Centrão mostrou a real importância que Bolsonaro dá aos militares do núcleo duro do Planalto

Charge do Nani (nanihumor.com)

Merval Pereira
O Globo

Tudo indica que a temporada golpista está terminando, porque as instituições reagiram fortemente em todos os momentos em que Bolsonaro tentou criar clima para golpe.

A imprensa livre profissional denunciou esses movimentos e os políticos, que não tinham grande ascendência no governo, a partir de quando o centrão ganhou importância para estabilidade do governo e proteção de Bolsonaro contra o impeachment, passaram a trabalhar diante da concepção de que um golpe não serve para eles, porque perdem a sua importância num regime autoritário.

IMAGEM MILITAR – Quando o centrão começou a tomar conta do governo, naturalmente expeliu os militares. A ideia de que eles iriam controlar Bolsonaro não vingou. Viu-se que eram controlados pelo presidente, que fez com que o Exército, principalmente, se envolvesse em questões políticas, se expusesse a críticas de toda parte.

As Forças Armadas foram então recuando – não do apoio a Bolsonaro, mas da ideia de que o governo seria a recuperação do prestígio dos militares na vida nacional. Já vimos que, ao contrário, o governo prejudicou a imagem deles, que foram se recolhendo.

Alguns continuam afoitos, como o ministro Braga Netto, mas sua última declaração foi totalmente desmontada pelo centrão.

BRAGA NETTO – O ministro da Defesa sofreu uma saraivada de críticas depois que Artur Lira e Ciro Nogueira vazaram a informação de que havia ameaçado as eleições caso o voto impresso não fosse aprovado.

O que está acontecendo hoje é uma reversão. A política está dominando o governo, e vai continuar. Vão criar novos ministérios e colocar membros mais importantes do centrão no comando das pastas.

Os militares estão sendo levados ao corner, ficando no seu devido lugar, de onde nunca deveriam ter saído. O que é um avanço na democracia.

8 thoughts on “Centrão mostrou a real importância que Bolsonaro dá aos militares do núcleo duro do Planalto

  1. Honestamente, mas não entendo como pessoas esclarecidas, com curso superior, jornalistas experientes, famosos, que atuam na política durante anos a fio, ao final do texto que escreveram emitem conclusões inverossímeis, absurdas, irreais!

    Merval Pereira, a meu ver, escorregou e feio, no artigo em tela.

    “O que está acontecendo hoje é uma reversão. A política está dominando o governo, e vai continuar. Vão criar novos ministérios e colocar membros mais importantes do centrão no comando das pastas.

    Os militares estão sendo levados ao corner, ficando no seu devido lugar, de onde nunca deveriam ter saído. O que é um avanço na democracia.”

    Merval não leu o que postou.
    Se tivesse lido, teria visto que cometeu um erro imperdoável de avaliação.
    Como que a democracia terá um avanço com a criação de mais ministérios – mais despesas e cabides de emprego -, e com ministros do centrão??!!

    Por que confinar os militares nos quartéis, de onde nunca deveriam ter saído (sic)?
    Para deixar a corrupção livre, leve e solta?
    Já não basta que a omissão das FFAA com relação às crises que o Brasil vem sofrendo, e pelo fato de, exatamente, permanecerem nas casernas, não seria a causa de os poderes terem instituído a corrupção oficialmente?

    E, depois, seria interessante que Merval explicasse o seu amor pelo Centrão!!??
    Se, esta junção de quadrilhas travestidas em partidos políticos, de que forma ajudará no fortalecimento desta nossa democracia falsa, relativa, dissimulada??!!

    Sinceramente, mas o centrão ter sido elevado á condição de salvar o governo de Bolsonaro e, para o jornalista, enaltecer a democracia, esta segunda-feira promete!

  2. Caro Pereira Filho,

    Obrigado pelo apoio.

    Pois é. Democracia para uns é carta branca para usar o erário como quiserem; para os demais, é cumprir com as leis, obedecer e outorgar poderes!

    Convenhamos, um conceito questionável de democracia.

    Abração.
    Saúde e paz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *