Bolsonaro chama cerco ao Telegram de covardia e indica que estuda medidas acautelatrias

Telegram to pay USD18.5 million, return investor money to settle SEC charges  - DTNext.in

Telegram funciona no Brasil totalmente margem das leis

Marianna Holanda
Folha

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (27) que o governo est tratando sobre o caso do Telegram, aplicativo de mensagens que entrou na mira do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Em conversa com apoiadores em frente ao Palcio da Alvorada pela manh, um apoiador o questionou: “E o Telegram?”.

Bolsonaro respondeu, sem entrar em detalhes sobre o que seria a covardia e quais seriam os seus autores: “ uma covardia o que esto querendo fazer com o Brasil”. Uma apoiadora completou a frase: “[ uma covardia] cortar a nossa comunicao”. O chefe do Executivo diz que no vai responder ao comentrio. “A gente est tratando disso”, encerrou o assunto.

NA MIRA DO TSE – O aplicativo alvo do TSE e est na mira de ao menos duas apuraes, uma na Polcia Federal e outra no Ministrio Pblico Federal. Como a coluna Painel da Folha mostrou, investigadores na esfera cvel e criminal que atuam em apuraes sobre disseminao de fake news, discurso de dio e desinformao no veem muita sada alm do bloqueio do Telegram no Brasil.

As autoridades vm tentando contato com a empresa, sem sucesso, o que torna invivel aplicar multas ou fazer recomendaes. Com pouca moderao e uma estrutura propcia viralizao, o Telegram uma das preocupaes do TSE para as eleies de 2022. Entretanto, ao tentar contato com a empresa, o rgo no obteve resposta.

A dificuldade de alcanar o Telegram, que no tem sede nem representante legal no pas, est inserida em um debate maior sobre os desafios de tornar legislaes nacionais efetivas em um mercado de servios na internet cada vez mais globalizado.

DUAS OPES – Nesse cenrio, as opes seriam: aceitar o crescimento desenfreado de uma plataforma que no atende aos contatos do Judicirio brasileiro ou bloquear o Telegram at que a empresa passe a dialogar.

A possibilidade do bloqueio do Telegram, como mostrou a Folha em recente reportagem, gera preocupao de parte dos especialistas na rea, dadas as possveis consequncias da medida, que est inserida em um complexo debate no s da perspectiva legal como tcnica. Por outro lado, o Telegram no responde s autoridades, tampouco a pedidos da imprensa.

De acordo com nota do TSE, o presidente do tribunal, ministro Lus Roberto Barroso, “entende que nenhum ator relevante no processo eleitoral de 2022 pode operar no Brasil sem representao jurdica adequada, responsvel pelo cumprimento da legislao nacional e das decises judiciais.”

VOLTA DO RECESSO – A nota diz ainda que “na volta do recesso, o presidente ir discutir internamente com os ministros as providncias possveis. O TSE j celebrou parcerias com quase todas as principais plataformas tecnolgicas e no desejvel que haja excees.”

Em 16 de dezembro, Barroso enviou um ofcio ao Telegram, direcionado ao diretor executivo do aplicativo, Pavel Durov. Na comunicao, o ministro solicitou uma reunio para discutir possveis formas de cooperao sobre o combate desinformao.

At o momento, porm, o tribunal no teria tido resposta ao email e tampouco o documento fsico enviado foi recebido pela empresa, uma vez que as tentativas de entrega da carta na sede da empresa em Dubai, nos Emirados rabes Unidos, no foram bem-sucedidas, aponta registro de rastreamento dos Correios.

SEM RESPOSTAS – Esta no foi a primeira tentativa do tribunal de contatar a plataforma. Em entrevista Folha em junho do ano passado, a secretria-geral do TSE, Aline Osorio, j mencionava a dificuldade de alcanar a plataforma e definia o Telegram como um grande desafio para 2022.

Osorio comanda o Programa de Enfrentamento Desinformao do TSE, por meio do qual foram firmadas parcerias com as principais plataformas, como Facebook, Instagram, Twitter, WhatsApp e Tik Tok, nas eleies de 2020. O objetivo do tribunal era que o Telegram integrasse o programa.

Criado no incio de 2021, o canal de Bolsonaro no Telegram ultrapassou a marca simblica de 1 milho de inscritos em outubro, o que fez do atual presidente e candidato reeleio lder absoluto no uso dessa ferramenta de comunicao. Em comparao, o lder nas pesquisas, Luiz Incio Lula da Silva (PT), tinha na ocasio menos de 36 mil usurios em seu canal, criado em junho de 2021.

 

10 thoughts on “Bolsonaro chama cerco ao Telegram de covardia e indica que estuda medidas acautelatrias

  1. Ser que s eu vejo a soluo? As liberdades, principalmente a de expresso devem ser preservadas. O que no deve ser admitido em hiptese nenhuma o ANONIMATO.
    Basta exigir que as mdias sociais (TODAS) aponham a identificao completa do autor e do remetente. S isso.

  2. Se o Telegran fosse feudo da esquerda festiva e peculatria seria aplaudida com a boca cheia de sanduiche com pouca mortadela dentro.
    Essa plataforma enorme e s no tem guarida nos pases socialistas, l s interessa o que cisca pra dentro.
    Num mundo socialista no existiria as mdias sociais, os ditadores destes pases dissolvem os dissidentes ou manifestantes na base da porrada.
    O Telegran veicula tudo, mas os que s ciscam pra dentro, no gostam e vo bloque-lo.

  3. Tem coisas que so para o bem e para o mal.

    Essas aplicaes infelizmente tem disso.

    Ao mesmo que protege usurios de terem conversas e intimidade devassadas, por outro, esta mesma serve como meio de prticas ilcitas.

    Como meio privado tem ainda que no se sabe como tratados dados dos usurios. Tanto que em pases da Europa no apenas Telegram, mas tambm o WhatsApp, Signal e outros so proibidos para agentes pblicos, que contam especificamente com aplicaes desenvolvidas per agncias do governo.

  4. Bolsonaro, nesses quase 4 anos de governo, no teve um projeto de nao, foi s negar a cincia, aparelhamento dos rgos de estado para salvar a si prprio e sua famlia das garras da lei.
    Bolsonaro no sobrevive sem as redes sociais. Sem redes sociais Bolsonaro no existe

Deixe um comentário para James Pimenta Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.