Bolsonaro não mentiu na ONU ao destacar os investimentos de R$ 67 bilhões em ferrovias

Impulso às ferrovias é o destaque do governo Bolsonaro

Célio Yano
Gazeta do Povo

O governo federal quer fazer deste mês de setembro um marco na transformação do transporte ferroviário no país. Após editar medida provisória (MP) que criou o programa Pro Trilhos, o Ministério da Infraestrutura recebeu 14 pedidos de autorização para construção de novas ferrovias. Com isso, estão previstos R$ 67 bilhões em investimentos privados no modal.

Estão nos planos dos interessados 4,2 mil quilômetros de novos trilhos, que vão cortar cidades de dez estados em quatro regiões: Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Piauí, Santa Catarina e São Paulo. O programa é considerado pelo ministro Tarcísio Gomes de Freitas como “a maior revolução dos últimos 100 anos” no setor ferroviário. A atual extensão da malha ferroviária nacional é de cerca de 29 mil quilômetros, semelhante à existente em 1922.

MEDIDA PROVISÓRIA – O programa foi possível porque a MP 1.065/2021 cria um novo marco legal que permite que novos projetos de ferrovias saiam pelo regime de autorização – e não mais por concessão, em que há processo de leilão e, ao fim do contrato, a reversão dos equipamentos à União. O modelo é semelhante ao que já ocorre na exploração de infraestrutura em outros setores, como de telecomunicações, energia elétrica, portuário e aeroportuário.

“É um absurdo que aqui no Brasil, por exemplo, um grande grupo que tenha um plano de negócios bilionário, que tenha o desejo de investir em ferrovia, e não possa, porque ferrovia é uma exclusividade do Estado”, explicou o ministro Tarcísio em audiência recente no Senado.

Os requerimentos são avaliados pelo Ministério da Infraestrutura, responsável por emitir as autorizações caso os empreendimentos cumpram todos os requisitos exigidos. Além disso, as novas regras permitem que as atuais concessionárias migrem os contratos para o regime de autorização sob a condição de aumentar a malha ou a capacidade de transporte em 50%, o que deve estimular ainda mais investimentos.

Embora tenha divulgado 14 pedidos de autorização para ferrovias, por enquanto o Ministério da Infraestrutura divulgou dados de 13 deles. Confira quais são:

Água Boa (MT) – Lucas do Rio Verde (MT): 557 km de extensão (VLI); Uberlândia (MG)– Chaveslândia (MG): 235 km (VLI); Estreito (MA) – Balsas (MA): 245 km (VLI); Shortline entre Perequê (SP) – Porto de Santos (SP): 8 km (VLI); Maracaju (MS) – Dourados (MS): 76 km (Ferroeste); Guarapuava (PR) – Paranaguá (PR): 405 km (Ferroeste); Cascavel (PR) – Foz do Iguaçu (PR): 166 (Ferroeste); Cascavel (PR) a Chapecó (SC): 286 (Ferroeste); Açailândia (MA) – Alcântara (MA): (Grão Pará); São Mateus (ES) – Ipatinga (MG): 420 km (Petrocity); Suape (PE) – Curral Novo (PI): 717 km (Planalto Piauí Participações); Presidente Kennedy (ES) – Conceição do Mato Dentro/Sete Lagoas (MG): 610 km (Macro Desenvolvimento); e Terminal Intermodal em Santo André (SP): 7 km (Fazenda Campo Grande).

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Excelente matéria enviada por Mário Assis Causanilhas. Mostra que Bolsonaro não mentiu na ONU, ao se referir ao boom ferroviário. O texto era muito extenso, tive de resumir. O repórter Célio Yano cita muitos outros projetos em andamento, como o primeiro trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, ligando o Porto de Ilhéus, na Bahia, ao estado do Tocantins. Há também a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste, já em construção, entre as cidades de Mara Rosa, em Goiás, e Vilhena, em Rondônia.  Por fim, a expansão do ramal Cariacica-Anchieta, no Espírito Santo, na ferrovia Vitória-Rio de Janeiro. Realmente, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, é um craque. Pena que não seja candidato à Presidência da República. (C.N.)

9 thoughts on “Bolsonaro não mentiu na ONU ao destacar os investimentos de R$ 67 bilhões em ferrovias

  1. Quero ver se esta ideia sairá do papel!

    Eu, que tenho sido o maior incentivador de ferrovias no país, confesso que estou em êxtase controlado, pois sei que não devo acreditar em promessas, venham de onde vier.

    Agora, caso se concretizar os trechos mencionados – por que o meu RS está fora desses planos? -, a minha expectativa será verificar que trabalhadores as empresas irão contratar?

    Utilizarão os desempregados?
    Claro, em nível de diretoria, supervisores … as construtoras usarão seus funcionários, mas e quanto ao trabalhador braçal?
    Aplainamento do leito, colocação de dormentes, trilhos, uso de máquinas de terraplenagem, tratores, caminhões …

    Caso o objetivo seja de também diminuir o desemprego e, em consequência, reaquecer a economia, Bolsonaro terá anulado um rosário de falhas comigo, desde que siga o roteiro publicado e ofereça a maioria das vagas para quem está desesperado para trabalhar.

    Sinceramente, faz muito tempo que não me animo, mas esta notícia me deixou exultante, e rezo para que dê certo!

    • Chicão, eu nem li a matéria.
      Já o título me bastou pra saber que é mais uma mentira!!

      Cai nessa não Chicão, esse canalha e mais mentiroso que o inventor da mentira.

      Isso não sai do papel nunca!!

      Um forte abraço e muita paciência pra aturar as mentiras do genocida.

      JL

  2. Boa noite , leitores(as):

    Falta revitalizar o transporte marítimo e fluvial do Brasil que foram destruídos e substituídos pelo ” CARÍSSIMO TRANPORTE RODOVIÁRIO ” , até mesmo o projeto de saída do Brasil p/Equador via rios Amazonas / Negro e demais rios da região p/o Oceano Pacífico foram abandonados encarecendo ainda mais o frete , mas sejamos justo , o ex-presidente Luis Inácio da Silva (Lula) investiu pesado na revitalização da ” INDUSTRIA NAVAL BRASILEIRA ” , que empregava mais de 20 mil pessoas diretas e outras tantas mil indiretas mas não sei qual cargas d’água não vingou e rios de dinheiro foram jogados , desempregando multidões .

  3. Boa noite , leitores(as):

    Falta revitalizar o transporte marítimo e fluvial do Brasil que foram destruídos e substituídos pelo ” CARÍSSIMO TRANPORTE RODOVIÁRIO ” , até mesmo o projeto de saída do Brasil p/Equador via rios Amazonas / Negro e demais rios da região p/o Oceano Pacífico foram abandonados encarecendo ainda mais o frete , mas sejamos justo , o ex-presidente Luis Inácio da Silva (Lula) investiu pesado na revitalização da ” INDUSTRIA NAVAL BRASILEIRA ” , que empregava mais de 20 mil pessoas diretas e outras tantas mil indiretas mas não sei qual cargas d’água não vingou e rios de dinheiro foram jogados , desempregando multidões .
    Lembrete:
    O Rio São Lourenço é um dos maiores Rios do Canadá e explorado comercialmente ao longo de seu curso , facilitando o escoamento da produção industrial e reduzindo o custo de frete , pois a única restrição é no inverno , devido ao congelamento da água .

Deixe um comentário para Patu Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *