Bebianno volta a atacar e diz que Bolsonaro “atira pelas costas nos seus soldados”

Bebianno diz que ‘fenômeno de 2018’ não se repetirá

Ricardo Galhardo
Estadão

A caminho do Palácio dos Bandeirantes, onde se encontraria com o governador de São Paulo, João Doria, pouco antes da filiação do deputado Alexandre Frota ao PSDB, Gustavo Bebianno adianta seus planos para o futuro: quer participar da eleição de 2020, talvez como candidato a prefeito do Rio, filiado ao próprio PSDB ou ao DEM.

“Recebi alguns convites e, na hora certa, vai ser decidido”, disse ao Estado na última sexta-feira, dia 16. Demitido da Secretaria-Geral da Presidência, Bebianno afirmou que sua saída do governo e a expulsão de Frota do PSL mostram um “viés autoritário” do presidente Jair Bolsonaro, cujo destino seria terminar o governo isolado. “Ele próprio atira nos seus soldados. E pelas costas.”

Como o senhor avalia a expulsão de Alexandre Frota pelo PSL?

O partido tem de ser composto por vozes que destoam entre si. Ele tem de ter um núcleo, um alinhamento, mas é muito saudável que haja divergências internas. Então, este tipo de atitude revela um viés muito autoritário que infelizmente vem sendo demonstrado pelo presidente desde a sua eleição. É muito preocupante o presidente determinar ao seu partido uma ordem sumária para que um de seus membros seja expulso. O presidente revela uma absoluta falta de lealdade com seus próprios soldados. Algumas pessoas dizem que o Jair tem deixado seus soldados para trás. Acho que é muito pior. Acho que ele próprio atira nos seus soldados. E pelas costas.

O senhor acha que os expurgos param por aí ou continuam?

Não vão parar por aí. Isso começou comigo, no início do governo, e continuou. Tem casos emblemáticos como o do general Santos Cruz (ex-ministro da Secretaria de Governo), muito fiel ao presidente e, mais do que isso, um amigo dele de mais de 40 anos de convivência. Se ele fez isso com um amigo de 40 anos, se fez isso comigo…

Não é só a demissão, mas a forma como se faz. Sempre de maneira desrespeitosa, jocosa, provocativa, tentando denegrir a imagem do outro. Pode escrever aí, o presidente vai se tornar um homem solitário com o passar do tempo porque os que ficam são os fracos e esses são os primeiros a pular fora na hora da turbulência.

Por que o presidente dá mais crédito por sua eleição ao filho Carlos do que ao partido?

Já ao longo da pré-campanha o presidente verbalizava para várias pessoas que não teria chegado até aqui se ‘não fosse por esse cara’. E batia no meu ombro. O Carlos nunca moveu uma palha, a não ser escrever baboseira nas redes sociais. Carlos sempre atrapalhou. Nestas manifestações recentes, eu não posso crer que o presidente esteja sofrendo de amnésia. Ele está embalando um capricho do filho.

A indicação do filho Eduardo para a embaixada em Washington seguiria a mesma lógica? 

Se o Eduardo não tivesse o papai como presidente da República, ele teria a mínima chance de ser indicado para alguma embaixada no planeta Terra? Óbvio que não. É um rapaz que tem uma formação acadêmica muito frágil, é inexperiente, muito imaturo e mimado. É um capricho dele perante o pai, e o pai está atendendo.

Bolsonaro foi eleito com uma agenda de combate à corrupção, segurança pública e liberalismo econômico, além das questões morais. No governo, ele está sendo coerente com esta agenda?

No que se refere ao liberalismo econômico, ele de verdade, lá no fundo, não é um liberal. Nunca foi. Foi se convencendo aos poucos, ao longo da pré-campanha. Houve muitos desgastes entre ele e Paulo Guedes (atual ministro da Economia) durante a pré-campanha. No entanto, ele tem permitido que Guedes vá tocando essa agenda na área econômica. Até porque ele sabe que não pode prescindir da presença do Paulo Guedes. Se o Paulo Guedes sair, acaba o governo.

E as agendas da segurança e combate à corrupção?

Jair não está agindo corretamente com o ministro (Sérgio) Moro (Justiça). Ele revela uma falta de consideração muito grande com o sacrifício que as pessoas fazem pelo bem do Brasil. Precisamos lembrar que o ministro Moro abandonou sua carreira como magistrado para abraçar um projeto que hoje vem sendo frustrado pouco a pouco por medidas que partem do próprio Palácio.

Essa paralisação das investigações por conta de uma decisão do ministro (Dias) Toffoli (presidente do STF) a pedido do Flávio Bolsonaro.

Qual será o papel de Bolsonaro nas eleições do ano que vem?

Acredito que vai mergulhar de cabeça porque será muito importante para solidificar bases nos municípios. Sem isso, ele corre risco de não ser reeleito. O fenômeno de 2018 não vai se repetir. 

O senhor definiu seu futuro político?

Acho que posso ajudar minha cidade que está um caos. O Rio precisa hoje de menos ideologia e de melhor gestão, mais eficiência. Como gestor, acho que posso ajudar de alguma maneira, não necessariamente como prefeito. Recebi alguns convites e, na hora certa, vai ser decidido.

O PSDB é uma opção?

O PSDB é uma opção, o DEM é outra opção, estamos conversando.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Nos últimos meses, o ex-secretário-geral da Presidência já expressou diversas vezes a sua insatisfação com o homem que durante mais de dois anos foi seu projeto de vida. Em mais uma entrevista, destacou e questionou a “imposição”  da imagem de salvador da pátria apresentada durante as eleições. Qualquer caminho absoluto tende a descambar num regime tirano. Previsível. (M.C.)

 

14 thoughts on “Bebianno volta a atacar e diz que Bolsonaro “atira pelas costas nos seus soldados”

  1. Caro Jornalista,

    Por isto não devemos brigar por causa de nenhum político, a menos que seja o nosso filho, que conhecemos desde o berço:
    -Os mesmos pilantras que antes torciam o nariz com asco, faziam piadas sobre o caráter e criticavam o Frota por ter sido ator pornô, agora o recebem com sorrisos e de braços abertos.

    -Brevemente será elogiado até pelo PT, irmão gêmeo do PSDB. Não ficaria surpreso se amanhã ele fizer dupla nas votações com o marido do jornalista do PSOL…

    Abraços.

    (PS: Assim como na fábula do leão doente, confie… desconfiando)

  2. Quer dizer que só agora o Bebiano resolveu questionar a ridícula imagem de imagem de salvador da pátria com venderam Bolsonaro ao povinho gado? Um pouco tarde demais, não? Inês já é morta e já tem otário desiludido falando em São Moro pra 2022…..

    Aiiiinnnn, agora eu sô devota de São Moro!!!!!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

  3. “Até porque ele sabe que não pode prescindir da presença do Paulo Guedes”. Pode, sim, prescindir de qualquer peça, assim como prescindiu dele mesmo. Ninguém é imprescindível, ninguém pode ou tem o direito de se achar assim. Se o Paulo Guedes sair, acaba o governo? Falou a voz da mágoa e não da verdade. Antes de aparecer Paulo Guedes, só existia o breu? Ninguém tem o direito de ser tão ridículo. Tem mais! Parece que ele é mesmo à favor de requentar a CPMF e já faz por merecer ser expurgado, vala à baixo, da mesma forma como esta aberração foi. Quanto a ajudar ao Rio, sinto informar que existem coisas não se ajustam. Rio é caso perdido.

  4. Volto a repetir: a mídia está magoada com a falta de dinheiro. Para atacar Bolsonaro qualquer um vira herói, até o Alexandre Frota. Já acho que a mídia está acima do STF em termos de defender a corrupção.

  5. Agora “Inês é morta”. A criatura está estabelecida. Bebiano deveria ter pensado antes, agora a merda está feita, a menos que ele tire um coringa da manga do paletó que decrete o fim de jogo para Bolsonaro.

  6. Não é por nada não, mas alguém acredita que esse Bebiano tenha chance numa eleição para prefeito no Rio? Alguém tinha ouvido falar dele antes de sua meteórica passagem pelo governo? Falar mal do Bolsonaro não vai servir de critério para valorizar o passe de nenhum candidato, porque a concorrência nesse campo está muito grande.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *