Cobrança de Mandetta em entrevista sobre “fala única” é vista como provocação pelo Planalto

Mandetta marcou posição e mostrou que não vai ceder

Deu no O Tempo

A entrevista do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta ao Fantástico, da Rede Globo, na noite deste domingo, dia 12, foi encarada por interlocutores e integrantes do Palácio do Planalto como uma provocação ao presidente Jair Bolsonaro, com quem trava uma guerra pública sobre medidas de enfrentamento ao novo coronavírus.  

Na avaliação inicial deles, Mandetta não apenas voltou a contrariar as opiniões do presidente, mas a fala à emissora que Bolsonaro costuma classificar como “inimiga” também foi vista como uma afronta. Outro ponto que não passou despercebido foi o fato de a entrevista ter sido gravada no Palácio das Esmeraldas, na sede do governo de Goiás.

EX-APOIADOR – O governador Ronaldo Caiado (DEM) rompeu no mês passado com o presidente, após Bolsonaro se referir à covid-19 como uma “gripezinha” e ter incentivado as pessoas voltarem à “normalidade” para evitar um colapso econômico.

No sábado, dia 12, Mandetta e Caiado condenaram a atitude de Bolsonaro, que após visitar ao lado deles a construção de um hospital de campanha em Águas Lindas (GO), foi a encontro de apoiadores, cumprimentou pessoas e tirou a máscara, que usava inicialmente. Depois que Bolsonaro voltou para Brasília, o ministro e o governador seguiram juntos para Goiânia.

DESDOBRAMENTOS – Os desdobramentos sobre a entrevista de Mandetta são esperados para o início da manhã desta segunda-feira. Um integrante do alto escalão do governo, que acompanha de perto o desentendimento, considerou a entrevista “menos grave” do que se esperava. Ponderou, no entanto, que é preciso aguardar a reação de Bolsonaro.

Na crise do novo coronavírus, o presidente tem se aconselhado com os três filhos mais velhos. Principalmente, com o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), que viajou com o presidente a Águas Lindas.

RECADO –  Na avaliação de políticos, Mandetta usou a entrevista para marcar posição e mandar recado que não vai ceder. O ministro cobrou uma unificação do discurso para orientar a população.

“Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, uma fala unificada. Isso leva para o brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se escuta o ministro da Saúde, o presidente, quem é que ele escuta”, disse Mandetta.

Mandetta também criticou o comportamento de pessoas que têm furado o isolamento social. Citou como exemplo uma ida a padaria, exatamente como o presidente fez na semana passada,  acompanhado do ministro da Infraestrutra, Tarcísio de Freitas, e o filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

EQUÍVOCO –  “Quando você vê as pessoas entrando em padaria, supermercado, fazendo fila, piquenique isso é claramente uma coisa equivocada”, avaliou o ministro.

O ministro da Saúde ainda citou as notícias falsas que circulam na internet, dizendo que o coronavírus é uma invenção. Em grupos de WhatsApp de bolsonaristas e em perfis nas redes sociais de apoio ao presidente, as teorias negando o vírus e minimizando a doença são populares.

“Tem muita gente que gosta da internet. Que vê que é fake news dizendo que é invenção de países para ganhar vantagem econômica ou vê complô mundial.” Os dados atualizados até este domingo apontam 1.223 mortes no País em decorrência da covid-19. No mundo, o total de vítimas já ultrapassou 114 mil.

“INDO EMBORA” – Em outro contraponto ao presidente, Mandetta alertou que o período mais preocupante da crise da covid-19 ainda não chegou. Neste domingo, em uma live com lideranças religiosas, Bolsonaro disse que “o coronavírus está começando a ir embora”.

“No mês de maio, junho, teremos os dias muito duros. Dias em que seremos tachados. ‘Ah, vocês não fizeram o que tinham de fazer, ‘deviam ser mais duros’, ‘menos duros, porque a economia está assim’. Sempre vai haver os engenheiros de obra pronta. Serão dois, três meses de muitos questionamentos das práticas”, disse Mandetta.

QUEBRA DE PROTOCOLOS – Bolsonaro defende um isolamento seletivo, restrito para idosos e pessoas dos grupos de risco, como forma de reduzir o impacto da pandemia sobre a economia. O presidente tem 65 anos, mas não tem respeitado o distanciamento social recomendado pelas autoridades sanitárias.

A entrevista à Globo foi uma decisão individual de Mandetta. No final de março, o Planalto resolveu unificar a comunicação sobre a crise do coronavírus. Com isso, as entrevistas de todos os ministros passaram a ser concedidas na sede do Executivo.

Na semana passada, diante de rumores de uma demissão e após uma reunião tensa com o presidente, Mandetta também decidiu dar uma entrevista no Ministério da Saúde sem o conhecimento do Planalto.

PAZ – Na ocasião, admitiu que seus auxiliares na pasta chegaram a limpar suas gavetas. Em um pronunciamento à imprensa, Mandetta pediu “paz” para trabalhar e reclamou de  críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho.

A interlocutores, no entanto, o ministro tem confidenciado que gostaria que Bolsonaro o demitisse, mas mantém a posição de não tomar a iniciativa de deixar o governo com receio de ficar com o ônus de ter abandonado “o barco” no momento de crise.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGAinda não se sabe se Bolsonaro, leia-se Carluxo, partirá mais uma vez para o revide. Mas, logo cedo, ao ser questionado sobre a entrevista de Mandetta, Bolsonaro se limitou  a dizer que não assiste a Globo, encerrando a conversa com seu tradicional “tá ok?”. Infantil e escorregadio, como sempre faz. (Marcelo Copelli)

28 thoughts on “Cobrança de Mandetta em entrevista sobre “fala única” é vista como provocação pelo Planalto

  1. O Brasil no seu monocórdio Fla x Flu e, como CN muito bem pontuou sobre a China, vamos engolindo dados sobre a pandemia que vão do ilógico ao ridículo com altas doses de manipulação.
    Se você soma os casos de covid da Líbia (25/1), Sudão 19/3 e Etiópia 74/3 (terra do sincero tedros) você tem 118 e 6 mortes. Menos do que Copacabana com 120 e 9 óbitos.
    3 países que, poucos meses atrás, enviavam migrantes e eram rota para a…Itália.
    Além disso a Tunísia que fica a uns 150 km da Sicília tem 707/31.
    E são estes números que a OMS não questiona, nem os do país do sincero tedros.
    E vamos nos guiando por esta suprema organização que sempre disfala o que falou semanas depois. Quando já é tarde.

  2. “Luiz Henrique Mandetta poderia ter escolhido qualquer lugar para dar a entrevista de domingo 12 ao Fantástico, mas escolheu o Palácio do governo de Goiás, cujo titular, Ronaldo Caiado, além de fiador de sua indicação à pasta da Saúde, é um franco antagonista do presidente da República no combate à crise sanitária.” (Dora Kramer – Veja)

    Aí não. Em sendo isso verdade, acho que o ministro pisou na bola, passando do âmbito técnico para o âmbito político. Essa é a desgraça.

    Já começo a desconfiar da idoneidade desse ministro.

    • 22.169 infectados … 1.223 mortos … 173 apenas se recuperaram. Milhares dos 20.773 restantes pedindo pelo_amor_de_Deus para aparecerem entre os recuperados. Mas, se forem divulgados, vão acabar a mamata, a vagabundagem, a chantagem, o cinismo.

  3. Provocação? Tolice. só asnos que torcem por mais mortes e infectados pensam(??) assim. O ministro, com altivez, firmeza, isenção, bom senso e, sobretudo espírito público, exortou união de decisões. Diálogos grandiosos com parceria pela vida. Acorda, Bolsonaro!

  4. KKK neste show de horror que se transformou a condução da pandemia no Brasil, todo mundo quer posar de bonzinho, de dono da verdade e de ter a solução para o insolucionável. Sabendo que já era e até com emprego novo garantido, o ministro da Saúde dá o seu showzinho, cutucando o chefe, sabendo que até o fim deste imbroglio todo fica ministro. E o boçal sabe que hoje é refém deste e de mais alguns outros ministros, gente que já deve ter escrito a carta de renúncia. Esta pandemia transformou-se em um espetáculo de vaidades, de uma guerra desenfreada de egos, onde todos queremos ser protagonistas com tanto que não peguemos a tal “gripezinha”.

  5. “Na crise do novo coronavírus, o presidente tem se aconselhado com os três filhos mais velhos. Principalmente, com o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), que viajou com o presidente a Águas Lindas.”… Isso resume boa parte do problema…

  6. Por que a Covid-19 devasta o Norte da Itália e não o Sul? Teria o vírus ficado menos potente?
    Mundo 13.04.20 14:33
    Há um mistério na Itália: por que a epidemia de Covid-19 devasta o Norte do país e não o Centro-Sul da Bota?

    Esperava-se, por exemplo, que as milhares de pessoas que saíram de Milão em direção ao Sul, principalmente, para fugir do confinamento, propagassem o coronavírus de tal maneira que a doença fizesse ainda mais vítimas na parte menos rica da península. Não foi o que ocorreu até o momento… O ANTAGONISTA

  7. Seria divertido, se não fosse trágico, o caos no mundo com o COVID-19.

    A claque de Bolsonaro não admite que se conteste Bolsonaro NEM QUANDO ESTÃO EM JOGO VIDAS HUMANAS!

    Bolsonaro é o cara, o canal, o irado, aquele que orienta.
    Contra a sua aversão ao isolamento social, que o seu ministro da Saúde tanto insiste para ficarmos em casa, o presidente deve e precisa se render às evidências:
    120 mil mortos no mundo, hoje, amanhã será bem mais, e cerca de 1.300 vítimas no Brasil.

    Não creio que esses poucos mil e tantos óbitos, o presidente concorda que morreram porque iriam morrer de qualquer jeito, então não há necessidade alguma de isolamento social porque rebentará com a economia do país!

    De certa forma, a insistência de Bolsonaro pela economia, que o dinheiro é superior à vida, que o trabalho se faz necessário para o engrandecimento do país, revela o pensamento do Planalto com relação ao povo, ou seja, somos absolutamente descartáveis, seres inferiores e, se temos essa vida de carências, foi porque Deus quis assim!

    Mandetta está certo.
    Mostrou dignidade, honra e profissionalismo.
    Bolsonaro quanto mais demorar para demiti-lo, pois o impasse está criado há tempo e, ontem, em entrevista à Rede Globo, arqui-inimiga do presidente, Mandetta foi claro:
    Quem morrer porque desobedeceu as orientações dadas pela Saúde, que puxe os pés de Bolsonaro quando estiver dormindo, e o assuste.

    A situação de Bolsonaro é mesmo delicada, por mais que seus defensores e admiradores dizem o contrário.
    Se não demitir Mandetta, perdeu a sua autoridade;
    se manter Mandetta, mostra que está engolindo cobras e lagartos porque assim lhe foi determinado!

    Acertei na mosca quando usei a Mitologia Grega para o meu amigo Jacob;
    O mito do labirinto onde se escondia o monstro MInotauro.
    Se Teseu matasse a fera, jamais sairia do labirinto.
    Auxiliado por Ariadne, a cada passo que entrava na caverna deixava atrás de si um fio, que seria o seu guia no retorno à luz.
    Deu certo, o monstro já era, e o guri escapou do labirinto.

    Bolsonaro imaginou ser o Teseu.
    Precisava matar o monstro que vem arrasando com a nossa economia, escondido lá no fundo do labirinto.

    Quixotescamente, nosso herói entra nesse emaranhado de caminhos porque corajoso, destemido, valente.
    Mas, a sua força física não está de acordo com a sua inteligência, que é fraca, claudicante, confusa, e deixou de levar o novelo de linha que demarcaria o seu retorno.

    Bolsonaro foi enfrentar o Minotauro/economia, sem orientação de como sair do labirinto, e descobriu que havia duas feras:
    a economia, e mais a vida dos brasileiros.

    Tá num beco sem saída, legitima e literalmente!

      • Tá me tirando, Marcos?

        NÃO TEM no governo de Bolsonaro alguém quem possa orientá-lo.
        Talvez não por incompetência dos assessores, mas ele não ouve quem quer que seja!

        Não vai sair dessa enrascada por falta de objetivo, e porque não se preocupou um minuto que fosse com o povo, só com a economia!

        Morto por ter cão, morto por não tê-lo.

        Te cuida.

  8. Abril e Maio:
    https://noticias.r7.com/saude/relatorio-feito-por-mandetta-preve-pico-de-covid-19-em-abril-e-maio-07042020

    Maio/Junho
    https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2020/04/12/mandetta-diz-que-maio-e-junho-terao-dias-muito-duros-e-defende-o-isolamento.ghtml

    Junho/Julho
    Eu, Abrahão Moyses Renée y Alfinete:
    Vagabundos que não gostam do trabalho dizem que pico da coronavid será entre Agosto e Dezembro. A menos que Brasília tenha milhões de mortos, há, na verdade, muitos palpiteiros de merda.

    Correio Braziliense, 05/04/2020: “No Centro-Oeste, de acordo com os números do Ministério da Saúde, são pelo menos 708 casos confirmados e 12 mortes. Desses números, a maioria está concentrada no Distrito Federal, que tem ao mínimo 468 pessoas diagnosticadas com Covid-19 e sete mortos pela doença.”

  9. Abril e Maio:
    https://noticias.r7.com/saude/relatorio-feito-por-mandetta-preve-pico-de-covid-19-em-abril-e-maio-07042020

    Maio/Junho
    https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2020/04/12/mandetta-diz-que-maio-e-junho-terao-dias-muito-duros-e-defende-o-isolamento.ghtml

    Junho/Julho
    Eu, Abrahão Moyses Renée y Alfinete:
    Vagabundos que não gostam do trabalho dizem que pico da coronavid será entre Agosto e Dezembro. A menos que Brasília tenha milhões de mortos, há, na verdade, muitos palpiteiros de merda.

    Correio Braziliense, 05/04/2020: “No Centro-Oeste, de acordo com os números do Ministério da Saúde, são pelo menos 708 casos confirmados e 12 mortes. Desses números, a maioria está concentrada no Distrito Federal, que tem ao mínimo 468 pessoas diagnosticadas com Covid-19 e sete mortos pela doença.” Ó xente !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *