Bolsonaro caiu na armadilha e vai ONU para falar de Amaznia e soberania

Resultado de imagem para macron

Macron, o arqui-inimigo, est preparando a “recepo”

Guilherme Mazui e Filipe Matoso
G1 Braslia

O presidente Jair Bolsonaro viajar nesta segunda-feira a Nova York (EUA) para participar da Assembleia Geral da Organizao das Naes Unidas (ONU). Ser a estreia de Bolsonaro no encontro que rene chefes de Estado, de governo e chanceleres. O presidente tem dito que em seu discurso, marcado para tera-feira (24), far uma defesa do que chama de “soberania nacional” e da atuao do governo brasileiro na Amaznia.

Na sexta-feira (20), em uma breve conversa com jornalistas na entrada da residncia oficial do Palcio da Alvorada, o presidente disse que seus antecessores, quando iam ONU, “falavam e no diziam nada”.

PATRIOTISMO – Eu ouvi pronunciamentos anteriores de outros chefes de Estado do Brasil”, afirmou Bolsonaro. “No passado, tinha muita… Falava, falava, falava e no dizia nada. Temos que falar do patriotismo nosso, da questo da soberania, do que o Brasil representa para o mundo”, completou o presidente.

Na semana passada, em uma transmisso em uma rede social, Bolsonaro afirmou que far um discurso “bastante objetivo” e diferente dos presidentes anteriores porque, na opinio dele, est “na cara” que os lderes de outros pases o cobraro na questo ambiental.

“Estou me preparando para um discurso bastante objetivo e diferente de outros presidentes que me antecederam. Ningum vai brigar com ningum, podem ficar tranquilos. Vou apanhar da mdia de qualquer maneira. A mdia tem sempre o que reclamar, mas eu vou falar como anda o Brasil nessa questo”, afirmou Bolsonaro.

ABERTURA – Tradicionalmente, desde 1949, cabe ao Brasil fazer a abertura do debate geral na Assembleia Geral da ONU. Mas, segundo a Presidncia, o primeiro presidente brasileiro a discursar no debate geral da Assembleia da ONU foi Joo Baptista Figueiredo, em 1982.

Bolsonaro ser o oitavo a discursar, depois do prprio Figueiredo e de Jos Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Incio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer. Desde Figueiredo, o nico que no compareceu foi Itamar Franco.

Alm do discurso na ONU, a agenda prev uma reunio com o secretrio-geral da ONU, Antnio Guterres. Bolsonaro afirmou para a imprensa que deve ainda participar de um jantar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

COMITIVA – De acordo com o Palcio do Planalto, estaro na comitiva oficial da viagem a Nova York, entre outros integrantes, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurana Institucional) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho de Bolsonaro e presidente da Comisso de Relaes Exteriores da Cmara.

Eduardo est sendo indicado para embaixador do Brasil em Washington.

CRISE AMBIENTAL -A estreia de Bolsonaro na ONU gera expectativa em razo da crise diplomtica e ambiental provocada pelas declaraes do presidente em meio crise com o aumento das queimadas na Amaznia. Nos ltimos meses, o presidente fez declaraes crticas Alemanha e Noruega e chegou a trocar farpas pblicas com o presidente francs, Emmanuel Macron, que deixou em aberto uma possvel discusso sobre status internacional para a Amaznia.

Macron chegou a anunciar a inteno do G7, grupo que rene as sete principais economias do mundo, de destinar ao Brasil US$ 20 milhes, mas Bolsonaro questionou a motivao do envio e afirmou que o montante era uma “esmola”.

Bolsonaro chegou a afirmar, sem apresentar provas, que organizaes no-governamentais (ONGs) estariam envolvidas nas queimadas na Amaznia a fim de desgastar o governo, declarao contestada por ambientalistas.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
Esperto, Macron j chegou a Nova York e participa nesta segunda-feira de uma reunio internacional sobre a Amaznia, na qual Bolsonaro o prato do dia, porque no ter ningum para defend-lo. Alis, no se pode saber o que acontecer a Bolsonaro. Muito provavelmente, ele caiu numa armadilha ao ir ONU. Pode ser hostilizado nas ruas, que j receberam milhares de pessoas na sexta-feira. E pode tambm sofrer boicote no plenrio. Tudo possvel, porque sua imagem no exterior a pior possvel, por culpa, nica e exclusivamente, dele prprio. (C.N.)

8 thoughts on “Bolsonaro caiu na armadilha e vai ONU para falar de Amaznia e soberania

  1. O que ele acha que a ONU?
    Algum mais experiente teria que inform-lo.
    Por l no interessa a verdade. Fosse assim, todos os pases desenvolvidos estariam se penitenciando pelo que acontece no planeta. Ou a onda migratria, os campos miserveis de refugiados, a morte por inanio de crianas e o genocdio entre as etnias africanas, dentre outras desgraas, so desconhecidas pela Organizao.

  2. “Macron, champion de l’ecocide”.
    “Macron, champion du blabla!”.
    Passeatas em Paris e Lyon, com dezenas de “portraits” de Macron de cabea para baixo.
    E a mdia ativista brazuquinha…escondeu e ignorou!
    Crianas s podem saber o que o papai-mdia quiser.

  3. Xico Graziano, num artigo no site Poder 360, traz algumas informaes interessantes sobre o tema do desmatamento, para alm de vises maniquestas em voga na mdia

    “(…).A poltica de colonizao fundiria na Amaznia, implementada pelo Incra nos anos de 1970, exigia o desmatamento da floresta. Sem abrir a fazenda no se liberava o financiamento via Sudam (Superintendncia de Desenvolvimento da Amaznia).

    Imensas reas de terra foram desapropriadas, desde o governo Sarney, por no cumprirem a funo social da propriedade rural, ou seja, por serem improdutivas. Nesse caso, pasmem, improdutiva era sinnimo de estar preservada.

    Nada, entretanto, mudou. Pelo contrrio. As invases de terra aceleraram a destruio ambiental no campo. A esquerda sempre teve uma sensibilidade ambiental prxima de zero. Motosserra sem ideologia.
    (…)
    tempo passou. Em 2016 ocorreu um pico no desmatamento na Amaznia. As anlises do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amaznia) apontaram que 64,6% da supresso da vegetao aconteceu em terras pblicas ou devolutas, tendo o restante (35,4%) sido verificado em reas de particulares.

    (…)

    Desta vez, a maioria (67%) do desmatamento ocorreu em reas privadas ou sob diversos estgios de posse. Nos assentamentos de reforma agrria ocorreu 21% da supresso florestal. um mito acreditar que somente os grandes fazendeiros desmatam a Amaznia.

    A verdade que os criminosos da floresta fazem conluio com os poderes pblicos e os entes privados para derrubar a floresta e roubar as valiosas toras de madeira. No apenas existe complacncia da fiscalizao, como tambm, e sabidamente, funcionam esquemas de corrupo ambiental.

    Imaginar que os governos estaduais ou municipais, ou mesmo o IBAMA, sejam capazes de impedir a destruio florestal na Amaznia significa desconhecer como rola a poltica local. Achar que ONGs conseguem dar conta do recado mostra uma santa ingenuidade.”
    https://www.poder360.com.br/opiniao/brasil/e-mito-acreditar-que-somente-os-grandes-fazendeiros-desmatam-a-amazonia-diz-xico-graziano/

  4. No acho que o Macron tenha esse poder todo (de enquadrar o Bolsonaro). Pelo menos no pas dele (Frana), o prestgio est l embaixo.
    Quanto ao comentrio onde diz que Bolsonaro est desprestigiado no exterior, isso pouco nos importa, pois o que de fato relevante tem sido o que ele tem feito de bom em to pouco tempo.
    Tentem conversar com algum caminhoneiro e pergunte como esto as estradas do norte do pas???
    Tive caminho e sei muito bem o que digo. Nos governos anteriores, era um descaso total. Hoje, as estradas esto sendo feitas e os caminhoneiros passaro a receber um carto para abastecer combustvel (como um carto de crdito) e quando forem pagar a fatura, ser o preo da data que compraram, ento, DANE-SE A COMUNIDADE INTERNACIONAL, pois desde 1500 eles s vieram aqui para arrancar nossas riquezas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.