Chute no traseiro

15

Tostão (O Tempo)

A construção de estádios belíssimos, modernos e caríssimos, sendo que alguns deles se transformarão em elefantes brancos, como o de Brasília, com custo de R$ 1,3 bilhão, me lembram dos enormes estádios, maiores que os atuais, feitos pela ditadura. Eram também bonitos e caros, para a época. Atuei na inauguração do estádio de Erechim, no Rio Grande do Sul, onde havia mais lugares no estádio do que moradores na cidade.

Felizmente, vivemos na democracia. Mas a megalomania e a politicagem são as mesmas. Não há razão para 12 novos estádios. Empresários perceberam que vários dos muitos hotéis que estão sendo construídos em Belo Horizonte podem se tornar também elefantes brancos.

O secretário da Fifa, Jérôme Valcke, disse, na semana passada, que, se falhasse a venda de ingressos, mereceria um chute no traseiro. Já pode levar.
As manifestações contra os gastos da Copa e contra a falta de soluções para os graves problemas sociais são bem-vindas e legítimas, desde que sejam sem violência, dos dois lados. Tiro de bala de borracha pode matar.

Para entender melhor alguns detalhes, vi, novamente, parte do jogo contra o Japão. Houve mais lançamentos longos e chutões do que tinha notado. Os zagueiros fizeram isso por falta de opção no passe. A saída de bola continua ruim. Luiz Gustavo joga muito atrás, e Paulinho, muito à frente. Um longe do outro. Falta um volante, que toca, avança, recebe e comanda o jogo. Não temos esse craque. O ataque depende demais de estocadas isoladas.

Depois de ver novamente a partida, mudei minha nota para Neymar. Em vez de sete, passo para oito, pelo golaço e pela atuação durante o jogo.
Ontem, a Itália foi muito melhor que o México. Dominou a partida, perdeu gols e teve um claro pênalti, a seu favor, não marcado. O time italiano mostrou suas virtudes, Balotelli, De Rossi e, especialmente, Pirlo, e suas deficiências, falta de melhores laterais e de um companheiro para Balotelli. A Itália cansou no segundo tempo. O calor será um forte aliado do Brasil, na Copa das Confederações e no Mundial.

E O MÉXICO?

O México atuou mal, como nas eliminatórias. Será que vão jogar bem contra o Brasil?

Hoje, no Mineirão, teremos o grande clássico entre Nigéria e Taiti. As escolas e as repartições públicas não funcionarão. As pessoas que precisam se locomover vão ficar em casa, com medo de engarrafamentos e da burocracia da Fifa. A Copa das Confederações existe para teste e para a Fifa faturar duas vezes.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

2 thoughts on “Chute no traseiro

  1. Copa? Neymar? Fala sério! Queremos saúde; queremos educação; queremos políticos corruptos e suas famílias sentenciadas à pena de morte; queremos preços justos não só no transporte público, mas também em todos os bens de consumo – esseciais e não essenciais. Chega de alícotas absurdas que, no fundo, só servem para bancar “farras”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *