Bolsonaro tenta recompor o pacto entre os Três Poderes, que Rodrigo Maia desfez na Câmara

Derrota de Crivella não significa uma derrota de Bolsonaro, diz Maia

De repente, o equilíbrio da democracia depende de Rodrigo Maia

Carlos Newton

O presidente Jair Bolsonaro é conflituoso pela própria natureza. Apesar de falar pelos cotovelos e dizer seguidos absurdos, suas manifestações são tão confusas que é difícil saber o que realmente pretende. Mas agora ficou fácil decifrar a estratégia de Bolsonaro, porque ele ganhou um especialista em tradução simultânea. Cada voto do neoministro Nunes Marques exibe claramente o objetivo do presidente da República. É como se o novo integrante do Supremo fosse um boneco de ventríloquo.

Seu primeiro voto durou apenas um minuto e trinta e dois segundos. A estreia ocorreu no julgamento do habeas corpus de um promotor acusado de receber propina de empresas de transportes no Rio. Em seu voto, o magistrado acompanhou o relator, ministro Gilmar Mendes, e a Segunda Turma do Supremo confirmou a soltura de um promotor denunciado por corrupção no Rio de Janeiro e decidiu que o processo de pagamento de propina por empresários do setor de ônibus no Rio de Janeiro deve tramitar na Justiça Estadual, e não na 7ª Vara da Justiça Federal, que tem como titular o juiz Marcelo Bretas. Duas pancadas na Lava Jato.

MAIA A ALCOLUMBRE – Depois Nunes Marques votou contra injúria racial ser considerada racismo e agora, na madrugada desta sexta-feira, mais uma vez Nunes Marques traduziu ao pé da letra a intenção do presidente Bolsonaro, ao votar a favor da reeleição de Davi Alcolumbre no Senado,  mas impedindo que Rodrigo Maia também possa ser reeleito.

Sua manifestação diferiu dos votos do relator Gilmar Mendes e de Dias Toffoli, que são como irmãos xifópagos e preferiram apoiar também a reeleição na Câmara, dando o mesmo tratamento  às duas casas do Congresso, numa postura jurídica mais equilibrada, porém Nunes Marques já mostrou que não está nem aí para as aparências.

Com Maia fora do comando da Câmara, Bolsonaro pode eleger o rachadista Artur Lira, do Progressistas, nova alcunha do antigo PP que Paulo Maluf dominou por anos e anos.

UM GOLPE BRANCO – Já assinalamos aqui na Tribuna da Internet que a coisa está feia. Sem a menor dúvida, Jair Bolsonaro tem um irresistível vocação de ditador.

Depois de liderar aquela manifestação diante do Forte Apache, dia 19 de abril do ano passado, em busca de um golpe militar contra o Congresso e o Supremo, que as Forças Armadas repudiaram, Bolsonaro teve de mudar de estratégia e acertou com os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, o pacto entre os Poderes, que teve adesão entusiasmada de Davi Alcolumbre no Senado, mas Rodrigo Maia sentiu algo no ar e ficou relutante na Câmara.

Em tradução simultânea, Bolsonaro fracassou na tentativa de dar um golpe militar, mas está avançando velozmente na articulação de um golpe branco, como se dizia antigamente, para consolidar o domínio dos três Poderes da República, que ele garantirá em fevereiro, caso eleja Artur Lira na Câmara e Alcolumbre no Senado

REAÇÃO NO SUPREMO – O novo golpe pode fracassar, porque o Supremo não confia em Bolsonaro e está reagindo, antes que tudo fique dominado em julho, quando  Marco Aurélio Mello se aposenta e será substituído por mais um ministro tipo Nunes Marques, sem notório saber nem reputação ilibada, nos moldes do Centrão.

###
P.S. –
A esperança é a última que morre. Por enquanto, a maioria no Supremo ainda é difusa e pode surpreender. Como o jurista Conrado Hübner Mendes revela no artigo publicado hoje cedo pela TI, Gilmar Mendes se acertou com Rodrigo Maia. É triste admitir, mas os rumos da democracia brasileira podem depender de Rodrigo Maia e Gilmar Mendes, algo surpreendente. (C.N.)

6 thoughts on “Bolsonaro tenta recompor o pacto entre os Três Poderes, que Rodrigo Maia desfez na Câmara

  1. Em nenhum momento, a TI atribui o golpe ao $TF e aos Presidentes da Câmara e Senado, os verdadeiros golpistas. A TI agora faz parte da impren$a golpista, atribuíndo ao Presidente da República o golpe em andamento. É uma matéria tendenciosa e mentirosa.

    Aí a gente olha no ranking dos sites de notícias e entende o desempenho da TI, totalmente justificado. É só comparar com outros veículos como o Jornal da Cidade Online por exemplo:

    Country Rank – Brazil
    TI – # 42.560
    JCO – # 298

    Category Rank – News and Media
    TI – # 35.843
    JCO – # 1152

    Monthly Visits – Worldwide
    TI – # 33.777
    JCO – # 9M

    Isso demonstra quem tem credibilidade junto a opinião pública. A TI não consegue ganhar nem de um site que começou noutro dia. Acho que a imprensa precisa refletir seriamente nesses números, antes que deixe de existir.

  2. “Sua manifestação diferiu dos votos do relator Gilmar Mendes e de Dias Toffoli, que são como irmãos xifópagos e preferiram apoiar também a reeleição na Câmara, dando o mesmo tratamento às duas casas do Congresso, numa postura jurídica mais equilibrada, porém Nunes Marques já mostrou que não está nem aí para as aparências”.

    Um ia para o terceiro mandato, o outro pleiteia o segundo. Apesar disso, o rancor fala mais alto e vem a pérola “numa postura jurídica mais equilibrada”.

    Falta muito equilíbrio nas assertivas cá postadas, mas quem se importa ? Paixão e ódio são claramente demonstrações de desequilíbrio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *