Bolsonaro coloca o ministro Paulo Guedes na frigideira e fica jogando para a plateia

Iotti: Titanic | GaúchaZH

Charge do Iotti (Gaúcha/ZH)

Valdo Cruz
G1 Política

Ao desautorizar publicamente a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de criação do Renda Brasil, o presidente Jair Bolsonaro colocou o “posto Ipiranga” na frigideira e jogou para a plateia. A avaliação é de interlocutores do chefe da equipe econômica.

Durante evento em Minas Gerais, Bolsonaro disse que suspendeu os estudos da equipe econômica para a criação do Renda Brasil porque não concordou com a ideia de tirar dinheiro de “pobre” para dar a “paupérrimo”.

ABONO SALARIAL – A frase faz referência à ideia da equipe econômica de extinguir o abono salarial, que paga um salário mínimo ao ano para quem ganha até dois mínimos mensais. Isso garantiria R$ 18 bilhões para o Renda Brasil, mas Bolsonaro foi contra a proposta, que encontra resistências também dentro do Congresso.

Amigos do ministro Paulo Guedes avaliam que, se não der novas declarações defendendo o ministro, Bolsonaro terá colocado o chefe da equipe econômica na frigideira de vez.

Paulo Guedes virou alvo de uma fritura dentro do governo por ministros que querem abrir exceções no teto dos gastos públicos para investimentos públicos. Na disputa do teto, depois de momentos dúbios, o presidente se posicionou ao lado do ministro da Economia.

PARA A PLATEIA – Agora, na discussão do Renda Brasil, aliados de Paulo Guedes avaliam que o presidente jogou a discussão “para a plateia”. Deu declarações em um evento público, passando a mensagem de que estaria contrariado com as ideias da equipe econômica.

Na prática, diz um amigo de Guedes, o presidente parece ter se aliado ao grupo que tenta desgastar o ministro.

Segundo assessores do Ministério da Economia, a expectativa agora é sobre a orientação que o presidente dará para a sequência dos estudos do Renda Brasil. Se for na linha de cortar gastos e encontrar novas fontes de receitas, a equipe seguirá os planos.

TETO DE GASTOS – A outra opção, para acomodar o Renda Brasil no orçamento sem cortar programas e benefícios, seria furar o teto de gastos públicos.

Neste caso, a proposta fugiria totalmente da linha econômica do Ministério da Economia – e poderia colocar em dúvida a permanência de Paulo Guedes no governo.

8 thoughts on “Bolsonaro coloca o ministro Paulo Guedes na frigideira e fica jogando para a plateia

  1. Ontem o grande estadista afirmou que se o Brasil não produzir mais (aumentar a sua produção) ele, Jair, não vai poder dar o tal do Renda de Votos Brasil para os paupérrimos. Tem que aumentar, disse aumentando o tom de voz (faltou um porra para estilisticamente completar seu discurso).
    O Quasimodo esquece que ele é o chefe, que cabe a ele liderar as decisões, porra (digo eu).

  2. Estou muito, mas muito desconfiado, que só agora, 20 meses decorridos de governo, é que o Bozo está tomando pé da situação econômica do país, quando alguém teve coragem de informá-lhe que o dinheiro acabou. Tem que explicar direito para ele que o país está quebrando, podemos dar sorte e ele fugir para os EUA.

    • F.Moreno
      Alem de explicar, terão de desenhar. Ele não sabe nada de nada. Vou repetir, o quanto for necessário: ele é só a ponte para sairmos da lama, mas não conseguiremos lavar os pés!

  3. Lula e Dilma eram atrapalhados, Ela mais do que ele. Mas Bolsonaro é o rei das trapalhadas. Diz e desdiz; manda e desmanda; faz e desfaz. É uma bagunça! O Guedes será o próximo a saltar do navio! A seita do santo-daime dirá: mais um traidor!!!
    Fallavena

    • Eu entendo que ele esteja doido paras cair fora e tomar distância da quebradeira que vem por aí, mas há outras interpretações que sustentam que ele preferirá seguir mantendo o “foro privilegiado?” para continuar imune ao inquérito dos fundos de pensões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *