Bolsonaro diz esperar que investigação de Adriano Nóbrega “chegue a bom termo”

Bolsonaro responsabilizou “PM da Bahia do PT” pela morte de Adriano

Daniel Weterman
Estadão

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo, dia 16, esperar que a investigação sobre a morte de Adriano da Nóbrega, acusado de chefiar milícia no Rio, “chegue a bom termo”. Ele voltou a falar do assunto ao ser questionado na entrada do Palácio da Alvorada, sua residência oficial em Brasília.

O ex-policial foi morto pela Polícia Militar baiana, em cerco em Esplanada (BA), no dia 9, após fugir, por mais de um ano, da polícia fluminense. Acusado de chefiar a milícia Escritório do Crime, Adriano estava na Costa do Sauípe desde dezembro. Antes que a polícia chegasse ao “esconderijo”, ele saiu pelo fundo da casa, cruzou a área de mangue, nadou e passou pela praia.

INVESTIGAÇÕES – O Escritório do Crime é investigado por organizar esquemas de grilagem na Zona Norte do Rio e por ligação com o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ouvidos reservadamente pela reportagem avaliam que a morte do miliciano pode influenciar o julgamento sobre a federalização das investigações do caso Marielle.

No último sábado, 15, Bolsonaro responsabilizou a “PM da Bahia do PT” pela morte de Adriano e declarou que o caso é “semelhante à queima de arquivo do ex-prefeito Celso Daniel”.

RECUO – Neste domingo, dia 16, o presidente foi perguntado se via alguma associação entre partido político e o caso da Bahia. “Não não, estão investigando, espero que chegue a um bom termo”, respondeu.

Em sua conta pessoal no Twitter, o governador da Bahia, Rui Costa (PT) disse neste sábado que “não mantém laços de amizade nem presta homenagens a bandidos nem procurados pela Justiça”. Pelo Twitter, o governador baiano disse que o Estado “não vai tolerar nunca milícias nem bandidagem”.

FUTEBOL – Pela manhã, Bolsonaro assistiu à vitória do Flamengo por 3 a 0 no Estádio Mané Garrincha pela Supercopa do Brasil. Na sequência, ele foi a um almoço privado no Setor de Mansões Park Way, uma região a 20 quilômetros da área central de Brasília. O Palácio do Planalto não divulgou informações sobre o evento.

8 thoughts on “Bolsonaro diz esperar que investigação de Adriano Nóbrega “chegue a bom termo”

  1. Dilma deveria ser impedida como foi, mas deveria perder seus direitos politicos e a mordomia atual. Mas a Justiça do Brasil, através de um mau representante seu e com o apoio do presidente do senado da época deu a ela o que legalmente não deveria ter. É a bagunça a que chegamos de Banana Republic.

  2. Perguntar não ofende?

    Afinal do mesmo era acusado ( e procurado por isso) o Adriano??

    Que periculosidade ele tinha para ser procurado no interior da Bahia pela policia carioca e 73 integrantes da policia militar baiana (vi este numero no fantástico ou record nao lembro) ?

    No mítico, no devastador, no Holocausto tupininquim da Mariele, ele nao era acusado?

    de ocupações e venda de gas, tv a cabo , apartamentos cai cai??

    Pelo amor de Deus , um enxada em qualquer comunidade traria 20 Adrianos, mais barato e sem perigos??

    Por que a missão?

    Qual o crime e qual a justificativa?

    Por que não o cerco e esperar?

    Quem mandou atirar?

    Que atirou?

    Por que ???

    Quem mandou sabe e por mais que queiramos ligar Adriano a Bolsonaro (podem até ser sócios, companheiros de porrinha, fies da mesma igreja, colegas de rachadinha o quer que seja) mas quem matou foi a policia da Bahia do PT

    E nao adianta discursozinho barato e enche linguiça como o do governador.

    Por que??

    Por que??

    A mando de quem??

    Simples assim

    Depois, vamos ver o que faziam Adriano, Bolsonaro, Flavio, Mariele, Jean Willis, Marcelo Freixo , Lauro Jardim , Porteiros em geral etc…etc…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *