Começou com compreensão, carinho, confiança. Os governantes fizeram o que os manifestantes esperavam: aumentaram todo o transporte. Protestaram, eram contra serviços vexaminosos, nada mudou, apoio, aplauso, nenhuma preocupação. Agora, assombro, perplexidade, medo visível, o que vai acontecer? Violência e mais violência. As Instituições NÃO funcionam. Como SATISFAZER a INSATISFAÇÃO?

Helio Fernandes

No início foram inteligentes. Aparentemente e declaradamente combatiam os péssimos serviços de transportes, ônibus, trens, metrôs. Do Rio e São Paulo, preventivamente contra a exploração, mas também repudiando o aumento geral que já se anunciava.

E como os governantes não governam nem raciocinam, não perceberam nada, aumentaram as tarifas, na certeza de que, como sempre, tudo seria assimilado.

Os manifestantes estavam nas ruas, timidamente, em número não elevado,
mas já consistente. Acreditavam que o protesto atingira apenas ônibus, subsidiados pelos governos. Mas as críticas atingiram também trens e metrôs, nada funciona. Aí já eram multidões, cada vez maiores, os governadores e prefeitos “se surpreenderam”, a única palavra que conseguiam pronunciar.

Logicamente, somado com a idiotice dos que não sabem ver, ouvir ou compreender: “Não voltaremos atrás, o aumento dos preços é para valer”. Primeiro, Alckmin e Haddad. Logo seguidos na arrogância, incompetência e imprudência pelo Rio, Cabral e Eduardo Paes.

A selvageria da repressão incendiou os protestos. Que cresceram com a volta de Paris, e Alckmin, afrontosa e vergonhosamente justificando e defendendo abertamente a Polícia Militar. (Haddad mais contido, sem defender a violência, mas também sem um gesto para reprimi-la).

Aí não havia mais volta, os governantes do Rio e São Paulo, apavorados, mudaram de rumo e de rota, apressadamente decidiram cancelar os aumentos, já determinados em quase todas as capitais e cidades importantes. Só que nesse momento já não era o Passe Livre contra os meios de transportes, e sim um movimento de centenas de milhares, com objetivos bem delineados, decididos, declarados conscientemente.

Já não era mais reivindicação circunstancial, insatisfação ampla, geral e irrestrita. E o Rio e São Paulo só dominavam a repercussão por serem os mais populosos e importantes. Mas essa INSATISFAÇÃO, assim, bem grande, porque sem que os governantes, cientistas, analistas marqueteiros percebessem, a palavra devassou o país inteiro.

Aí, as televisões, que cobriram tudo, dia e noite, não havia mais “programação ou grande a cumprir”, deram aula de cobertura, de civismo de um lado e violência de outro, até mesmo de Geografia, Juazeiro do Norte, com seu prefeito encurralado e preso por 7 horas, ganhou projeção nacional, poucos sabiam onde ficava.

E logo surgiram outras quase 100 cidades, grandes, médias e pequenas, que passaram a protestar, a se manifestar, a mostrar que existiam.

SURGE O “PEQUENO GRUPO” DE
VÂNDALOS E BADERNEIROS, REPUDIADOS
MAS ATINGINDO OS MANIFESTANTES PACÍFICOS

Já passaram a existir os choques de desordem dentro de um movimento que se auto-intitulava de pacífico, e parecia mesmo. Mas os assaltos que começaram insensível e insensatamente na Assembleia Legislativa do Rio, foram se alastrando, aumentando, ganhando proporções nacionais e colossais. E se em algum momento os protestantes iniciais recriminaram esses “vândalos e baderneiros” (expressão deles mesmos), no correr dos dias a impressão é de que não havia mais a discordância entre eles e com eles.

Como tudo é muito confuso, fora de foco, espalhado e sem comando, pelo menos suposto, fica difícil analisar para localizar propósitos e objetivos acrescentados à perspectiva inicial. Os manifestantes do Passe Livre teriam perdido espaço no movimento? Essa perda de espaço seria conseqüência, constatação e concessão deliberada?

Continuamos analisando tudo que vemos ou sabemos, mas os fatos agora caminham ou despencam com tal velocidade que visíveis mesmo só o fogo, a depredação, a tentativa de destruir o que aparece pela frente. Ou não aparecem, são provocados.

E surge então a pergunta inquietante: esses VÂNDALOS e BADERNEIROS continuam em PEQUENO GRUPO? A partir de determinado instante, eles passaram a se constituir no GRUPO DOMINANTE dentro do que era PACÍFICO e encantava pela conscientização.

AS INSTITUIÇÕES NÃO AGUENTAM O
TRANCO, COMO ATENDER OS PROTESTOS

Concedidos ou conquistados os pedidos ou exigência da redução das tarifas em quase todo o país, os governantes foram surpreendidos pelas afirmações do grupo protestante: “A redução dos preços dos transportes era um ponto de partida, jamais foi o nosso objetivo ou o ponto de chegada”.

Já havia colocado essa questão antes, não me surpreendi, não me revoltei, não me arrependi do apoio que dei e continuo dando à INSATISFAÇÃO, palavra que uso desde que tudo começou, e acrescentei todos os dias, nos títulos e nos comentários: “O POVO ESTÁ NAS RUAS”.  Apesar de tudo, já com muitas dúvidas a respeito de quem quer e de quem não quer alguma coisa viável dentro do movimento.

OS PROTESTOS NÃO PODEM PARAR.
MAS SEM PERPLEXIDADE E MEDO

Os manifestantes dominaram as ruas até anteontem, quinta-feira, chegando até a madrugada de ontem, sexta. Mas agora houve mais violência do antigo “pequeno grupo” de baderneiros e desordeiros do que antes. As tentativas de assaltar a Alerj do Rio, quase brincadeira diante do vulto das tentativas contra a Prefeitura também no Rio, e principalmente os assaltos quase consumados em Brasília.

Foi assustador, não pelos propósitos de invasão, mas pelas forças poderosas, civis e militares, que “convidaram” a entrar no ringue. Quase todos concordaram que a luta é de 15 rounds, mas não podem desafiar para enfrentar, forças as mais poderosas. É preciso expurgar esses vândalos, da mesma forma como expulsaram políticos “veteranos, corruptos e sacanas”, que pretendiam fazer parte do POVO ESTÁ NAS RUAS.

Por que chamar para a luta os que estavam adormecidos, desinteressados, nem atentos nem observadores. O pessoal do Movimento Passe Livre não pode ir para casa. A noite da revolta e o dia da RENOVOLUÇÃO ainda não terminaram. Mas têm que lutar com convicção, objetivos claros, reivindicações não de longo prazo, pois tudo se perderá no tempo. Às ruas ou permaneçam nas ruas, mas sem provocar pânico como na quinta e quase sexta-feira.

A RENOVOLUÇÃO, QUE PREGO HÁ
ANOS, E QUE CHAMEI ASSIM PARA QUE
NÃO PENSASSEM QUE ERA REVOLUÇÃO, QUE
MUITOS LIGAM LOGO À GUERRA CIVIL

Obrigado a Luiz de Moraes Rego, que publicou ontem, integralmente, meu manifesto de anos e anos que denominei de RENOVOLUÇÃO, pelos motivos que expliquei. Com esse serviço que agradeço de coração, não preciso republicar o que escrevi e repeti tantas vezes. Basta acessá-lo e verificar que tudo o que é preciso fazer está nessa R-E-N-O-V-O-L-U-Ç-Ã-O.

Reforma política, eleitoral, partidária, mudanças no Congresso, na forma de eleição. Escrevendo há anos, está a palavra muito usada pelos jovens do Passe Livre inicial: “Representatividade”, que da forma como se “consegue”, não representa coisa alguma. O que dizem hoje os jovens que nem eram nascidos quando escrevi tudo isso. Mas tive sempre o cuidado de LUTAR POR RESULTADOS e não de chegar ao Poder pela violência. Leiam o que foi transcrito pelo Moraes Rego e se manifestem.

O PRESIDENCIALISMO COM
PLURIPARTIDARISMO, IMPOSSIBILIDADE
DE GOVERNABILIDADE
ESTÍMULO MAIOR À CORRUPÇÃO

Se os manifestantes pretendem ganhar a luta, têm que extirpar e expulsar a violência e concentrar as reivindicações em alvos que podem ser conquistados, tendo como exemplo maior o fim da CORRUPÇÃO. No início isso era citado, mudaram para outros objetivos.

Existem duas formas de combater a CORRUPÇÃO. A imediata, que é mais fácil, a do sistema de governo velho e envelhecido, que é o presidencialismo com pluripartidarismo.

É impossível governar com esse sistema político-partidário corrupto e corrompido. Todos os males surgem dessa anomalia e traição à democracia. Com 513 deputados e 81 senadores que não REPRESENTAM coisa alguma, mas dominam o Poder, não há GOVERNABILIDADE.

A cada votação, seja quem for o presidente e o partido que estiver no Poder, é indispensável NEGOCIAR. Traduzindo: é preciso entregar pedaços inteiros do patrimônio nacional aos 29 partidos e 39 ministros que compõem o sistema. Com destaque para o PMDB, que jamais quer ter candidato a presidente, prefere participar da divisão, sempre mais voraz do que os outros.

No meu manifesto da RENOVOLUÇÃO, todos os partidos são obrigados a terem, SEMPRE, candidato a presidente da República. Se os partidos se organizam, se estruturam e existem para cumprirem seus projetos e planos de administração, têm que chegar ao Poder. E como realizarão alguma coisa, sem candidatos a presidente?

PS – Apoiamos todas as reivindicações provocadas pela INSATISFAÇÃO legítima dos jovens que assistem o tempo passar sem que nada aconteça.

PS2 – Como INSATISFAÇÃO das mais positivas, as que ligam BILHÕES e BILHÕES com as obras “faraônicas” (desculpem) da Copa do mundo, que garantiam: “Todos os estádios serão construídos com recursos privados”. Tudo foi feito com dinheiro público.

PS3 – Em suma, a luta continua, é imperioso que se mantenha. Mas sem a violência de quinta e de quinta para sexta. E com objetivos que possam ser obtidos a curto prazo, para que então se prepare a modificação do sistema de governo e logicamente da falsa REPRESENTATIVIDADE.

PS4 – Podemos adotar o PARLAMENTARISMO, pelo qual grandes brasileiros lutaram e quase conseguiram na Constituinte de 88.

PS5 – Ou então o PRESIDENCIALISMO com BIPARTIDARISMO, como nos EUA, que há 224 anos começaram e até hoje só têm dois partidos. Isso não é passaporte para a eficiência, mas pelo menos impede que os aproveitadores consigam transpor, tranquilamente, a alfândega da irresponsabilidade e da corrupção.

PS6 – Para terminar por hoje: é indispensável que os jovens que começaram o Movimento Passe Livre apareçam, mostrem a cara, possam se transformar em referência ou alternativa.

PS7 – Não quero de jeito algum que abandonem as trincheiras, bem ao contrário, Mas alguém precisa de REPRESENTATIVIDADE, conquistada nas ruas.

PS8 – As ruas não estão órfãs, mas correm o risco de se confundirem com os aqueles aos quais combatem, deixarem que eles se levantem da lona.

PS9 – É preciso espírito e disposição de Cassius Clay, que lutou contra um governo para não ir combater numa guerra (o Vietnã) que não era dele. Perdeu o título de campeão do mundo, que lhe roubaram, mas ganhou o respeito do mundo. Com o nome de Muhammad Ali.

PS10 – O Movimento Passe Livre anunciou ontem à tarde que as manifestações em São Paulo estão suspensas. Não informou por que São Paulo, onde a violência da repressão diminuiu muito.

PS11 – Por que não em Brasília? Lá os encontros entre manifestantes e policiais atingiram o clima de histeria e confronto aberto. Não houve informação mais detalhada.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

33 thoughts on “Começou com compreensão, carinho, confiança. Os governantes fizeram o que os manifestantes esperavam: aumentaram todo o transporte. Protestaram, eram contra serviços vexaminosos, nada mudou, apoio, aplauso, nenhuma preocupação. Agora, assombro, perplexidade, medo visível, o que vai acontecer? Violência e mais violência. As Instituições NÃO funcionam. Como SATISFAZER a INSATISFAÇÃO?

  1. Caro Helio, permita assinar embaixo, análise perfeita, lembro Gandhi que derrotou a Inglaterra com seus canhões de domínio, de forma pacifica, sem dar “um tapa”, apenas com o AMOR à Pátria e seu povo, libertando a Índia de jugo inglês.
    Ideia e Ideal fraterno de respeito ao Direito à Vida Digna, está escrito a 2 mil anos, o Evangelho de Jesus, o CRISTO de DEUS.
    Que Deis te abençoe.

  2. Ações do radicalismo anárquico acuam governos e ameaçam o estado democrático

    Milton Corrêa da Costa

    O que só era imaginável, até os dias de hoje, em violentos protestos e rebeliões ocorridos em países árabes e europeus, na luta por ideologia política partidária, fundamentalismo religioso, lutas por territórios, repulsa a regimes ditatoriais e diferentes manifestações contra crises no sistema econômico, agora chegou ao Brasil. Impressionantes as lamentáveis cenas de depredação do patrimônio público e privado vistas na última quinta-feira, 20 de junho, em diversas cidades do país, num movimento que tem ao mesmo tempo os dois lados da moeda; o pacifismo e o anarquismo. A Copa das Confederações virou a Copa das Manifestações.

    Alguns episódios desse contexto violento, com contaminação progressiva, chamaram atenção para as ações descontroladas onde manifestantes radicais atacam diferentes alvos pela violência e onde cada um age por si e ao mesmo tempo por todos, aproveitando o anonimato da turba, onde as lideranças são descentralizadas, se comunicam em rede pela Internet e não aparecem para negociar se declarando desvinculadas de partidos políticos. A ideia- força é a luta pela melhor qualidade de vida para o povo e o fim da corrupção. .

    Estamos, portanto, diante de um fato de características sui generis onde cientistas sociais e políticos não conseguem explicar. Observem que até um carro de uma emissora de TV, no Rio, foi incendiado. Se querem repercussão de mídia sobre as manifestações que se apresentavam primeiramente contra aumento de passagem de transportes, por que danificar um carro da imprensa?

    Em Brasília, durante as ações de vandalismo desta quinta-feira, uma senhora, que acompanhou com os dois filhos menores, de 8 e 10 anos, as manifestações, disse a uma emissora de rádio que a partir de agora, após assistir as cenas de tentativas de destruição, “se orgulhava de seu país e do que os filhos testemunharam”. Difícil entender uma reação como essa.

    O fato é que os governos e suas estruturas de inteligência policial, e principalmente a Agência Brasileira de Informações (ABIN) foram surpreendidos pelo fato novo e não se sabe ao certo quem são os líderes negativos que empreendem ações de terrorismo urbano arremessando bombas incendiárias contra tudo que vem pela frente, com os rostos encobertos. O que é pior: não se sabe quem comanda e até onde o preocupante contexto vai se estender e a que nível a ordem institucional estará ameaçada.

    Ninguém, num estado democrático de direito, está impedido de manifestar-se livremente dentro dos limites da ordem pública. Reivindicar saúde eficiente (morrer sem atendimento médico num corredor fétido e superlotado de um hospital é desumano), moradia digna, educação,segurança relativa, transporte público de qualidade e o fim da corrupção que desvia dinheiro público para o bolso dos ladrões. além de leis mais duras contra os criminosos é um direito que todos reivindicam, desde que os movimentos reivindicatórios se desenvolvam pacificamente.

    A persistir os atos de vandalismo- a porteira foi aberta- com perigosa ameaça à ordem pública e à ordem institucional, não restará outra alternativa aos governos estaduais e ao governo federal em especial, fazer uso dos remédios constitucionais com adoção de medidas necessárias para a manutenção da lei e da ordem, inclusive com o emprego das Forças Armadas. Nesse caso aumenta-se o poder do estado e restringe-se direitos e garantias individuais. Os tanques de guerra então sairão às ruas para conter a desordem. Incômoda decisão para Partido dos Trabalhadores. O anarquismo virou fato real. O capitalismo selvagem e excludente é a causa principal das rebeliões no mundo.

  3. REMESSA DE ARTIGO

    Ações do radicalismo anárquico acuam governos e ameaçam o estado democrático

    Milton Corrêa da Costa

    O que só era imaginável, até os dias de hoje, em violentos protestos e rebeliões ocorridos em países árabes e europeus, na luta por ideologia política partidária, fundamentalismo religioso, lutas por territórios, repulsa a regimes ditatoriais e diferentes manifestações contra crises no sistema econômico, agora chegou ao Brasil. Impressionantes as lamentáveis cenas de depredação do patrimônio público e privado vistas na última quinta-feira, 20 de junho, em diversas cidades do país, num movimento que tem ao mesmo tempo os dois lados da moeda; o pacifismo e o anarquismo. A Copa das Confederações virou a Copa das Manifestações.

    Alguns episódios desse contexto violento, com contaminação progressiva, chamaram atenção para as ações descontroladas onde manifestantes radicais atacam diferentes alvos pela violência e onde cada um age por si e ao mesmo tempo por todos, aproveitando o anonimato da turba, onde as lideranças são descentralizadas, se comunicam em rede pela Internet e não aparecem para negociar se declarando desvinculadas de partidos políticos. A ideia- força é a luta pela melhor qualidade de vida para o povo e o fim da corrupção. .

    Estamos, portanto, diante de um fato de características sui generis onde cientistas sociais e políticos não conseguem explicar. Observem que até um carro de uma emissora de TV, no Rio, foi incendiado. Se querem repercussão de mídia sobre as manifestações que se apresentavam primeiramente contra aumento de passagem de transportes, por que danificar um carro da imprensa?

    Em Brasília, durante as ações de vandalismo desta quinta-feira, uma senhora, que acompanhou com os dois filhos menores, de 8 e 10 anos, as manifestações, disse a uma emissora de rádio que a partir de agora, após assistir as cenas de tentativas de destruição, “se orgulhava de seu país e do que os filhos testemunharam”. Difícil entender uma reação como essa.

    O fato é que os governos e suas estruturas de inteligência policial, e principalmente a Agência Brasileira de Informações (ABIN) foram surpreendidos pelo fato novo e não se sabe ao certo quem são os líderes negativos que empreendem ações de terrorismo urbano arremessando bombas incendiárias contra tudo que vem pela frente, com os rostos encobertos. O que é pior: não se sabe quem comanda e até onde o preocupante contexto vai se estender e a que nível a ordem institucional estará ameaçada.

    Ninguém, num estado democrático de direito, está impedido de manifestar-se livremente dentro dos limites da ordem pública. Reivindicar saúde eficiente (morrer sem atendimento médico num corredor fétido e superlotado de um hospital é desumano), moradia digna, educação, segurança relativa, transporte público de qualidade e o fim da corrupção que desvia dinheiro público para o bolso dos ladrões. além de leis mais duras contra os criminosos é um direito que todos reivindicam, desde que os movimentos reivindicatórios se desenvolvam pacificamente.

    A persistir os atos de vandalismo- a porteira foi aberta- com perigosa ameaça à ordem pública e à ordem institucional, não restará outra alternativa aos governos estaduais e ao governo federal em especial, fazer uso dos remédios constitucionais com adoção de medidas necessárias para a manutenção da lei e da ordem, inclusive com o emprego das Forças Armadas. Nesse caso aumenta-se o poder do estado e restringe-se direitos e garantias individuais. Os tanques de guerra então sairão às ruas para conter a desordem. Incômoda decisão para Partido dos Trabalhadores. O anarquismo virou fato real. O capitalismo selvagem e excludente é a causa principal das rebeliões no mundo.

  4. Deu no jornal:

    “O senador (Cristovam Buarque) disse que assinou, na quinta-feira (20), com mais seis senadores, uma proposta de Assembleia Constituinte exclusiva para fazer, no prazo de um ano, a reforma política.”

    É isso ou ficar enxugando gêlo.

  5. Agora Helio!!! O senhor antes das manifestações escrevia como ser fosse um Pelé, Ronaldo, Arnaldo Jabor, um Sérgio Cabral,,,(UM OMISSO). achava que as manifestações era UMA TOLICE. E hoje escreve que: viu…!!! eu tinha alertado!!!, viu ia acontecer!!!. Acho que isso é muito feio. E saiba que haverá uma greve nacional e em que lado o senhor estará? ANTES DE ESCREVER BOBAGENS AGUARDE OS ACONTECIMENTOS

  6. UMA CORREÇÃO NO TEXTO ANTERIOR

    Ações do radicalismo anárquico acuam governos e ameaçam o estado democrático

    Milton Corrêa da Costa

    O que só era imaginável, até os dias de hoje, em violentos protestos e rebeliões ocorridos em países árabes e europeus, na luta por ideologia política partidária, fundamentalismo religioso, lutas por territórios, repulsa a regimes ditatoriais e diferentes manifestações contra crises no sistema econômico, agora chegou ao Brasil. Impressionantes as lamentáveis cenas de depredação do patrimônio público e privado vistas na última quinta-feira, 20 de junho, em diversas cidades do país, num movimento que tem ao mesmo tempo os dois lados da moeda; o pacifismo e o anarquismo. A Copa das Confederações virou a Copa das Manifestações.

    Alguns episódios desse contexto violento, com contaminação progressiva, chamaram atenção para as ações descontroladas onde manifestantes radicais atacam diferentes alvos pela violência e onde cada um age por si e ao mesmo tempo por todos, aproveitando o anonimato da turba, onde as lideranças são descentralizadas, se comunicam em rede pela Internet e não aparecem para negociar se declarando desvinculadas de partidos políticos. A ideia- força é a luta pela melhor qualidade de vida para o povo e o fim da corrupção. .

    Estamos, portanto, diante de um fato de características sui generis onde cientistas sociais e políticos não conseguem explicar. Observem que até um carro de uma emissora de TV, no Rio, foi incendiado. Se querem repercussão de mídia sobre as manifestações que se apresentavam primeiramente contra aumento de passagem de transportes, por que danificar um carro da imprensa?

    Em Brasília, durante as ações de vandalismo desta quinta-feira, uma senhora, que acompanhou com os dois filhos menores, de 8 e 10 anos, as manifestações, disse a uma emissora de rádio que a partir de agora, após assistir as cenas de tentativas de destruição, “se orgulhava de seu país e do que os filhos testemunharam”. Difícil entender uma reação como essa.

    O fato é que os governos e suas estruturas de inteligência policial, e principalmente a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) foram surpreendidos pelo fato novo e não se sabe ao certo quem são os líderes negativos que empreendem ações de terrorismo urbano arremessando bombas incendiárias contra tudo que vem pela frente, com os rostos encobertos. O que é pior: não se sabe quem comanda e até onde o preocupante contexto vai se estender e a que nível a ordem institucional estará ameaçada.

    Ninguém, num estado democrático de direito, está impedido de manifestar-se livremente dentro dos limites da ordem pública. Reivindicar saúde eficiente (morrer sem atendimento médico num corredor fétido e superlotado de um hospital é desumano), moradia digna, educação, segurança relativa, transporte público de qualidade e o fim da corrupção que desvia dinheiro público para o bolso dos ladrões. além de leis mais duras contra os criminosos é um direito que todos reivindicam, desde que os movimentos reivindicatórios se desenvolvam pacificamente.

    A persistir os atos de vandalismo- a porteira foi aberta- com perigosa ameaça à ordem pública e à ordem institucional, não restará outra alternativa aos governos estaduais e ao governo federal em especial, fazer uso dos remédios constitucionais com adoção de medidas necessárias para a manutenção da lei e da ordem, inclusive com o emprego das Forças Armadas. Nesse caso aumenta-se o poder do estado e restringe-se direitos e garantias individuais. Os tanques de guerra então sairão às ruas para conter a desordem. Incômoda decisão para Partido dos Trabalhadores. O anarquismo virou fato real. O capitalismo selvagem e excludente é a causa principal das rebeliões no mundo.

  7. Por julgar oportuno,reproduzo um comentário meu a respeito da coluna do Carlos Chagas, de ontem, 21/06/13.

    Franklin Pereira

    junho 21, 2013 até 1:33 pm · Reply

    “Falta-lhes um programa, um roteiro”.
    Sim, mas com que líder ou com qual liderança? A última ditadura matou no nascedouro, praticamente até os dias de hoje, a renovação natural das lideranças. Às novas, faltam-lhes experiência para condução de um país como o nosso, em seu estágio atual. Até gostaria que assumissem essa liderança alguns dos poucos políticos sabidamente comprometidos com o Brasil, em atividade desde antes de 64 mas cuidadosamente alijados pelo pacto da governabilidade que detém o poder e assola o país. Mas terão eles, além da vontade, disposição e energia para esse sacrifício? Rezo para que esse movimento não se perca. Participo com minha filha de 17 anos das manifestações de rua e será um desastre se, prematuramente, “o sangue desse movimento errar de veia e se perder” como diz Chico Buarque em um de seus poemas.

  8. Há os que não tem poder de agregação,
    pelas condições naturais.
    A lista de reivindicações é enorme,
    porque a ineficiência governamental
    é enorme, indescritível…
    – “Anunciado há dois meses
    pela presidente Dilma Rousseff,
    o último pacote de medidas contra
    a seca, estimado em R$ 9 bilhões,
    demora a chegar ao semiárido.”
    – “Máquinas de combate à seca estão quebradas”.
    etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc,…
    Tudo é anunciado com POMPA E CIRCUNSTÂNCIA mas
    execução, a execução, deixa para lá…

  9. Tem mais é que continuarem se manifestando e quebrando… As vozes ainda não foram ouvidas: pois as resoluções dos problemas no Brasil passa por uma melhor distribuição dos poderes.
    Só absurdos que a presidente falou ontem. O que deveria propor, que é um novo pacto federativo, reforma de todo sistema tributário, declínio de excessos de competências, poderes da União em favor dos Estados e Municípios.
    O Brasil é muito grande e diferente para continuar concentrado na União o poder de ditar o rumo de muitas políticas via inovações legislativas e sistema tributário injusta. Abaixo o centrismo! Por uma melhor redistribuição de competências.

    • Ao menos percebo que até antes do quebra-quebra o que se ouvia dos políticos é: não vamos baixar a tarifa, não há como diminuir etc. Só a partir daqueles atos é que voltaram atrás para revogar o aumento.

  10. E NADA de tornarem mais justas as alíquotas do Imposto de Renda. Hoje as faixas são: quem recebe até R$ 1.710,78 ficará livre do imposto, é isento. Acima desse valor, até R$ 2.563,92, a alíquota é de 7,5¨%. Acima deste, até R$ 3.418,59, é de 15%. E acima deste, até R$ 4.271,59, é de 22,5%. Por fim, acima de R$ 4.271,59 é de 27%, pura e simplesmente, igualzinho a quem ganha 20 mil, 40 mil, 100 mil por mês. Mas governo e políticos não estão nem aí.

    Lembrando que, segundo interpretação oficial do governo Federal, através de sua Secretaria de Assuntos Estratégicos – SAE -, as classes sociais no Brasil classificam-se pelos seguintes padrões: uma família com renda de R$ 291,00 a R$ 1.019,00 por pessoa, e menos de R$ 2.038,00 por família, é classe média. Acima destes valores é classe alta (esta subdividida em baixa-alta, média-alta e alta).

    Conforme noticiado em diversos veículos de comunicação, a realidade brasileira, em termos de custos reais para o cidadão consumidor, justifica considerar como valor mínimo para manutenção da pessoa e sua família, o salário necessário divulgado segundo estudo do DIEESE, que é de R$ 2.873,56 (o atual é de R$ 678,00). E isso o mínimo, hein! – ou seja, para aquelas profissões que não requeiram maior formação, apenas nível fundamental.

    • Veja que interessante: se uma família com renda de R$ 291,00 a R$ 1.019,00 por pessoa, e menos de R$ 2.038,00 por família, é classe média. Acima destes valores é classe alta (esta subdividida em baixa-alta, média-alta e alta). Aí é fácil dizer que aumentou a classe média. Mas quando que o governo federal vai cair na real e não manipular as estatísticas?

  11. Prezado Sr. Antonio Apa. Saudações.

    Laboras em erro, e cometes Injustiça, ao escrever que o Jornalista Sr. Hélio Fernandes escrevia “defendendo o status quo”, que as Manifestações eram “Tolice”, que hoje escreve que: ” eu vi, eu alertei, ia acontecer”.
    Leitor diário e mensalista do Tribuna da Imprensa onLine, nunca vi tal coisa, especialmente no compreensivo e brilhante artigo de hoje. O que sempre li, foi o Sr. Hélio Fernandes pregando a Reforma Política, RENOVULAÇÃO, que consertaria +- 80% dos problemas do nosso atual confuso e desorganizado Sistema Político, causa maior da CORRUPÇÃO. Se, a cada ano, +- 10% do PIB (Produto Interno Bruto), 10% de R$ 5.000 Bi = R$ 500 Bi precisam “vir para a Política para manter o Sistema”, E VEM, isso não se consegue de maneira Ética de jeito nenhum. Com relação aos Protestos, o Sr. Hélio Fernandes sempre escreveu mostrando como o Movimento deveria ter ” Objetivos Bem Claros, e um de Cada Vez”, para que fossem efetivos seus efeitos. O Sr. Hélio Fernandes, há 93 anos vem defendendo o Povo do Brasil, o Nacionalismo e o Desenvolvimentismo de nossa querida Pátria. Abrs.

  12. Não se pode resolver nenhuma crise com medidas demagógicas como essa absurda da criação de uma Constituinte Exclusiva. Insistem nisso repetidamente. Não seria mais razoável respeitar e cumprir a Carta Magna em vigor? Se a nossa Constituição de 1988 ainda requer Regulamentação em vários dispositivos, qual a razão da criação de mais artigos?

    Estão tentando criar um monstro perigoso, destinado a suprimir as liberdades individuais, submeter as decisões da Suprema Corte ao crivo do Congresso, só para ficar nessas duas mais urgentes.

    No Egito incendiado pela Primavera Árabe também exigiram uma Assembleia Constituinte, pois bem, o que já era ruim ficou pior nas mãos do representante da Irmandade Muçulmana. Hoje a nação egípcia está a direita do ditador Hosni Mubarack e as manifestações na Praça Tahir são apenas lembranças de uma primavera que se esperava de muitas flores democráticas.

    Pensem bem nisso, aqueles que inventam soluções onde não existem campos para florescer a plantinha tenra e frágil das instituições democráticas.

    • O que se propõem na assembleia constituinte é a elboração da reforma política, dentro do prazo de 1 ano. a menos que estejavamos satisfeitos com esse estado de bandailheira reinante.
      A mídia (absolutamente ninguém, diga-se), deu destaque ao Voto em Separado à CPI da dívida pública, onde o relator Dep. Pedro Novais???????????????(PMDB/MA)”…ter reconhecido, dentre
      outros aspectos, que a dívida atual é produto principalmente das altas taxas de juros –
      assumindo, portanto, que a dívida tem sido meramente financeira, não possuindo a
      devida contrapartida em bens e serviços que contribuíssem para o desenvolvimento
      econômico e social do país – seu Relatório inexplicavelmente concluiu pela não
      existência de qualquer irregularidade no endividamento, rejeita a idéia de uma Auditoria
      da Dívida e sequer cogita o encaminhamento dos documentos ao Ministério Público
      para o aprofundamento das investigações. Este posicionamento do Relator viola a
      própria Constituição, em seu Artigo 26 do ADCT, que determina a realização da
      Auditoria, até hoje não cumprido. Cabe recordar que em 2004, a Ordem dos Advogados
      do Brasil impetrou junto ao Supremo Tribunal Federal a Ação de Arguição de
      Descumprimento de Preceito Fundamental nº 59, exigindo o cumprimento do referido dospositivo constitucional, historicamente violado.”
      Devolvo a pergunta: Não seria mais razoável respeitar e cumprir a Carta Magna em vigor?

  13. Para começar temos que PRENDER os corruptos, vamos anistia-los? Em todo país civilizado quem erra é punido não importa se é presidente, governador etc… Esse LULADRÃO TARADÃO tem que ser punido, não pode ficar ai BILIONÁRIO, com o dinheiro ROUBADO do povo como se nada houvesse acontecido. A Argentina um país minúsculo em relação ao
    Brasil, puni seus presidentes e nós aqui com essa imprensa tendenciosa só defendendo ladrões tipo SARNEY, COLLOR, FHC, LULADRÃO TARADÃO.
    Vamos fazer para valer pelo menos mais uns 500 anos, e não um faz de contas. O STF TEM QUE ACABAR LOGO COM O JULGAMENTO DO MENSALÃO E BOTAR NA CADEIA ESSES CRÁPULAS.
    COMO ENTENDER GENOÍNO E JOÃO PAULO CUNHA VOTANDO LEI NESSE PAÍS. ISSO É UM ABSURDO.

  14. Subscrevo as palavras do comentarista Flávio Bortolotto.

    Não sei onde o Sr. Antônio Apa leu aqueles comentários, mas tenho certeza absoluta que não foram do jornalista Hélio Fernandes. Leio-o a mais de 35 anos e seus artigos sempre foram pautados na linha ampla das liberdades democráticas. O maior de nossos jornalistas, sem sombra de dúvidas é um antecipador dos fatos, um analista genial e com um grau de acertos assustador.

    Quando ia frequentemente a Brasília saía cedo do hotel para comprar um exemplar da Tribuna da Imprensa, invariavelmente já tinha esgotado. Os políticos, os empresários e os poderosos corriam para adquirir o jornal impresso para saber o pensamento do jornalista nas páginas três e sete, ainda não havia a possibilidade da leitura on-line.

    Se houvesse o Prémio Nobel para jornalistas, Hélio ganharia todos os anos inapelavelmente. Leia com atenção a análise de Hélio Fernandes de hoje! Nenhum comentarista, sociólogo, marqueteiro, embaixador, desses que aparecem analisando os fatos para as redes de Tv a cabo diariamente chegou perto da perfeição do relato sintético e ao mesmo tempo profundo das manifestações surpreendentes.

    Se a Presidente da República lesse os artigos de Hélio Fernandes, não perderia tempo em consultas quiméricas aos seus auxiliares mais destacados, ao contrário, ganharia tempo e teria uma visão sensacional da realidade para sua tomada de decisão. No entanto, creio que nenhum auxiliar irá colocar em sua mesa de leitura o pensamento de Hélio Fernandes. Uma pena para ela e para nós brasileiros. Já o maior de nossos presidentes, Juscelino, não só lia Hélio todos os dias como o levou na comitiva internacional após ser eleito presidente.

    Alea jacta est

  15. A coisa complica em países com educação precária e pior, de qualidade precária. É inacreditável. Se sabe que a USP, nossa menos pior universidade está lá pelos 140º lugar no ranking mundial.
    É estarrecedor o que se ensina aos pobres jovens que ingressam nessas universidades de mentirinha, principalmente na área de humanas, em que não se aproveita nada. Só para dar um exemplo concreto, uma dessas universidades, a UFOP, criou um centro de divulgação do comunismo e a turminha desse centro, com “professores” e alunos fizeram até camiseta com a foice e o martelo.
    Há que se fazer exceção nas universidades, que a área de exatas ainda se salva muita coisa.
    Enfim, em países assim, as pessoas com baixíssima cultura, principalmente daqueles que frequentam escolas, a suscetibilidade a fantasias de mundo perfeito e falsa-moral das ideologias e religiões, com suas promessas de salvação da humanidade, atingem como uma pedra de crack os alunos, que ficam viciados como os jovens que vemos por aí nas ruas. Hediondo.
    A realidade é essa, e esse governo comunista se comporta como todos que existiram e ainda existem. Os dirigentes vivem às mil maravilhas usufruindo dos prazeres do poder. Estão tão corrompidos por ele, que não percebem nada da vida da população e fazem o mesmo que em todos esses países se fez e ainda fazem com em Cuba: só propaganda. Numa dessas o bando dirigente até afirmou que agora, com ele, acabou a pobreza e quem ganha 300 reais é classe média.
    Enfim, com mentiras e muita corrupção, a turma do poder vive a velha e boa doença dos dirigentes comunistas ou mesmo de outras ideologias. Não querem largar o osso e para isso mentem o tempo todo. Mas ainda querem mais, pois há problemas que precisam corrigir. Problemas deles, claro . Não do povo. Querem acabar com a liberdade de imprensa e já colocaram a PEC 37 para ser aprovada para acabar com as investigações do Ministério Público. Este mesmo que colocou os bandidos do PT sob as barras do STF, que transparentemente os condenou. Contudo pasme, o povo, eles não estão na cadeia e tudo indica que não serão presos como qualquer cidadão do povo, quando condenado.
    É o poder minha gente. Eles estão com ele.
    Ao povo, propaganda.

  16. José Guilherme, saudações.
    Dilma não tem condições para debater com um mosquito, quanto mais com um Gigante.
    E este debate, que nunca acontecerá, teria que ser AO VIVO e transmitido em rede nacional, “horário nobre”. Dilma só debaterá se a entrevista for uma entrevista “volei” (como o Helio sempre registrava): “Você levanta … e eu corto”. Há! Há! Há! E para ISSO … ela conseguirá muitos “entrevistadores” (argh!!!).
    Um dos entrevistadores perguntaria:
    “Excelentíssima, Ilustríssima, Maravilhosíssima, Extraordinaríssima Senhora Doutora Dilmíssima Rousseffíssima. Na qualidade de Estadista Conceituadíssima, pergunto por que o povo brasileiro é tão injustíssimo com a Senhora? A Senhora é tão maravilhosíssima!!!”
    Neste momento … eu pediria desculpas … mas estaria me lembrando do queridíssimo (aí sim!!!) Jaguar e VOMITARIA !!!
    (é claríssimo que o entrevistador ganharia um ministério imediatamente, para “compor” a base de aliadíssimos e ROUBAR muitíssimo!!!)

  17. Li em algum lugar que a presidente se reuniu com renam calheiro, jose sarney, henrique eduardo, etc(todos com letras minúsculas mesmo), pobrecita, está ferrada, rodeada por essa corja.

    Com certeza nada de sério sairá dessas conversas.

  18. Um país civilizado se caracteriza por deveres e obrigações. Enquanto os dirigentes daqui não tiverem punição severa, como nos EUA e China, por exemplo, em no primeiro um Madoff e outros do tipo, quando pegos tomam 100 anos de cadeia, e no segundo até pena de morte, o Brasil jamais terá conserto.
    Não estamos vendo que 3 bandidos do PT, transparentemente julgados e condenados estão soltos por aí e pelo que se vê não serão presos?
    Enquanto isso, por qualquer crime pequeno, como roubar galinha, um cidadão do povo é preso imediatamente.

  19. Como SATISFAZER a INSATISFAÇÃO?
    Tudo tem um preço!! E a conta fica mais cara a cada dia, no mínimo para reter esse processo de desordem social terá que haver um consenso entre as várias lideranças fragmentadas da manifestação que é de cunho NACIONAL.
    A nossa presidenta da república não agregou nada às reivindicações dos manifestantes, que todo mundo sabe o que são mas a Mídia faz de tudo para evitar a divulgação do que queremos, que é mexer no Status Quo das elites Brasileiras, queremos acabar com esse estado marginal, policial, que gera violência como meio de comoção para maquiar as verdadeiras Mazelas dos políticos e empresários corruptos que são a grande maioria que governa esse país;
    Queremos acabar como esse sistema corrupto que todos vivem mas fingem não viver, essa desgraça que afeta a sociedade brasileira, o curral eleitoral, o caixa dois de campanha, a compra de voto, o uso da maquina para se perpetuar, acabar com a dinastia politica, extirpar e banir o politico corrupto, tolerância zero para a corrupção politica!!
    Queremos o fim do modo partidário e sindical como ele é, saber os indícios de corrupção de nossos governantes que o Ministério Público e Policia tanto se Omite, a relação promiscua do Judiciário com o governo, queremos prisões de políticos que enriqueceram ilicitamente às custa do cidadão, dos EMPRESÁRIOS CORRUPTOS QUE SUPER FATURA OBRAS PÚBLICAS.
    Queremos a quebra de sigilo de todos os políticos e empresários que foram ligados ao governo nos últimos 20 anos, queremos auditorias, investigações, PRISÕES, expropriação de bens, bens retidos, repatriação do dinheiro roubado dos verdadeiros vândalos do erário público que todo mundo sabe quem são mas finge não saber.
    Queremos que uma constituição que funcione, uma nova constituinte que faça justiça com a voz do povo para o povo pelo povo.
    Se essas reivindicações forem aceitas, eu não tenho mais razão para sair as ruas para as manifestações, se a presidenta sair do domo de proteção que foi criado pelo cargo que exerce e entender que do modo como está, o caos vai imperar, que entregue o governo de todas as esferas para o judiciário e nomeie uma nova constituinte para que faça as leis que venha responsabilizar autoridades e empresários envolvido em corrupção, exígua todos os partidos políticos para modo Bipartidarismo e várias leis sendo feitas e extinguidas por meio de referendo público!!
    Por uma Revolução Legalista sem banho de sangue, prisões e TORTURA!!

  20. Sem clareza sobre a natureza dos protestos, discurso evita riscos

    IGOR GIELOW

    DIRETOR DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

    Em seu pronunciamento sobre os protestos cada vez mais violentos no país, a presidente Dilma Rousseff tentou contemporizar.

    O cálculo político é evidente. Ainda sem informação objetiva sobre a natureza da organização dos protestos, apesar de boataria de todo tipo circulando entre círculos à esquerda e à direita, Dilma buscou uma fala inócua que conta com o arrefecimento de ânimos para emplacar.

    Talvez estivesse na memória de seus estrategistas o risco de algo mais desafiador, como o desastroso chamado para que a nação se vestisse de verde e amarelo feito por um acuado Fernando Collor em agosto 1992, respondido por uma onda de manifestantes vestidos de preto.

    Elevar a aposta num momento incerto seria suicida. Assim, sobram respostas algo banais para todo mundo.
    Às camadas da sociedade assustadas com o grau de violência nas ruas, foram várias assertivas sobre coerção de arruaceiros. Como? Bem, segurança é uma questão dos Estados, exceto que ela tenha esquecido de mencionar as excepcionalidades em que o Exército pode ser acionado.

    Aos manifestantes, a mão estendida, somada à velha mania petista do “vamos formar um grupo de trabalho” -no caso com chefes de outros Poderes, governadores e prefeitos, ou seja, várias vitrines para democratizar eventuais pedradas.

    Mas fica a pergunta que permeia toda análise do fenômeno que engolfou o país nas duas últimas semanas: oferta de conversa para quem mesmo?

    Dilma citou manifestantes genericamente, mas também sindicatos e movimentos sociais, que notoriamente estão fora do jogo.

    As promessas pontuais, de discutir o transporte urbano, defender a aplicação dos royalties petrolíferos na educação e importar médicos, essas são apenas isso: música velha para novos ouvintes.
    Lembram as ideias de reforma política quando há uma crise institucional ou de consertar a barafunda tributária brasileira no evento de alguma disputa federativa.

    A reforma política, aliás, voltou a ser citada no discurso de ontem no contexto de “oxigenar o sistema”.
    Por fim, Dilma enfim apareceu para discorrer sobre a mais grave crise social da história recente, o que é de se esperar de uma presidente.

    Tenta assim preencher a vacuidade de poder potencializada pela natureza diáfana da origem dos protestos. Se isso será efetivo ou só enxugará o iceberg no caminho, a temperatura da próxima manifestação responderá.

  21. status de Geografia Depressão.

    Geografia Depressão

    Se ontem você se vestiu de verde e amarelo, empunhou a bandeira do brasil, entoou o hino nacional, condenou os “atos de vandalismo”, usou máscara do anonymous e/ou apoia a repressão aos partidos políticos que tem acontecido nos manifestos, eu queria dizer umas coisas pra você e só vai levar 5 minutos, eu juro:

    1. A bandeira do Brasil foi criada em 1889, na declaração da nossa primeira república (chamada de “republica da espada”, nome maneiro, né?), quando MILITARES tomaram o poder ao lado das elites latifundiárias de nosso país. O Brasil, portanto, assim como o seu hino (que exalta uma independência que nunca ocorreu, muito menos “às margens plácidas” do rio ipiranga), são uma invenção das elites e setores militares positivistas. A mesma elite militar que hoje nos reprime com gás e pimenta nas ruas.

    2. A “máscara do V de Vingança” que você comprou por 20 reais inflacionada do ambulante esperto, simboliza o rosto do revolucionário britânico Guy Fawkes. Este homem, um católico fanático, atuou na chamada “conspiração da pólvora” no século XVI, que desejava EXPLODIR O PARLAMENTO BRITÂNICO e destituir o rei protestante Jaime I. Portanto, antes de vir com gritos de “sem violência”, entenda que esta merda de máscara representa, por si só, um movimento que pretendia ser violento.

    3. Há 30 anos atrás, saímos da horrível ditadura militar que assolou nosso povo por décadas. Naquele momento, nossos partidos políticos puderam voltar a ativa e atuar livremente pelo país, como estabelece a democracia. Muitos deles, da grande maioria esquerdistas, se organizam desde então ao lado dos movimentos sociais pra lutar por tantas coisas que vocês, reacionários coxinhas, acham que só virou luta essa semana. Há ANOS esses partidos lutam pelo passe livre, pela saúde pública, pela educação de qualidade. Há ANOS, esses partidos que vocês, “patriotas”, querem coibir COM VIOLÊNCIA (essa violência que vocês tanto condenam) já desenvolvem atos no centro das grandes capitais chamando atenção pra inúmeros problemas que vocês só se deram conta agora e ainda tem a AUDÁCIA de dizer que “o Brasil acordou”. Não foi o Brasil que acordou, amigão, foi VOCÊ, CLASSE MÉDIA, que acordou. Os movimentos político-sociais que vocês tanto querem hostilizar, nunca dormiram nesses 30 anos e nem dormirão agora. Aprendam que se o movimento é democrático, toda luta democrática pelo bem do povo deve ser bem vinda. Não sou membro de nenhum partido e nem pretendo ser, mas entendo a importância dos partidos para a representação dos indivíduos. APARTIDARISMO NÃO É ANTIPARTIDARISMO.

    4. “Vandalismo” é o que a Guarda Nacional faz com o povo desde o período regencial, é o que os militares republicanos (aqueles que criaram essa bandeira que você carrega nas costas) fizeram com os sertanejos em Canudos, é o que Pereira Passos fez no RJ na Revolta da Vacina, é o que a PM faz nos morros em toda operação preventiva; é o que Eduardo Paes faz com as familias cariocas desalojando-as para a passagem de estradas; é o que Sérgio Cabral faz com regiões históricas da cidade para a construção de estacionamentos e prédios empresariais. O povo (principalmente negros, índios e mulheres) passou por 500 anos sendo vandalizado cotidianamente, vivendo uma democracia do canhão dentro de suas próprias casas. Toda a ira nas manifestações agora, nada mais é do que uma respostas espasmática a tudo isso. Sinto pena de pessoas mortas e não de prédios públicos. PRÉDIOS SÃO APENAS PRÉDIOS E SEMPRE SERÃO. A VIDA DO POVO É MUITO MAIS IMPORTANTE.

  22. Prezado, caro e estimado jornalista Hélio Fernandes,

    Não há o que agradecer. Somente um reparo: meu nome é LUIZ DE MORAES RÊGO FILHO. Luiz de Moraes Rêgo era meu pai, falecido ano passado. Grande brasileiro, com tirocínio muito mais agudo que o meu. Honesto, talvez uma das causas da morte do mesmo tenha sido a injustiça a que foi acometido.
    Grande abraço,
    LUIZ DE MORAES RÊGO FILHO

  23. Encontrei com um jovem que não via há uns 40 anos.
    Como vai você cara? O que fez da vida? “Eu sou TPP.”
    TPP?
    “É Testador de Políticas Públicas!”
    Testador, como assim?
    “Vendi tudo o que tinha, coloquei dinheiro na poupança no nome dos filhos menores e agora busco as oportunidades democráticas sociais…”
    “Nos finais de anos, com as enchentes, estou sempre como flagelado em área de ocupação de risco, ganho um monte de coisas…”
    “Quanto mais filhos, melhor, assim estão registrado nas caridade… tem vale prá tudo , é muito bom ser pobre cara …”
    “Se as coisa aperta, tomo umas e arrumo um caso e vou lá para dentro, ou me entendo com as comunidade , dá prá faturar bem por semana, os caras vem buscar o bagulho aqui na porta, e se me pegam , lá no “x” , tenho de tudo até visita íntima…”
    “E se for o caso, tomo mais umas e dou umas porradas na mulher e eu aterrorizo, e ela logo se arruma um apoio das política pública e social e ganha até uma casinha . Depois a gente volta e se entende… “
    “Ou então cara, vou na turma de invadir a beira da estrada , invado uma área e viro depois assentado…dá verba …”
    “Sacou?”
    Não. O que diria Karl Marx?

  24. PARA A MÍDIA, SP É O CENTRO DO MUNDO
    FORTALEZA APAVORADA, UM MOVIMENTO EM RESPOSTA A VIOLÊNCIA,
    COMANDADO POR MULHERES QUE CANSADAS DELA E SEM RESPOSTAS,
    RESOLVERAM AGIR.
    O MOVIMENTO PASSE LIVRE EM SP, 20 CENTAVOS, VEIO DEPOIS, MAS PARA MIDIA NACIONAL FOI QUEM PUXOU TUDO.
    NÃO, NÃO, NÃO, NÃO, NÃO,
    ISSO ERA UMA FORÇA LATENTE QUE EXPLODIU EM TODO O BRASIL,
    POR CONTA DO ESCRACHO DOS POLÍTICOS SOBRE OS CIDADÕES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *