Bolsonaro cobra ‘disciplina e hierarquia’, para não ser ‘pego de calças curtas’ em desmatamento

Resultado de imagem para bolsonaro

Bolsonaro criticou o Inpe injustamente e teve de voltar atrás

Gustavo Maia e Adriana Mendes
O Globo

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta segunda-feira a divulgação de dados de desmatamento pelo  Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ao contrário do que foi publicado anteriormente, ele não disse que sua declaração sobre o instituto era exagerada. Questionado sobre o assunto, o presidente usou a palavra “exagerada’ para reafirmar as suas críticas aos monitoramentos.

– Olha, levando-se em conta até a época, foi exagerada. Em sendo exagerada, você pode adjetivá-las da maneira que você achar melhor – disse o presidente.

SUSPEITAS – Na última sexta-feira, o presidente questionou os dados do próprio governo e disse que suspeitava que o diretor do Inpe estava “a serviço de alguma ONG”. Após o episódio, o   diretor do instituto, Ricardo Galvão, rebateu acusações e disse que não iria pedir demissão.

Bolsonaro disse  hoje que antes de divulgar os dados, o instituto deve avisar o ministro Marcos Pontes, de Ciência e Tecnologia.  E que ele, Bolsonaro, deve ser informado para não ser surpreendido.

“Você pode divulgar os dados, mas tem que passar pelas autoridades até para não ser surpreendido. Até por mim. Eu não posso ser surpreendido por uma informação tão importante quanto essa daí. Eu não posso ser pego de calças curtas por aí, como eu acabei de falar para vocês, né? As informações têm que chegar ao nosso conhecimento de modo que nós possamos tomar decisões precisas em cima delas, e não sermos surpreendidos”, disse.

HIERARQUIA – “Eu estou acostumado com hierarquia e disciplina. E em um governo, eu sei que a grande maioria é de civis, nós devemos no mínimo ter isso também. No mínimo” – afirmou o presidente.

O presidente voltou a dizer que o chefe do Inpe será ouvido pelo ministro.

“No meu entendimento, houve um percentual muito grande de desmatamento. Então quando você pega os dados e compara levando-se em conta de cinco em cinco dias, ou um prazo de tempo menor ou maior, aí o pessoal conduz para aquele lado. Então, o que nós queremos é isso. E o chefe do Inpe vai ser ouvido, sim, pelos ministros, para conversar com ele para que isso não continue acontecendo”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Um dos problemas é que Bolsonaro não conhece em profundidade as questões nacionais e não sabe se expressar a respeito. Melhor faria o presidente se encomendasse ao Inpe um estudo geral, que incluísse não só o desmatamento, mas também o reflorestamento de propriedades rurais após a vigência do Código Florestal, nos percentuais de 80% das áreas dos produtores rurais na Amazônia, 35% no Cerrado e 20% nas demais regiões. O resultado desse estudo seria muito positivo para o país. Mas quem se interessa? (C.N.)

9 thoughts on “Bolsonaro cobra ‘disciplina e hierarquia’, para não ser ‘pego de calças curtas’ em desmatamento

  1. Desmatamento medido pelo INPE inclui toda perda de cobertura vegetal, seja ilegal ou legalizada, e leva em conta o reflorestamento.

    Quem tem que dizer o percentual de reflorestamento, de desmatamento legal ou ilegal deve ser outras instâncias do governo.

    Jair com esse papo de hierarquia, quer escamotear seu autoritarismo, quer controlar as informações, para esconder os dados ruins e mostrar apenas os poucos dados bons. Apenas isso.

    • Vamos citar O Antagonista

      E, em 2014, Dilma Rousseff obrigou que a divulgação dos dados do Deter –sistema que detecta desmatamento em tempo real– fosse adiada, para não prejudicar a sua reeleição.

  2. “Eu estou acostumado com hierarquia e disciplina.” Que mentira que lorota boa, que mentira que lorota boa. Na família dele quem manda é ele, mas a última palavra cabe aos filhos. Se pegarem ele de “calça curta”, estarão pegando-o no seu normal, o pior será quando a turma começar a querer pegá-lo de quatro.

  3. Nesse caso do INPE, Bozolado deixou claro:

    NÃO É PARA O POVO SABER QUE AUMENTAMOS EM 80% O DESMATAMENTO DA AMAZÔNIA (pela MILÍCIA que opera por lá),
    TÁOKEY ???!!!

    Aí! O ministro Astronauta revelou-se! O CHUPETA do Governo!!! Que óbvio, admirável!!!!

    Conhece essa estória de todo produtor rural que produz morangos no Brasil e NUNCA permitem que seus filhos comam um desses morangos sequer ???

    É assim, mudar-se pro Alvorada, ter um exército de serviçais á seu dispor (até general pra seu porta-voz) come-se e bebe-se em Palácio, e libera 200 tipos de agrotóxicos altamente venenosos, moranguinho, para o resto da população!!!

    █ █ █ ALERTA █ █ █
    BOZOLADO MATA !!!!
    █ █ █ ALERTA █ █ █

    Alô Ceará? Chegou seu passaporte diplomático ai também?!
    Alô Paraíba, vai se safar dessa comendo lagostas e vinhos antigos ??

    Balança a pemba! Que isso não é hierarquia!! E eugenia do mal !! Isso é GENOCÍDIO em camara lenta…

    Essa mula realmente acha que e melhor que todos nos!

  4. ” …Mas quem se interessa? (C.N.)”

    Eu me interesso!
    E sei que o INPE está 100% correto!!!
    Tem satélite de sobra identificando o desmatamento amazônico!

    Os dados sobre a Amazônia são desastrosos!
    Assistiu á reportagem sobre os índios isolados no Maranhão (Fantástico 21.07.19) ? ?
    Não existe mais a floresta em áreas do Estado fora das reservas indígenas!!
    Ou agora a Globo é uma ONG que vive de maquiar imagem de satélite??

    Há mais de 40 anos, eu assistia aos mais velhos associando-se para comprar a maior extensão de terras permitida, por pessoa (para uma só pessoa), no Pará;
    Acordavam entre sí que, com o tempo, os títulos seriam retomados ao dono do dinheiro.
    Era pra transformar tudo em fazenda…
    Outros tempos, um Brasil muito diferente, onde a classe média de São Paulo pegava avião pra passar o final de semana em Buenos Aires, comendo bom churrasco e jogando em cassinos…

    Desde aquele tempo planejavam explorar Amazonia para pasto, e já estavam destruindo TUDO.

    Quando, há 40 anos atrás, 1978, saiu o “Clube da Esquina 2”, a letra de “Ruas da cidade” já denunciava a realidade da matança, do genocídio na Amazônia:

    “Guiacurus Caetés Goitacazes
    Tupinambás Aimorés
    Todos no chão
    Guajajaras Tamoios Tapuias
    Todos Timbiras Tupis
    Todos no chão *(todos, mortos)

    Passa bonde passa boiada
    Passa trator, avião
    Ruas e reis…

    Guajajaras Tamoios Tapuias
    Tupinambás Aimorés
    Todos no chão
    A cidade plantou no coração
    Tantos nomes de quem morreu
    Horizonte perdido no meio da selva
    Cresceu o arraial”

    ————–

    PS: Esse que tá ai disse que ficou de calca curta porque mandou matar mais rápido. Os filhos vem na retaguarda, projeto pra extinguir Parque Nacional, acabar com as reservas, etc….

    ‘Ulstra’ patriota esse presidente que deu até agora um peido pro Museu Nacional, nada mais…

    Agora que ficou de calca curta, prestem atenção, poderão ver a devassa, o dinheiro na cueca, os BILHÕES em ouro saqueados todos os anos dos brasileiros, e pra nós sobra a lama assoreando os rios da Amazonia, etc, etc, etc….

    Pega-se leve demais com esse governico vendido…

  5. O Regulamento Disciplinar do Exército (RDE) já foi modificado algumas vezes, e não é mais o mesmo da época de Bolsonaro.

    Mas quando Bolsonaro ainda integrava a ativa do Exército, o RDE, aprovado pelo Decreto nº 79.985, de 19 de julho de 1977 (publicado no Diário Oficial da União de 20/7/1977, págs. 6 a 16), indicava como transgressão disciplinar ofender o subordinado:

    Anexo I
    Relação de transgressões
    (…)
    109 – Ofender, provocar ou desafiar, com atos ou palavras seu subordinado.

    Foi exatamente esse tipo de atitude que Jair Bolsonaro fez, recentemente, em relação ao diretor do INPE, engenheiro Ricardo Galvão.

    Ofendeu-o, inclusive dizendo que ele estava a serviço de alguma ONG (Organização Não Governamental).

    Logo, se ainda estivesse no Exército, e Ricardo Galvão fosse seu subordinado no Exército, Bolsonaro é que seria o transgressor.

    Quem foi preso por 15 dias quando estava na ativa do Exército, por indisciplina, por ter infringido esse mesmo regulamento, foi Jair Bolsonaro.

    Então, como é que ele vem agora querer argumentar falando sobre sua vida no meio militar, dizendo-se “acostumado a hierarquia e disciplina”, se foi um desrespeitador desses princípios?

    • Na corrida do ouro, Bolsonaro sempre quis apenas o seu lugar ao sol, e já o conseguiu, a terceira aposentadoria milionária tb já está no papo, já está com o seu ideal político realizado, pode mandá-lo pra casa que ele vai numa boa.

  6. É Bolsonaro não sabe nada. Quem sabia dos problemas nacionais era Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer. Talvez seja por isso que sejamos essa potência e referência mundial que somos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *