Calote a funcionários terceirizados invade até a Esplanada dos Ministérios

Simone Kafruni, Bárbara Nascimento e Francele Marzano

A Adminas e a Delta, contratadas por vários ministérios, entre eles, o da Fazenda e o da Justiça, somem com o dinheiro repassado pelo governo e deixam centenas de pessoas sem os salários e os direitos previstos em lei.

O governo federal sentiu na pele a precariedade do trabalho terceirizado no país ao levar um calote de duas empresas prestadoras de serviços nos ministérios da Fazenda, da Justiça e da Integração e também no Banco do Brasil.

As empresas Adminas Administração, com sede em Belo Horizonte, e a Delta Locação de Serviços e Empreendimentos, baseada em Lauro de Freitas (BA), receberam os recursos para honrar os salários de seus funcionários, mas deixaram centenas de trabalhadores de mãos abanando. Os órgãos, agora, terão de garantir o pagamento dessas pessoas, que não têm outra fonte de renda.

GRANDE POLÊMICA

Às vésperas da apreciação, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, do projeto de lei 4.330, que promete regulamentar e expandir a atividade, a polêmica é grande, e o sentimento dos trabalhadores terceirizados é de pesar. Recepcionista no Ministério da Justiça, Laís Nogueira, de 23 anos, disse que a Adminas não depositou o salário de mais de 500 funcionários, apesar de constar, no portal Transparência, que o repasse, de R$ 1,782 milhão, referente aos serviços prestados, foi feito.

“No Paraná, já houve uma greve dos trabalhadores por falta de pagamento. Segunda-feira passada, a sede da empresa, em Minas, amanheceu de portas fechadas, e os colegas foram orientados por seguranças a se dirigirem ao sindicato. Em Brasília, os representantes simplesmente desapareceram. Os terceirizados não têm a quem recorrer”, lamentou Laís. (transcrito do Correio Braziliense)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “Calote a funcionários terceirizados invade até a Esplanada dos Ministérios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *