CGU sugere veto a Rosemary em cargos públicos por 5 anos

Natuza Nery (Folha)

O processo administrativo disciplinar da CGU (Controladoria-Geral da União) recomendou a “destituição” da ex-chefe de gabinete regional da Presidência da República Rosemary Noronha, o que a impede de trabalhar para o serviço público por prazo estimado de cinco anos.

Segundo a Folha apurou, o relatório final do chamado PAD (Processo Administrativo Disciplinar) deve ser divulgado nos próximos dias.

No final de 2012, Rosemary tornou-se um dos alvos da investigação deflagrada na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, sobre um esquema de venda de pareceres e tráfico de influência no governo.

Indiciada por formação de quadrilha, ela pediu exoneração do cargo em dezembro. À época, a Polícia Federal chegou a fazer uma busca e apreensão no gabinete paulista da Presidência.

O caso ganhou notoriedade pelo posto que ela ocupava na administração petista e pela relação próxima que mantinha com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

PELA CASA CIVIL

Paralelamente à investigação criminal, o governo abriu uma sindicância para apurar a conduta da ex-servidora. O PAD foi aberto em janeiro deste ano por recomendação de uma comissão de sindicância comandada pela Casa Civil.

A “destituição” pela CGU levaria Rose, como é conhecida, a ficar impedida de trabalhar no serviço público federal por um determinado período. O estatuto do servidor fala em um prazo de cinco anos, mas pode prever outras penalidades.

Rosemary é responsabilizada pela nomeação de dois diretores de agências reguladoras acusados, com ela, de esquema de corrupção que envolvia a venda de pareceres.

A Folha não localizou ontem à noite os advogados de Rosemary para comentar o assunto. Na ocasião da abertura da investigação, a defesa da ex-servidora negou que ela tivesse praticado qualquer irregularidade.

Em julho, o Planalto nomeou Nilza Fiuza, que foi assessora de deputados do PT, para comandar o gabinete paulistano da Presidência. Quando eclodiu o escândalo, Dilma chegou a cogitar a desativação do escritório.

OPERAÇÃO

A Operação Porto Seguro foi deflagrada em novembro de 2012 quando a PF fez buscas e apreensões em órgãos federais no Estado de São Paulo e em Brasília. O objetivo foi o de desarticular uma organização criminosa que agia para conseguir pareceres técnicos fraudulentos com o objetivo de beneficiar interesses privados.

A PF investigava se o grupo integrado por servidores públicos e agentes privados cooptava servidores de órgãos públicos também para acelerar a tramitação de procedimentos dentro do governo.

Na época foram presos os irmãos e diretores Paulo Rodrigues Vieira, da Agência Nacional de Águas (ANA), e Rubens Carlos Vieira, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O então advogado-geral adjunto da União, José Weber de Holanda Alves, também foi indiciado durante a ação e deixou o cargo que ocupava.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGOlhaí a Folha confirmando a reportagem do Blog da Tribuna, publicada segunda-feira bem cedinho. E Lula não está gostando nada dessa “fixação” do Planalto em Rosemary, que é um peixe pequeno em relação aos irmãos Vieira, que comandavam a quadrilha da Operação Porto Seguro. Lula lembra que poupou Erenice Guerra, a “favorita” de Dilma Rousseff, sem fazer carga contra ela, muito mais corrupta e enriquecida ilicitamente do que Rosemary. A vingança de Lula será maligna. Podem apostar. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

7 thoughts on “CGU sugere veto a Rosemary em cargos públicos por 5 anos

  1. Eduardo Gaievski, o pedófilo tarado petista, ex-assessor de Gleisy e Dillma, também quer o mesmo respaldo jurídico Padrão Fifa dado à Rose do Lulla (Mais de 10 advogados, caríssimos) . Vejam:

    Podendo ser condenado a 200 anos de prisão, o pedófilo Gaievski quer tratamento igual ao de Rose

    Isonomia criminosa – O advogado Natalício Farias, que representa quatro vítimas do delinquente sexual Eduardo Gaievski, ex-assessor de Gleisi Hoffmann (PT), não tem dúvidas que a pena para o pedófilo será muito alta. Pelo número de vítimas e pela gravidade dos crimes que cometeu – nada menos que 23 estupros são investigados pelo Ministério Público do Paraná e o número de vítimas pode ser muito maior – Gaievski pode ser condenado a mais de 200 anos de prisão.

    Com uma condenação dessas, Gaievski será obrigado a cumprir pena de trinta anos de cadeia (limite máximo de aprisionamento no Brasil) sem direito a qualquer tipo de progressão de regime, uma vez que o estupro de vulnerável é considerado crime hediondo. Essa hipótese apavora o ex-assessor da Casa Civil, que, como já noticiamos, começou a enviar recados ameaçadores ao PT e à própria ministra Gleisi.

    Uma das exigências de Gaievski é ter à disposição o mesmo respaldo jurídico disponibilizado pelo partido a Rosemary Noronha, amiga mais do que íntima de Lula, flagrada pela Polícia Federal no topo de uma rede de tráfico de influência que funcionava a partir do escritório paulistano da Presidência da República. Rose, como é conhecida a namorada de Lula (ela própria se apresentava assim) tem quase quarenta advogados à disposição. De acordo com a revista Veja, especialistas estimam que os honorários já ultrapassaram com folga a marca de US$ 1 milhão.

    Eduardo Gaievski, que está revoltado porque o PT e a ministra Gleisi Hoffmann simulam que não o conhecem ou que o conheciam muito pouco, não deixa por menos. Exige a mesma assistência jurídica “padrão FIFA” dada à Marquesa de Garanhuns. Do contrário, ameaça contar tudo o que sabe, começando pelo modus operandi do PT em relação às prefeituras do partido e, na sequência, as manobras que o Palácio do Planalto está permitindo para tentar eleger ministros, como Gleisi Hoffmann, para governos estaduais.

    Gaievski tem dito aos confidentes que o visitam no cárcere que tem conhecimento que a própria Rose só começou a ganhar toda a assistência jurídica e financeira que desfruta hoje após ameaçar “colocar a boca no mundo”.

    http://ucho.info/podendo-ser-condenado-a-200-anos-de-prisao-o-pedofilo-gaievski-quer-tratamento-juridico-igual-ao-de-rose

  2. Enquanto isso no Estado de São Paulo o ex-Governador Serra e o Geraldo Alkmin continuam voando em céu de brigadeiro e essa turma ai em cima não abre o bico para comentar as Falcatruas da Alstom e Siemens rolando para os bolsos dos Tucanos milhões de reais em propinas.
    Até quando os paulistas vão aguentar as maracutaia dos tucanos sempre acobertados pela Grande Mídia graças a milhões de reais despejados pelos tucanos em publicidade oficiais para que suas falcatruas não sejam devidamente investigadas.
    Vamos aguardar o Mensalão do PSDB que espero que entre na Pauta do Supremo em 2014 e vamos ver como se comporta o Barbosa, o Mendes, o Fux e o Marco Aurélio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *