Baiano também tentou evitar que Cunha fosse investigado

É Cerveró que está sendo investigado na ação

Deu no Correio Braziliense

A investida do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que o Supremo Tribunal Federal (STF) tire da guarda do juiz federal Sérgio Moro – titular da 13ª Vara Federal em Curitiba -, o processo criminal em que seu nome foi citado como suposto recebedor de US$ 5 milhões de propina no esquema Petrobras pode esbarrar em decisão anterior da própria Corte, instância máxima do Judiciário.

Em março, o suposto operador de propinas do PMDB na estatal, Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, já havia pedido a retirada do processo da 13ª Vara, após o nome de Eduardo Cunha ter sido citado em um termo de delação premiada do doleiro Alberto Youssef, no âmbito do STF.

Agora, em reclamação formal ao Supremo, o presidente da Câmara alegou que Moro ‘usurpou de competência’ ao permitir a menção a seu nome em autos de primeiro grau da Justiça – instância que não pode processar parlamentares.

US$ 5 MILHÕES

O embate entre o peemedebista e o magistrado da Lava-Jato tem origem no relato de um dos delatores da Lava-Jato, o lobista Julio Camargo. Na quinta-feira (16/7), ele afirmou em audiência de ação penal sob responsabilidade de Moro que foi pressionado por Eduardo Cunha por uma propina de US$ 5 milhões, em 2011, durante encontro em um prédio comercial no Leblon, zona Sul do Rio.

No processo da 13ª Vara Federal, em sua fase final, são réus o ex-diretor de Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o operador de propina no PMDB Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, Julio Camargo e o doleiro Youssef.

Na audiência de 16, Camargo discorreu longamente sobre a pressão que alega ter sofrido do presidente da Câmara. Falou até de um encontro com o então ministro Edison Lobão (Minas e Energia), na base aérea Santos Dumont, no Rio. Nessa reunião, intermediada pelo diretor à época da Petrobras, Paulo Roberto Costa (Abastecimento), o lobista exibiu ao ministro cópia de um requerimento de informações da Câmara, subscrito por uma deputada aliada de Eduardo Cunha. O requerimento, segundo o lobista, é uma das provas dos movimentos do peemedebista.

AÇÃO É CONTRA CERVERÓ

“Não vislumbro com facilidade que o Supremo Tribunal Federal seria competente para a presente ação penal, pois o deputado federal Eduardo Cunha não foi denunciado no presente processo, que tem seu objeto restrito ao pagamento de propina a Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, e que não tem foro privilegiado. Não se cogita, no objeto da denúncia, em propina a qualquer parlamentar”, escreveu Sérgio Moro, em despacho de 31 de março ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4).

Naquele mês, o operador do PMDB Fernando Baiano havia pedido a retirada do processo da 13ª Vara. Moro argumentou que na ação penal em Curitiba, já em sua fase final, “não há no pólo passivo qualquer autoridade com foro privilegiado”.

“Esta ação penal não tem por objeto crime de corrupção passiva de parlamentar, mas sim do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, e o eventual envolvimento do deputado federal Eduardo Cunha no recebimento de valores já é objeto de inquérito perante o Supremo Tribunal Federal e que não se confunde com essa ação penal”, anotou Sérgio Moro. “Apenas supervenientemente veio a este Juízo conhecimento do depoimento de Alberto Youssef no qual ele cita o deputado federal Eduardo Cunha, cópia deste mesmo depoimento foi encaminhado a este juízo após cisão processual.”

4 thoughts on “Baiano também tentou evitar que Cunha fosse investigado

  1. MATÉRIA DO ESTADÃO ONLINE DE HOJE, 22.7.2015

    EUA MONITORAM OBRAS DA ODEBRECHT NO EXTERIOR E APONTAM SINAIS DE CORRUPÇÃO

    Telegramas do serviço diplomático americano apontam suspeitas de irregularidades nos negócios da empreiteira brasileira em ao menos quatro países durante segundo mandato de Lula, que, segundo documentos, “ajudou a concluir um acordo” em Angola.

    Leia-se tudo no link abaixo:

    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,eua-monitoram-obras-da-odebrecht-no-exterior-e-apontam-sinais-de-corrupcao-,1729512

  2. EUA MONITORAM OBRAS DA ODEBRECHT NO EXTERIOR E APONTAM SINAIS DE CORRUPÇÃO

    Telegramas do serviço diplomático americano apontam suspeitas de irregularidades nos negócios da empreiteira brasileira em ao menos quatro países durante segundo mandato de Lula, que, segundo os documentos, “ajudou a concluir um acordo” em Angola.

    Leia-se tudo no link abaixo:

    http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,eua-monitoram-obras-da-odebrecht-no-exterior-e-apontam-sinais-de-corrupcao-,1729512

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *