Câmara vai votar projeto que anula Estatuto do Desarmamento

O plenário da Câmara dos Deputados vai analisar, no próximo dia 10, um projeto de lei que anula o Estatuto do Desarmamento, em vigor no país desde 2003. A principal mudança da proposta é a liberação do porte de arma para o cidadão comum. Além disso, o processo para concessão da autorização ficará mais barato, e ele passará a ser realizado pelas Polícias Civis de cada Estado. A possibilidade da liberação coloca em lados opostos movimentos pacifistas e uma parcela da população defensora da tese de que a liberação dá ao cidadão a possibilidade de se defender de criminosos.

Hoje, para que o porte seja concedido, o interessado precisa comprovar a necessidade da arma. Se o Projeto de Lei 3.722/2012, do deputado Rogério Peninha (PMDB-SC), for aprovado, essa necessidade será excluída. “Atualmente, o bandido assalta uma pessoa com a certeza de que não terá reação. Será que esse marginal teria a mesma audácia caso os brasileiros pudessem obter o porte de armas? É preciso repor a dúvida na cabeça do ladrão”, justificou.

O parlamentar embasa a proposta no aumento da criminalidade e no baixo número de armas recolhidas na campanha do desarmamento, criada em 2004. Em quase dez anos, foram 660 mil armas, 500 mil delas nos primeiros dois anos (veja os dados ao lado).

Assaltado três vezes, o administrador Cleber Grijó Júnior, 37, reforça o coro. Colecionador de armas e atirador esportivo, ele argumenta que a legislação tira do cidadão o direito de se defender. “O Estado não dá conta da violência. Os bandidos sabem que podem entrar na sua casa, na sua empresa. Não vai haver reação. Não acho que deva banalizar, baratear o processo. Tem que ter critérios, sim, exigir treinamento, teste psicológico. O que não acho certo é proibir e pronto, para todo mundo. O criminoso não cumpre a lei, não entrega a arma dele”. Pelo projeto, as taxas para a concessão de porte ou posse serão de R$ 440 – hoje são R$ 2.435.

O presidente do Movimento Viva Brasil, Bene Barbosa, defende a revogação do estatuto por causa do referendo de 2005, quando 59 milhões de brasileiros foram contra a lei – a pergunta na ocasião era se o cidadão era a favor de proibir o comércio de armas e munição. “A opção de defesa só pode ser exercida se você tiver um instrumento para isso”.

Menos armas. O cientista político Guaracy Mingardi, por sua vez, defende que regras mais frouxas contribuem para o acesso de bandidos a armas e para o crescimento de crimes por impulso, como em brigas de trânsito e após discussões. (reportagem enviada por Carlo Germani).

 

18 thoughts on “Câmara vai votar projeto que anula Estatuto do Desarmamento

  1. A “charge” já vale por um artigo: “Entregue sua arma e ganhe inteiramente grátis um nariz de palhaço e um alvo para colar na testa”.

    Este projeto que anula o desarmamento, é de imprescindivel importância à sociedade brasileira.

    Será o “freio de arrumação” na fraude desarmamentista produzida pela corja de comunistas-petistas no poder com finalidade única de fins ideológicos.

    Para que um eventual golpe ditatorial e totalitário se concretize (meta maior do petismo-comunismo) a população não pode estar armada para reagir.

    Assim como,a explosão da violência urbana,com a população desarmada,faz parte do
    caos generalizado programado e o golpe ditatorial e totalitário.

    Todos os regimes ditatoriais desarmaram as populações.

    Dica de leitura: http://www.armaria.com.br

    Trata-se de um site especializado no tema ARMAS ,que mesmo desatualizado,tem inúmeros artigos que desconstroem a fraude do desarmamento.

    PS:Desde meus 25 anos (hoje com 62) tenho armas legalizadas e até quando foi possível
    o porte.Nestes 37 anos NUNCA usei arma contra ninguém,mas já evitei eventual morte
    minha e de familiares por estar armado.

    Portar uma arma está diretamente ligado a sensatez,estrutura e reação psicoemocional correta e a treinamento constante.

    O resto é conversa fiada de ideólogos ditatoriais e comunistas para fraudar e dominar cidadãos com nariz de palhaço e alvo na testa.

    PS2: Agradeço ao editor Carlos Newton,pela postagem da matéria.
    Um imenso serviço será prestado à população,sem dúvida.

  2. Este estatuto do desarmamento foi a maior piada de brasileiro, feita neste pais, nos últimos tempos.
    Pois não é que resolveram inviabilizar justamente o porte legal de armas, deixando o ilegal sem qualquer
    restrição. Até porque não existe no Brasil força policial que consiga impedir os criminosos de importarem
    os armamentos, comprados nas fronteiras com a maior facilidade.
    Todo esse armamento que vem do Paraguai, entra pelos portos brasileiros e depois de passar por aquele pais,
    volta para a bandidagem nacional.
    Cada vez que alguem é assaltado ou tem algum parente vitimado por bandidos, deveria de imediato proces-
    sar o governo federal, por não cumprimento da sua parte no compromisso com o cidadão, que é de fornecer
    segurança, afinal cobra impostos tambem para isso.
    Quando vejo na televisão alguem, seja do meio jornalistico ou de segurança, a dizer que a pessoa não deve
    reagir e entregar tudo ao bandido, fico indignado, achando que esta pessoa deveria ser processada por apo-
    logia ao crime. Onde já se viu alguem ser aconselhado a colaborar com o criminoso. É um absurdo.
    Deveriam é ficar quietos e deixar que a vítima avalie a situação e resolva se deve reagir ou não.
    Para o governo é muito cômodo, não precisa indenizar ninguem por não cumprir a sua obrigação. Mas se
    alguem reagir e matar o bandido, ai vai gerar gasto ao estado e isto não é interessante para as autoridades.
    O estatuto do desarmamento dos cidadãos de bem, nem deveria ter sido outorgado, mais ainda é tempo
    de ser revisto.
    So concordaria com este estatuto, se ele tambem troxesse um artigo, que dicesse que bandido que fosse apanhado com arma restrita (proibida), seria fuzilado sumariamente com a própria arma.

  3. Essa de proibir o cidadão de bem de ter uma arma registrada em seu nome é coisa de ideólogos fascistas e inocentes úteis.
    A realidade mostra que qui no Brasil , quando se quer comprar uma arma ilegalmente, é coisa das mais fáceis do mundo. Em qualquer esquina pode-se fazer isso.
    Teve um estudante que comprou uma metralhadora e foi ao cinema, onde a disparou na plateia, atingindo dezenas. Se alguém ali naquele cinema tivesse uma arma e atirasse no louco, poderia ter salvo muitas vidas.
    Mas o que cola para os inocentes úteis, é aquele caso, acidental, de uma criança que pegou a arma do pai e atirou no coleguinha.
    Outro argumentinho idiota é a de responsabilizar a indústria de armas por todos os males do mundo.
    Os EUA estão aí para desmentir, com fatos concretos, números, tudo que se fala contra o cidadão portar uma arma, registrada em seu nome, para se defender.

  4. Nós brasileiros( homens de bem), precisamos de arma em casa , precisamente para nos defender. E a Constituição nos faculta esta defesa. Defesa pessoal, imprescindível pelo atual momento que vivemos, com o fracasso da segurança publica e mais o perigo, que o governo federal trás com suas politicas comunistas e bolivarianas, o qual ,também permitem a entrada das drogas ( com facilidades, sem proteção de nossas fronteiras ) produzidas pelos países vizinhos , que viciam a nossa juventude mais periférica, levando-as irremediavelmente ao crime e potencializando mais a insegurança na sociedade.

  5. Ora pois, ó pá, descobriu a ´polvora nobre fdputado……
    E por isso essas invasões de bandidos geraldinhos efeagacianos de residencias e condominios em todo o País., desttroçanco famílias inteiras sem um pingo de reação.
    E se lá dentro tivessem armas.????

    “Atualmente, o bandido assalta uma pessoa com a certeza de que não terá reação. Será que esse marginal teria a mesma audácia caso os brasileiros pudessem obter o porte de armas? É preciso repor a dúvida na cabeça do ladrão”,

  6. Notícia do Correio – DF

    “COMERCIANTE PERSEGUE ASSALTANTE E É ASSASSINADO
    Um comerciante foi morto na tarde deste sábado (29/11), no Vale do Amanhecer, em Planaltina. De acordo com a polícia, um trio assaltou o estabelecimento da vítima, por volta das 13h30. O homem teria perseguido, desarmado, os criminosos com uma van. Ele foi alvejado com um tiro na cabeça.”

  7. O REVÓVER E A FACA – UMA NOTÍCIA DE 2012

    Denis Lerrer Rosenfield

    Um crime literalmente horroroso foi cometido na cidade de Porto Alegre, num destes últimos dias de 2012, envolvendo uma família de classe média alta. Um bioquímico, supostamente por motivos de ciúme e traição de sua mulher, matou-a a facadas. Aliás, segundo a perícia, algumas dessas facadas, antes das mortais, foram para fazê-la sofrer, prenúncio vívido do que lhe aconteceria a seguir. Não satisfeito, o assassino foi ao quarto do filho do casal, de 5 anos, e o esfaqueou, matando-o na própria cama. O MOTIVO NOVAMENTE ALEGADO para matar a criança foi o de que esta não poderia viver sem a mãe.
    Friso a expressão “motivo alegado” com o intuito de mostrar a futilidade da razão apresentada e seu caráter particularmente cruel. Note-se que não estamos diante de um problema “social”, na medida em que o casal vivia num bairro de classe média alta e desfrutava boa condição de vida: a mulher era enfermeira e o marido, funcionário público e sócio de um laboratório.
    Acontece que esse crime foi simultâneo ao de um americano que assassinou várias pessoas numa sessão de cinema, no Estado do Colorado. Logo depois, outro episódio semelhante teve lugar também nos EUA, com o assassinato de vários membros da seita sikh, de origem indiana.

    FAÇAM NOS ESTADOS UNIDOS ASSIM COMO NO BRASIL
    O assassinato, a facadas, de uma mulher e de seu filho de 5 anos mereceu apenas algumas páginas regionais na seção policial, enquanto os dois episódios americanos ocuparam manchetes de jornais nacionais e da mídia em geral por longos dias. Tornou-se uma grande notícia, exigindo comentários de “especialistas”.
    Ora, boa parte dos ditos “especialistas” convocados apressou-se a declarar que o problema residia na ausência de controle de armas nos EUA. Se eles seguissem o controle de armas, a exemplo do Brasil, tudo estaria resolvido naquele país!
    O politicamente correto brasileiro, seguindo o seu congênere americano, dito “progressista”, logo se erigiu em juiz dos crimes americanos, advogando o desarmamento naquele país e, indiretamente, no nosso. É COMO SE OS LEGISLADORES AMERICANOS DEVESSEM APRENDER COM OS NOSSOS! Esse tipo de formador de opinião imediatamente alardeou que o Brasil conhece a solução, podendo ensiná-la a esses americanos ignorantes.

    A CULPA É DO INSTRUMENTO OU DA MÃO QUE O EMPUNHA?
    Considerando que a justiça exige critérios equitativos, poder-se-ia perguntar: POR QUE O CRIME BRASILEIRO NÃO SUSCITOU TODA UMA CAMPANHA MIDIÁTICA PELO DESARMAMENTO DE FACAS, uma fez que foi efetuado com tamanha crueldade? Nem foco midiático houve! Se os culpados são os instrumentos, e não as pessoas que os utilizam, seria razoável estabelecer a mesma exigência. A culpa estaria na faca, tal como no revólver.
    Seguindo o mesmo raciocínio, as mortes no trânsito, tendo como instrumento os automóveis, deveriam também levar a uma campanha pelo “desarmamento” dos carros, visando à sua proibição. Não seriam os motoristas que matam, e sim os veículos. Pense-se, por exemplo, no motorista que atropelou dezenas de ciclistas numa manifestação, também em Porto Alegre, em fevereiro de 2011. As imagens, divulgadas nacionalmente, demonstram que só a sorte explica a ausência de mortes. No início de julho, um motorista sem habilitação atropelou mais de 20 torcedores do Corinthians que comemoravam a conquista da Taça Libertadores da América.
    Analogamente, a responsabilidade dos atos das pessoas que fumam não seria dos fumantes, mas das indústrias do setor. Pois, da mesma maneira, conta o instrumento, e não aquele que exerce essa escolha.
    Todos esses casos mostram a desresponsabilização POLITICAMENTE CORRETA do agente, como se fosse um menor incapaz que não sabe o que está fazendo. Por via de consequência, deveria ser tutelado pelo Estado, que saberia o que é melhor para ele. Ora, se esse raciocínio fosse válido, deveríamos, então, passar ao controle das facas, instrumento mortal nas mãos de um assassino. Diga-se de passagem que, segundo os especialistas, um assassino que usa de faca é muito mais cruel do que o que se utiliza de um revólver.

    Vejamos alguns dados extraídos do Small Arms Survey, um projeto de pesquisa do Graduate Institute of International and Development Studies, localizado em Genebra, referência importante em termos de informação pública sobre armas de pequeno porte e violência armada e serve como fonte de dados para governos, pesquisadores e ativistas. Os dados sobre homicídios são do United Nations Office on Drugs and Crime (ou seja, da ONU).

    ESTADOS UNIDOS: MAIS ARMAS E MENOS HOMICÍDIOS.
    Existem 270 milhões de armas de fogo em mãos de civis nos EUA. Com esse número astronômico, o país é o primeiro colocado em armas de fogo em todo o mundo. Porém, no último ano, houve 9.146 mil homicídios com armas de fogo nesse país, isto é, 2,97 por 100 mil habitantes. A Suíça ocupa a terceira colocação em posse de armas por civis: tem 3,4 milhões. Em cada 100 pessoas, 45,7 possuem armas, praticamente a metade da população. No último ano houve 57 homicídios com armas de fogo no país. Isto é, 0,77 por 100 mil habitantes. Logo, não há nenhuma relação entre o número de armas de fogo em posse dos civis e homicídios.

    AS ARMAS SÓ CAUSAM PROBLEMAS QUANDO ESTÃO NAS MÃOS ERRADAS.
    O Brasil tem 14 milhões de armas de fogo em mãos civis. Em cada 100 pessoas, apenas 8 possuem armas. No entanto, o alto índice de homicídios por armas de fogo – 34.678 no último ano, ou 18,1 por 100 mil habitantes – desqualifica a tese segundo a qual “poucas armas, menos homicídios”. Do mesmo modo, os índices dos EUA refutam a tese de país belicista e violento. Se alguma inferência pode ser feita, é a seguinte: quanto mais armas, menos homicídios. No Brasil, as armas estão em poder dos bandidos – sem nenhum controle do Estado!
    O grande problema dessa primazia do politicamente correto no Brasil é o tipo de recorte de notícias e comentaristas, numa espécie de intoxicação midiática. Um crime como o cometido a facadas, cruel entre todos, mostra quanto algo aparentemente anódino e reservado a páginas policiais pode ganhar significação visto na perspectiva de elucidação do controle e tutela do cidadão feita pelo Estado.”

    DEVEMOS PROIBIR O USO DE PISCINAS?
    Segundo pesquisas analisadas pelo economista Steven Levitt, Ph.D. pelo MIT e o jornalista Stephen J. Dubner e divulgado no livro “Freakonomics – O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta”, É DEZ VEZES MAIS PERIGOSO VOCÊ MANDAR O SEU FILHO PARA UMA CASA QUE TEM PISCINA DO QUE PARA UMA CASA QUE TEM ARMAS, pois os casos de afogamento de crianças é dez vezes maior do que os acidentes com armas de fogo, embora não cause a mesma comoção nem passeatas pedindo o ATERRO DE PISCINAS. E olha que nos Estados Unidos existem milhões de armas a mais do que piscinas!
    Já no Brasil, uma pesquisa realizado pela Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) indica que AFOGAMENTOS SÃO A SEGUNDA CAUSA DE MORTE DE CRIANÇAS DE 1 A 9 ANOS NO BRASIL. Perdem apenas para acidentes de trânsito. E um dado amplia o alerta aos pais: 53% dos óbitos por afogamento são em piscinas. TODAS ANONIMAMENTE SEPULTADAS sem as lágrimas de qualquer ONG.

    Abraços.

  8. MAIS UMA MORTE EM VÃO.

    O cabo do Exército Michel Augusto Mikami, de 21 anos, morto durante patrulhamento da força de pacificação no Conjunto de Favelas da Maré, no Rio de Janeiro (RJ), foi enterrado na manhã deste domingo (30) no Cemitério Municipal de Vinhedo (SP). Além das honrarias fúnebres promovidas pelo Exército, houve homenagem emocionada de soldados colegas do militar na missão de paz, além da revolta dos familiares. “Um inocente morreu e os bandidos devem estar lá comemorando”, desabafou a mãe no cortejo.

  9. Valeu, senhor Carlo Germani.

    O texto do jornalista Johnatan Castro, explicitou a realidade em que vive o cidadão brasileiro, mesmo que tenha ido contra a ideia do desarmamento, no plebiscito sobre o tema.
    Ou seja, o povo disse NÃO ao desarmamento e, ainda assim, o governo desarmou a todos, deixando a bandidagem à vontade, com a violência chegando a patamares nunca vistos antes no Brasil – um mapa vergonhoso de crimes e violência.

    Não matam só PMs. Além de matarem inocentes desarmados que se rendem, ontem, fizeram estreia acintosa contra o poder público, ao assassinarem um militar do Exército. Se alguém ainda tinha dúvidas, não deve ter mais.
    Estamos vivendo um clima de guerra.
    É a falência do poder constituído no combate ao crime organizado e desorganizado que está armado e ameaça a sociedade brasileira, sem direito a legítima defesa.

    Vamos acompanhar e saber o que vai ser decidido pela Câmara no próximo dia 10 de dezembro, sobre o projeto que anula a Lei do Desarmamento e autoriza ao cidadão o direito de portar arma e proteger-se.

  10. Caro Guilherme,

    ENTENDO O TEU ROMANTISMO, TUA PREOCUPAÇÃO EM BUSCA DO RESULTADO EFETIVO E ATÉ A TUA BOA FÉ. MAS…

    NO BRASIL INTEIRO, DE CADA 100 HOMICÍDIOS APENAS 8 SÃO DEVIDAMENTE INVESTIGADOS?
    No Rio de Janeiro a coisa está mais feia: A chance de uma pessoa assassinar outra no Rio de Janeiro e ser denunciada pelo Ministério Público, com base em inquérito policial, em até 4 anos e meio, é de 3,5%, segundo pesquisa do sociólogo Michel Misse, diretor do NECVU (Núcleo de Estudos em Cidadania, Conflito e Violência Urbana da UFRJ) e realizado em 2112. Significa que 96,5 dos responsáveis pelas mortes estão por aí, desfilando no trânsito, nos bares, nas festas, na padaria, nos mercados… UMA ESCULHAMBAÇÃO TOTAL E DESCASO COM AS VÍTIMAS e com o sofrimento dos seus parentes, ainda vivos? VALE A PENA MATAR.
    -De que adianta chipar todos os projéteis se os inquéritos ficarão parados e os homicidas soltos?

    Veja parte de uma reportagem do Correio Braziliense:
    “REINCIDENTES RESPONDEM POR 81% DOS HOMICÍDIOS REGISTRADOS NO DF”
    Publicação: 01/10/2012 (A notícia é antiga, mas a matança só aumentou no governo do Agnulo). De acordo com balanço da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF), em 88% das mortes, os suspeitos usaram armas de fogo e em 81% das ocorrências, as vítimas tinham antecedentes criminais, com fotos de frente e de perfil.” Senhores, o nosso problema é a IMPUNIDADE! Alguém tinha dúvida de que o assassino do cartunista Glauco voltaria matar?
    -Já não se sabia de onde tinha vindo a bala?

    -Ora, se o objetivo da chipagem for identificar o homicida para colocá-lo na cadeia, então não precisamos gastar dinheiro com a chipagem, basta mandar a polícia de cada governador COMPRIR OS MANDADOS DO PRISÃO DOS SEUS ESTADOS. Será que algum terá coragem? DUVIDO!!!

    CELULARES NAS CADEIA
    -O que acontecerá após a chipagem SERÁ A MESMA COISA QUE ACONTECEU COM O RECADASTRAMENTO DOS CELULARES. O senhor se lembra de quando o Governo colocou a culpa da existência de celulares nas prisões no cidadão e pediu que todos os que possuíssem aparelhos pré-pagos fossem fazer o recadastramento, como uma forma de acabar com esse mal?
    -O que resultou?
    -NADA!
    O senhor sabe o que acontecerá após a chipagem no projétil?
    -Também NADICA DE NADA, além de aumentar os custos dos fabricantes. Isso só vale para país que não tem impunidade a uma bla pode manter preso um sujeito pro 40, 50 60 anos ou até mesmo pelo resto da vida. Mas, por aqui?

    FIM DAS PICHAÇÕES
    -O senhor se lembra quando surgiu o CONTROLE DE VENDA DE TINTA TIPO SPRAY. OS CULPADOS da vez pelo emporcalhamento das fachadas das edificações foram os comerciantes, obrigados, agora, a pedir Identidade/RG para conferir a sua idade e anotar o seu RG e a sua residência e telefone em um “receita de medicamento controlado”. Ao comprar uma latinha para fazer um retoque no carro, tive que esperar por longos minutos nesse estúpido procedimento.
    -E O QUE ADIANTOU?
    -As pichações acabaram? O único que saiu ganhando foi o dono da gráfica e o Estado com o dinheiro dos impostos.

    A FALTA DE VAGAS
    -Então se podem prender, porque não prendem, pergunta O INGÊNUO CIDADÃO DE BOA-FÉ (que, na verdade, tá mais para um romântico, leitor de José de Alencar), se já sabe quem é o bandido?
    -Estamos criando uma comissão de trabalho para o gerenciamento dos números de vagas e já nos próximos dias teremos uma efetiva resposta, dirá o ocupante de cargo de confiança, outrora empresário fracassado, agora um MENTIROSO CONTUMAZ, que preferiu ficar na mamata do cargo de confiança, ao invés de dizer que A ÚNICA AÇÃO QUE DE FATO FARÁ será a APRESSAR A LIBERAÇÃO DOS ALVARÁS DE SOLTURAS, para que surjam vagas para os bandidos novos.

    -SE EU TENHO QUATRO CARROS E A MINHA VAGA DE GARARGEM SÓ CABEM DOIS, DOIS DELES TERÃO QUE FICAR NA RUA.
    Segundo o CNJ, Brasil tem mais de 192 mil mandados de prisão aguardando cumprimento. Tanto em números absolutos quanto relativos, os estados com as maiores quantidades de mandados de prisão ainda a serem cumpridos pelas polícias são Paraná (30.431), Minas Gerais (28.641) e Goiás (20.885, onde

    A Secretaria de Segurança Pública de Goiás considera simplesmente soltar parte dos presos da cidade de Planaltina porque as duas celas da unidade têm capacidade para 05 detentos, cada uma, mas já abrigam aproximadamente 30. OS OUTROS QUE SE DANEM COM ELE!!! Nos três casos, os mandados de prisão em aberto foram expedidos pelos Tribunais de Justiça estaduais e correspondem, respectivamente, a 15,79%, 14,86% e 10,84% do total de mandados de prisão em aberto no País, que não são cumpridos por não haver lugar para colocar os novos presos.
    Mas você viu que ninguém, nenhum candidato (conforme os senhores viram no horário eleitoral) falou em CONSTRUIR CADEIAS para prender os bandidos e soltar o povo. É mais fácil ganhar com os impostos na fabricação e venda de grandes e sistemas de segurança!

    NÃO SOMOS PALHAÇOS, MAS O GOVERNO NOS TRATA COMO SE FÔSSEMOS
    Quando o Governo anuncia alguma medida para conter a violência, está apenas nos fazendo de besta, pois não existem vagas para preso no atual sistema carcerário. Só tem bandido sendo preso em flagrante, quando o policial, mesmo sabendo que A OCORRÊNCIA NÃO VAI DÁ EM NADA) não pode fugir dela) porque tem um preso sendo solto! E na hora em que são soltos, são soltos “DE FININHO” para que a imprensa não noticie e para que a VÍTIMAS E OS SEUS PARENTES não fiquem revoltadas após sofrerem A TERRÍVEL PERDA DE UM ENTEQUERIDO por uma situação de violência TOTALMENTE EVITÁVEL pelas autoridades, OMISSAS. Sabe como é: É o tal comportamento politicamente correto… “Não podemos aumentar o número de presos: queimaria o filme da ideologia”.

    OS LOBOS NÃO PODEM FICAR NO MESMO AMBIENTE QUE AS OVELHAS
    Sem bandido separado da sociedade NUNCA haverá paz no Brasil e, consequente, NUNCA poderemos ser chamados de “país civilizado”, pois a CIVILIDADE se mede pelo respeito à vida, e não pelo número de aparelhos eletrônicos nas “celas dos cidadãos.
    Para ludibriar o povo, de em quando aparecem programas como o Plano Nacional de Segurança Pública, feito pelo pomposo Fujimori Henrique Cardoso no ano 2000, o ano da imolação da professorinha do 174, e agora o PRONASCI, do Governo Lulau, e ambos não passaram e não passam de duas grandes mentiras CONFORME HOJE PROVAM, COMPROVAM E RECOMPROVAM AS ESTATÍSTICAS divulgadas diariamente pelos jornais. Jogaram para a arquibancada, onde estavam os otários de sempre…

    Abraços

  11. O Estatuto do Desarmamento foi feito sem consulta ao povo, contra a opinião do povo, por pessoas ignorantes do problema que acham que desarmar é a solução mágica, em vez de corrigir o nosso sistema policial e a nossa legislação penal, foi aprovado sem passar pela discussão em plenário no Congresso, e quando tentaram torná-lo ainda mais restritivo receberam um sonoro “Não” da população, e mesmo assim ainda não foi revisto.
    A legislação brasileira sobre armas anterior ao Estatuto já era uma das mais restritivas do mundo, na época. O que acontece é que simplesmente não era fiscalizada.
    Nos Estados Unidos (que, contrariamente ao que os desiformados daqui vivem dizendo, não têm nem um décimo dos problemas com armas que temos no Brasil – a população deles é muito maior do que a nossa, é pelo menos dez vezes mais armada, e acontecem cinco vezes menos homicídios, em números absolutos, lá do que aqui), que já que não podiam desarmar o povo porque a Constituição o proibia, criaram as “gun free zones”, principalmente nas escolas, pensando que lá dentro as pessoas estariam protegidas dos bandidos. A diretoria das escolas, sob o manto da política de “tolerância zero”, chegam a suspender crianças porque em algum desenho delas figure uma arma, ou porque brincando no recreio apontam o dedo para um coleguinha (não estou brincando, basta ler os noticiários de lá). Consequência: Quando um maluco entra numa escola e começa a atirar não há ninguém lá dentro que o possa impedir até que a polícia chegue. Agora alguns estados começam a propugnar justamente o contrário, que se treinem e armem professores para que possam interevir num caso destes.
    Outra coisa: na minha opinião o Estatuto é inconstitucional, porque cobra, e alto, pela renovação periódica do registro da arma (não pela renovação do porte, o que seria até compreensível, mas pelo simples ato de o cidadão possuir uma arma devidamente legalizada), registro que deveria ser permanente e que não implica em nenhuma despesa para o estado, com a desculpa de produzir verba para o sistema policial.
    Claro, quem não tem estas despesas é o bandido.

  12. A impunidade é o maior estímulo à criminalidade. O criminoso não precisa de ter certeza que sua vítima estará desarmada, mas que ele será punido e pagará por todos os seus atos. Se essa fosse a nossa realidade ninguém precisaria de armar-se para poder se defender. Mas como esse país esta uma bagunça e não tem rumo algum, ficamos forçados a nos armarmos para poder sequer termos uma opção de defesa. É uma pena que os bandidos não deem preferências em sua ações aos políticos corruptos.

Deixe uma resposta para Andrade Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *