Celso de Mello levou quase duas horas para dizer o SIM

Helio Fernandes

Brilhante, redundante, adjacente mas jamais imprudente, Celso de Mello pode desagradar a muita gente, mas está esclarecendo a todos, sem dúvida alguma. A interpretação do Direito e de sua aplicação, é sempre polêmica e até mesmo hostil e conflituosa. Se não fosse assim, não haveria julgamento e sim “manifestações do Poder não eleito”, como nas ditaduras citadas por Celso de Mello.

Nesse momento, afirma textualmente que “quanto mais recursos, maior a possibilidade de se fazer justiça”, um grupo quase festejou a “aceitação” dos infringentes. É possível, é possível, mas não para este repórter, que insiste em esperar, “é como voto, senhor presidente”. Não vislumbro, ainda, essa afirmação, por enquanto não cabal, pelo contrário, cambaleante”.

Às 16h10 Celso de Mello abandona o “rodeio” que eu disse agradava aos advogados de defesa, se define com a frase tão esperada: “Os embargos infringentes continuam válidos, segundo o regimento do Supremo”. Festa de um lado, movimentação perigosa nas ruas. Já definido o voto, Celso de Mello continua com a palavra, mas a ansiedade dos ministros é pelo fim de tudo, é hora do lanche, faltam 10 minutos.

E além da obrigatória prorrogação, como disse o brilhante Jorge Béja, faltam os recursos de revisão. E o também brilhante Fernando Orotavo, anteontem e ontem, me dizia: “Helio, o Celso de Mello, obrigatoriamente, tem que votar a favor dos infringentes. E tanto Béja quanto Orotavo não discutiam nem apostavam, reconheciam o IMPÉRIO e o DOMÍNIO da lei.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

28 thoughts on “Celso de Mello levou quase duas horas para dizer o SIM

  1. Desde o inicio do julgamento se comportou como um gigante, chegou a pegar bandido com pinça. Termina menor que um anão de circo holandês e sai abraçado com eles. Devem ter muito o que comemorar na vasa.

  2. Bem, o Ministro Celso de Mello foi coerente com suas sentenças anteriores, manifestando-se favoravelmente aos recursos. Agora, é só esperar ser enxovalhado por todos que não aceitam o jogo democrático. Julgamento deve ser feito por juízes e não por jornais ou revistas.

  3. Assas JB Corp, o manipulador, felizmente, está fora da condução desses autos, onde só construiu falácias.
    Agora chegou a hora de explicar porque e como montou uma offshore em Miami.

  4. Infelizmente não temos três poderes independentes, o que temos é uma tríplice aliança mancomunada a quebrar nosso pais, se os poderes não representam o povo eu me pergunto a quem eles representam? votos comprados e corruptos decidindo sobre as brechas da lei, esqueçam a palavra justiça, pois, está está longe de ser levada a sério.

    O Reinaldo Azevedo mandou bem:
    “ Raramente se viu alguém manejar com tanta destreza a virtude — as garantias do estado de direito — em favor do vício.”

  5. Creio que a frustração é geral. O que se esperava era uma decisão final e, uma palavra de respeito à nação brasileira pela formação das futuras gerações e, melhor, dentro do pensamento Constitucional de 1988. Não estamos dizendo “condene”, “absolva”, mas como escreveu um internauta, que se promova celeridade (rapidez) aos processos criminais, o que tanto ajuda na aplicação de justiça a favor e contra aos réus com resultados conhecidos em prazo razoável e que amenizam, justamente por isso, a angústia pela espera das decisões.
    O que acontece? Pronunciamentos longos, num mundo de velocidade cibernética, aulas inúteis de conhecimento, cujos conteúdos poderiam ser superficiais (“en passanti”, como gostam). Em resumo: trololó, trololó, trololó… abominável e prejudicial ao país, principalmente para a “formação” das gerações futuras. O que vem a seguir é o caos, pior do que o caos já existente. A decisão em favor dos embargos infringentes demonstrou, cabalmente, o que Rui Barbosa dissera: ‘De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. “De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. Não reconheço nada do acontecido como conceder ampla defesa e contraditório. Tudo isso preteritamente foi concedido. Malditos sejam. Que os embargos infringentes sejam, para sempre, reconhecidos com os Embargos Celso de Melo. Justa homenagem…

  6. Ao meu ver, de bem intencionado leigo, o Ministro ofereceu uma esplendida argumentação para sustentar sua interpretação ou ponto de vista a respeito da hierarquia das leis no caso da legalidade dos embargos, mas vejam bem, sobre uma opinião anteriormente expressa, se ela tivesse sido contrária, os argumentos teriam sido igualmente robustos e convincentes. O mérito está na qualidade do voto e não no acerto da decisão. Seja como for, a realidade é que o Supremo acaba de institucionalizar a impunidade na cleptocracia que vivemos

  7. Poucos percebem a condição humana com as implicações de sua mente ou consciência.

    Ontem já havia colocado que Mello tinha 2 opções: ou ser coerente com seu discurso durante todo o julgamento ou se auto-divinizar se clocando com uma sapiência além das estrela.

    Ele foi capturado por uma das armadilhas da mente, conhecida como vaidade.
    Aliás, só o fato de falar mais de 2 horas já demonstra o vedetismo que carrega, provando cabalmente seu egocentrismo.

    Mellou o Brasil.

    Mais uma vez.

  8. O tempo todo Ricardo Lewandowsik estava com um coringa nas mangas!Desde o inicio da sessão Lewandowsik estava de queixo duro, erguido para cima, desafiando a todos os presentes.
    Jogo democrático. Dizer que o julgamento não poderia ser contaminado pelas vozes das ruas. E tinha que ser seguido pela leis…tá bom, só que foi contaminado justamente pela força politica de meia duzia de canalhas. Onde está o brilhantismo?

  9. Mensaleiros ganham novo julgamento por decisão de 6×5 do Supremo Tribunal Federal. E nós ex.trabalhadores da VARIG e da TRANSBRASIL continuamos em compasso de espera esperando….esperando……esperando o trem………esperando o aumento para o mês que vem…Esperando a sorte…Esperando a MORTE…………Neste País onde bandidos de colarinho branco são premiados com novo julgamento o Povo Brasileiro é que perde e perde muito. Vergonhoso tudo isto.

  10. O ministro Celso de Mello agiu corretamente, isento, com relação aos Embargos Infringentes.
    O problema foram os quatro votos discordantes, que possibilitaram o acolhimento desse recurso.
    Caso eles não tivessem acontecido, os embargos não teriam sido reconhecidos.
    Portanto, os quatro ministros favoráveis aos meliantes é que devem ser criticados, incluindo o petista assim identificado, Tóffoli, que foi guindado ao STF com função definida, de impedir que o julgamento do mensalão tivesse o desfecho que a sociedade LÚCIDA quisesse.
    Neste particular, Hélio Fernandes escreveu muito bem, que, a culpa, deveria recair sobre Gurgel, que não pediu a sua suspeição no início do processo.
    Por outro lado, a minha idéia de que este julgamento estava com as cartas marcadas se concretiza.
    Independentemente dos holofotes, sentenças e punições prolatadas, os obstáculos às prisões estavam preparados antecipadamente com quatro ministros contestando os seus colegas, de modo que o recurso do embargo não pudesse deixar de ser aceito.
    Um plano excelente, levado a efeito com muita eficiência, para tristeza e decepção da sociedade brasileira.

  11. Realmente o crime COMPENSA…Realmente o crime COMPENSA…Realmente o crime Compensa…

    Por,estas,e outras,a TRIBUNA DA IMPRENSA(Leia-se Hélio Fernandes),e pessoal da Varig/Transbrasil,
    ficarão na ESPERA…

  12. Francisco Bendl

    O que vc disse é incoerente. Então os outros Ministros que votaram a favor dos recursos, da mesma forma que Celso de Mello, estão errados e só Celso de Mello está certo? Mesmo tendo dito exatamente a mesma coisa?
    OBS: concordo com o impedimento de Toffoli, pois foi ligado a Dirceu e não seria isento para julgar.

  13. Passos,
    Não entendeste a colocação.
    Os embargos infringentes foram aceitos por Celso de Mello porque havia a prerrogativa de QUATRO votos discordantes entre os ministros possibilitarem o acolhimento do recurso (embargos infringentes).
    Desta forma, Mello apenas confirmou o Regimento Interno do STF neste particular.
    A questão, portanto, se resume nos votos de quatro ministros que ensejaram a revisão das condenações impostas, podendo ser confirmadas ou atenuadas especificamente ao que propõem.
    Caso não houvesse os quatro votos discordantes, mas três, dois ou um, os embargos NÃO seriam acolhidos. No entanto, como este número CONTEMPLOU a exigência para que o recurso fosse aceito, Mello cumpriu o Regimento, não podendo alterá-lo sob pena de recursos internacionais que os condenados poderiam lançar mão e que o Brasil está submetido, como o de São José, mencionado pelo Celso de Mello.
    Assim, não só fui coerente como também concordei com o voto do ministro, que não poderia ser diferente, mas revoltando-me contra os que foram favoráveis aos criminosos, conforme ressaltei anteriormente, e que propiciaram os embargos infringentes serem aceitos.

  14. REAL..MENTE,Sr.Julio,cala-se os golpista. Os Estelionatários,os que saquearam os cofres Públicos,estes podem FALAR E SE REGOZIJAR…

    Estou triste,não pelo resultado,mas pelo APARTHEID do JUDICIÁRIO.
    Os Poderosos e RICOS,podem ser “julgados”novamente,e pagar vultosos honorários aos advogados.

    Os Três(3)P,Pobre,Preto,Prostituta,não tem assistência gratuita,pois a fila é imensa.

    Sr.Hélio Fernandes,e pessoal da Varig/Transbrasil,e outros, são vitimas do APARTHEID do Judiciário.

  15. Vou festejar!
    Comemorar a vitória do Estado Democrático de Direito.
    Já convoquei feijoada para sábado um churrasco na laje.
    Espero que faça sol para as crianças poderem se divertir na caixa d’água e a sogra na bacia grande.
    O cardápio será frugal, como sempre.
    Quem vier será bem vindo; o que trouxer, será importante e ajudará.
    Importa mesmo a alegria de ver os heróis da Nação um pouco mais longe da prisão preparada pelos golpistas de sempre, tendo por algoz um capitão do mato.
    PS1: Não apostei vinho, pois sou cidadão honesto; não sonego meus impostos como os dois comentaristas vigaristas e velhacos da Rede Globo, cuja maior especialidade não é jornalismo, mas sonegação de impostos.
    PS2: Direita raivosa, não chore demais; mas se não tiver jeito, chore na cama que é lugar quente.
    PS3: Cadê o 1 milhão de revoltosos que prometeram para a tarde hoje em frente ao STF?
    Agora, o povo vai mesmo é comemorar a vitória do Estado Democrático de Direito.

  16. Fancisco Bendl

    Agora compreendi seu ponto de vista.
    Mas se recorda que dentre os 4 votos favoráveis aos réus no caso do crime de quadrilha, está o voto da Ministra Carmem Lúcia, que votou contra os recursos?
    Assim, são 4 os ministros que inocentaram os réus do crime de quadrilha: Toffoli, Lewandovski, Carmem Lúcia e Rosa.
    Assim, acho improvávrl falar em manipulação.

  17. Apesar de sua postura olímpica,deu,na verdade,um chute na canela de todos os Brasileiros Decentes.Não conheço este ministrinho ou sua estória,porém tenho certeza que:humilhado ou ofendido por algo,vingou-se sadicamente do conceito simplório,pueril de crença na Justiça,DESSE POVO,por eLLLe ignorado,ou melhor,submetido a uma vingança,sabe-se lá de quê.

  18. OS BANDIDOS E CRIMINOSOS QUE AINDA ESTÃO INICIANDO CARREIRA COMO PREFEITOS, VEREADORES OU DEPUTADOS ESTADUAIS, PARA TEREM DIREITO AOS EMBARGOS INFRINGENTES TERÃO QUE TER ALGUM DOS CARGOS ABAIXO:

    Presidente e vice-presidente da República;
    Deputados federais;
    Senadores;
    Ministros de Estado;
    Procurador-geral da República;
    Comandantes da Marinha do Exército e da Aeronáutica;
    Membros do Tribunal de Contas da União;
    Membros dos tribunais superiores (STF, STJ, TST, TSE e STM);
    Chefes de missão diplomática de caráter permanente.

    PORTANTO, APRESSEM-SE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *