Há censura nos States, na Inglaterra e por aqui, também. O Blog da Tribuna, por exemplo, continua censurado no Banco do Brasil

Carlos Newton

O comentarista Cao Zone, sempre presente, lembra-nos que  em abril de 1985, numa festa no velho Teatro Casa Grande, Leblon, Rio de Janeiro, repleta da fina flor da intelligentsia carioca, o ex-deputado Fernando Lyra, então ministro da Justiça, subiu no palco para dizer sua frase mais emblemática: “A censura no Brasil acabou”.

A outra grande frase, no mesmo discurso, foi dizer que “Sarney é a vanguarda do atraso”. Na época, Sarney era presidente, e Lyra era ministro. Sarney não teve coragem de demiti-lo, Demorou mais de um ano para fazê-lo. Um bundão.

Quanto à censura, não foi bem assim. Como diz Cao Zone, daquele momento em diante, a censura não foi totalmente… censurada, embora o estado de direito, paulatinamente, fosse tomando conta do pedaço.

Quase 30 anos depois, a censura continua estendendo seus tentáculos sobre os órgãos de comunicação no Brasil e no mundo. Na Inglaterra, o jornalista Julian Assange, criador do organização WikiLeaks, continua asilado na embaixada do Equador.

Nos Estados Unidos, a emissora Press TV, do governo iraniano, O conteúdo era veiculado em inglês. O canal, no qual se tinha acesso à visão iraniana dos fatos e do mundo, transmitia notícias 24 horas por dia, de segunda a segunda.

A emissora classificou o gesto como “mais uma flagrante violação de liberdade de expressão”. O mesmo já ocorrera no Reino Unido. Também lá a Press TV foi retirada do ar.

Aqui no Brasil, o Estadão não pode falar em Fernando Sarney, essa figura impoluta da nacionalidade. E o Blog da Tribuna da Imprensa continua proibido a todos os funcionários do Banco do Brasil, por causa das matérias denunciando tráfico de influência de Rosemary Noronha naquela instituição financeira estatal.

ção

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *