Centro de Estudos do PT também critica Dilma duramente

Mônica Bergamo
Folha

A Fundação Perseu Abramo, centro de estudos criado e mantido pelo PT, divulga nesta segunda-feira (28) um documento com duras críticas à política econômica do governo de Dilma Rousseff.

No primeiro volume do estudo “Por Um Brasil Justo e Democrático”, que é assinado também por outras cinco entidades, o texto diz que as iniciativas do governo estão jogando o país em uma recessão e que elas interessam a banqueiros e a fundos de investimento.

A fundação é presidida por Marcio Pochmann, que presidiu o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) até 2012, é próximo do ex-presidente Lula e um dos economistas mais influentes do PT.

OPINIÃO DA MAIORIA

De acordo com dirigentes do partido, embora não seja assinado pela legenda, o documento expressa a opinião da maioria da agremiação.

“A lógica que preside a condução do ajuste é a defesa dos interesses dos grandes bancos e fundos de investimento. Eles querem capturar o Estado e submetê-lo a seu estrito controle, privatizar bens públicos, apropriar-se da receita pública, baratear o custo da força de trabalho e fazer regredir o sistema de proteção social”, afirma o documento.

O texto continua: “O ajuste fiscal em curso está jogando o país numa recessão, promove a deterioração das contas públicas e a redução da capacidade de atuação do Estado em prol do desenvolvimento. Mais grave é a regressão no emprego, salários, no poder aquisitivos e nas políticas sociais”.

TUDO ERRADO

Segundo as entidades, o pacote fiscal deteriora o ambiente econômico e social, o que enfraquece o governo e “amplifica a crise política e as ações antidemocráticas e golpistas em curso”.

O trabalho, que teve a participação de uma centena de especialistas, será lançado em um evento em São Paulo para o qual foram convidados sindicalistas, movimentos sociais e “personalidades do campo progressista”, segundo o convite.

O documento acusa os apoiadores do plano proposto por Dilma de quererem fazer regredir os avanços sociais da Constituição.

SUGESTÕES

Entre as propostas sugeridas no documento para “retirar o país da desastrada austeridade econômica em curso” estão a baixa dos juros, a retirada dos investimentos do cálculo de superavit primário, a alteração do calendário do regime de metas de inflação e a regulação do mercado de câmbio.

Os signatários defendem ainda o que chamam de duplo mandato para o Banco Central. Em vez de ter como objetivo apenas a estabilidade dos preços, a instituição deveria ter como meta também a manutenção do nível de emprego.

O texto defende a “expansão do mercado interno de consumo de massas” e chama a atenção para os cortes realizados pelo governo.

9 thoughts on “Centro de Estudos do PT também critica Dilma duramente

  1. O Centro de Estudos Econômicos do PT, Fundação PERSEU ABRAMO, presidida pelo Economista MÁRCIO POCHMANN, faz uma “choradeira” sobre os efeitos Recessivos do Atual AJUSTE FISCAL do Governo PT-Base Aliada, mas não diz NADA sobre a CAUSA do AJUSTE FISCAL do Ministro da Fazenda Sr. JOAQUIM LEVY: Deficit Fiscal Público crescente, que de +- 3% do PIB em 2010, foi para +- 9% do PIB em 2014, com viés de forte Alta. E 99% em CUSTEIO. Isso não é SUSTENTÁVEL.
    Abstraindo as 3/4 partes iniciais de DEMAGOGIA, tem uma parte interessante, as SUGESTÕES:
    1- Baixa do Juro Básico SELIC; ( Está correto, junto com alterar o calendário da Meta de Inflação de 4,5aa para 2020, podendo já a partir da próxima reunião do COPOM ir baixando gradativamente a SELIC).
    2- Retirada dos Investimentos Públicos da Meta de Superavit Primário; ( Parcialmente correto, os Investimentos Púbicos do PAC, especialmente o “Minha Casa minha Vida” deve ser aumentados para absorver DESEMPREGO, e o Superavit Primário TAMBÉM deve ser aumentado, e o que DEVE SER DIMINUÍDO é o GASTO PÚBLICO EM CUSTEIO DE PESSOAL, talvez com um esquema semelhante a Iniciativa Privada com redução de até 30% no Horário de Trabalho com redução de até 30% de Salário para os Funcionários Públicos, exceção feita à aquelas Categorias que não podem ser enquadradas em Lay-Off.
    3- Regulação do Mercado de Câmbio. ( Totalmente errado. É o último cartucho e só deve ser usado quando não se tem mais Reservas. Foi, e é o caso da Argentina. Felizmente ainda não chegamos nesse estágio. )
    4- Duplo Mandato para o Banco Central: Meta de Inflação e Manutenção de Nível Máximo de EMPREGO possível. ( Totalmente Correto. O FED opera assim. )
    5- Expansão do Mercado Interno de Massas. ( Totalmente Coreto, quanto mais CONSUMO, melhor. O problema aqui, é que a Capacidade de Endividamento de nossa População já está próxima do Ponto de Saturação, mas daqui há 12 Meses, já dá para começar Expandir. ) Abrs.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *