Ciro Gomes quer asilar Lula numa embaixada para evitar que ele seja preso

                        Em campanha para 2018, Ciro começa a ter ideias

Maria Lima
O Globo

Pré-candidato para a disputa à Presidência da República em 2018, pelo PDT, o ex-ministro Ciro Gomes não descarta a possibilidade de um gesto extremo de “solidariedade pessoal”, se o juiz Sérgio Moro ou outra autoridade decretar a prisão do ex-presidente Lula em uma situação que ele considere “fora das regras do estado democrático de direito”: formar um grupo de juristas, “sequestrar” o ex-presidente e levá-lo a uma embaixada com pedido de asilo para que ele possa se defender “de forma plena e isenta”.

O ex-governador do Ceará disse que a ideia surgiu na época em que o ex-presidente foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para depor em São Paulo.

— Pensei: se a gente formar um grupo de juristas, a gente pode pegar o Lula e entregar numa embaixada. À luz de uma prisão arbitrária, um ato de solidariedade particular pode ir até esse limite. Proteger uma pessoa de uma ilegalidade é um direito — disse Ciro ao Globo.

Segundo o ex-ministro e ex-governador, essa medida pode ser pensada, “dependendo da qualidade da decisão” da Justiça em relação ao ex-presidente.

— Hoje, não enxergo motivos para uma prisão de Lula, embora eu esteja muito irritado com sua frouxidão moral. É obra dele a criação dessa linha sucessória que ai está. Quem criou esse monstro Eduardo Cunha foi Lula — disse Ciro.

CRÍTICAS A DILMA – O presidenciável, no entanto, criticou a decisão da presidente afastada, Dilma Rousseff, de nomear Lula ministro da Casa Civil para obter foro privilegiado, com o objetivo de evitar uma prisão. Também condenou o uso do aparato presidencial para visitar o ex-presidente em São Bernardo (SP), em ato de desagravo.

— A Dilma indicar o Lula para o ministério, para evitar a prisão foi um disparate. Ela ultrapassou os limites do cargo. Não podia envolver a Presidência da República. Tinha que ter feito um gesto de solidariedade pessoal, não com o uso do cargo. Agora, no meu caso, se acontecesse uma prisão arbitrária do Lula, seria um gesto de solidariedade particular, formar o grupo de juristas para preparar a defesa e sequestrá-lo para uma embaixada — disse Ciro.

O ex-ministro disse que apoia a Operação Lava-jato, mas considera as prisões temporárias uma espécie de tortura para obrigar os presos a fazer as delações premiadas. Sobre a condução coercitiva de Lula, ele disse ter sido um ato descabido e criminoso, já que o ex-presidente nunca se negou a comparecer para depor e prestar esclarecimentos sobre as denúncias.

33 thoughts on “Ciro Gomes quer asilar Lula numa embaixada para evitar que ele seja preso

  1. Formar um grupo de juristas ????
    JAMAIS DARIA CERTO.
    Seria necessário formar um grupo de PILANTRAS.

    PS
    O ministério da saúde adverte:
    FUMAR MACONHA ESTRAGADA FAZ MAL A SAÚDE.

  2. Criar embaraços para dificultar a ação da Justiça também dá enquadramento e o mentor pode ser, também, só por propagar a ideia, conduzido coercitivamente e preso, antes de desfechar o seu intento, né? Hehehehehe!

  3. …nois aqui do CE sabe quem é ciro e inté sua vida particular, que nois não fala prum mode não acordar as cabras, mas politicamente ele é zero à esquerda…nos doi muito saber que Cristovam Buarque inda tá neste PDT…ô xente, seu bixim….

  4. Palavras do Ciro

    “Ministério público é o caralho! Não tenho medo de ninguém. Da imprensa, de deputados. Pode escrever o caralho aí”

    Ciro Gomes (PSB-CE), deputado, ao negar, à sua maneira, que dera passagens da Câmara a parentes.
    Fonte: Folha Online
    23/04/2009

  5. Cruz, Credo! E um homem que concebe um plano assim ainda quer ser presidente da República! No nosso ordenamento jurídico não existe a configuração típica do tão falado crime de “obstrução da justiça”. É uma expressão que mais serve para o povo entender. É uma expressão mais jornalística, como “pedaladas”. Tudo isso é bastante criativo.

    Mas o que Ciro Gomes planeja é, em tese, a prática de um dos chamados “Crimes contra a administração da justiça”, que vão do artigo 338 a 359 do Código Penal. Especificamente o crime do artigo 348, denominado de “Favorecimento pessoal”:

    “Artigo 348 – Auxiliar a subtrair-se à ação de autoridade pública autor de crime a que é cominada pena de reclusão”.

    Pena – detenção, de um a seis meses, e multa.

    § 1º – se ao crime não é cominada pena de reclusão:

    Pena – detenção, de quinze dias a três meses.

    A declaração de Ciro Gomes não passa de um plano “dependendo da qualidade da decisão”. Ou seja, caso Ciro entenda que o decreto de prisão não é de boa qualidade, ele põe em prática o plano.

    É óbvio que o plano de Ciro Gomes é dirigido ao juiz Sérgio Moro, que agora tem o ex-presidente sob sua jurisdição. Não será surpresa que, com a divulgação da notícia dos planos de Ciro Gomes, que o próprio Juiz Moro, ou a procuradoria-geral da República em Curitiba instaure inquérito para que Ciro Gomes venha se defender desse plano de favorecimento pessoal em benefício de Lula e em detrimento da ação da Justiça. Ciro atenta contra a Democracia, contra o Estado Democrático de Direito, contra a instituição da Justiça, contra um dos poderes da República, o Judiciário. E quem atenta contra o Judiciário, atenta contra a República.

  6. Do ponto de vista jurídico e social, perfeito o comentário de Jorge Beja.

    Pelo lado cômico da proposta de Ciro Gomes, talvez o presidente ideal do “grupo de juristas” seria o juiz Lalau, que é do ramo.

    Por outro lado, o Barão de Itararé deve estar dizendo no túmulo: “Teori, Teori, por qual razão levar os processos do chefe da organização criminosa para Brasília ? Não seria melhor que fossem julgados em Curitiba, onde não há embaixadas de países bolivarianos ?”

  7. Simples senhores da Justiça Federal….Prendam os dois bem juntinhos na Papuda, todos dois desrespeitaram as leis, a Constituição do Brasil e nosso Ordenamento Jurídico com essa CONFISSÃO/RECADO DA DUPLA, então..PAPUDA NELLES !!

  8. Eu sempre ouvi falar em “doido da pedra”, mas não sabia o que era. Agora sei.
    O Ciro gomes é o autêntico exemplar de doido da pedra. Sair com uma conversa dessas, não pode estar em seu juízo normal.
    Agora, se a maluquice for levada pra valer, sugiro então que se leve o lula para a Embaixada de Honduras, e se faça lá o mesmo que o Manuel Zelaya fez com a embaixada brasileira.
    Como na diplomacia tudo é por conta de reciprocidade, chegou a hora de dar o mesmo tratamento a Honduras.

    • Uma nova delação premiada, firmada com a Procuradoria-Geral da República, aponta o suposto repasse de propinas milionárias para senadores do PMDB, entre eles o presidente do Congresso, Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Eduardo Braga (AM).

      Nelson Mello, ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas, afirmou em depoimento aos procuradores que pagou R$ 30 milhões a dois lobistas com trânsito no Congresso para efetuar os repasses.

      Lúcio Bolonha Funaro e Milton Lyra seriam os responsáveis por distribuir o dinheiro para os senadores. Mello depôs em fevereiro e, em seguida, deixou o cargo que ocupava no Hypermarcas.

      Em comunicado, a Hypermarcas diz que não é alvo de investigações e que não se beneficiou de atos praticados pelo ex-executivo do grupo Nelson Mello. Todos os parlamentares citados negam envolvimento em irregularidades.

      A Procuradoria-Geral da República vai pedir ao Supremo Tribunal Federal que as afirmações envolvendo os políticos sejam investigadas. O relato não é alvo de inquérito na Operação Lava Jato. O Estado apurou que as informações repassadas por Mello referem-se à atuação de parlamentares na defesa de interesses da empresa no Congresso.

      Os lobistas, segundo Mello, diziam agir em nome de políticos e que estes poderiam tomar iniciativas de interesse da empresa e do setor no Congresso.

      Segundo o delator, Lúcio Funaro se dizia “muito próximo” do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e de outros peemedebistas da Casa. Já Milton Lyra afirmava agir em nome dos senadores “da bancada do PMDB” que teriam sido destinatários da maior parte da propina.

      Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo

  9. E a esgotosfera tentou vender a imagem de mais um alma honesta.

    ‘Palocci solicitou R$ 15 milhões para Delfim Netto’ em Belo Monte, diz empreiteiro
    Por Fausto Macedo, Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fábio Serapião/Brasília
    28/06/2016, 04h11

    O empresário Otávio Marques Azevedo, presidente afastado da Andrade Gutierrez, afirmou em sua delação premiada, que o ex-ministro da Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil) cobrou o repasse de R$ 15 milhões, referentes aos contrato de na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, para economista Defim Netto – ex-ministro da Fazenda na ditadura e um dos principais conselheiros do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Parte dos valores teria sido repassado ao PT via doações oficiais nas campanhas de 2010, 2012 e 2014.
    “Antonio Palocci, provavelmente em São Paulo, solicitou ao declarante o pagamento de R$ 15 milhões para Delfim Netto dedutível do 1% de propina a ser paga”, afirmo o presidente afastado da Andrade, em seu termo de delação sobre Belo Monte. “A empresa atendeu essa determinação de Palocci, porém descontou o valor pago a Delfim do montante total solicitado aos partidos PMDB e PT, em partes iguais.”
    Palocci foi ministro da Casa Civil do governo da presidente afastada Dilma Rousseff e um dos principais responsáveis por sua campanha em 2010. Outros delatores da Lava Jato haviam revelado sua suposta participação em propinas. Por meio de sua defesa, ele afirmou, em outra ocasião, que “jamais solicitou de quem quer que seja dinheiro ilícito”.
    Presidente afastado da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, revelou em sua delação premiada a atuação do ex-ministro do milagre econômico e do amigo de Lula José Carlos Bumlai na corrupção nas obras da usina e que valores foram abatidos da propina do PT e do PMDB – paga em doações eleitorais

  10. Certas pessoas fazem muitas coisas para aparecer. Se fosse mulher bonita, poderia aparecer nua. Como não é, faz declarações. Mas, neste caso, penso que ele acabou dizendo aquilo que todo mundo pensa que o molusco irá fazer. Não acredito que o molusco tenha coragem para ficar aguardando ser preso.

  11. O que o Temer falou com o Eduardo Cunha domingo a noite ??? Seria sobre quem é o Aloísio do Sérgio Guerra ???

    A única coisa real que ocorreu é que a quadrilha botou uma plaquinha : Sob Nova direção…,

  12. Art. 26 – Inimputáveis

    Art. 26 – É isento de pena o agente que, por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

    Redução de pena

    Parágrafo único – A pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, em virtude de perturbação de saúde mental ou por desenvolvimento mental incompleto ou retardado não era inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento.

    Comentários:

    “Entende-se como incapazes as pessoas que não podem compreender, no momento da ação ou omissão,a ilicitude nos fatos, que não podem responder pelos seus atos. Nesse caso são doentes mentais, pessoas com desenvolvimento mental incompleto/retardado e menores de idade. À esses são aplicados a inimputabilidade.”

    “Esqueceu de citar os em embriaguez completa acidental.”

    “sim, pois o relativamente capaz terá redução de pena de 1/3 a 2/3 conforme parágrafo único e assim encaminhado ao sistema prisional.”

  13. Ciro Gomes disse que Patricia Pilar tinha um dos papeis mais importantes – dormir com ele. Francamente, depois de uma “declaração de amor” desta merecia que ela chutasse a traseira dela e se mandasse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *