Brasileiro retido em Londres entrou na Justiça para garantir sigilo de dados de equipamentos apreendidos

Os advogados do brasileiro David Miranda (foto) e do repórter do jornal The Guardian, Glenn Greenwald, entraram hoje (20) na Justiça, em Londres, para impedir o governo britânico de acessar os dados do laptop e dos equipamentos eletrônicos que foram confiscados durante interrogatório de quase nove horas de David no Aeroporto de Heathrow, no domingo (18).

“CEstou fazendo o pedido [na Justiça] para dizer que o que fizeram com David foi contra a lei, para proibir que eles usem o material que tomaram, dizer que eles não podem dividir isso com ninguém, nem com os Estados Unidos, e que devolvam tudo imediatamente”, disse Glenn Greenwald, companheiro do brasileiro, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo o jornalista, os advogados entraram hoje com o processo na Justiça e amanhã (21) eles pedirão urgência na tramitação. Ele avaliou que o desenvolvimento do caso para buscar a retratação do governo britânico está bem encaminhado. “O processo começa hoje e os advogados são muito bons e acho que está bom”, disse.

Greenwald considerou que, no interrogatório do companheiro, as questões não trataram de terrorismo, o que poderia ocorrer em caso de aplicação da legislação antiterror do país. “Para mim é muito claro que o que eles fizeram foi totalmente contra a lei. Com a lei, eles podem investigar se alguém é envolvido com organização terrorista, mas em momento algum perguntaram sobre isso ao David. Foram perguntas só sobre mim, sobre Laura [documentarista Laura Poitras] e sobre o The Gaurdian. Acho que os tribunais da Inglaterra vão falar isso”, analisou o jornalista. (da Agência Nacional)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

3 thoughts on “Brasileiro retido em Londres entrou na Justiça para garantir sigilo de dados de equipamentos apreendidos

  1. O site do jornal britânico informa que custeou a viagem do David Miranda para trabalho jornalístico. Está na cara que o governo lá sabia disso ao constrangê-lo e ameaçá-lo no aeroporto. Há muito que não acredito que esses governos europeus respeitem direitos, como se apregoa por aí. Já crivaram de balas um trabalhador brasileiro pacífico no meio da rua e não deu em nada, meses atrás retiraram dos satélites a Presstv iraniana, que se limita agora a seu site da internet com frequentes sabotagens, se negam a explicar de onde partiu a ordem da censura e no mês passado o presidente boliviano sofreu constrangimento em seu avião presidencial. Nesse andar de carruagem, qualquer um pode ser bode expiatório e ter que explicar por lá que elefante não é mosquito. E se a crise econômica se agravar na comunidade européia, o fascismo vai escancarar. Aliás, eles têm um tremendo histórico de repressão popular quando suas classes dirigentes se encontram em apuros e que remonta do século XIX, até mesmo no país que se saiu com o lema de igualdade, legalidade e fraternidade. O polígrafo consagrado Victor Hugo provou na carne. Confiscam até dinheiro das pessoas para favorecer famílias de banqueiros que mandam até hoje. É só pesquisar a história para comprovar.

  2. No DOPS do Rio, nos anos 60, havia um delegado com esse nome aí em cima. Era muito truculento, mas não errava ao escrever o nome da capital argentina, tanto em espanhol como em português. E esse TREPLECE faltou uma perna para quadrúpede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *