Câmara aprova MP que passa Coaf para Economia e amordaça os auditores da Receita

Deputados discutem no plenário da Câmara durante votação da MP da reforma administrativa — Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Resultado desta votação já era esperado e não houve surpresas

Sara Resende
TV Globo — Brasília

O plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira (22), por votação simbólica, o texto-base do projeto referente à medida provisória da reforma administrativa, que estruturou o governo do presidente Jair Bolsonaro e reduziu o número de ministérios de 29 para 22.

A proposta aprovada pelos deputados no texto-base mantém o projeto da comissão mista do Congresso, que transfere do Ministério da Justiça e Segurança Pública para o Ministério da Economia o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), responsável pelo combate a fraudes financeiras e de lavagem de dinheiro.

DESTAQUES – Após a votação do texto-base, deputados apreciaram os destaques (propostas de alteração do texto). Um desses destaques previa a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça. Mas foi rejeitado por 228 votos a 210. A votação representou uma derrota para o Palácio do Planalto e, especialmente, para o titular da Justiça, ministro Sérgio Moro, que defendia a manutenção do conselho subordinado à pasta.

Após assumir a Presidência da República, Jair Bolsonaro retirou o Coaf do extinto Ministério da Fazenda (atual Ministério da Economia) para o Ministério da Justiça, mas partidos de oposição e do Centrão pressionaram o governo para que o órgão ficasse vinculado ao Ministério da Economia.

AUDITORES DA RECEITA – Os parlamentares aprovaram ainda limitar as atividades de auditores da Receita. A proposta proíbe auditor da Receita Federal de investigar crime que não seja de ordem fiscal. Os deputados retiraram a demarcação de terras indígenas do Ministério da Agricultura e colocaram sob a guarda da Fundação Nacional do Índio (Funai), que, pelo projeto, passa a ser vinculada ao Ministério da Justiça e não ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos.

O texto que resultar da votação na Câmara ainda terá de passar por votação no Senado, antes de ser enviado para sanção do presidente da República.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Para a maioria dos deputados, o principal objetivo era aprovar a chamada “Emenda Gilmar Mendes”, do senador Eduardo Braga (MDB-AM), para proibir que auditores da Receita denunciem crimes de corrupção e lavagem de dinheiros que descobrirem nas apurações fiscais. E esse objetivo foi alcançado. (C.N.)

14 thoughts on “Câmara aprova MP que passa Coaf para Economia e amordaça os auditores da Receita

  1. Pena que os representantes do povo façam esse jogo sujo corporativista que os beneficia nas suas abjetas intenções de legislar por medidas fétidas aos anseios dos brasileiros de bem.

    Quem sabe, logo viraremos esse jogo daninho aos interesses dos que não participam dessas negociatas.

    • .
      só pocilga ?
      e o resto ?

      PRINCIPALMENTE:
      cagatório – cloaca – dejetório – privada – retrete – sentina – T.R.O.N.O

      afirmar que estão no T.R.O.N.O
      é o que mais os delicia !!!

      no T.R.O.N.O !!! !!! !!!

  2. “A Câmara é a representação do povo. Os deputados não são santos porque o povo também não é santo”

    (Bonifacio Andrada, que exerceu DEZ mandatos de deputado federal e conhece muito bem a péssima qualidade do eleitorado brasileiro)

          • Deve ser bom ser assim como você, viver rindo à custa desa esculhambação em que a gente vive. E nem dá trabalho, é só postar todo dia “Eê, Ooh, vida de gado”, muitos “KKK”, e outras coisinhas prontas, na base do Ctrl+V – Ctrl C. Porque será que tem gente que não consegue ser assim?

            Falando sério, essa votação foi resultado da bancada da renovação ou dos remanescentes da política de sempre?

    • Moro perde COAF mas sai fortalecido e assusta Congresso
      República de Curitiba – Lucas Andrade Pianovski

      O Brasil inteiro já sabe que Sergio Moro acabou não ficando com o COAF na votação da MP 870. No entanto, o que pode parecer uma derrota de Sergio Moro e do Governo Bolsonaro, na realidade é uma vitória, e uma vitória assustadora para a oposição e o Centrão. Além de Paulo Guedes, a quem o COAF está subordinado agora, já ter avisado que manterá o COAF com a equipe e nos moldes planejados por Moro, o ex-juiz deu um forte sinal de que está aprendendo a se movimentar em Brasília apesar do pouco tempo de prática. Moro conquistou 210 votos, dentre eles inclusive parlamentares do Centrão e da oposição.

  3. Ainda assim Kajuru quer nomes de quem chantageia no Parlamento? Kajuru, raposa velha, ai tens 228 nomes de deputados que votaram para o COAF ficar na Economia onde nunca sequer sabia que existia. Agora no COMBATE À CORRUPÇÃO aparecem 228 deputados que foram contra isto.
    Porque um parlamentar provo e digno entraria nesta SEM-VERGONHICE? Sabe porque:
    1) Muitos tem processos de corrupção e não iam votar em algo que sabem sera usado contra eles.
    2) COAF = “SIGA O DINHEIRO” e muito eleito está na Câmara não com intenções e claro sabe que com esta ferramenta “os milhões da CORRUPÇÃO serão monitorados e seguodos”. Porque a Câmera ia se interessar se o COAF estiver na Justiça ou Economia? Porque na Justiça com Moro sabem esses “parlamentares e os corruptos que apoiam” que ficam nas mãos de Moro e dali o PAVOR E DESESPERO !!!

  4. Confissão assumida, redundância ao extremo, eles sabem o que são e o que fazem de ruim e criminoso para o país diuturnamente, e, jamais se deixarão punir ou ser incriminados, coisas de bandidos públicos confessos !!!! Depois reclamam que o povo criminaliza o Congresso e o Judiciário, ora, se um apoia e defende o outro, e a Nação e seu Povo que se danem, tá na hora de deixarmos de ser reféns dessa canalha de homens públicos que em cumplicidade total destruíram por completo a Nação mais viável do planeta, Cadeia Nelles, já que “bandidos” é quem fazem e cumprem as “Leis Protetoras de seus Crimes” !!!!!! Tristes Trópicos !!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *