Cabral acusa Pezão pelos desvios na reforma do Maracanã e nas outras obras

Resultado de imagem para PEzão

Pezão ainda não respondeu às acusações de Sergio Cabral

Leslie Leitão e Luisa Bustamante
Veja

Foi um longo depoimento de 17 páginas. O ex-governador Sergio Cabral Filho repetiu a frase ‘não se recorda’ 16 vezes. Em outras 11 perguntas respondeu ‘não saber precisar ou esclarecer’. Disse ‘desconhecer’ os fatos a ele questionados em 21 respostas. E negou outras dez vezes. Preso na última quinta-feira sob a acusação de comandar um esquema de corrupção que teria desviado cerca de 224 milhões de reais dos cofres do Rio de Janeiro, Cabral se disse indignado com as denúncias e afirmou ter a ‘consciência tranquila quanto às mentiras absurdas’. Ao final do termo, colocou no colo de seu ex-vice e sucessor no Palácio Guanabara, Luiz Fernando Pezão, a responsabilidade pelos contratos de reforma do Maracanã e outros relacionados à secretaria de Obras.

O ex-governador, na verdade, foi instado pelos seus advogados, que após o interrogatório dos procuradores do MPF e da Polícia Federal, começaram a fazer perguntas. A primeira delas justamente sobre a licitação de reforma para a Copa do Mundo de 2014. “…que se iniciou na gestão Pezão, como secretário de Obras, tendo sido concluída na gestão de Hudson Braga”, afirmou Cabral. Sua defesa fez questão de frisar, ainda, que raras foram as vezes em que Cabral esteve no canteiro das obras, lembrando que esta era uma atribuição dos secretários da pasta: “Ambos (Pezão e Hudson) efetuaram diversas visitas à obra, e o indiciado (Cabral) apenas umas duas vezes”, descreve o depoimento prestado na sede da PF.

SEM AMIZADE – Já no início do questionamento Cabral fez questão de dizer que não ter relacionamento próximo com Hudson Braga, tendo conhecido entre 2006 e 2007 através de Pezão. Hudson – que divide a mesma cela C6 com o ex-governador dentro de Bangu 8 – de acordo com as investigações da Operação Calicute, cobrava 1% de todas as obras como ‘taxa de oxigênio’, algo que Cabral, claro, disse não ter conhecimento.

Sobre José Orlando Rabello (apontado como um dos operadores da propina e ligado diretamente a Hudson), Cabral afirmou saber “que ele exercia uma função na secretaria de Obras no período em que Pezão estava a frente da pasta”.

Cabral confirmou o relacionamento com o empreiteiro Fernando Cavendish, da Delta Construções, investigada na Lava Jato justamente por ter sido beneficiada na obra do Maracanã. Mas acrescentou: “Pezão possuía contato com Fernando Cavendish e outros empreiteiros que tratavam com sua pasta”.

NÃO SE RECORDA… –  Questionado sobre as compras de joias em quatro diferentes joalherias – algumas com compras de até 100 000 reais – o ex-governador confirmou ter feito uma ou duas compras em duas delas (H Stern e Antonio Bernardo), mas disse não se recordar se havia pago em dinheiro ou utilizado o cartão de crédito. No segundo caso, porém, uma funcionária chegou a afirmar que Cabral era um cliente que pagava sempre em espécie. O ex-governador disse não se lembrar dessas compras. Sobre compras feitas em outras duas lojas (Amsterdam Sauer e Sarah Joias), também não se recorda.

Sergio Cabral declarou que a empresa que criou em 2014, a Objetiva, presta consultoria para a Creação Opção Jeans, de propriedade de um amigo, Gustavo Mohammad, há cerca de um ano. A PF descobriu que a empresa pagou mais de 670 mil para a Objetiva pelos serviços. Questionado se poderia apresentar, em 24 horas, relatórios, levantamentos ou pareceres produzidos nesta assessoria, o ex-governador disse “não, porque os aconselhamentos se davam de forma mais pessoal”.

Cabral negou ter conhecimento da relação da TransExpert com a Creação. De acordo com os investigadores, a transportadora de valores depositou, em espécie, mais de 25 milhões na conta da Creação, dinheiro que seria oriundo de propina.

ISENÇÕES FISCAIS – Ao ser perguntado se alguma vez foi beneficiado com contratos, pagamentos de propina e realização de contratos de auditorias por empresas que receberam incentivos fiscais, Cabral disse que não e que “toda a sua política foi voltada para o crescimento econômico do Estado”. Os quase 200 bilhões de isenções fiscais concedidos durante o seu governo poderão ser alvo de uma CPI na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Procurado, Pezão ainda não se manifestou sobre as declarações de seu antecessor e guru político.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGSergio Cabral é um problema patológico de desvio mental. Tudo nele é falso e ardiloso. Suas declarações indicam claramente que Pezão seria o chefe do esquema de corrupção implantado no Estado do Rio, mas até as paredes de Bangu 8 sabem que é mentira. O chefe era ele mesmo, Cabral, e o secretário Pezão apenas demonstrou que também tinha a mão grande, como se dizia antigamente. São dois criminosos que merecem apodrecer na prisão. (C.N.)

25 thoughts on “Cabral acusa Pezão pelos desvios na reforma do Maracanã e nas outras obras

  1. Guerra de bugio a vista. O cabralzinho é um “esquecido” notório.
    A “patroa” dele tinha uma fortuna na conta, mas ele não lembra como ela conseguiu. Certamente rodando bolsinha próximo das obras é que não foi.
    Agora ele também esta indignado, os seus assessores por pura incompetência deixaram rastro e o rabo dele foi achado e puxado.
    Das “jóias” ele nunca ouviu falar, sequer sabe do que se trata.
    Alem de tudo é um tremendo cara de pau, só superado pelo molusco-chefe, a alma mais honesta da criação.

  2. a amnésia atacou o inquilino mais ilustre de bangu oito, a tática é sempre a mesma.primeiro passeiam e se divertem com dinheiro ilícito,depois falam que são perseguidos e injustiçados..

  3. Dizem que o filho chegou ao pai e perguntou: “Papai, é verdade que no Brasil se rouba desde GAROTINHO?
    O pai respondeu: ” Não meu filho, aqui no Brasil se rouba desde CABRAL.
    Pois é, a minha avó já dizia, na sua imensa sabedoria: ” No Brasil, quem não rouba ou não herda, tem merda”.
    E viva a pátria que abrigou o Ronald Biggs.

  4. Não sei por que insistem em incriminar o Cabral. O homem, como se vê, é puro, inocente, desprendido das coisas materiais. Acho até que ele deveria responder em liberdade – aliás é a lei! A sua prisão é ilegítima (duas pitadas de sarcasmo, por favor).
    Ele pagou 100 mil renais e não sabe se foi em espécie! Ele também não se lembra onde comprou a jóia de 250 mil euros! Tadinho…

  5. Servidores protestam na Alerj em dia de discussão para aumentar imposto

    Aumento do ICMS de bebidas alcoólicas está em pauta. Manifestação estava marcada para as 10h desta terça-feira.

  6. É impressionante o que fala, tanto o ex-governador Sérgio Cabral, como todos os políticos de delatores ao ficar frente a frente no interrogatório, o sujeito diz 16 vezes que ” não se recorda” e outras 11 perguntas que “não saber precisar ou esclarecer”, parece que os políticos nesta hora sofrem de “AMNÉSIA”, são dissimulados, cínicos, mentirosos e outros adjetivos que possam qualificar estes pilantras, a justiça conhece esta cambada.

  7. Cabral, com essas respostas, coloca os defensores da inconstitucionalidade ou ilegalidade de sua prisão preventiva em má situação.

    Nem Jesus Cristo, como advogado ou filho de Deus, conseguiria absolvê-lo, nem sequer livrá-lo dessa prisão preventiva muito bem aplicada.

    Que se dirá, então, do alcance dos poderes terrenos dos simples defensores dessa esdrúxula tese?

  8. É a amnésia, completando o famoso ” eu não sabia”, de forma descarada… e o peão, o mestre de obras, está sendo definitivamente jogado as feras, como um robô…
    Além de todos os adjetivos que Cabral mereceu até agora, soma-se mais um… covarde…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *