Boff, a Teologia da Libertação e a importância de um debate ideológico franco e aberto

Roberto Nascimento

O notável saber do teólogo frei Leonardo Boff é inquestionável. Sua cultura filosófica se constata pelos artigos que temos a honra de ler no Blog da Tribuna da Imprensa.

O frei foi afastado da Igreja pelo papa conservador alemão. Trata-se de um cidadão brasileiro perseguido pelas suas ideias libertadoras, pela sua preferência pelos pobres, desde que pontuou suas ações através da Teologia da Libertação.

Os padres e bispos ligados à Teologia da Libertação são exatamente aqueles mais preocupados com a exclusão da imensa maioria da população, massacrada pelo capitalismo neoliberal e pela globalização da miséria.

Agora, se realmente o filósofo Boff têm suas preferências políticas pelo PT, quem somos nós para julgar, não é mesmo? Aqui mesmo no Blog da Tribuna, leitores e comentaristas militam e defendem o PDT de Brizola, o PSDB de Fernando Henrique, o PSB de Eduardo Campos, o PT de Lula, a Rede da Marina e partidos menores. Então, qual a razão de tantos ataques virulentos a Boff por ele ter acreditado na proposta do PT?

A pluralidade do pensamento é positiva para o debate, para o conhecimento, para as experiências de vida. Se pontuassem aqui no Blog somente as ideias capitalistas, o amor pela economia de mercado, o deixe passar, o deixe andar, a mão invisível de Adam Schmidt, o cada um por si e Deus por todos, certamente seria muito maçante. Na outra ponta, se por acaso também tivéssemos que ler somente as teorias de Marx e Friedrich Engels, de Lenin, de Mao, nos sentiríamos igualmente com a mente distorcida.

Quanto a resolver a pobreza, creio que a Teologia da Libertação não tem esse dom mágico. Como disse o filósofo Antônio Candido sobre o socialismo, basta buscar a solução, mesmo que saibamos que é de difícil concretização. O importante é ir ao encontro do sonho utópico, pois nessa caminhada conseguiremos a diminuição do fosso abissal existente entre ricos e pobres no mundo globalizado deste século.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

59 thoughts on “Boff, a Teologia da Libertação e a importância de um debate ideológico franco e aberto

  1. O “notável” saber de L. Boff é inquestionável? Como assim? Onde estamos? E sendo simples da maneira exposta, onde vamos parar?! Onde em suas preferencias para interpretar o mundo há tanta verdade que não se poder dele se quer descordar?
    Debater ideologia através da igreja, é um cinismo que contrata com a descrição de cultura filosófica. Para Boff andar em duas canoas é um tanto quanto confortável para quem só possui apenas “ideias libertadoras”. Ideias de liberdade, tipo assim: eu mando, você faz! A pluralidade de debater é salutar,mas desde que usemos as vias compatíveis para tanto. Um cupim não tem seu trabalho questionado quando destrói uma árvore abandonada no pasto, é da sua natureza, mas é bastante pernicioso quando esse mesmo cupim corrompe uma uma imagem sagra ou outra forma de Substância existente.
    Qual a prática da Teologia da Libertação em Cuba, Venezuela, Coreia do Norte? O que o povo pobre desses países ganharam com as propostas de Leonardo Boff? A fome? A falta de liberdade de escolha? A ausência de futuro? Onde encontro respostas para essas perguntas?

  2. Se não pode ser Lula, nem Dilma, nem Marina Silva, nem Eduardo Campos, nem Aécio Neves/ Serra (vixe!), quem deveria ser? Joaquim Barbosa, com a truculência dele, talvez poria tudo a perder ou poderia surpreender. Mas é o único que representa mudança de fato. Para o bem ou para o mais ou menos. Mas estamos cansados do mais ou menos. Concluindo, só o tempo dirá o que será do nosso idolatrado país.

  3. Inquestionável saber só se for pra você Roberto que tem uma inteligência limitada. Acho melhor você voltar a escrever sobre a área trabalhista. Boff,renegado pela própria estupidez, tentou tentou, ao seu estilo,levar o cristianismo à aberração marxista. Ele também teria confessado uma relação conjugal com uma mulher, casada e mãe de quatro filhos que frequentava sua igreja. O Brasil, como já é sabido internacionalmente, não é um país de homens de grande inteligência, irrelevante nas áreas da ciência, da tecnologia e da alta cultura,e é nesse ambiente que um Boff da vida consegue se destacar e as inteligências pouco preparadas se impressionam.

  4. O misticismo como salvador da humanidade no campo político já mostrou seus resultados. Um deles é que só colocou seus sacerdotes ou mentores no poder e o povo continuou na mesma ou pior como em Cuba o Irã.
    Já países como Alemanha, japão, Coreia do Sul, EUA e outros do tipo chegaram onde chegaram por caminhos bem diferentes. Caminhos lógicos em que o óbvio determina as ações para a resolução de problemas.
    Por exemplo, o dinheiro do trem bala aqui deveria ser empregado nas necessidades sociais que são visíveis, mas a ideologia diz que o trem bala é prioridade. E por aí vai com outros milhares de exemplos, que, no final, vai sendo deixado de lado.
    Enfim, o rei tá nu como enxergou a criança da fábula, mas as ideologias ou religiões dizem que não e ainda dizem que isso é coisa de direita. Principalmente em países da América latina onde o atraso cultural fala mais alto e, taí Boff pegando os inocentes.

  5. O misticismo como salvador da humanidade no campo político já mostrou seus resultados. Um deles é que só colocou seus sacerdotes ou mentores no poder e o povo continuou na mesma ou pior como em Cuba e Irã.
    Já países como Alemanha, Japão, Coreia do Sul, EUA e outros do tipo chegaram onde chegaram por caminhos bem diferentes. Caminhos lógicos em que o óbvio determina as ações para a resolução de problemas.
    Por exemplo, o dinheiro do trem bala aqui deveria ser empregado nas necessidades sociais que são visíveis, mas a ideologia diz que o trem bala é prioridade. E por aí vai outros milhares de exemplos, que, no final, o povo vai sendo deixado de lado.
    Enfim, o rei tá nu como enxergou a criança da fábula, mas as ideologias ou religiões dizem que não e ainda dizem que isso é coisa de direita. Principalmente em países da América latina onde o atraso cultural fala mais alto e, taí Boff pegando os inocentes, que naturamente, acreditam em Papai Noel.

  6. Notável saber? Onde?Acabaram com a Igreja no Brasil.Estão aí os evangélicos crescendo sem parar ,e nunca falaram em Marx .A teologia da Libertação foi pura balela terceiro mundista.

  7. Sr. Roberto Nascimento:
    O Sr. so nao e ridiculo, pois ja e cretino.
    Entre todas as tentativas de destruir o cristianismo e os valores judaico-cristaos, a Escola de Frankfurt foi a primeira investida, depois veio a Teologia da Libertacao, ambas tentativas nefastas, sujas, contra o Cristianismo.
    Ou o Sr. è idiota, ou e cinico.
    Se informe melhor, antes de escrever textos horriveis como o a patifaria ai acima.
    Pandolfini.

  8. O “notável saber teológico” do Leonardo só é notado por quem não tem “formação teológica” ou desconhece a história das pastorais sociais nas três últimas décadas… Leonardo Boff é um ex franciscano que ADORA narcisisticamente os holofotes da média. Engana-se quem o imagina o “maior” teólogo da Libertação. Os teólogos que melhor “sistematizaram” o temática da LIBERTAÇÃO foram: o padre peruano Gustavo Gutiérrez, atualmente membro da Ordem os Pregadores (frades dominicanos); e, o jesuíta uruguaio Juan Luis Segundo, já falecido. E no campo da Filosofia da Libertação, Enrique Dussel. O notável teólogo BOFF, na realidade é o irmão do Leonardo, Clodovis Boff da “Ordem” Servos de Maria” (servitas). Leonardo está sempre pregando em outras freguesias, pois sabe que não tem mais “audiência expressiva” junto aos agentes das pastorais sociais que nunca abandonaram a Barca de Pedro (Igreja) e continuam a lutar política e socialmente ao lado do Povo de Deus. Leonardo é “intelectual de gabinete” nunca pôs a mão da massa para ajudar a construções “a força histórica dos pobres”. Ele forçou um confronto desnecessário com a burocracia vaticana, cujas consequências foi: 1)o enfraquecimento e cerceamento eclesiástico da “igreja dos Pobres”; 2) Bispos e Arcebispos que animavam a participação política dos pobres cristãos também foram cerceados, na esteira da “volta à grande disciplina” imposta pelo Papa João Paulo II. Assim o autor do livro “Igreja: Carisma e Poder” agiu como o “joio no trigo”… Por ocasião da eleição presidencial estava na “canoa” da Marina Silva, agora volta a flertar com a candidatura petista para 2014.

  9. Que isso?????
    Não se respeita mais,velho colaborador deste Blog.Sr.Roberto Nascimento,merece nosso respeito,a
    consideração, e a nossa solidariedade.
    Podemos,e Devemos”DISCORDAR”,das ideias,fatos,opiniões.Mas,temos o”DEVER”,de respeitar as Pessoas.

  10. Boff é comunista, e não tem coragem de dizer isto abertamente.
    Ele não é burro ao ponto de confessar sua má intenção.Pelo contrário, é muito inteligente.
    Então concluo que é mentiroso, farsante…

  11. Obrigado Luiz Fernando pelas palavras carinhosas. Enquanto os cães ladram a caravana passa.
    Os que partem para a ofensa pessoal carecem de espírito democrático. O pior é supor que sabem mais do que os outros, que detêm o monopólio do saber. Discordar é legítimo, entretanto, o ato de tripudiar sob um texto alheio demonstra o viés autoritário e a falta de vontade de debater ideias e crescer no embate do contraditório.

    Entendo o ódio que os amantes da economia de mercado têm contra aqueles que professam um mundo mais humano e solidário. O poder do dinheiro, da acumulação de bens a custa do trabalho escravo, dos baixos salários, dos privilégios das elites e das cabeças conservadoras e individuais.

    O fosso abissal entre os que têm muito e os que têm muito pouco ou quase nada avança como um rabo de foguete. Contudo, ainda existe uma legião que quer mais. Os paraísos fiscais estão abarrotados de dinheiro surrupiado da nação, para compor heranças de poucos, enquanto nossa juventude amarga o desemprego e a desesperança, a ponto de irem para às ruas enfrentar gás de pimenta e cassetadas de policiais, que também ganham um salário aviltante.

    Quando aparece, alguém que se dispõe a falar sobre humanismo, sobre solidariedade, sobre nossas disparidades, que também são as de todos os países, como Leonardo Boff, um mundo de ataques sem precedentes é disparado sem dó nem piedade.

    A vida é assim mesmo, que fazer? Vamos seguindo em frente sem esmorecer jamais com as incompreensões humanas.

  12. Quem tenta misturar questões temporais(materialistas) com questões espirituais não é intelectual coisa nenhuma. Mais provavelmente é um impostor, que não encontra eco para suas teses ultrapassadas. O povo quer liberdade, ainda que no capitalismo, e não ditadura comunista. Aliás, esses defensores do comunismo são os que mais adoram o capitalismo. Para constatar, basta olhar em volta.

  13. Concordo, mas a recíproca também é verdadeira. Os defensores do capitalismo adoram socializar os prejuízos. Não precisa olhar aqui em volta. Basta viver sózinho num apartamento e ter que dividir a conta de água do condomínio com vizinhos capitalistas de famílias numerosas.

  14. A economia de mercado apareceu há milênios desde que o Homem aprendeu a armazenar alimentos. É da natureza.
    O mercado é o Homem.
    Somos nós. Bilhões de pessoas.
    Nós é que decidimos o queremos e as empresas lutam ferozmente para nos oferecer o melhor e mais barato, pois no capitalismo sério existe concorrência.
    Nele não pode haver monopólios.
    Seria interessante por parte daqueles que são contra o mercado dizer qual a alternativa que propõe para substituí-lo. Não se deve esquecer a URSS com o fim do livre mercado seus resultados.
    Diz aí Roberto Nascimento. Estamos curiosos.

  15. Lamento, mas a bestialidade faz escola!
    Roberto Nascimento tem enriquecido este Blog incomparável com vários artigos extraordinariamente bem feitos, pontuais, além de uma redação primorosa.
    Um cavalheiro, uma pessoa que enaltece este espaço democrático.
    O mesmo não se pode dizer de alguns comentaristas, diante da forma como se reportaram à sua pessoa (Roberto), e não ao texto proposto para debates.
    Não entendo a fuga a respeito da idéia, do pensamento, mas o ataque pessoal, as ofensas, as agressões.
    Com exceção de um e outro irracional que dá os seus coices a cada registro, dois ou três me surpreenderam pela agressividade desnecessária contra o Roberto, que se pode dele discordar, mas não se tem o direito de ofendê-lo como vários comentários o fizeram.
    Roberto, meu caro, a minha solidariedade, o meu apoio moral.

  16. Roberto Nascimento, obrigado pelo artigo. Li algumas vezes a Teologia da Libertação, sendo o livro do Dr Heráclito Sobral Pinto “A Teologia da Libertação e o Materialismo de Marx” uma obra notável. Atualmente estou lendo Filosofia e Teologia, em artigos escritos por Santo Agostinho e São Tomás de Aquino:
    “A União da Teologia e da Filosofia”
    “O Encontro da Teologia com a Filosofia”.
    Há muito a pesquisar e estudar sobre a Teologia da Libertação. Difícil encontrar vencedores ou vencidos; há debatedores, cada um com defesas brilhantes nos seus pontos de vista. Boff foi silenciado pelo Cardeal Hatzinger por discordar dele. Hoje … o livro de Boff foi solicitado pelo Papa Francisco, que talvez esteja também lendo Santo Agostinho e São Tomás de Aquino (um seguidor de Aristóteles, que foi um seguidor de Sócrates … Vai daí …).

  17. Prezado Sr. Roberto Nascimento,

    defender posições deploráveis como: “…O pior é supor que sabem mais do que os outros,… que detêm o “monopólio do saber”…”, e depois se fazer de vítima, não vale! O sr. é piadista?
    Ainda mais, querendo levantar a surrada bandeira em favor dos pobres. As manifestações nas ruas estão colocando fogo na bandeira do PT, e são contra a ideologia barata do COMUNISMO defendida por seus membros, correligionários e militantes. o PT dá sombra para as” ideias libertadoras” do cupim Boff, por se tratar de um idiota útil para a causa do Foro de São Paulo.
    Se não bastasse, alguns bêbados solitários servem de fraca estaca com simplórios comentários embriagados de ignorância.
    A vitimização é a astúcia usada pelo PT e outros, para corromper os valores da sociedade democrática.
    PS. Quem faz uso de trabalho escravo por exemplo é a China e Cuba entre outros países do partidão. Por aqui há, porém as leis proíbem, é a diferença.
    Já no comunismo, o o chefe do Estado é dono do suor do proletário, do companheiro, do sindicalizado.
    PS. Essa política de “primeiro o meu”, é praticada pelo PT através da retirada da contribuição ao partido através dos contra-cheques dos filiados.
    PS. Ainda sobre escravidão, é melhor verificar o plano Mais Médicos, nada mais é que escravos-agentes infiltrados para promover a insanidade Castrista. Lula apoia tudo isso e defende Padilha para o governa de São Paulo.

  18. Mauro Julio Vieira, saudações
    “Livre Mercado”, você mencionou.
    Puxa, mesmo com a atuação internacional da SIEMENS sendo aberta e escancaradamente criminosa … você ainda assim fala em livre mercado, ou livre iniciativa, etc? O cartel é mundial e aí está desde sempre. A SIEMENS confessou tudo, ela participa de tudo e impõe suas regras, que “beneficiam” os mesmos de sempre. A SIEMENS atua em muitos segmentos em parceria com muitos outros grupos “empresariais” (argh!!!) em muitos países. Há muitas outras SIEMENS no Brasil e no mundo. Todos fazem acordos com todos e ficam com tudo. Não houve, não há e não haverá “novos” participantes nas concorrências ou tomadas de preço.
    “Eis o Livre Mercado”.

  19. Prezado Almério, saudações, mas você há de convir que uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa. Observe que, quando o país é sério, onde existem leis e estas são aplicadas, os aproveitadores, quando pegos, são punidos. N
    ão é o livre mercado que é o problema e sim a legislação de países como o Brasil, que não punem criminosos algum.

    Livre mercado não significa bandidagem livre como monopólios, cartéis,etc.
    Bandido tem que ir para a cadeia e isto acontece nos EUA, China, etc

  20. “PS. Quem faz uso de trabalho escravo por exemplo é a China e Cuba entre outros países do partidão. Por aqui há, porém as leis proíbem, é a diferença.
    Já no comunismo, o o chefe do Estado é dono do suor do proletário, do companheiro, do sindicalizado.” ( Rodrigo)

    Não há como refutar Rodrigo, pois ele apontou fatos como esse acima.
    Entre outros.

  21. Obrigado caros comentaristas Iaco, Bendl e Almério e também, aos demais comentaristas que discordaram, porém de forma educada.

    Senhor Mauro. Não deveria respondê-lo, pois sua maneira de discordar é sempre desqualificando desonrosamente quem não compactua com suas ideias. Estamos curiosos? Quem? Para que? Você ja disse tudo em sua sentença irrecorrível. Entretanto, creio que o senhor não lê os assuntos internacionais. Nos EUA, a corrupção campeia a rodo e poucos são punidos. A punição só é dura contra quem denuncia as espionagens de cidadãos americanos e dos brasileiros também. Na França até um ex-presidente (Sarkosy) foi envolvido em escândalo e está aí livre , leve e solto na vida. A China, agora capitalista na economia e comunista na política, volta e meia é envolvida em corrupção nos altos escalões governamentais. A Rússia capitalista está muito pior em relação ao período da URSS. E pasmem, nem liberdade os russos estão tendo. A corrupção meu caro é endêmica, tanto nos regimes capitalistas quanto nos regimes comunistas.

    Senhor Rodrigo, fala sério!!! Não sou dado a piadas nem a hipocrisia. Escrevo com seriedade em atenção aos leitores do Blog da Tribuna. Lugar de piada é em programas humorísticos, aqui entramos para o debate livre dos problemas nacionais, na tentativa de aprender e repassar o pouco de experiência que acumulamos, no meu caso, no limiar dos 60 anos. Os cabelos brancos não me dão o direito de perder tempo com brincadeiras, pois o tempo urge na velocidade da luz. Que tal voc~e produzir alguma ideia para que possamos comentar, concordar e se for o caso discordar, mas respeitando o seu arrazoado

  22. Infelizmente a resposta de Roberto nascimento não satisfaz aqueles que só se interessam por fatos.
    Não conseguiu dizer qual a alternativa para a economia de mercado.
    Suas considerações sobre o assunto é religioso ou ideológico, o que dá no mesmo. Se fundamenta em opiniões e preferências pessoais. sentimentalismo.
    Mistura alhos com bugalhos, pois uma coisa é um capitalismo sério onde o livre mercado produz o que milhões de consumidores deseja, em que é proibido cartéis, monopólios ,etc.
    Outra coisa é o crime que se pratica nos livres mercados ou como nos mercados fechados como em Cuba e, diga-se de passagem, nesta ilha prisão, como foi na URSS, não existe leis de defesa do consumidor e tudo é monopolizado pelo estado, que oprime o consumidor com produtos da pior qualidade. sem falar da estagnação da economia que isso provoca.

    Ferreira Gullar morou alguns anos na URSS e já descreveu como era a vida daquele povo tendo que engolir guela abaixo a porcariada produzida pelo estado.
    Tem casos também como uma mulher ocidental que se casou com um russo e disse que, na URSS, para comprar uma geladeira teria que esperar 4 anos.

    Resumindo minha posição: crime existe em qualquer regime e, nos fechados, onde não há livre mercado, a corrupção é muito maior.

    Não existe paraíso na terra e jamais haverá.
    O crime jamais deixará de existir. É preciso punir quem o pratica, sem esquecer da dura realidade que, nem todos criminosos são pegos.
    É preciso entender um pouco da condição humana para perceber isso e, a partir daí não se iludir com utopias, ideais, etc.

  23. Todas as teses economicas dos socialistas foram desmoralizadas, uma a uma, e tiveram obrigatoriamente de seguir as leis da economia de mercado.
    Todas as propostas socialistas nao passam de engenharia social visando controlar todos os passos dos cidadaos, e encarcera-los, em jaulas invisiveis. Em nenhuma parte do mundo o welfare state funcionou por muito tempo, pois alguem tem que trabalhar para sustentar os parasitas do Estado, e manter o “guarda chuva” protetor.
    O que mais esperam os falsos falsos intelectuais esquerdistas deste Blog? O que tem a mostrar alem do marxismo requentado, doentio, a la Chavez, ou um neo-petismo travestido de novo. Proponham algo novo, que resista ao tempo, nao as empulhacoes de sempre, pois o comunismo-socialismo ja foi para a lata do lixo da historia.
    Aceitar as mentiras de Boff, ou defende-las e cinismo ou ignorancia.
    Esta caracteristica pobre de defenderem-se mutuamente, em grupinhos, e covardia da grossa, somada a grande pobreza intelctual.
    Individualmente sao rasos de ideias, juntos, se tornam ridiculos.

  24. Sr.(a) Darcy:
    Nao lhe conheco, e nunca ouvi falar o seu nome, pois Darcy pode ser qualquer um.
    Peca ao Sr. C. Newton conferir o meu IP(Internet Protocol), depois encontre melhores argumentos para tentar me avacalhar, pois este seu argumento de agora, e bosta.
    Escreva pelo menos um texto digno de ser publicado, Sr(a) Venerea Darcy, pois ate agora os seus melhores textos (comentarios) nao passam de notas de rodape, pauperrimos.
    E mais, Venereravel (Venerea) Sra. Darcy, qual e o seu sobrenome?
    Tome vergonha na cara e assine o seu nome completo, afinal a Sra. acha que tem privilegios sobre os demais, e pode sonegar a sua verdadeira identidade?
    Nao procure chifres em cabeca de cavalos, estou vacinado contra canalhas do seu nivel.

  25. Puxa, será que é mesmo impossível, aqui, discordarmos uns dos outros sem partirmos para a ofensa pessoal? Já perdemos alguns comentaristas excelentes, muito provavelmente por não aceitarem o nível (muito) vulgar, baixo, mesmo, de alguns.
    Sabemos que temos os que escrevem para dar show, seus artigos de mil linhas. Se iremos lê-los ou não, escolha nossa. Outros preferem o xingamento explícito ou o deboche.
    Quanto a mim, após tantas leituras, em tantos anos … após debater com pessoas e pessoas, percebo com clareza minha identificação com o Socialismo. Sinto-me satisfeito com minha compreensão, e isto me basta. Gosto de debater sobre isto, não de brigar e xingar. Posso ser por vezes irônico, porém jamais desrespeitoso.
    Mostremos que somos capazes sim, de polemizar. Afinal, o Helio Fernandes “adora” uma polêmica.
    Debater, debater e debater. Sempre. Perceber os outros olhares e discuti-los quando necessário for. Pobre de quem se assenhora da Verdade da Vida e quer porque quer passá-la aos outros.

  26. Pois é, quando o radicalismo se instala em debates e se misturam questões de educação e respeito com diversidade de opiniões, um tema apropriado à discussão se perde porque alguns comentaristas optaram por não discuti-la, mas afrontar o articulista.
    O problema é que está se tornando norma neste Blog até então incomparável, esta forma deplorável de se contestar, de se rejeitar o pensamento alheio, em substituição ao diálogo e ratificações ou retificações de conceitos.
    Em princípio, a intolerância quanto ao socialismo ou à dialética de Boff, que Roberto escreveu muito bem que se trata de um homem de “notável saber” – concordo plenamente -, impediu que pudéssemos avançar sobre um terreno pantanoso, que dificulta mentes limitadas seguir em frente por não saberem evitar o trecho que as atola e as prende à lama do percurso.
    Percebi claramente nas manifestações contrárias ao Roberto Nascimento – mais porque pessoais, curiosamente -, que a defesa do capitalismo, do sistema que se por um lado aufere liberdades e democracia coletivas e individuais, cobra um preço altíssimo ao cidadão: ELE MESMO!
    Sim, exatamente o que eu escrevi: o cidadão e seu trabalho; o cidadão e sua ignorância; o cidadão como povo; o cidadão que não tem representatividade; o cidadão destituído de influências; o cidadão comum, que procura emprego ou, trabalhando, vê-se sujeito à demissão quando menos espera; o cidadão que paga altíssimas e cruéis taxas de juros; o cidadão humilde que é explorado por impostos escorchantes e não constata que parte desta arrecadação, pelo menos, não lhe é devolvida; o cidadão que está aprisionado ao que o governo lhe oferece em termos de Educação, Saúde e Segurança; o cidadão analfabeto funcionalmente, que não interpreta adequadamente os movimentos persuasivos de governantes que o usam indiscriminadamente como massa de manobra; o cidadão que não tem o preparo exigido pelas corporações ou grandes empresas que o sistema lhe nega para admiti-lo; o cidadão à merce permanentemente das circunstãncias indefeso e frágil diante delas, e sucumbe à força dos acontecimentos ao seu redor SERÁ A ETERNA VÍTIMA DO CAPITALISMO SELVAGEM!
    Fome, doenças, miséria, pessoas morrendo por tão pouco, seres humanos desconsiderados por outros seres humanos abastados e que poderiam resolver os problemas que geram tanta infelicidade, mostram-se insensíveis com a dor alheia e, o mais grave, diante desse quadro aterrador, mais protegem suas fortunas e patrimônio para não dividi-los com os necessitados.
    Antes que pule à minha frente um apressado que não entendeu os meus registros, saliento que ESTOU ESCREVENDO SOBRE CAPITALISMO EM PLENA DEMOCRACIA, sem querer recomendar o socialismo e sua utopia que simplesmente rebaixam o mesmo cidadão acima escravo de gente abonada, em servo de dirigentes delirantes!
    Morto por ter cão, morto por não tê-lo. Na democracia, pelo menos, eu consigo fugir do animal feroz e, quem sabe, evitar que me abocanhe até à morte, diferentemente no socialismo ou comunismo que, além de eu ter de deixar que as feras me mordam, ainda sou preso se reajo à tentativa, se é que me entendem.
    Então, INDESCULPÁVEL, simplesmente, esta situação que o capitalismo ocasiona de se desinteressar pela pessoa, cuja Teologia da Libertação pretende auferir ao cidadão que não é ouvido pelos ouvidos moucos do capitalismo diante da aflição da maioria dos cidadãos ao redor do mundo, a importância que lhe nega o sistema, o enaltecimento à sua vida que o capitalismo o ignora ao lhe divulgar que existe, sim, uma maneira de se viver melhor, com menos lutas em busca de sobrevivência, com mais JUSTIÇA SOCIAL, com menos contrastes entre uma vida miserável com a existência de uma afortunada.
    Se, o ex-frei Leonardo Boff está corretíssimo por um lado, peca quando alega propagar um sistema à disposição dessas esperanças de um mundo melhor, esquecendo-se exatamente da mesma OMISSÃO DO CAPITALISMO: o ser humano!
    A utopia da igualdade entre os homens pelo socialismo ruiu porque desconsiderou as vontades de cada cidadão;
    A crueldade do capitalismo impera pelas vontades de seres humanos darem mais atenção ao dinheiro que aos seus próximos.
    Em ambos, o cidadão é esquecido por um ou outro regime, preponderando a vontade deste mesmo cidadão ou manipulada pela poderosa ambição de ter mais poder ou, então, pela poderosa tentação de dominar as pessoas pela ideologização.
    Agora, Boff, se mostra preocupado e interessado pela pessoa, neste cidadão por mim mencionado, enquanto que os banqueiros, os “investidores”, os capitães de indústria, grandes empresas multinacionais, fortes empresários, discutem o quê?
    Maior lucratividade em cima exatamente deste cidadão espoliado, desapoderado de si mesmo pela força prodigiosa do capital, e despersonalizado pela utopia que lhe dá a falsa sensação de importância mas, que, na verdade, ele será usado para engrandecer meia dúzia de astutos pensadores que serão guindados à condição de liderança até cometerem os mesmos desatinos que o capítalismo emprega contra o cidadão que, permanentemente, será esquecido pelo próprio cidadão, tanto rico quanto pobre, haja vista a mente de ambos ter sido escravizada pelo vil metal ou porque ninguém pode ter nada em contrapartida!
    Eis o debate que deveria ser instalado a partir do artigo acima, muito bem escrito pelo Roberto Nascimento, que foi exatamente deixado de lado pelos defensores de um capitalismo egoísta e pelos que admiram um sistema utópico, castrador de vontades individiais, menos de se ampliar este tema imprescindível à sociedade no futuro: ricos e pobres, algum dia viverão melhor entre si, e quem vai vencer, a ganância ou a solidariedade?
    Boff, certamente responderia que, “Deus é quem sabe”;
    O Capitalismo, indiscutivelmente diria que, “o dinheiro é quem manda”.
    Viram?!
    Em ambos, o ser humano foi desconsiderado!

  27. Prezado sr. Roberto Nascimento,
    quando o senhor se inclui em um grupo de “detentores do monopólio do saber”, e afirma que aqueles que contra-argumentam suas posições doutrinárias, apenas “supõe que sabem” alguma coisa sem ter condições de debater com as mesmas armas do conhecimento e sabedoria, isso para mim é uma piada. E se isso não for uma piada, é uma afirmação cheia de presunção débil. Toda sua argumentação em defesa de Boff é muito grave por falta de critérios de convencimento por livre arbítrio. Por si só, ela não pode ser boa, apenas por fazer promessas de zelar pelos pobres. Pois, o que faz o senhor achar que apenas um grupo de privilegiados tem a capacidade de entender as “ideias libertadoras” pregada por Boff?
    O senhor se faz de vítima, argumenta a questão da idade e dos cabelos brancos. Um conselho, não se iluda com as trevas, nem perca seu precioso tempo para fazer a defesa de ardilosos que se escodem na arte de ludibriar. Nem permita que sua formação seja corrompida por mentiras.
    Politica se discute no parlamento, nos congressos, nas assembleias, nas passeatas, nas universidades.
    A igreja está sendo usado com fins políticos e sendo colocada no direção errada. A igreja é um lugar para elevar o espirito, desenvolver a fé, encontra o verdadeiro o amor, praticar a caridade. A igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, edificada por Pedro não é palco de lunáticos que não se conforma com suas pedras. O senhor está virando as costas para as coisas de Deus, e seguindo a ambição mesquinha dos homens partidos.
    O senhor não respondeu minhas perguntas, porém para entender melhor suas ideias propostas, continuo perguntando:
    Por quê essas ideias só foram acolhidas pelo PT?
    Por quê faltar com os verdadeiros propósitos do pensamento de Boff, que é a corrente ideológica do comunismo e omitir seus propósitos?
    Existe alguma contradição entre comunismo e liberdade?
    Por quê a “Teologia da Libertação” é vendida como um produto promissor para muitos males, semelhantes aos engôdos de propagandas baratas, mas tem o intuito de apenas ludibriar boa fé das pessoas pobres e humildes?
    Qual o motivo de Leonardo Boff, pregador da libertação (alheia), estar acorrentado ao PT, um partido politico de reputação duvidosa que se pauta em mentiras e desfalques da coisa pública?
    O que faz o senhor achar que entregando um cartão bolsa-família, as coisas irão mudar para melhor?
    O que a Teologia de Boff tem de tão especial e libertadora, que para sobreviver precisa da força de um partido politico que está no poder?
    Enfim, para finalizar uma coisa é certa, a corrupção é inerente a politica e aos homens públicos, assim como liberdade é inerente ao ser humano. Livre você pode combater a corrupção e alternadamente escolher o menos pior. Sem liberdade você não pode fazer isso. Sem liberdade você não pode nada!
    Rodrigo

  28. Confesso.
    Sim, confesso que há poucas semanas falei um palavrão. Até chocou Mônica a quem peço desculpas. De coração.
    Fi-lo, não porque qui-lo, mas por impulso. Saiu assim sem mais nem menos. Coisa de mineiro com um pouco de sangue italiano. E pior, que ainda mexe com artes plásticas e quem mexe com essas coisas faz arte.
    Mas antes da frase condenável, fiz questão de ressalvar que estava a emitindo com maior respeito. Também não coloquei destinatários.
    Antecipo agradecimentos a todos que compreenderam este evento.

  29. Caro Newton, quero uma explicação e a mereço:
    O meu comentário acima foi postado às 6;58pm;
    O resgistro do Rodrigo, às 6;59pm, logo abaixo do meu.
    IMPOSSÍVEL que, antes dos nossos, a publicação de um outro, às 7;45pm, e ADIVINHANDO, por assim dizer, o comentário que o sucederia.
    Admito que não vai ler o que escrevi por não entender, diante da sua limitada inteligência na condição de muar, mas a ponto de antecipar textos – fenômeno biológico porque escreve duas ou três palavras – estamos diante da reencarnação de Paul, o polvo vidente da última Copa do Mundo!
    Obrigado pela atenção, Newton, e me decifra este enigma, por favor.

    • Sr. Francisco Bendl,
      causa-me profunda estranheza sobre suas colocações. Em um comentário escreve educação e respeito entre os comentaristas, e logo em seguida encaminha um comentário ofensivo e desrespeitoso ao sr. Carlos Newton, editor e jornalista da Tribuna da Imprensa. Foi isso, ou não entendi direito o que está escrito logo acima?
      A respeito do enigma sobre o horário postado, Sr Carlos Newton e Sr. Francisco, se deve ao fato de teclar – Reply – tecla logo após data e horário do comentário. Faz com que responda diretamente aquele comentário feito por este ou aquele comentarista. Era essa a duvida, ou também não entendi a pergunta? Antecipo minhas desculpas, caso esteja sendo inoportuno.

  30. Ficou faltando alguém dizer …
    “onde, em qual país existe a tal democracia?”
    “Onde, em qual país, existe o ‘livre mercado’?”
    “Onde, em qual país, existem os ‘direitos humanos’?”
    “Onde, em qual país, as eleições são livres e os povos manifestam-se sem a (fortíssima) interferência de poderosos e decisivos grupos financeiros?”
    Aí estão os crimes revelados por Jimmy Carter, por Edward Snowden e pelas confissões da Siemens (que atua em todo o mundo) …
    Os terroristas, denunciados inapelavelmente, estão em toda a parte mascarados e infiltrados, produzindo a sensação de que o “povo é que decide tudo”, quando não decide nada. É apenas massa de manobra, desde sempre.
    Meu tão querido e saudoso amigo João Saldanha costumava dizer: “Não tenham pressa: vocês têm duzentos anos para responder”

  31. Essa democracia como sinônimo de capitalismo captei definitivamente em 1964, depois que o golpista democrático defensor da iniciativa privada Castelo Branco cassou os direitos políticos e de sustento do desembargador José de Aguiar Dias e o deixou na miséria um tempão, certamente por ele ser espírita confesso desde jovem.

  32. Almério tá certo. Ele pergunta onde está o paraíso aqui na terra.
    Ele não existe.
    Existem países como o Canadá, EUA, Japão, Alemanha e outros do tipo com uma boa legislação. Contudo, mesmo assim, como já falei lá atras, muitos criminosos conseguem escapar. Claro, não tanto como no Brasil , que escapam todos.
    Abraços, Almério.

  33. Para o juízo do comentarista acima. O Jimmy Carter criou muita fama no exterior, É o Gorbatchev da esquerda incauta. Lá dentro ele foi uma medíocre governante que comprovei na prática quando lá ralei sob condições difíceis. A inflação durante seu governo chegou a 10%/ano e o desemprego na cidade de Nova York atingiu em 1978 igual nível 10% contra 8,50% do país. Compare com o nível atual. O resultado é que nem reeleito foi. Apenas um Obama branco do sistema, mais embromador, do tipo vaselina e que não assassinou ninguém com drones, mas que acobertou covardemente os assassinos do ex-chanceler chileno Letelier que ficaram tranquilos e impunes na CIA. Esqueci. Fez uma lambança militar no Iran, quebrou a cara e deixou para o sucessor Reagan fazer um trato com o Iran à época que se chamou IRAN-CONTRA. Além do mais, seu governo continuou apoiando as ditaduras brasileira, argentina e chilena hipocritamente, dando uma no cravo e outra na ferradura. Seu defensor de direitos humanos chamava-se Tyson Brady, que fingia ser contra as ditaduras de direita diante das câmeras, mas que sacaneava suas vítimas na prática.

    • Ha um pequeno engano de sua parte. No finalzinho do governo, o Carter autorizou aquela aventura militar de resgate aos diplomatas espiões que lá ficaram como reféns. Lembra-se? Foi desastrosa e no fim de 1979. Os helicópteros caíram e as tropas especiais se escafederam vergonhosamente. O Khomeini endureceu a posição a partir daí. Então, o Reagan fêz um acordo em Argel POSTERIORMENTE com o Iran para que os reféns fossem libertados. Esse problema perdura até hoje e é argumentado nas negociações, porque os iranianos alegam que os norte americanos cumpriram só parcialmente o acordo, após a libertação de seus nacionais, e não merecem confiança.

      • Vamos então aclarar. Os reféns diplomatas em Teerã foram libertados sem relação com o Hezbollah. O acordo foi cumprido pelos norte americanos apenas na venda de armas e algumas peças de reposição contratadas e pagas anteriormente no governo do Xa (caso IRAN CONTRA), mas restou os 2 ou 3 bilhões de dólares do Estado Iraniano da época do Xa, que ficaram congelados nos Estados Unidos após a revolução iraniana e garfados até o presente. Aliás, eles estão fazendo agora o mesmo com a Líbia. O Khadafi fez um acordo de indenização com eles, em razão daquele avião abatido na Escócia, reataram relações diplomáticas e comerciais, houve depósitos de dólares em bancos norte americanos POSTERIORMENTE, depois os EUA passaram a apoiar o golpe e bombardeios patrocinados pelos franceses e ingleses contra o Khadafi, os EUA subitamente, no processo de desestabilização, congelaram esses depósitos, que nada tinham a ver com a indenização paga anteriormente para o restabelecimento das relações, faz agora corpo mole para devolver e quer obrigar as novas autoridades líbias a pagar pela derrocada do Khadafi e comprar com esse dinheiro congelado bens dos EUA. Entendeu? Por isso é que o Chaves mandou vir do Reino Unido no comecinho do ano passado, temeroso de também ser garfado, segundo assinalou, as barras de ouro venezuelanas lá depositadas por governos anteriores.Porque o Reino Unido, todo mundo sabe hoje, é ligadíssimo e um autêntico apêndice dos EUA. Nos EUA o presidente tem o poder, através de ORDEM EXECUTIVA, de congelar por razões políticas bens de pessoas físicas e jurídicas estrangeiras. Para o seu conhecimento, o atual governo do Canada passou a fazer o mesmo e deixou meses atrás um monte de estudantes iranianos lá em maus lençóis até para se escafederem. Vivemos atualmente num mundo sem lei, ou melhor, na do mais forte.

        • Esqueci de dizer que no contexto atual o Ban Ki Moon faz o papel muito bem remunerado de Bobalhão do Mundo ou, como bem assinalou um comentarista argentino num recente tema das Malvinas no Clarin, Flor de Salame. Certamente porque não fede e não cheira com aquela de gaiato.

  34. Sr Laco Silva, saudações
    “Para o ‘juízo’ do comentarista acima” … que sou eu!!!
    Não abordei a questão de ter sido o Jimmy Carter um bom ou um mau presidente. Se ele mereceu ou não o Premio Nobel da Paz que conquistou. Se ele hoje faz jus à uma imensa admiração internacional.
    Minha referência a ele vai na direção do artigo que assinou no The New York Times e aqui publicado.
    Recordemos um trecho;
    “Revelações de que altos funcionários do governo dos Estados Unidos decidem quem será assassinado em países distantes, inclusive cidadãos americanos, são a prova apenas mais recente, e muito perturbadora, de como se ampliou a lista de violações dos direitos humanos cometidas pelos Estados Unidos. Legislação recente legalizou o direito do presidente dos Estados Unidos para manter pessoas sob detenção sem fim, no caso de haver suspeita de ligação com organizações terroristas ou forças associadas fora do território dos Estados Unidos. Nossa nação, hoje, encontra-se desfigurada juridicamente, esta não é a nação construída pelos nossos pais fundadores” … etc etc etc
    Vale frisar que esta lei encontra-se em pleno vigor.
    Vale ressaltar, ainda, que a primeira fala (em off) do filme ARGO, vencedor do Oscar deste ano, é assim; “Os terroristas somos nós mesmos … nós é que invadimos países … destroçamos famílias … inventamos guerras … o que estamos fazendo aqui no Irã é repugnante …” O DVD deste filme certamente está à disposição. A lambança NÃO foi de Carter.
    Repito, para que fique bem claro. Não abordei nem abordo a questão da qualidade da gestão de Jimmy Carter. A lei a que ele se referiu, entretanto, está em vigor, com as assassinaturas, ops, quer dizer, com as assinaturas dos congressistas e do próprio presidente Barack Hussein Obama.
    Okay, dou mais duzentos anos para quem quiser responder às minhas perguntas.

  35. Muita cara de pau dele em dizer isso agora no NY Times, pois em 1977, quando ele era presidente, seus homens estavam nas masmorras da DINA (Chile), da ESMA (Argentina) e da SAVAK(iraniana) a monitorar interrogatórios de presos políticos sob torturas. A Escola das Américas, do Panamá, continuou em plena atividade a ensinar a torturar ativistas sociais e militantes de esquerda e nacionalistas no sul do continente. Não me consta que ele tenha instituído bloqueio, retirado verbas ou sancionado os governantes desses órgãos, como ele manteve os correspondentes ao governo do Fidel na época.

  36. O Roberto Nascimento alçou a bola na área,o conterrâneo F.Bendl.Bateu um bolão,que show de bola
    digo(texto-6:58pm),Parabéns…
    Em tempo,sou contra as distorções do “sistema”capitalista selvagem,e cruel.
    Mas,não sou adepto,do tal,de sonhos utópicos.
    Sou da Linha Positivista do Mestre Júlio De Castilhos. Do qual,Brizola se inspirou.
    Com todo respeito,as idéias diferentes…
    Obrigado…

  37. Rodrigo,
    Não entendeste as minhas colocações, muito menos que eu tenha faltado com o respeito ao Newton!
    Quando mencionei o meu comentário e o teu em seguida após o meu registro, portanto correto, a minha estranheza foi constatar um texto DEPOIS DO NOSSO, conforme horário postado, que foi registrado ANTES, e que SABIA QUEM SERIA O PRÓXIMO COMENTARISTA!
    Lê com atenção o que foi por mim escrito, e tu verás que a tua interpretação primeira não condiz com o enunciado e tampouco com a minha incredulidade perante ao fato, razão pela qual a minha solicitação ao mediador que me esclareça como isto é possível!
    Observa que o Newton entendeu, caso contrário, ele teria sido o primeiro a me chamar à atenção.

  38. Meu conterrâneo Luiz Fernado Souza,
    Mais uma vez o meu obrigado pelo apoio, e por teres compreendido o que escrevi.
    De certa forma concordamos a respeito do capitalismo e socialismo, pois ambos modelos têm conduzido o ser humano a erros imperdoáveis para com ele mesmo.
    Um excelente fim de semana.

  39. “Compreendemos a vida quando olhamos para trás. Mas só vivemos a vida quando olhamos para frente”.
    Muito aprecio este posicionamento do pilar maior do Existencialismo, o dinamarquês Soren Kierkegaard.
    As sólidas atitudes e denúncias do ex presidente Jimmy Carter, a respeito da forte decadência institucional de seu país, ilustram com firme consistência o pensamento de Kierkegaard. Aos 88 anos, Carter apresenta-se disposto a perseguir e respeitar os ideais dos seus “pais fundadores”.
    No mais, agradeço a atenção de todos em especial ao Roberto Nascimento, que nos motivou a escrever sobre o tema. Valeu!!!

  40. Querer acender uma vela prá Deus e outra pro Diabo não é de bom alvitre. Colocar tudo no mesmo saco não convence. Os números falam por si e é neles que devemos nos orientar para discorrer sobre a condição de cada sistema.
    Sem a posse de fatos como o de que neste planeta jamais haverá paraíso e isto até por questões da nossa biologia, os equívocos produzidos por nossos desejos sempre estarão presentes no nosso achismo.
    Enfim, aqui na terra temos que optar entre o pior e o menos pior, e isso já está provado por mais de 1 século, de que o capitalismo é o menos pior. capitalismo sério, onde as leis imperam e punam os aproveitadores. Ele produz mais e só produção é que sustenta a vida das pessoas.
    Não podemos esquecer de que o Brasil nunca foi capitalista. Por isso produz pouco.

  41. Mauro Julio Vieira, saudações.
    Você me permite? A merda toda reside no fato de que ninguém sabe quem é Deus … e quem é Diabo. As vestimentas, os rituais, os credos, as devoções, as práticas … são as mais diferenciadas.
    E lá vamos nós, cada um defendendo e adotando suas posições. Há pelo menos umas boas zilhões de definições para Deus e para Diabo. Eu tenho a minha, tu tens a tua, ele tem a dele. Os “sábios” garantem saber mais do que todos e nos impõem mil versões.
    E … as guerras vão se sucedendo através dos tempos …
    Abraço!

  42. Tá certo Almério, o que eu queria dizer é que não podemos radicalizar.
    Devemos colocar na balança os prós e os contras para ver os resultados.
    O absoluto não existe. Tudo é relativo.
    Abraço

  43. Tive uma certa preguiça de ler o texto e os comentários tão disparatados e numerosos, principalmente de colaboradores já conhecidos, cujas ideias, convicções e argumentações não mudam nunca.
    Tem o mamífero humano sempre que ser assim, com sua mente cristalizada, uma cultura cofigurativa (classificação da antropóloga Margareth Mead em seu livro Culture and Commitment)?
    A dialética perde seu significado quando insinuações maldosas e agressivas se intrometem. (Do grego dialekticós, pelo latim dialecticu, arte do diálogo, da argumentação, embora o termo seja mais usado em filosofia para designar as contradições presentes, tanto na natureza, quanto na vida social).
    O Marxismo deu unidade a todas as concepções e seus significados. A dialética apresentada por Marx comporta três pressupostos fundamentais: tese, antítese e síntese. As teorias evolucionistas de Darwin e Wallace tiveram gigantesca influência sobre a filosofia. Delas surgiu, por exemplo, o estudo clássico e teórico do socialista alemão Friedrich Engels intitulado O Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem.
    Claro que existe uma contradição, já que a macaca chita continuou sendo macaca.
    Mas, tanto a teoria da relatividade, quanto a teoria da evolução deram origem a novas descobertas. Hoje torna-se praticamente inverossímil a mitologia bíblica sobre a origem do homem. Mas não precisávamos de Darwin para descobrir a grande contradição, já que disse Deus: façamos o homem à nossa imagem, conforme nossa semelhança (Gênesis 1:26-28). Portanto, trata-se de um Deus pecador, porque logo a seguir o primeiro casal teve uma queda e ganhando a morte, sem misericórdia.

  44. Sei lá Paulo Solon, mas há mais no universo do que imagina a nossa vã filosofia.
    Não acredito nem na minha mente.
    Não vai ser na do meu semelhante que eu vá acreditar.
    Você sabe muito bem que a mente mente.
    Por essas e outras prefiro continuar animal (macaco?).

  45. Alguém pode me dizer onde está o defensor do Boff, sr. Roberto Nascimento? Até agora, acreditem, ele não respondeu minhas perguntas, e tenho mais algumas que precisam de respostas.

  46. Prezado Mauro Julio. Não estou sugerindo, ou insinuando, que um acredite na mente do outro. Apenas considero desgaste gratuito e desnecessário apelações agressivas, as quais nada têm a ver com argumentações próprias à dialética. Nada, por exemplo, indica mais que a Bíblia foi escrita por mamíferos humanos incultos, como seus primeiros versos, o supracitado Gênesis 1:26-28.
    Mas, claro, podem discordar.
    Eu, no entanto, tenho grande dificuldade de não usar minha inteligência de macaco humano bem evoluído, cujos antepassados comeram banana de boa qualidade.
    Cordiais saudações.
    PS.: Na nossa evolução adquirimos a faculdade de analisar o que está sendo dito. Certa vez, há muito tempo, li uma faixa onde estava dito “As Casas da Banha saúdam os Heróis da Independência”.
    Em primeiro lugar, não se pode saudar, ou desejar saúde, a quem já morreu. Em segundo lugar, a Independência do Brasil não teve heróis, mas heroínas: Maria Quitéria, Joana Angélica e Ana Nery.

  47. Prezado Solon.
    Exclui a Ana Néri, por favor, pois esta notabilizou-se na Guerra do Paraguai, tendo nascido um bom tempo depois das outras duas heroínas que mencionaste.
    Entende que estou colaborando contigo, e não te corrigindo, justamente para enfatizar a tua informação a respeito do teu próprio comentário.
    Grato pela compreeensão.

  48. Ana Néri, a enfermeira, Bendl?
    Mas foi heroína, ou apenas participou?
    Existe certa mitologia. Já que você falou em Guerra do Paraguai, penso que o marinheiro Marcílio Dias não chegou a ser herói, mas apenas um guerrilheiro piromaníaco.
    Grato.

  49. Caro conterrâneo BENDI,obrigado pela sua gentileza de sempre,desejo-lhe junto aos teus,um belo
    domingo,de muita paz,saúde,em fim boa gastronomia.
    Forte Abraço…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *