Charge do Sponholz

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – O ex-presidente Lula vibrou com a vitória da seleção brasileira sobre o Japão. Mas a jogada que mais o entusiasmou aconteceu pouco antes do jogo começar, quando a presidente Dilma Rousseff foi vaiada ao entrar em campo, digo, ao entrar no camarote do estádio. Rosemary Noronha, companheira de viagens de Lula, também vibrou com o jogo, digo, com as vaias. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

7 thoughts on “Charge do Sponholz

  1. A vaia vale para qualquer que esteja insatisfeito com o caminho da política, há jornais como o “jornal do Brasil”, que coloca a elite de Brasilia como insatisfeita, será que só tem elite no estádio Mané Garrincha?
    Não entendo esta defesa de certos jornais, a imprensa deve ser independente, procurar relatar o ocorrido e não ficar procurando meios de mudar uma manifestação sadia, se vaiou é porque algo está errado e ela, a presidente, que procure consertar para não ser vaiada.

  2. Burrice ir a jogo esperando aplausos. Vaias , ou aplausos, são iniciados por uma só pessoa. Os outros são macacos e acompanham.
    Já vi orquestra sinfônica ser vaiada no Festval de Música de Daytona Beach. E cantores clássicos serem aplaudidos freneticamente, sem razão alguma, como o bolachudo Luciano Pavaroti.
    Tenho suspeitas de que o Apóstolo Paulo, ou o tal de Miguel Ângelo, que se autoentitula apóstolo na Praça Seca, Jacarepaguá, hoje seria vaiado se fosse pregar, ou aparecer, nas passeatas de Lésbicas, Gays e Trans-Sexuais. E o deputado/pastor Feliciano?

  3. Deve estar havendo um plano com relação à presidente Dilma perder votos e, indiscutivelmente, ele parte do próprio PT!
    Lula quer ser convocado para ser o candidato do partido em 2014 à presidência, e não disputá-lo nas prévias com Dilma, pois perderia prestígio político, diferentemente se nas pesquisas os índices da presidente despencassem e a salvação à manutenção do PT no poder seria Lula como candidato.
    As manifestações contra o aumento das passagens de ônibus, as mais incisivas dos últimos tempos, a economia estagnada, o Brasil carente de infraestrutura, o dinheiro fabuloso gasto nas obras à Copa do Mundo e DESVIADO pelas construtoras que aumentam seus custos sem qualquer fiscalização em razão da premência que fiquem prontas antes do início do primeiro jogo, as vaias no Mané Garrincha, dão a entender que a presidente não navega mais em águas calmas ou voa em céu de brigadeiro.
    A sua imagem está gasta, seu discurso não empolga como antes, sua indefinição quanto aos rumos da economia preocupam, a verdade é que Dilma corre sérios riscos de perder a vaga para seu colega de partido a continuar o Brasil voltado agora à Copa e eleições em 2014, acontecimentos simultâneos que deverão ser muito bem administrados, sob pena de o povo e nação brasileira perderem com ambos, incluindo a Dilma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *