Centrais Sindicais que obedeciam ao PT marcam greve nacional para o dia 30

Carlos Newton

As Centrais Sindicais passaram 12 anos em fase de hibernação, totalmente sob controle dos sucessivos governos do PT. Mas agora, às vésperas da nova eleição presidencial, justamente quando a suposta candidata petista Dilma Rousseff vem encontrando muitas dificuldades para decolar a campanha, essas entidades decidiram voltar à tona para protestar contra a atual situação.

As Centrais resolveram  ampliar a convocação do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação, marcado para o próximo dia 30, priorizando a luta pelo fim do Fator Previdenciário, redução da jornada de trabalho para 40 semanais e combate ao Projeto de Lei 4.330, que trata da terceirização.

A agenda de reivindicações inclui ainda: a luta pelos 10% do PIB para a Educação; 10% do Orçamento da União para a Saúde; transporte público de qualidade/mobilidade urbana; valorização das aposentadorias; reforma agrária e suspensão dos leilões de petróleo. Traduzindo: de repente, querem tudo o que não reivindicaram nos últimos 12 anos, só falta pediram a cura do câncer.

CONJUNTURA “FAVORÁVEL”

Em reunião segunda-feira, na sede da CUT Nacional, as Centrais avaliaram que a conjuntura é favorável à manifestação, que dará continuidade aos protestos trabalhistas iniciados dia 11 de julho em defesa da Pauta Trabalhista.

“Com os trabalhadores em campo, paralisando atividades, realizando protestos e passeatas, acumulamos força para pressionar o Congresso Nacional e o governo federal”, afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Já o presidente da UGT, Ricardo Patah, disse que o movimento sindical precisa realizar uma grande manifestação no Congresso Nacional. E o presidente estadual da Nova Central São Paulo, Luiz Gonçalves, enfatizou o compromisso de “parar onde for possível no próximo 30 de agosto”. Também participaram da reunião, o secretário-geral da CTB, Pascoal Carneiro, e o secretário-geral da CGTB, Carlos Alberto Pereira, entre outros dirigentes de Centrais.

Para o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves (Juruna), a pauta unitária dos trabalhadores tem repercutido positivamente junto às bases “e contribuído para que o papel do movimento sindical seja valorizado na mesa de negociação”.

Traduzindo de novo: as Centrais estão pouco ligando para Dilma Rousseff. Já fecharam com Lula, estão apoiando a candidatura dele e PT Saudações, como se diziam na Era do Telégrafo.

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Centrais Sindicais que obedeciam ao PT marcam greve nacional para o dia 30

  1. Não passaram só 12 meses, passaram quase todo o governo Dilma Rousseff e no governo Lula, não sairam da toca, é impressionante que só após o movimento do povo contrariado com o descaso que estes governos, federal, estadual e municipal, vem fazendo com a saúde, educação, segurança e principalmente com os idosos é que se preocuparam, mas por trás desta história há algum interesse do Friboi.

  2. Getúlio Vargas e a História.

    Há 59 anos atrás 24/08/1954 precisamente às 8,30h, Getúlio Vargas com um tiro no peito suicidou-se. Deixou uma carta testamento: Mais uma vez as forças e os interesses contra o povo coorderam-se e novamente se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam, não me combatem, caluniam, e não me dão o direito de defesa. A Lei de Lucros Extraordinários foi detida no Congresso. Contra a justiça do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar a potencialização de nossas riquezas através da Petrobrás, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente.
    Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio as infâmias , a calúnia não abateram meu ânimo.Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *