Bolsonaro pensava (?) que a investigação sobre caso Adélio Bipo seria reaberta

Bolsonaro diz que Adélio Bispo nunca foi um lobo solitário

Gustavo Garcia, Pedro Henrique Gomes e Hamanda Viana
G1

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, dia 28, que a investigação sobre a facada que levou durante a campanha eleitoral, em setembro de 2018, em Juiz de Fora, será reaberta. Bolsonaro deu a declaração durante conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. Jamais esperava que a nomeação fosse cancelada liminarmente no Supremo pelo ministro Alexandre de Moraes.

Nesta terça-feira, o “Diário Oficial da União” publicou a nomeação do novo diretor-geral da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, amigo dos filhos do presidente. Ramagem substituiu Maurício Valeixo, cuja demissão motivou a decisão do então ministro Sergio Moro (Justiça) de deixar o governo.

NEGLIGÊNCIA – “Vai ser reaberta a investigação. Foi negligenciado. Foi a conclusão. Foi um lobo solitário. Como pode um lobo solitário com três advogados? Quatro celulares? Inclusive, andando pelo Brasil”, questionou o presidente.

A investigação da Polícia Federal sobre o atentado concluiu que Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada, agiu sozinho no momento do crime e por motivação política. Bolsonaro sempre reclamou de não ter sido identificado o suposto mandante do atentado.

INIMPUTÁVEL – Adélio Bispo foi considerado portador de doença mental e inimputável pela Justiça Federal em Minas Gerais. Bolsonaro não recorreu da decisão judicial.

Pouco depois da conversa com os apoiadores, já em entrevista a jornalistas, Bolsonaro relativizou. “Defendo que, em sendo legal, em sendo possível, sim”, respondeu o presidente ao ser indagado se defende a retomada das investigações.

INJUSTIÇA – “A conclusão que chegou lá é que é um lobo solitário. Eu acho que não era um lobo solitário. Eu não quero forçar a barra nem descobrir, inventar um responsável. Tá longe, tá longe. Nunca passou por mim cometer injustiças”, acrescentou Bolsonaro.

Com os apoiadores, o assunto foi introduzido na conversa por uma visitante, que perguntou a Bolsonaro: “Presidente, estão cuidando daquele povo que apareceu lá agora da tentativa do assassinato do senhor?”

Após responder que a investigação será reaberta, Bolsonaro disse entender que o caso da facada é “200 vezes mais fácil de solucionar que o da Marielle [Franco]”, referindo-se à vereadora do PSOL, assassinada no Rio de Janeiro em 2018.

COMPARAÇÃO – Esta não foi primeira vez que Bolsonaro comparou o atentado que sofreu ao caso Marielle Franco. Na última sexta-feira, dia em que Moro pediu demissão, o presidente afirmou que a Polícia Federal – sob a gestão do ex-juiz – se preocupou mais com o caso da vereadora que com “seu chefe supremo”.

“Cobrei muito dele isso aí. Não interferi. Eu acho que todas as pessoas de bem no Brasil querem saber, e entendo, me desculpe seu ex-ministro, entre meu caso e o da Marielle, o meu tá muito menos difícil de solucionar”, afirmou Bolsonaro na ocasião.

6 thoughts on “Bolsonaro pensava (?) que a investigação sobre caso Adélio Bipo seria reaberta

  1. Essa decisão só vai piorar as coisas. Agora mesmo que Bolsonaro vai querer saber quem mandou mata-lo. Esta na cara que o mandante ou mandantes, são poderosos. A PF não aceita interferência. Ela própria dará seguimento as investigacoes.

  2. Pelo jeito, parece que tem gente que sabe. Se sabe, por que não diz? Tá com medo? Penso que as investigações dos casos Bolsonaro e Marielle estão muito mal encaminhados. Aí tem coisa… Aposto que tem gente muito grande no meio !!!

  3. KKK quem quer mesmo saber a verdade sobre estes dois fatos? Será que vale mesmo a pena saber? O boçal quer saber mas de um jeito que o agrade, arrumou bronca com o Moro e com o Valeixo porque não lhe entregaram um nome, ou nomes. Aí marcou os caras.Agora vai voltar a forçar a porta e, para isto conta com o apoio do novo ministro que. conta com apoio na suprema corte. Será que agora aprece a verdade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *