Bolsonaro critica diretor-presidente da OMS : “Não é médico, sabia disso?”

Bolsonaro voltou a questionar as recomendações da OMS

Ingrid Soares
Correio Braziliense

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o diretor-presidente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, em live no Facebook na noite desta quinta-feira, dia 23. O comentário feito era uma justificativa do chefe do Executivo sobre a cobrança que tem recebido para seguir as recomendações da pasta.

“Eu acho uma coisa: eu não tenho números, mas entre o Brasil por exemplo que tem renda per capita e um país pobre de um outro continente, africano por exemplo. A expectativa de vida é maior aqui ou maior em Zimbabue? É maior aqui. Por que tem a renda maior. Então, se a nossa renda vai cair a morte chega mais cedo. É isso que eu sempre busquei levar ao conhecimento público”, afirmou.

PROCESSO – Bolsonaro ainda acrescentou: “Não podia fugir da verdade. Estou respondendo processo dentro e fora do Brasil e estou sendo acusado de genocídio por ter defendido uma tese diferente da OMS. O pessoal fala tanto da OMS, o diretor-presidente da OMS é médico?Não é médico, sabia disso?”.

E alfinetou: “Mesma coisa do que falar aqui no Brasil que o presidente da Caixa não fosse alguém da Economia. Não tem cabimento. E eu fosse o presidente da Caixa, com todo o respeito, eu não ia fazer nada lá. Se você Pedro [Pedro Guimarães – também presente na live] viesse para o Exército, você não ia fazer nada lá. Então o presidente da OMS não é médico. E o pessoal: tem que seguir a OMS, tem que seguir o Ministério da Justiça. Seguir determinações, orientações. Como por exemplo, a Anvisa. Também diz na lei última, na lei que trata desse assunto, desse ano, que para determinadas questões restritivas a Anvisa tem que ser consultada e não foi consultada”, retrucou.

 

8 thoughts on “Bolsonaro critica diretor-presidente da OMS : “Não é médico, sabia disso?”

  1. Carlos Marchi (via Facebook)

    Bolsonaro é o velho populista inculto que discursa com parábolas confusas e a todo momento mistura assuntos.

    Misturar assuntos tem uma função – desconcentrar o ouvinte e fazê-lo tentar as coisas de forma confusa, para não perceber o que existe no mundo real.

    Bolsonaro tentou desmentir Sérgio Moro apresentando versões incompletas do que disse o ex-ministro.

    Típico dos populistas. Relata metade das acusações que lhe fizeram – e rebate essas metades incompletas.

    Os desatentos terão a impressão de que ele rebateu com firmeza e precisão – mas só os desatentos.

    Exemplo? Misturar o Inmetro, onde supostamente se armava uma estrepolia, com a Polícia Federal.

    Pela versão, no Inmetro era preciso demitir pelo bem da causa pública; e na Polícia Federal, qual é a causa?

    Esta foi a principal pergunta de Moro – qual a causa? Esta resposta Bolsonaro não deu nem dará (porque não a tem).

    De raspão, como se tivesse envergonhado, ele assume rápido que queria “interagir” com o diretor da PF.

    O que é “interagir”? “Interagir” pra quê, exatamente?

    Enfim, das duas versões, a de Moro tem elo, lógica e coerência. A de Bolsonaro é circular e imprecisa.

    No duro, no duro, Bolsonaro não responde por que razão quer receber insights da Polícia Federal como costuma ter da Abin.

    Todos sabem que esses insights são sobre seus três filhos enrolados em investigações comprometedoras.

    Moro não tem filhos problemáticos, não tem rabos, não tem versões circulares, não tem meias verdades.

    Portanto, acredito na versão de Moro.

    • Sr. Renato, se me permite vou discordar num ponto, o resto que disse é a mais pura verdade.

      “Enfim, das duas versões, a de Moro tem elo, lógica e coerência. A de Bolsonaro é circular e imprecisa”.

      A versão do Estrupício é obtusa, igual a cabeça dele.

      Com todo respeito,
      Cordialmente.

  2. Carlos Marchi (via Facebook)

    Vamos destrinchar o caso como se fosse um frango assado sobre a mesa.

    Moro diz que Bolsonaro lhe falou que precisa “interagir” com o diretor da PF, ter informações sobre investigações da PF.

    Pergunta: há inquéritos da PF que interessam diretamente a Bolsonaro?

    Sim. As investigações do STF sobre as fake-news visam ao “gabinete do ódio”, operado por Carlos Bolsonaro.

    Sim. As investigações sobre rachadinha e relações com a milícia de Rio das Pedras (including assassinato de Marielle) visam a Flávio Bolsonaro.

    Sim. As investigações sobre financiamento de manifestações anti-constitucionais, contra o Congresso e o STF, visam a Eduardo Bolsonaro.

    Faz lógica, não faz?

    • Sr. Eliel, o bolsonaro metralha todo mundo pelas costas com uma Uzi!
      Tô pra ver um cara mais falso do que o Estrupício!
      Não merece mais o cargo que ocupa, e o Sr. sabe disso.
      Com todo respeito,
      Atenciosamente.

  3. O presidente da República Jair Bolsonaro,precisa se informar melhor,pois, embora não seja graduado em Medicina,Tedros Adharon é formado em biologia, fez mestrado em imunologia de doenças infecciosas na Universidade de Londres e concluiu doutorado em saúde comunitária na Universidade de Nottingham, também no Reino Unido.
    É pouco,ou ainda quer mais?

  4. Bolsonaro pega porrada de todos os lados. Convenhamos, merecidamente. Raramente fala coisa que se aproveite. Mete os pés pelas mãos. Destrambelhado. Colhe o que planta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *