo fortes indícios de irregularidades cometidas no âmbito do contrato”.  “São claros, portanto, os indícios da prática de atos de improbidade administrativa”, acrescenta Borelli na decisão.

O bloqueio abrange “todos os valores creditados em contas bancárias, cadernetas de poupança, fundos de investimento ou quaisquer outras aplicações financeiras” cujo titular seja um dos investigados.

O juiz também determinou a notificação de todos os citados na ação para apresentarem defesa prévia na ação.

RESTRIÇÕES – Mais cedo, nesta segunda-feira, a Justiça do Rio de Janeiro determinou restrições à atuação de Crivella como prefeito.

Isso porque foi revelada uma reunião secreta dele com pastores no Palácio da Cidade, na semana passada.

O juiz Rafael Cavalcanti Cruz, da 7ª Vara de Fazenda Pública, determinou que Crivella está proibido, por exemplo, de usar a máquina pública em interesse de grupos religiosos, de privilegiar o uso de serviços públicos (como filas de hospitais) ou de realizar censos religiosos.

Reajuste de militares em 2019 já está garantido, não importa quem for eleito

Resultado de imagem para salario de militar charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Vicente Nunes
Correio Braziliense

A despeito da proposta da equipe econômica de incluir, no Orçamento de 2019, o adiamento para 2020 dos aumentos dos servidores públicos, os militares ficarão de fora da medida e terão os soldos reajustados. Fontes do Palácio do Planalto garantem que o presidente Michel Temer assumiu compromisso com a caserna e não vai voltar atrás. Os militares têm tido papel importante no atual governo.

Na avaliação do Planalto, os militares têm condições diferenciadas de trabalho e isso deve ser levado em conta na hora de se definir a política salarial da categoria. Tanto o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, quanto o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, dizem a proposta de adiamento dos reajustes de salários valerá para os militares. Assessores de Temer garantem que o aumento dos soldos em 2019 está garantido.

R$ 5 BILHÕES – Pelo acerto feito com o governo, ratificado pelo Congresso, os militares vão receber aumento médio de 27,9% em quatro parcelas. A primeira foi paga em agosto de 2016, a segunda, em janeiro de 2017, e a terceira, em janeiro deste ano. A próxima parcela está prevista para ser paga em janeiro de 2019. Somente no ano que vem, esse reajuste custará quase R$ 5 bilhões.

Quando fechou a correção dos soldos, o governo optou por dar aumentos diferenciados aos militares, dependendo do posto ou da graduação. Os reajustes variam entre 24% e 48%.

 Na Aeronáutica, no Exército e na Marinha, a visão é de que o governo não rasgará o acordo firmado com as Forças. Há, inclusive, uma movimentação para tentar bloquear qualquer proposta de adiamento dos reajustes. “O governo não vai brincar com isso”, diz um representante de uma das Forças.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG –
Como diz o ditado, manda quem pode, obedece quem tem juízo… (C.N.)

 

Na visão de Divaldo Franco, a inveja é um dos mais graves defeitos humanos

Resultado de imagem para inveja charges

Charge do Cleverton (Arquivo Google)

Divaldo Franco
A Tarde (Salvador)

Entre as imperfeições do caráter humano, descendente direta do egoísmo, destaca-se a inveja, essa dissolvente manifestação da imperfeição moral. Muitas tragédias que ocorrem na sociedade são frutos espúrios do cultivo dessa conduta execranda.

A existência terrestre possui como finalidade psicossociológica, atendendo ao instinto gregário, a preservação da solidariedade, que se firma no auxílio fraternal que deve existir entre todas as pessoas e reciprocamente.

Nada obstante esse impositivo da sobrevivência, grande número de criaturas humanas opta pelo comportamento competitivo, incapazes de rejubilar-se com as conquistas e alegrias do seu próximo na viagem ascensional.

FUGAZ FELICIDADE – Deixando-se magoar pelos próprios insucessos ou atormentadas pela sede de viver em regime de exclusão, somente a si se permitindo usufruir da fugaz felicidade, as pessoas voltam-se com tenacidade contra todos aqueles que lhes parecem ameaçar o triunfo ou odeiam a glória não conseguida.

Apoiando-se na mesquinhez a que se entregam, elaboram verdadeiros programas de perseguição contra os demais, dando lugar a mentiras e calúnias que habilmente elaboram, assacando flechadas contínuas, envenenadas pelos sentimentos inferiores com os quais se comprazem.

Amigos de ontem que se mantinham em fraternidade, ante o destaque de um deles, o outro, ao invés de regozijar-se, intoxica-se de cólera e transforma-se em verdugo gratuito, escondendo-se em argumentos falsos para dar vazão à frustração que o invade.

EVOLUÇÃO MORAL – Todo processo de evolução moral e especialmente espiritual é realizado mediante a superação dos instintos agressivos, das imperfeições mantidas nas experiências primitivas e transatas.

A inveja consegue disfarçar-se e imiscuir-se no comportamento social e humano com habilidade, manifestando-se com expressões falsas, aparentemente ingênuas, quando não explode intempestivamente em combate viral.

O invejoso, sem dúvida, é muito infeliz, porquanto padece emoções perturbadoras, que a ele mesmo prejudica.

BEM COMUM – Por sua vez, o pensamento emitido faz-se portador de uma onda de energia negativa que, muitas vezes alcança aquele contra o qual é dirigido, desde que sintonize mentalmente em faixa vibratória equivalente.

A terapia de excelente qualidade para a vitória contra a inveja é o esforço que se deve oferecer em favor do bem de todos, auxiliando sem vacilação, de modo a contribuir para a felicidade geral.

(Artigo enviado por Isac Mariano)   http://www.divaldofranco.com.br/mensagens.php

Piada do Ano! Nova Constituição de Cuba reconhecerá propriedade privada

Imagem relacionada

Raúl Castro terá um primeiro-ministro

Deu no G1
Deutsche Welle

O governo de Cuba revelou novos detalhes sobre planos para reestruturar seu sistema governamental, tribunais e a economia nacional, através de uma reforma constitucional a ser aprovada pela Assembleia Nacional ainda em julho. A reforma criará o cargo de primeiro-ministro, ao lado do de presidente, dividindo as funções de chefe de Estado e de governo. Fica mantido o Partido Comunista como única força política no país, e o Estado comunista como força econômica dominante.

Passam a ser reconhecidos, todavia, o mercado livre e a propriedade privada na sociedade cubana, e será criada uma nova presunção de inocência no sistema judiciário.

MUDANÇA – A Constituição de 1976, ainda na era soviética, só reconhece a propriedade estatal, cooperativa, de agricultor, pessoal e de sociedade conjunta. A propriedade privada era rejeitada, sendo considerada um resquício do capitalismo.

A proposta de reforma constitucional é descrita na edição deste sábado (14) do diário Granma, do Partido Comunista, devendo ser votada num referendo posterior à aprovação pelo Parlamento. Segundo as autoridades cubanas, a atual Constituição já não reflete as mudanças atravessadas pelo país nos últimos anos.

DIZ O GRANMA – “As experiências adquiridas nestes anos de Revolução” e “os novos caminhos traçados” pelo Partido Comunista são algumas das razões para a reforma da Constituição, lê-se no sumário do Granma. O esboço, elaborado por uma comissão encabeçada pelo ex-presidente e primeiro-secretário do Partido Comunista, Raúl Castro, contém 224 artigos.

A nova Constituição manterá direitos como a liberdade religiosa, e explicitará o princípio da não discriminação devido à identidade de gênero. O texto divulgado no Granma não especifica em que medida o Estado reconhecerá os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. 

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Esta reportagem mostra o lado sinistro da revolução cubana. Dizer que vai reconhecer a propriedade privada é uma brincadeira, tipo Piada do Ano… Na antiga União Soviética, a propriedade privada sempre foi reconhecida, tenho em minha biblioteca um livro sobre isso. Também em Cuba a propriedade privada era reconhecida na prática, embora a teoria não o fizesse. Dizer que o regime cubano é marxista é uma Piada do Ano. Não existe marxismo sem liberdade individual e liberdade de imprensa. Marx, infelizmente é o pensador mais caluniado da História. (C.N.)  

As múltiplas razões da miséria no Brasil e a morte do grilo falante

Resultado de imagem para miseria no brasil 2018

 52 milhões de brasileiros, abaixo da linha da pobreza

Percival Puggina

Você sabe por que o Brasil não consegue solucionar o problema da miséria? Porque, de um lado, deixamos de agir sobre os fatores que lhe dão causa, e, de outro, nos empenhamos em constranger e coibir a geração de riqueza sem a qual não há como resolvê-la. Os fanáticos da política, os profetas de megafone, os “padres de passeata”, para dizer como Nelson Rodrigues (ao tempo dele não existiam as Romarias da Terra), escrutinando os fatos com as lentes do marxismo, proclamam que os pobres no Brasil têm pai e mãe conhecidos: o capitalismo e a ganância dos empresários.

Em outras palavras, a pobreza nacional seria causada justamente por aqueles que criam riqueza e postos de trabalho em atividades desenvolvidas sob as regras do mercado.

ATÉ PENSEI... – Estranho, muito estranho. Eu sempre pensei que as causas da pobreza fossem determinadas por um modelo institucional todo errado (em 2017, o 109º pior entre 137 países, segundo o World Economic Forum (WEF). Pelo jeito, enganava-me de novo quando incluía entre as causas da pobreza uma Educação que prepara semianalfabetos e nos coloca em 59º lugar no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), entre 70 países.

Sempre pensei que havia relação entre pobreza e atraso tecnológico e que nosso país não iria longe enquanto ocupasse o 55º lugar nesse ranking (WEF, 2017).

Na minha santa ignorância, acreditava que a pobreza que vemos fosse causada, também, por décadas de desequilíbrio fiscal, gastos públicos descontrolados tomados pela própria máquina e inflação. Cheguei a atribuir responsabilidades pela existência de tantos miseráveis à concentração de 40% do PIB nas perdulárias mãos do setor público (veja só as tolices que me ocorrem!).

E a corrupção? – E acrescento aqui, se não entre parêntesis, ao menos à boca pequena, que via grandes culpas, também, nessas prestidigitações que colocam nosso país em 96º lugar entre os 180 do ranking de percepção da corrupção segundo a Transparência Internacional.

Contemplando, com a minha incorrigível cegueira, os miseráveis aglomerados humanos deslizantes nas encostas dos morros, imputava tais tragédias à negligência política. Não via como obrigatório o abandono sanitário e habitacional dos ambientes urbanos mais pobres. Aliás, ocupamos a 112ª posição no ranking, entre 200 países, no acesso a saneamento básico. Pelo viés oposto, quando vou a Brasília, vejo, nos palácios ali construídos com dinheiro do orçamento da União, luxos e esplendores de uma corte dos Bourbons.

ESTOU ERRADO – Mas os profetas do megafone juram que estou errado. A culpa pela pobreza, garantem, tampouco é do patrimonialismo, do populismo, dos corporativismos, do culto ao estatismo, dos múltiplos desestímulos ao emprego formal.

Não é sequer de um país que, ocupando a 10ª posição entre os países mais desiguais do mundo, teve a pachorra de gastar, sob aplauso nacional, cerca de R$ 70 bilhões para exibir ao mundo sua irresponsabilidade na Copa de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016. No entanto, os Pinóquios da política, das salas de aula, da mídia e dos púlpitos a serviço da ideologia, fanáticos da irrazão, asseguram-nos que existem pobres por causa da economia de empresa e dos empreendedores.

Um dos fenômenos brasileiros deste início de século é o silêncio das consciências ante toda falsidade. É a morte do grilo falante.

Na Croácia de Tito, houve o casamento do socialismo e da liberdade

Resultado de imagem para presidente tito

Em 1948, Tito já era um dos líderes mundiais

Sebastião Nery

Em julho de 1957, estava eu em Moscou, a imprensa internacional acordou com a manchete quente: “Tito e Bulganin encontram-se na fronteira da Rumânia”. Bulganin, um velhinho de barbicha branca e cara muito rosada, que poucos dias antes eu vira passeando só e calmamente nos jardins do Kremlin, era o então presidente da União Soviética. Aquele papo de fronteira significava o fim de dez anos de punhos cerrados entre URSS e a Iugoslávia, com os comunistas de meio mundo acusando Tito de traidor do socialismo.

No ano seguinte, para espanto dos americanos e desespero dos stalinistas, o presidente Bulganin e Kruschev, primeiro-ministro e secretário geral do PC soviético, desciam em Belgrado e faziam a mais sensacional autocrítica já vista em dirigentes da URSS: na briga com Tito, os errados fomos nós. E começou o degelo no leste.

VELHO LEÃO – Gomulka saiu da cadeia, reassumiu o poder na Polônia e foi ver Tito. Lembro bem, apesar dos anos já passados, quando fui pegar meu cartão de jornalista estrangeiro convidado para o jantar de Tito a Gomulka, um correspondente americano me disse malicioso:

– Os meninos estão arrancando os dentes do velho leão, depois de morto.

– Que leão?

– Stalin.

A história rodou, a experiência socialista se fez universal, Bulganin e Kruschev perderam o poder e a vida, e tanto tempo depois, reencontro a Iugoslávia um país inteiramente novo, reconstruído da guerra, industrializado, em processo de desenvolvimento com índices raros em toda a Europa, e ainda sob o comando político e nacional, muito mais nacional do que político, do mesmo Tito que arrancou a autocrítica de Bulganin e Kruschev. Por quÊ? Porque Tito, aos 81 anos, era muito mais do que o presidente do país, por ser o seu grande herdeiro vivo.

FILHOS DA MORTE – Os heróis são filhos da morte. Nascem na sepultura. Mas a história às vezes faz alguns coabitarem com a glória e, em vida, serem sinônimos de sua pátria. Quando De Gaulle dizia – “Se quero saber o que a França pensa, pergunto a mim mesmo” – ele estava apenas traduzindo a sua consciência de herói vivo. Tito era o De Gaulle socialista da Iugoslávia. Um homem sinônimo de seu país e de seu povo.

– Nossa filosofia básica de governo é o respeito à liberdade dos homens e o desenvolvimento natural de nosso sistema socialista – dizia-me em almoço no clube de imprensa o ministro Dragoyub Budimovski, um jornalista que, em 1941, deixou a redação e foi para as montanhas, de fuzil na mão, aos 18 anos, fazer guerrilha contra as tropas de Hitler que tinham invadido seu pais. Gordo, forte, vermelho, parece camponês eslavo. E não é outra coisa esse filho da Croácia, sorrindo largo, comendo muito e falando apaixonadamente da experiência nacional de seu povo:

– Quer dizer que aqui socialismo e liberdade se casaram.

– É a única maneira de dar bons filhos.

E riu largo, aberto, vermelho, como os camponeses da Croácia.

‘Doleiro dos doleiros’, que operou US$ 300 milhões, era ligado à Odebrecht

O doleiro Dario Messer

Messer limpava o dinheiro sujo da Odebrecht

Felipe Bächtold
Folha

Ainda pouco conhecida nas investigações da Lava Jato, a conta da Odebrecht com o megadoleiro Dario Messer, que está foragido, movimentou US$ 300 milhões ao longo de quatro anos, segundo delação premiada firmada por operadores no Rio. Messer é pivô de ação penal aberta pelo juiz Marcelo Bretas, em junho, contra uma rede de 61 doleiros na qual a Odebrecht é uma das principais envolvidas.

Nos depoimentos dos 78 delatores da Odebrecht divulgados no ano passado, o vínculo é pouco mencionado. O ex-executivo Luiz Eduardo Soares trata brevemente do doleiro, ao afirmar que a empresa criou na década passada o Setor de Operações Estruturadas, conhecido como departamento da propina, porque Messer esteve impedido de operar para a empreiteira.

JUCA E TONI – Depois, contou o executivo, as operações foram assumidas por uma dupla identificada como Juca e Toni, que são respectivamente Vinicius Claret e Claudio Barboza de Souza, hoje delatores da Lava Jato no Rio.

Baseada em grande parte na delação dos dois, a acusação do Ministério Público Federal do Rio afirma que a relação de Messer com a empreiteira durou até a Lava Jato prender executivos em 2015. Claret e Souza se apresentam como subordinados de Messer e afirmam que apenas uma das contas, aberta no Panamá, no banco Credit Corp, movimentou US$ 104 milhões (R$ 390 milhões) de 2011 a 2015.

Messer possui cidadania paraguaia e teve ordem de prisão expedida em operação deflagrada no início de maio.

MENÇÃO INDIRETA – Uma das poucas menções a Messer na delação da Odebrecht tornada pública no ano passado é indireta. Um dos delatores da empreiteira entregou uma lista de visitantes à unidade da empresa na praia de Botafogo, no Rio, com milhares de registros de entrada no prédio como prova em uma acusação contra um empresário.

Nesse documento, consta uma visita de Messer ao prédio da Odebrecht em dezembro de 2012 na qual foi recebido por Marcos Grillo, executivo que acabaria virando delator.

A delação da empreiteira, homologada no início de 2017, ainda tem trechos sob sigilo. Os relatos dos ex-executivos da empresa que envolvem crimes no exterior não foram tornados públicos inicialmente para que a empresa tivesse maneiras de firmar acordos com autoridades de outros países.

DINHEIRO VIVO – No esquema descrito por Souza e Claret, a Odebrecht transferia dinheiro no exterior aos operadores para receber em espécie no Brasil.

Os valores, então, eram entregues aos beneficiários finais, incluindo políticos. Segundo o relato, o esquema evoluiu desde 1994, época em que uma funcionária enviava via fax para uma empresa de Messer os endereços de entrega de dinheiro, até chegar ao sistema de contabilidade eletrônico nos quais apelidos protegem as identidades de beneficiários.

Além dos serviços de entregadores de dinheiro vivo no Brasil a pessoas indicadas pela Odebrecht, uma empresa de transporte de valores também é apontada como participante do fornecimento.

NO URUGUAI – Em 2003, a dupla foi transferida para o Uruguai, segundo eles, como forma de evitar investigações no Brasil. Atuaram no país vizinho até 2017, quando foram detidos em um desdobramento da Lava Jato no Rio.

Souza disse que a Odebrecht pedia a ele para abrir contas nos mesmos bancos como maneira de driblar mecanismos de controle de lavagem. “A transferência entre contas no mesmo banco diminui as exigências”, disse ele em depoimento.

Messer era um dos donos do EVG, um banco em Antígua e Barbuda, paraíso fiscal no Caribe, utilizado com essa finalidade.

CODINOME TUTA – Na contabilidade paralela, a empreiteira era apelidada de “Tuta”. Nos documentos entregues pelos delatores da Odebrecht, o nome “Tuta” é citado dezenas de vezes, possivelmente indicando quem operou os repasses descritos e suas origens. Mas os depoimentos já divulgados não explicam esse elo.

Entre os episódios citados na operação no Rio que ilustram a proximidade com Messer estão um empréstimo dele à contabilidade paralela da Odebrecht de US$ 8 milhões (R$ 30 milhões) em 2011.

OUTRO LADO – Procurada, a Odebrecht diz que está cooperando com as autoridades e “focada no exercício de suas atividades e na conquista de novos projetos”.

A defesa de Dario Messer nega que ele seja um “doleiro dos doleiros”, expressão difundida quando a Operação “Câmbio, Desligo” foi deflagrada.

O advogado dele, José Augusto Marcondes de Moura Júnior, disse que Messer deixava com a dupla Claret e Barboza recursos lícitos para investimentos legais. A defesa também diz desconhecer a relação da Odebrecht com Messer, assim como a visita ao escritório da empreiteira no Rio, em 2012.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGFica comprovado, mais uma vez, que a delação da empreiteira omitiu muita coisa, conforme diz o próprio Marcelo Odebrecht, tentando destruir o cunhado. Seria conveniente que o Supremo reavaliasse o acordo de delação. (C.N.)

O Estado é um excelente mecanismo de extorsão do dinheiro dos brasileiros

Charge sem autoria (Arquivo Google)

Rogerio Izquierdo

O PT sintetiza, em muitos aspectos, a mentalidade de uma boa parte da população brasileira. O Estado brasileiro, a exemplo de outros países, é um excelente mecanismo de extorsão do dinheiro da iniciativa privada via impostos, que é quem realmente produz riqueza.

Ato contínuo, todo o dinheiro confiscado dos “contribuintes” fica centralizado predominantemente no governo federal. O cofre abarrotado de dinheiro, roubado dos cidadãos produtivos, fica a cargo do poder político também centralizado na capital federal.

CONTROLE DO PODER – Deste sistema constituído (poder econômico e poder político), se unem grupos de interesse, tais como políticos e grandes empresários com objetivos não tão republicanos. É só uma questão de juntar a fome com a vontade de comer. O Estado moderno, nada mais é que uma luta de facções criminosas pelo controle do poder político e econômico.

Ato contínuo, aproveitando-se do sistema constituído e com a mentalidade pouco empreendedora do brasileiro, surgem todas as espécies de indivíduos, como aqueles que fazem concurso público para cargos bem remunerados, para nunca mais terem que se preocupar em inovar, correr riscos com o dinheiro próprio, empregar pessoas, etc.

Adicionalmente, mentes parasíticas se unem a este arranjo e procuram subterfúgios na lei para criarem milhares de sindicatos, vivendo às custas de recursos de terceiros, com o apoio do Estado.

ESTADO PROTETOR – As pessoas pobres, que pensam com o estômago, não têm escolha, a não ser torcer por um Estado grande e acolhedor. O estado tem interesse de manter a pobreza e a pobreza necessita de um estado provedor.

Concluindo, o PT expressa a mentalidade média do brasileiro, que espera do Estado a saúde, educação, segurança pública, previdência, transporte, gás, petróleo, concursos públicos, cargos comissionados etc.

E vou além, o PT também expressa a parte imoral do homem, a mentira, a corrupção e a violência. O PT eleva a outro patamar os vícios inerentes aos seres humanos. E pior, ele destrói os mecanismos de controle sociais de nossos vícios, infiltrando todas as instituições, pondo em risco a existência de uma sociedade regida pela lei e ordem.