Bolsonaro desiste de pronunciamento em defesa do fim do isolamento, mas anuncia presença em manifestação

Bolsonaro garantiu participação em mais um ato irresponsável

Julia Lindner
Estadão

O presidente Jair Bolsonaro desistiu do pronunciamento que faria em rede nacional de rádio e televisão neste sábado, dia 16, para defender mais uma vez o fim de medidas de isolamento social, informou a Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

Segundo o Estadão/Broadcast apurou, a ideia é aguardar até que haja uma definição no Ministério da Saúde, depois de Nelson Teich ter deixado, nesta sexta-feira, o comando da pasta em meio à pandemia do novo coronavírus. Ainda não há previsão para a substituição definitiva do ministro. Com a saída de Teich, o secretário executivo do ministério, general Eduardo Pazuello, assume interinamente a pasta.

MANIFESTAÇÃO – No fim da tarde desta sábado, Bolsonaro saiu rapidamente para cumprimentar cerca de 50 apoiadores que o aguardavam na portaria do Palácio da Alvorada, uma das residências oficiais da Presidência, e indicou que deve participar de novas manifestações favoráveis ao governo nesta domingo. “Onze horas na rampa”, comentou, em referência à rampa do Palácio do Planalto, de onde costuma acompanhar os protestos.

No passeio deste sábado na frente do Alvorada, Bolsonaro disse que não falaria com jornalistas. Indagado por profissionais da imprensa sobre a escolha do novo ministro da Saúde, o presidente permaneceu em silêncio.

Bolsonaro também assistiu à cerimônia de descendimento da Bandeira Nacional no Alvorada. A alguns metros, dezenas de apoiadores aglomeravam-se para tirar fotos e acompanhar a cena. Pouco antes, quando algumas pessoas pediram para fazer um registro mais próximo, Bolsonaro negou. “Se eu chegar perto, vocês vão ver a festa que vai fazer”, disse o presidente em referência aos jornalistas.

“COMERCIAL DA ESPERANÇA” – A intenção de fazer o novo pronunciamento – o sexto desde o início da crise – foi revelada pelo presidente na última quinta, 14, durante videoconferência com empresários no Palácio do Planalto. “Nós temos que ter mais do que comercial de esperança, transmitir a confiança. Tanto é que vamos ter um pronunciamento gravado para sábado à noite nessa linha”, disse na ocasião.

O presidente defende uma abertura geral de estabelecimentos comerciais e o chamado “isolamento vertical” – que vale apenas para idosos e doentes.

CLOROQUINA –  Pelo Twitter, Bolsonaro voltou a defender, neste sábado, o uso da cloroquina, que ainda não tem eficácia comprovada para o tratamento da covid-19. Na rede social, Bolsonaro compartilhou uma frase que diz que “um dos efeitos colaterais da cloroquina, remédio baratíssimo, é prevenir a corrupção”. A cloroquina tem sido indicada com precaução por médicos principalmente devido aos riscos cardíacos.

Um dos motivos que ocasionou a saída do ex-ministro Nelson Teich do governo foi justamente a pressão de Bolsonaro para que a Saúde recomendasse formalmente o uso da cloroquina até mesmo em pacientes com sintomas leves de covid-19.

Como mostrou o Estadão, após a exoneração de Teich, Bolsonaro determinou que o ministro interino, general Eduardo Pazuello, assine uma medida com a ampliação do uso da cloroquina. Atualmente, a pasta orienta profissionais do sistema público de saúde a prescrever a substância apenas em casos moderados ou graves.

17 thoughts on “Bolsonaro desiste de pronunciamento em defesa do fim do isolamento, mas anuncia presença em manifestação

  1. A casa de Jair esta caindo por todos os lados

    A Polícia Federal, através de um delegado que procurou o coronel-aviador da reserva da FAB Miguel Ângelo Braga Grillo, chefe de gabinete do “Filho o1” e o advogado deste, Victor Alves para avisar, entre os dois turnos das eleições presidenciais, que havia sido descoberto o esquema de dinheiro operado por Fabrício Queiroz mas os responsáveis pelo inquérito tinham decidido que iriam “segurar essa operação para não detoná-la agora, durante o segundo turno, porque isso pode atrapalhar o resultado da eleição”

    Parece que a PF já era de Bolsonaro em 2018

    https://bit.ly/3fPJjDw

  2. Além de imbecil e estúpido, Bolsonaro sabidamente é muito mal assessorado, simplesmente consequência do que é como presidente dessa republiqueta!

    A falta de planejamento do Planalto com relação à pandemia é flagrante, demonstrando o descaso pela vida dos brasileiros de maneira até mesmo criminosa.

    Eduardo Leite, governador do RS, desde que surgiu o vírus tomou providências sensatas e de proteção ao povo gaúcho.
    Resultado:
    Um dos Estados da Federação com o menor número de mortes e de contaminações até o momento!

    Para uma população de mais de 11 milhões de habitantes, o RS acusa 3.734 casos e 138 mortes, dados de ONTEM, 16 DE MAIO DE 2020.

    Utilizando-se de um sistema simples, porém eficiente e eficaz, o governo gaúcho dividiu o RS em 20 regiões, onde estipulava para cada uma delas, de acordo com os dados da doença, 4 bandeiras:
    amarela, local liberado para qualquer função;
    laranja, com alguns cuidados;
    vermelha, isolamento social;
    preta, lockdown, que não tivemos nenhuma área assim caracterizada.

    Por que o governo federal não agiu assim?
    As localidades livres para as funções de trabalho, diversão, reunião, locomoção, que mantivessem aquelas que, contaminadas em graus maiores, fossem as que sustentariam as cidades impedidas de trabalhar, mas a nação não interromperia a economia de uma vez só!

    Se essa política tivesse partido do governo federal, e não de empurrar goela abaixo o retorno das atividades em nível nacional, os governadores, que são seus inimigos políticos, não teriam como agir diferente!

    No entanto, Bolsonaro quis bater de frente, quis demonstrar quem mandava no país, quem decidia, logo, acumulou problemas que poderiam ter sido evitados!

    Essa demagogia barata e irresponsável de participar de aglomerações, dizendo que deve estar junto ao povo é lorota, conversa mole.
    Na sua função de presidente, deveria era planejar, oferecer propostas, apresentar alternativas …

    Mas, a sua índole de autoritário, de ser um ex-oficial subalterno do Exército, Bolsonaro não dialoga, não debate, quer decidir, e não admite ser contestado ou questionado.
    Resultado:
    Registramos 16 mil mortos e mais de 220 mil casos de infectados, a gripezinha do presidente.

    • Tens razão, Eliel, tens razão.

      Aliás, deverias saber da quantidade de lágrimas derramadas dos parentes das mais de 800 vítimas de ontem pela pandemia, que o teu amo e senhor, líder e comandante, dizia que se tratava de uma gripezinha!

      Tomara que não, e torço muito, que não tenhas nenhum óbito na tua família, pois certamente não terminarás teus comentários com risadas, kkkkkkkkkk.

        • Eliel,

          Que saída pela esquerda, que tiveste eim?

          Qual seria a obrigação do presidente, diante de o seu povo estar ameaçado de uma pandemia mundial?
          Protegê-lo, correto?

          Bolsonaro fez isso?
          Não!
          Pelo contrário, o vírus era uma gripezinha e as notícias sobre a sua letalidade eram neuroses da mídia!!

          Nessas alturas, teria sido mais criativo de tua parte, se escrevesses que as mortes não foram ocasionadas pelo vírus ou por Bolsonaro, mas pelo fato de se estar vivo!

          Por favor, Eliel, nada de cinismo e de hipocrisia, repito.

          • Bendl,

            Cinismo por cinismo, você sabe que o $TF, congre$$o, governadore$ e prefeito$ estão impedindo o governo de agir. Boicotam, interferem, contradizem, se opoem a tudo ou qualquer coisa que o governo se proponha a fazer. Chegamos ao ponto que o presidente vai acabar fazendo as coisas na marra, ou o povo vai morrer em quantidade muito maior pela irresponsabilidade dos outros poderes. O povo esta clamando e quando a coisa estourar ninguém poderá reclamar. O Brasil é o país aonde a hipocrisia reina!

  3. Parece que estamos todos de acordo que o voto útil anti-petismo foi necessário e no fim contraproducente e que há um desejo legitimo por parte da maioria dos eleitores de consertar o resultado negativo dessa decisão. Ora, analisando que na realidade o que mantem as hostes mitotontas em alerta e apoio ao “mito” é a diária polêmica e evidência que ele mantem com a ajuda inconsciente da imprensa. Querem anulá-lo, é fácil, retirem os repórteres da porta do Alvorada, ignorem-lo nos noticiários e espaços de opinião, passem a comentar a pandemia a nível mundial e a política estadual e estrangeira e eu garanto, ele renuncia, talvez pela via getuliana, antes de quinze dias.

  4. Prezado Moreno,

    Teria o presidente a devida consciência conforme sugeres de, na falta de holofotes, que ele adora, tomar essa atitude?

    A característica de Bolsonaro tem sido de omissão, de não apresentar planejamento algum de governo, de não saber o que fazer.
    Não creio que tivesse essa intenção de melhorar o pais, se o seu pensamento é somente objetivado para a sua reeleição.

    Abraço.
    Saúde e paz.

  5. Aguardemos a nomeação… A aposta é saber qual será o nome a ser escolhido ? A imprensa cita vários candidatos a ministro, Osmar Terra e Nize Yamaguchi são os mais falados. Será que aceitarão serem os fantoches de plantão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *