Benjamin exibiu aos ministros do TSE as provas que justificam a cassação

Resultado de imagem para herman benjamin

Relator pediu paciência para a longa lista de provas

Deu no Estadão

Ao ler seu voto no Tribunal Superior Eleitoral, o relator Herman Benjamin afirmou que, nas petições iniciais das três ações, “representantes (PSDB) apresentam como causa do abuso político ou econômico, o financiamento de campanha por empreiteiras contratadas pela Petrobrás como parte de distribuição de propinas”. Acrescentou que, como diz a petição, se houve sofisticado esquema de arrecadação ilícita, não quer dizer que seja caixa 1. “É caixa 2″, reiterou.

“Quando furaram os primeiros poços na década de 1950, na Amazônia, esses esquemas (ilícitos) já haviam se aninhado na Petrobrás”, disse Benjamin no voto.

O relator citou o ex-tesoureiro João Vaccari Neto como representante do PT no esquema de propinas na Petrobrás, descrito pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa, segundo vários depoimentos colhidos por Benjamin, que descreveu percentuais de propina também na Transpetro, subsidiária da Petrobrás.

PROPINAS DA PETROBRAS – Benjamin destacou e repetiu que os valores de propina eram quitados conforme a evolução dos serviços na Petrobrás.

Após descrever como funcionava o esquema de distribuição de propina descrito por investigados na Lava Jato, como Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, o relator se dirigiu ao ministro Napoleão Maia para tentar lhe convencer que os políticos sabiam, sim, que estavam recebendo dinheiro ilícito.

Citou o caso da refinaria Repar, do Paraná, segundo relatos do empresário Augusto Mendonça, da Toyo Metal, que informou ter feito doações oficiais como forma de quitação de propina. Mendonça procurou Vaccari para fazer pagamentos de propinas ao PT.

DEPOIMENTOS – Na sustentação de seu voto, o relator falou sobre a distribuição de recursos ilícitos aos políticos, ao reproduzir depoimentos de delatores da Lava Jato à Justiça Eleitoral.

Depois de citar Mendonça, o relator reproduziu depoimento de Julio Camargo à corregedoria-eleitoral. Segundo ele, Camargo disse que Paulo Roberto Costa lhe disse que o PP havia se aproximado do PMDB, citando vários nomes, “que eu excluo porque não são relevantes aos fatos que estamos apurando”, disse Benjamin.

Em seguida, Benjamin citou o caso da refinaria de Pasadena. Referiu-se também a Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, um dos operadores do PMDB no esquema de corrupção da Petrobrás. Citou valores distribuídos pelo ex-diretor Nestor Cerveró a políticos. Deu outro exemplo, referindo-se à versão do ex-gerente Pedro Barusco sobre como eram distribuídos os pagamentos ilícitos.

PACIÊNCIA – Benjamin então pediu paciência aos ministros para continuar a apresentação das provas. “A realidade é que os dois partidos da coligação (PT e PMDB), ao longo dos anos, usufruíram de vários valores ilícitos derivados de práticas corruptas da Petrobrás”, disse Benjamin, assinalando haver “coerência incontestável” dos depoimentos colhidos dos investigados.

O ministro relativizou, ao dizer que as ilegalidades que estava descrevendo não eram criação exclusiva desse partidos, “mas lhes permitiu, sem dúvida, desequilibrar a balança da disputa eleitoral”. E acentuou  que “não é possível descrever com precisão quando o esquema (de corrupção) começou ou quando terminou, se é que terminou”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGFoi feito então um intervalo, para os ministros e participantes fazerem um lanche depois retomar os trabalhos. (C.N.)

5 thoughts on “Benjamin exibiu aos ministros do TSE as provas que justificam a cassação

  1. Perda de tempo esse julgamento”. Muita ingenuidade de quem acha que um julgamento presidido pelo ministro Gilmar Mendes vai cassar a chapa. Temer-Dilma.
    O Ministro Joaquim Barbosa que lá esteve por 2 horas, saiu dizendo que o resultado é imprevisivel – ele quem disse. Mas para mim é previsivel: não será cassada.

  2. Temer articulou via PSDB, e instrumentalizado por Gilmar Mendes (PSDB-MS), vai ganhar no TSE, por 4 a 3.

    Se o TSE não fosse, assim como o STF, um teatro tragicômico, Temer perderia, abatido pelas fartas provas.

    A agora, impossível derrota de Temer no TSE, não mudaria, o fato mais importante, que o malandro, terminará seu mandato integralmente.

    Assim, a maracutaia orquestrada por Gilmar Mendes, tem seu lado positivo, expõe toda a sujeira que permeia os tribunais superiores brasileiros.

    E trará, um pesadíssimo ônus para o PSDB-PMDB, que serão culpabilizados, por tudo que for negativo, neste governo tocado por picaretas.

  3. Record, SBT e RedeTV negociaram cobertura favorável ao governo federal e apoio político no Congresso em troca de uma punição, por parte da Anatel, às operadoras de TV por assinatura.

    Entre deputados da bancada evangélica e parlamentares donos de emissoras ligadas às três redes, seriam 80 votos.

    https://goo.gl/exttMJ

    Quem disse que Temer esta prestes a cair mesmo?

  4. Se Temer, o vice-presidente de Dilma, vencer, estamos assistindo a decretação, oficial e pelos atos dos próprios poderes constituídos, o fim de uma democracia legítima e real.
    Pelas manifestações de incredulidade, descrença e desesperança total de alguns de nossos colegas e, uma vez confirmadas suas previsões, só nos restará a intervenção militar.
    Alguns ainda repetirão que é um exagero. Se o for, como classificariam o que aconteceu, esta acontecendo e ainda acontecerá em nosso país?
    Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *