Bomba política explodiu nas Laranjeiras, mas os estilhaços voam entre o Rio e Brasília

Witzel, do dígito solitário aos 3,1 milhões de votos

Briga entre Bolsonaro e Witzel virou uma guerra de extermínio

Pedro do Coutto

No alvorecer de terça-feira, uma bomba política de forte alcance explodiu no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador Wilson Witzel gerando diversas reações, como os jornais estão acentuando, entre o Palácio Guanabara e o Palácio do Planalto. Tudo começou com o desencadeamento de uma operação da Polícia Federal que chegou ao prédio em busca de informações contidas nos celulares do governador e sua esposa Helena, culminando com a apreensão dos aparelhos, para análise.  A crise, assim, explodiu e seus estilhaços estão voando no espaço entre o Rio de Janeiro e a capital do país.

O governador Witzel reagiu e disse que a responsabilidade é do presidente Bolsonaro, que ataca o Executivo fluminense por sua oposição às decisões de Brasília.

FLÁVIO NA BRIGA – O governador do RJ foi além, afirmou que quem deveria ser objeto de ação policial era o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da República. Os jornais da manhã de hoje deram como era de prever grande destaque ao episódio. Em O Globo a reportagem é assinada por uma equipe: Chico Otávio, Luiz Ernesto Magalhães, Juliana Castro, Juliana Del Piva e Ludimila de Lima.

Não há dúvida que a crise que atinge o país apresenta uma tendência de evoluir ao longo do tempo, ou seja, nos próximos meses, em meio à pandemia que está produzindo uma tragédia nacional.

Além da área da saúde, estamos assistindo a uma crise de poder inclusive acentuada pela radicalização que está iluminando o palco de contradições acumuladas, cujos preceitos não possuem base na lógica dos fatos.

RADICALISMO EM ALTA – Mas quem pode falar em lógica no meio de ondas radicalistas? Só um ingênuo. O processo tende a se ampliar. Prova disso está na violência de apoiadores do governo contra os jornalistas da Folha de São Paulo, UOL e O Globo que anteontem, aguardavam Bolsonaro na saída do Alvorada para o contato com a mídia, uma prática que vinha adotando desde o início de seu governo.

Nesta segunda-feira, os repórteres dos dois jornais e da Rede Globo foram vítimas de ameaças, por pouco não culminando com agressões físicas cujo desfecho poderia se tornar num desastre humano, mas um na longa história da violência e do ódio represados que conduzem a intolerância. Os adeptos de tal comportamento, bem como seus autores, só conseguem enxergar elogios a seus líderes.

FANATISMO – Os fanáticos não desejam sequer a discussão democrática, esquecendo-se da histórica afirmação do filósofo Hegel: a lei é a conciliação dos contrários. Mas os donos do pensamento vinculado ao poder não querem saber nem de lei ou de conciliação, tampouco dos debates democráticos.

William Bonner é um exemplo. Depois de ver um de seus filhos ser atingido por uma falsificação do CPF, hoje a Rede Globo publica nos jornais que o apresentador do JN vem sendo alvo de campanha de intimidação a partir de mensagens ameaçadoras e dramáticas.

É sempre assim, mais uma vez a intolerância projeta-se no palco da informação e da opinião. Os radicais não querem liberdade de pensamento. Tratam a liberdade de opinião como algo que só pertence à ideologia que os inspira. É um desastre que se aproxima da opinião pública.

CONTRADIÇÃO – Enquanto isso o deputado Orlando Silva, relator da MP que prevê a redução da jornada de trabalho e dos salários, para mim de forma surpreendente, propõe a desoneração das empresas com os tributos que repousam na folha de pagamento. Acrescente-se: Orlando Silva é do PCdoB. Contradição total. Seu objetivo é o de reduzir a renda do trabalho e ao mesmo tempo, favorecer o lado do capital com base na promessa de que as empresas vão contratar trabalhadores reduzindo assim os índices altíssimos do desemprego.

O panorama desta-quarta feira pode ser desenhado dessa forma crítica para refletir a tempestade. Estamos na véspera de algo extremamente ameaçador.

9 thoughts on “Bomba política explodiu nas Laranjeiras, mas os estilhaços voam entre o Rio e Brasília

  1. “radicais não querem liberdade de pensamento. Tratam a liberdade de opinião como algo que só pertence

    Jornalistas de meia-pataca … enchem a boca para falar de liberdade de pensamento, quando criticam seus adversários … mas silenciam quando de modo ilegal e arbitrário o STF, verdadeiro tribunal de exceção, ataca covardemente essas mesmas liberdades contra outros jornalistas e cidadãos comuns.

    • Discordo do seu pensamento. Há liberdade de expressão, mas, injúria, terrorismo digital, calúnia, difamação, contra as instituições, inclusive ao Executivo e a seu presidente, ficam sujeitos aos infratores as penas da Lei.
      Você pode se expressar como quiser, mas, existe também o direito do outro.
      Destruir reputações é crime, a não ser, que àquele que acusa, possa provar as alegações.
      O que não pode Policarpo, é se valer de uma rede com financiamento de empresários, para solapar o Estado de Direito Democrático, que a geração de 50 sofreu os diabos para restabelecer, em 1985. Foram 21 anos de censura à imprensa, ao Teatro, a Música, a Arte em geral.
      Quem deseja a volta desses tempos obscurantistas e medievais.
      Ao ser humano, desde que nasce, até seu fim, segue a sua sina para crescer, se multiplicar, ser feliz, ter liberdade, dignidade, amar a si e a seu próximo, viver em sociedade, sem conflitos, sem tirar a vida de ninguém, nem de ser morto por motivos fúteis ou por motivo nenhum.
      O ódio não leva a lugar nenhum, a não ser mais ódio, até o perecimento da sociedade.
      Dante já dizia, àqueles que no curso da sua existência, vivem cometendo ilícitos de toda sorte, os homicidas, os suicidas, os rufiões, os traidores, os que comentem o crime de pedofilia , os traidores, os ladrões, vão percorrer os círculos do inferno. Então, enquanto não vão para lá, condenados a navegar nos rios de esgoto, somente com a cabeça para fora do esterco, tem que pagar pelos seus erros aqui na Terra mesmo.
      E, é o que acontece, com todos os seres viventes, pagamos primeiro aqui pelos nossos erros. Depois é outra coisa, ou no inferno ou no paraíso, o mistério nos aguarda. O imponderável está sempre causando a sua surpresa.
      Hoje clamo pelo tiro na cabecinha, amanhã a cabeça é a minha. Hoje a Policia Federal na casa do inimigo, amanhã a Polícia Federal bate a minha porta.
      Eta mundo maravilhoso de bom sô.

      • Sr R. Nascimento.

        Todos esses ilícitos que o Sr relacionou tem previsão legal para ser punido. Por exemplo, injúria … quem se sentir injuriado ou difamado que procure a justiça. È óbvio que os infratores estão sujeitos às penas da lei.

        Que conversa é essa de solapar Estado de Direito Democrático? A sociedade civil tem todo o direito de criticar autoridades, instituições e até mesmo esse tal de Estado de Direito Democrático, está lá na CR/88 … aliás, um dos objetivos dos partidos marxistas é exatamente solapar o Estado de Direito e olhe que eles são financiados pelo próprio Estado. Nesse caso, quem solapa esse estado é o STF, que, em vez de zelar pela Constituição, dela se adonou … de modo que ele se julga no direito de interferir nos mínimos detalhes da vida política e social da nação. Agora, o cidadão protesta se o stf permitir, as pessoas se reunem se o stf permitir, a imprensa publica se o stf permitir, até para doar dinheiro precisa-se de autorização do stf.

        Pois é, e depois dos 21 anos de censura nada aprenderam sobre as liberdades individuais. Esse malfadado inquérito tem por objetivo exatamente liquidar com as liberdades garantidas na CR/88, através de censura, intimidação, perseguição e criminalização de quem pensa diferente. É o que estamos vendo desde que foi instaurado … censura a revista, intimação de cidadãos para depor sem que eles saibam nem mesmo o motivo ou a condição e, agora, invasão de residências, apreensão de bens, quebra de sigilo bancário e fiscal das pessoas.

        Me apresente a lei que diz que o STF, o Presidente ou o Congresso não podem ser criticados ou mesmo xingados … me apresente a lei que autoriza o stf a abrir, de ofício, inquérito para investigar cidadão por motivo de críticas … talvez eu faça alguma concessão. Mas, como diz o CN, isso ‘non ecxiste’.

        • “Pois é, e depois dos 21 anos de censura nada aprenderam sobre as liberdades individuais.”

          Aprenderam sim . Eles sabem que o que importa é o controle da narrativa. E é fato que durante a “época do governo militar”, a única ditadura que existiu, foi a do comunismo. Os militares as vezes, proibiam algumas matérias, reportagens, filmes, etc; mas, só os socialistas/comunistas eram aceitos na cultura e jornalismo, e eram só eles os responsáveis pelo que o povo iria ver ou ler. E após o “regime militar”, acabou a censura “militar” e se intensificou o domínio dos comunistas na arte, jornalismo, etc.

        • Deixo uma pergunto a você, data Vênia. Quando a Dilma foi censurada pelo Moro, antigo aliado de vocês, poucos defenderam a presidente empichada. É aquele caso, no dos outros é a Lei, comigo é injustiça.
          Patético.

  2. “Os fanáticos não desejam sequer a discussão democrática, esquecendo-se da histórica afirmação do filósofo Hegel: a lei é a conciliação dos contrários.”

    Perfeito!

  3. Disputa de poder. Vale tudo pelo voto, ou pelo golpe. É o retrato acabado do sistema apodrecido, com prazo de validade vencido há muito tempo, sob a égide do qual quanto mais se aparelha as instituições mais vantagens se obtém face aos adversários. E quem é que neste Brasilzão de Deus Nosso Senhor (que está parecendo mais do Diabo), na verdade, quer conversar com a verdade que liberta, que é o projeto novo e alternativo de política e de nação ? DEUS NÃO É SÁDICO, ele é apenas caprichoso. É interessante lembrar que, há cerca de 20 anos, mais ou menos, tendo em vista que o Brasil ainda não está pronto para dar o seu grande salto de qualidade, está na estrada, o projeto que propõe a resolução do Brasil, em alta definição, de forma perene, com durabilidade de no mínimo 100 anos podendo chegar a 500 anos, caso o planeta terra e a mãe natureza permitam, alicerçado na paz, no amor, no perdão, na conciliação, na união e na mobilização pela mega-solução proposta pela RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, trigo esse que, inclusive, inspirou as Jornadas de Junho de 2013, e que faz o contrapondo ideal a tudo isso que aí está há 130 ano alicerçado na mentira, na enganação, na cobiça, no ódio, nas fake news, nas futricas, nas fofocas, nas intrigas, nas vaidades, ambições e interesses pessoais, cocô esse que, à moda joio, diga-se de passagem, a bem da verdade, tb esteve nas ruas do Brasil em Junho de 2013, aliás, da forma mais espetaculosa e mais oportunista possível. E daí, o Projeto da Paz e do Amor, o Trigo, infelizmente, até hj não não ganhou sequer 1 (um) segundo de espaço da Rede Globo, mas, o Joio, sempre esteve e continua lá o tempo todo, ganhando de goleada todo o espaço do mundo no seu noticiário. Conclusão o joio foi parar dentro do palácio do planalto, das assembleias e câmaras, e o trigo ficou do lado de fora, estacionando carros, com o joio mostrando qual é o seu negócio e os nomes dos seus sócios, com as suas verdades não correspondendo aos fatos e as suas piscinas cheias de ratos. E, por conseguinte, parodiando agora a Bíblia, quem planta joio acaba colhendo joio. https://tvefamosos.uol.com.br/colunas/mauricio-stycer/2020/05/27/abatido-e-pessimista-bonner-lamenta-o-odio-crescente-e-a-incivilidade.htm

  4. Infelizmente é isso aí. A ignorância e o fanatismo popular, devidamente manipulados pela elite política, corrupta e impatriótica, hoje representa uma ameaça real à estabilidade e paz social. Não é pessimismo, é realidade, a intolerância pode nos levar á falência democrática e às suas devastadoras consequências.

  5. O Brasil sofre nas mãos destes irresponsáveis lunáticos, quando teremos um verdadeiro governante preocupado com a população deste país, arregimentam um monte de loucos fanáticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *