Bolsonaro sanciona lei que resgata R$ 1,5 bilhão parado no Ministério da Cidadania para combate à pandemia

Verba estava parada por falta de projetos aprovados e em andamento

Delis Ortiz e Mateus Rodrigues
G1

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta terça-feira, dia 28, com vetos, um projeto de lei que destina R$ 1,5 bilhão adicionais ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, em ações para a população mais vulnerável. O texto deve ser publicado no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira, dia 29. A verba estava parada no orçamento de 2020 do Ministério da Cidadania por falta de projetos aprovados e em andamento.

O texto, da deputada Flávia Arruda (PL-DF), prevê que o dinheiro seja voltado à compra e distribuição de cestas básicas, ao acolhimento de moradores de rua, à contratação e capacitação de profissionais e até ao auxílio funerário de pessoas de baixa renda.

PRIORIDADES – A nova lei determina que as ações para conter a disseminação do novo coronavírus entre a população de rua devem priorizar: acesso a “alimentação adequada, especialmente a restaurantes populares, com as adequações necessárias para evitar contaminação por agentes infecciosos e aglomerações”.

Devem ser observados, ainda, o distanciamento social durante as refeições e o oferecimento de materiais de higiene; a “ampliação dos espaços de acolhimento temporário, com as adaptações necessárias para garantir a vida, a saúde, a integridade e a dignidade dos acolhidos, com o fornecimento de camas e colchões individuais”, e
a “disponibilização de água potável em todas as praças e logradouros públicos e viabilização de imediato acesso aos banheiros públicos já existentes, sem prejuízo da implantação de outros sanitários para uso público, assegurado o planejamento para a devida higienização”.

Os recursos devem ser destinados aos governos estaduais, de modo a reforçar o orçamento da assistência social que foi remanejado para enfrentar a pandemia. O Distrito Federal, por exemplo, deve receber R$ 25,8 milhões. De acordo com a assessoria de Flávia, o presidente Jair Bolsonaro vetou a inclusão do atendimento psicossocial nessa lista de prioridades, e a previsão de medição de temperatura e coleta de dados pessoais nesses atendimentos.

NO PAPEL – Também foi vetado um dispositivo que suspendia as metas de estados, DF e municípios no Sistema Único de Assistência Social (Suas) por 120 dias. O R$ 1,5 bilhão a ser remanejado compunha o Fundo Nacional de Assistência Social, administrado pelo Ministério da Cidadania. Segundo a pasta, mesmo projetos já aprovados para usar essa verba não tinham saído do papel “por causa do excesso de regras e condicionantes”. Por isso, se não fosse remanejado, o dinheiro seria devolvido ao Tesouro Nacional para redistribuição no orçamento dos próximos anos.

2 thoughts on “Bolsonaro sanciona lei que resgata R$ 1,5 bilhão parado no Ministério da Cidadania para combate à pandemia

  1. Retirado da Internete:
    “Osmar Gasparini Terra, 69 anos, assumiu o Ministério da Cidadania no dia 2 de janeiro de 2019. Nascido na cidade de Porto Alegre (RS), o gaúcho foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar uma das pastas mais importantes da área social – desenvolvimento social, esporte e cultura – do governo federal.”

    Mais uma piada mal contada: Ministério da Cidadania, uma das pastas mais importantes. Qua, qua, qua!

  2. Muito bem, deputada Flávia Arruda! Continue trabalhando pela coletividade. Bolsonaro também de parabéns, por sancionar pleito valioso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *